Qu­an­do o mel tem sa­bor a fel

Jornal de Angola - - PARTADA - LUCIANO ROCHA |

An­go­la con­ti­nua a ser, ain­da ho­je, pa­ra al­guns por­tu­gue­ses, vol­vi­dos mais de 40 anos após a nos­sa In­de­pen­dên­cia, uma es­pé­cie de mel que lhes sa­be a fel, que lhes cau­sa azia in­dis­far­çá­vel.

Es­ta ati­tu­de di­fí­cil de des­cre­ver não é ape­nas ma­ni­fes­ta­da pe­lo ci­da­dão anó­ni­mo e ig­no­ran­te que dá co­mo ver­da­dei­ro o que lhe che­ga aos ou­vi­dos por via das te­le­vi­sões, das emis­so­ras de rá­dio, o que lhes diz a im­pren­sa, no fun­do as câ­ma­ras de eco de in­te­res­ses vá­ri­os, com raiz co­mum iden­ti­fi­ca­da há mui­to pe­lo po­vo an­go­la­no.

Nem se­quer me re­fi­ro aos “bas­tar­dos da pá­tria”, os ha­bi­tu­ais res­sa­bi­a­dos, ca­pa­zes de tu­do pa­ra se­rem apa­nha­dos pe­las ob­jec­ti­vas dos fo­tó­gra­fos e ho­lo­fo­tes da te­le­vi­são, bem co­mo pa­ra fa­la­rem a um mi­cro­fo­ne. É a for­ma que têm de jus­ti­fi­car a vi­da que le­vam, mui­to aci­ma do que po­di­am ga­nhar com as pro­fis­sões que di­zem exer­cer.Es­tes já sa­be­mos quem são e o mais que po­dem me­re­cer é des­pre­zo. Os anó­ni­mos ig­no­ran­tes são ape­nas is­so e, qu­an­do mui­to, va­lem um en­co­lher de om­bros.

Nes­ta cró­ni­ca, re­fi­ro-me a gen­te que pe­los car­gos po­lí­ti­cos que ocu­pa ou pre­ten­de ocu­par, pe­los di­plo­mas que os­ten­ta, não de­via des­fi­ve­lar a bo­ca e dei­xar es­ca­par a má-fé, na me­lhor das hi­pó­te­ses ig­no­rân­cia que, por ra­zões ób­vi­as, não po­de evo­car. Qu­e­rer, por exem­plo, con­ven­cer que em An­go­la são de­ti­das e jul­ga­das pes­so­as por es­ta­rem a ler e dis­cu­tir uma obra li­te­rá­ria re­ve­la, no mí­ni­mo, fal­ta de ima­gi­na­ção. Afir­mar que não há li­ber­da­de de in­for­ma­ção é igual­men­te ca­ri­ca­to, qu­an­do os pas­sei­os de Lu­an­da abar­ro­tam de jor­nais da opo­si­ção. Não acre­di­to que ha­ja tan­tos nou­tra qual­quer par­te do mun­do e que al­guns de­les, pe­las ca­lú­ni­as que di­fun­dem, que na­da fi­cam a de­ver a anó­ni­mos sí­ti­os e co­bar­des sí­ti­os da In­ter­net, pu­bli­cas­sem mais do que um nú­me­ro.

Qu­an­do oi­ço al­guns des­ses ilu­mi­na­dos que vo­ci­fe­ra­rem ódi­os a An­go­la, com olhos ver­me­lhos de rai­va e pá­li­dos que nem fo­lhas de ca­der­no de de­se­nho, lem­bro-me de um di­am­bis­ta de Lu­an­da, mui­to po­pu­lar na dé­ca­da de 1960, que não di­zia coi­sa com coi­sa. Mas, ao me­nos, ele, ao fim da tar­de, no re­gres­so a ca­sa, em pas­sa­das cer­tas, com o tron­co li­gei­ra­men­te in­cli­na­do pa­ra a di­rei­ta e es­ta­li­dos com os de­dos de uma das mãos, da­va ale­gria às cri­an­ças ao pro­me­ter-lhes mo­e­das se o se­guis­sem e gri­tas­sem o seu no­me com pal­mas sin­co­pa­das.

Até há al­guns anos, era ape­nas a di­rei­ta mais re­tró­gra­da e as­su­mi­da de Por­tu­gal que ru­gia ódi­os a An­go­la, mas com o pas­sar dos tem­pos as coi­sas mu­da­ram. Ago­ra, há quem ar­vo­ran­do-se de es­quer­da faz o mes­mo e de ma­nei­ra des­ca­ra­da, co­mo a in­di­ví­dua que, num res­tau­ran­te, nu­ma me­sa per­to da mi­nha, num jan­tar bem co­mi­do e me­lhor re­ga­do, di­zia sem re­bu­ços, de voz te­a­tral­men­te in­dig­na­da, que es­ti­ve­ra em Lu­an­da, nu­ma de­le­ga­ção de um or­ga­nis­mo qual­quer, e fi­ca­ra “cho­ca­da ao ve­ri­fi­car a fal­ta de mé­di­cos e me­di­ca­men­tos no Hos­pi­tal Pe­diá­tri­co”, co­mo se no país de­la os ser­vi­ços de saú­de fos­sem um “mar de ro­sas”. O que “a in­dig­na­da de es­quer­da” se es­que­ceu de con­tar aos ami­gos foi que no tem­po co­lo­ni­al não ha­via na ca­pi­tal de An­go­la qual­quer es­ta­be­le­ci­men­to do gé­ne­ro. Por is­so, das du­as uma: ou fa­lou de má-fé ou des­co­nhe­ce a re­a­li­da­de, o que tam­bém é gra­vís­si­mo, pa­ra quem tem um cur­so su­pe­ri­or. A não ser que fos­se ob­ti­do por cor­res­pon­dên­cia ou­num fim­de-se­ma­na.

An­go­la, pa­ra al­guns por­tu­gue­ses, con­ti­nua a ser mel com sa­bor a fel. Por cul­pa de­les. Uns por­que acre­di­tam em tu­do o que ou­vem e lêem. Ou­tros por má-fé. Con­ti­nu­em a vo­ci­fe­rar, que “os cães la­dram e a ca­ra­va­na pas­sa”. Alhei­os a ig­no­rân­ci­as e his­te­ri­as, os an­go­la­nos man­têm-se apos­ta­dos em fa­zer um país no­vo, que já é exem­plo no mun­do, a sa­ber per­do­ar, mes­mo a quem não me­re­ce, e a re­ce­ber de bra­ços aber­tos, em kan­dan­du fra­ter­no, quem vem por bem e sem pre­con­cei­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.