PRO­JEC­TO VI­SA AJU­DAR FA­MÍ­LI­AS VULNERÁVEIS Lan­ça­do acon­se­lha­men­to ju­rí­di­co

Jornal de Angola - - DESPORTO - YARA SIMÃO |

A OMA tem es­ta­do a tra­ba­lhar na ela­bo­ra­ção de nor­mas ju­rí­di­cas e na re­a­li­za­ção de pro­gra­mas que vi­sam me­lho­rar a con­di­ção so­ci­al das fa­mí­li­as, in­for­mou on­tem, em Lu­an­da, a se­cre­tá­ri­a­ge­ral da or­ga­ni­za­ção.

Lu­zia In­glês Van-Dú­nem, que fa­la­va no Lar­go da Fa­mí­lia no lan­ça­men­to do pro­jec­to de acon­se­lha­men­to ju­rí­di­co, sob o le­ma “Vi­da é Amor”, re­al­çou que a OMA tem de­sem­pe­nha­do um gran­de pa­pel na me­di­a­ção de con­fli­tos fa­mi­li­a­res, cu­jas con­quis­tas es­tão es­pe­lha­das na cri­a­ção de vá­ri­as leis, co­mo a Lei do Jul­ga­do de Me­no­res, a le­gis­la­ção da igual­da­de de di­rei­tos dos fi­lhos de mães di­fe­ren­tes, a Lei con­tra a Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca e a cons­ti­tui­ção do Con­se­lho de Fa­mí­lia.

A es­tes ga­nhos, con­ti­nu­ou Lu­zia In­glês Van-Dú­nem, jun­ta-se a ins­ti­tui­ção dos cen­tros de acon­se­lha­men­to, os pro­gra­mas de al­fa­be­ti­za­ção e as pa­les­tras de sen­si­bi­li­za­ção do re­al pa­pel da mu­lher no de­sen­vol­vi­men­to da so­ci­e­da­de.

“A fa­mí­lia é ge­ra­do­ra de afec­to, pro­por­ci­o­na­do­ra de se­gu­ran­ça e sa­tis­fa­ção atra­vés das re­la­ções hu­ma­nas e trans­mis­so­ra das re­gras que re­gu­lam to­da a so­ci­e­da­de”, dis­se Lu­zia In­glês Van-Dú­nem, que se con­gra­tu­lou com a pre­o­cu­pa­ção do pre­si­den­te do MPLA, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, no seu dis­cur­so de en­cer­ra­men­to do VII Con­gres­so Or­di­ná­rio do par­ti­do, so­bre as po­lí­ti­cas pú­bli­cas e as me­di­das con­cre­tas a adop­tar pa­ra re­for­çar o pa­pel da fa­mí­lia e pro­te­ger as mais frá­geis e ca­ren­ci­a­das.

O pro­jec­to de acon­se­lha­men­to ju­rí­di­co é uma ini­ci­a­ti­va da Or­ga­ni­za­ção Pan-afri­ca­na das Mu­lhe­res, da OMA, Mi­nis­té­rio da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher e As­so­ci­a­ção An­go­la­na de Mu­lhe­res de Car­rei­ra Ju­rí­di­ca. A se­cre­tá­ria-ge­ral da OMAes­cla­re­ceu que o pro­jec­to vi­sa in­for­mar as pes­so­as, Se­cre­tá­ria-ge­ral da Or­ga­ni­za­ção da Mu­lher An­go­la­na Lu­zia In­glês Van-Dú­nem de for­ma gra­tui­ta, so­bre as ins­ti­tui­ções aon­de po­dem di­ri­gir-se pa­ra exer­ce­rem os seus di­rei­tos le­gais e pa­ra ob­te­rem in­for­ma­ção so­bre o me­lhor meio de re­sol­ve­rem os con­fli­tos e de de­fen­de­rem os seus in­te­res­ses, atra­vés da pres­ta­ção de in­for­ma­ções de ca­rác­ter ge­né­ri­co.

Es­ta in­for­ma­ção, dis­se Lu­zia In­glês Van-Dú­nem, po­de aju­dar as pes­so­as a di­ri­gir-se aos lo­cais cor­rec­tos e a evi­tar en­car­gos des­ne­ces­sá­ri­os, pois es­te ser­vi­ço pre­ten­de col­ma­tar uma la­cu­na que, não ra­ras ve­zes, se tra­duz em gra­ves pre­juí­zos pa­ra o ci­da­dão.

A vi­ce-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção An­go­la­na de Mu­lhe­res de Car­rei­ra Ju­rí­di­ca, Jú­lia Fer­rei­ra, re­al­çou a im­por­tân­cia do pro­jec­to pa­ra a so­ci­e­da­de ci­vil. Con­si­de­rou que o ti­po de vi­o­lên­cia que se as­sis­te ul­ti­ma­men­te no país não faz par­te da for­ma de ser e es­tar do po­vo an­go­la­no.

O pro­jec­to tem co­mo ob­jec­ti­vo edu­car, acon­se­lhar, con­ci­li­ar, in­for­mar, ori­en­tar, di­vul­gar aos ci­da­dãos os seus di­rei­tos, aju­dar a re­sol­ver os con­fli­tos fa­mi­li­a­res, dar as­sis­tên­cia ju­rí­di­ca e sen­si­bi­li­zar a não-vi­o­lên­cia. O mes­mo vai ser re­a­li­za­do em vá­ri­os dis­tri­tos de Lu­an­da com uma pe­ri­o­di­ci­da­de quin­ze­nal. Pos­te­ri­or­men­te, vão pa­ra os mu­ni­cí­pi­os de Vi­a­na e Be­las.

O pú­bli­co-al­vo a atin­gir nes­te pro­jec­to são as mu­lhe­res da pe­ri­fe­ria, as mais des­fa­vo­re­ci­das, jo­vens me­ni­nas ca­ren­ci­a­das e mães sol­tei­ras. Pre­ten­de-se com is­so con­tri­buir pa­ra a re­so­lu­ção pa­cí­fi­ca de con­fli­tos fa­mi­li­a­res, so­ci­ais e la­bo­rais, bem co­mo en­co­ra­jar a par­ti­ci­pa­ção mas­si­va no re­gis­to elei­to­ral. Os ci­da­dãos po­dem di­ri­gir-se ao Lar­go da Fa­mí­lia, até sex­ta-fei­ra, das 8 às 15 ho­ras, pa­ra se­rem as­sis­ti­das pe­la As­so­ci­a­ção de Mu­lhe­res de Car­rei­ra Ju­rí­di­ca.

Vi­o­lên­cia do­més­ti­ca

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher, Ana Pau­la Sa­cra­men­to, in­for­mou que a Co­mis­são pa­ra a Im­ple­men­ta­ção do Pla­no Exe­cu­ti­vo con­tra Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca tem es­ta­do a tra­ba­lhar no re­for­ço da ca­pa­ci­da­de, tro­ca de in­for­ma­ções, par­ti­lha de ex­pe­ri­ên­cia e bo­as prá­ti­cas, no de­sen­vol­vi­men­to da ba­se de da­dos, na har­mo­ni­za­ção dos pa­drões de pro­ce­di­men­tos ope­ra­ci­o­nais, e vai em­pre­en­der me­di­das pe­da­gó­gi­cas pa­ra com­ba­ter de­ter­mi­na­dos com­por­ta­men­tos aten­ta­tó­ri­os da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na.

“Ho­je as­sis­ti­mos à prá­ti­ca de abu­so se­xu­al que ocor­re na co­mu­ni­da­de, vi­ti­man­do cri­an­ças jo­vens e mu­lhe­res. A ac­ção pre­ven­ti­va de­ve ser de­sen­ca­de­a­da nas es­co­las, igre­jas, par­ti­dos po­lí­ti­cos, fa­mí­li­as e so­ci­e­da­de ci­vil. O acon­se­lha­men­to ju­rí­di­co é gra­tui­to. Es­tão a ser reu­ni­dos es­for­ços com vis­ta à ma­te­ri­a­li­za­ção des­te de­si­de­ra­to”, re­fe­riu a se­cre­tá­ria de Es­ta­do, que dis­se con­tar com a par­ti­ci­pa­ção de to­das as mu­lhe­res pa­ra que a men­sa­gem pos­sa che­gar a to­das as mu­lhe­res da ca­pi­tal do país.

Ao en­cer­rar o ac­to de lan­ça­men­to, a vi­ce-pre­si­den­te da Or­ga­ni­za­ção Pan-afri­ca­na das Mu­lhe­res (OPM), Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, re­al­çou que o pro­jec­to sur­ge de­pois do in­cen­ti­vo fei­to pe­lo pre­si­den­te do MPLA no en­cer­ra­men­to no VII Con­gres­so do par­ti­do, re­a­li­za­do re­cen­te­men­te. Na oca­sião, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ape­lou à so­ci­e­da­de ci­vil, or­ga­ni­za­ções e igre­jas a em­pe­nha­rem-se na de­fe­sa dos di­rei­tos, pro­mo­ção e va­lo­ri­za­ção da fa­mí­lia, e que fos­sem to­ma­das ini­ci­a­ti­vas e me­di­das pa­ra apoi­ar o de­sen­vol­vi­men­to das cri­an­ças, prin­ci­pal­men­te nas si­tu­a­ções li­ga­das à fu­ga à pa­ter­ni­da­de, fal­ta de es­co­la­ri­da­de per­ma­nen­te e di­fi­cul­da­de das mu­lhe­res pa­ra as­su­mi­rem as fa­mí­li­as.

“Nós mu­lhe­res ju­ris­tas, li­ga­das à OMA e à Or­ga­ni­za­ção Pan-afri­ca­na das Mu­lhe­res, te­mos o de­ver mo­ral e pa­trió­ti­co de dar um pou­co de ca­ri­nho às ou­tras mu­lhe­res, pa­ra que a fa­mí­lia an­go­la­na saia a cres­cer, a ga­nhar e sa­ber a di­men­são da so­li­da­ri­e­da­de hu­ma­na”, de­fen­deu.

MA­RIA AU­GUS­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.