Cor­po de jor­na­lis­ta da RNA se­pul­ta­do on­tem em Lu­an­da

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - ANA PAU­LO |

O cor­po de San­tos An­tó­nio Sebastião, jor­na­lis­ta da Rá­dio Nacional de An­go­la, fa­le­ci­do sá­ba­do em Lu­an­da, foi on­tem se­pul­ta­do no Ce­mi­té­rio do Ben­fi­ca, num am­bi­en­te de gran­de consternação.

San­tos An­tó­nio Sebastião nas­ceu a 26 de Abril de 1967, no mu­ni­cí­pio de Ca­lan­du­la, pro­vín­cia de Ma­lan­je, e en­trou pa­ra a Rá­dio Nacional de An­go­la a 20 de Agos­to de 1988, co­mo lo­cu­tor da emis­so­ra na pro­vín­cia da Huí­la.

O di­rec­tor da Rá­dio On-Li­ne, Bel­chi­or de Carvalho, que leu o elo­gio fú­ne­bre, dis­se que San­tos An­tó­nio foi um pro­fis­si­o­nal com­pe­ten­te, ze­lo­so e um ver­da­dei­ro exem­plo de tra­ba­lha­dor de­di­ca­do.

Bel­chi­or de Carvalho lem­brou que o ma­lo­gra­do jor­na­lis­ta te­ve uma pas­sa­gem efé­me­ra pe­la Te­le­vi­são Pú­bli­ca de An­go­la (TPA) na pro­vín­cia do Lu­ban­go, um per­cur­so que o le­vou a fre­quen­tar um es­tá­gio em Pa­ris, ca­pi­tal fran­ce­sa, so­bre jor­na­lis­mo te­le­vi­si­vo.

Na Rá­dio Nacional de An­go­la, San­tos An­tó­nio Sebastião exer­ceu vá­ri­os car­gos, en­tre os quais os de che­fe da Re­dac­ção Cul­tu­ral e de ges­tor de lo­cu­to­res, com a ca­te­go­ria de re­a­li­za­dor prin­ci­pal.

Nos úl­ti­mos anos da sua vi­da, tra­ba­lha­va nos Es­tú­di­os Cen­trais, on­de era, até à da­ta da sua mor­te, re­a­li­za­dor prin­ci­pal e co­or­de­na­dor do tur­no da tar­de, no Ca­nal A.

San­tos An­tó­nio vi­a­ja­va pe­lo país com o seu pro­gra­ma “Re­en­con­tro”, cri­a­do pa­ra mos­trar a cul­tu­ra e os ri­tu­ais de An­go­la.

Foi nes­sa con­di­ção que es­te­ve, há me­nos de um mês, na pro­vín­cia do Zai­re, on­de acom­pa­nhou as fes­tas de Mban­za Con­go.

San­tos An­tó­nio es­ta­va es­ca­la­do pa­ra co­brir a pe­re­gri­na­ção ao San­tuá­rio de Nos­sa Se­nho­ra da Mu­xi­ma, que co­me­ça ama­nhã.

As pes­so­as de­vem apren­der a re­co­nhe­cer e a li­dar com si­tu­a­ções de emer­gên­cia no tra­ba­lho, no lar, nas es­co­las e na via pú­bli­ca, dis­se on­tem, em Lu­an­da, o es­pe­ci­a­lis­ta em pri­mei­ros so­cor­ros Jor­ge de Carvalho.

Nu­ma pa­les­tra so­bre “A im­por­tân­cia dos pri­mei­ros so­cor­ros”, Jor­ge de Carvalho in­for­mou o que fa­zer qu­an­do uma ví­ti­ma de aci­den­te pre­ci­sa de aju­da.

Pa­ra o es­pe­ci­a­lis­ta, o tem­po é o fac­tor mais pre­ci­o­so na de­ter­mi­na­ção das pro­ba­bi­li­da­des de re­cu­pe­ra­ção de uma ví­ti­ma de aci­den­te.

“Exis­te uma gran­de pre­o­cu­pa­ção dos ór­gãos es­pe­ci­a­li­za­dos em aten­di­men­to em saú­de no sen­ti­do de, em ca­so de aci­den­te, a ví­ti­ma ser aten­di­da de­vi­da­men­te e en­ca­mi­nha­da em se­gu­ran­ça o mais bre­ve pos­sí­vel”, acen­tu­ou Jor­ge de Carvalho.

A mis­são dos es­pe­ci­a­lis­tas em pri­mei­ros so­cor­ros não é so­men­te de pre­ser­var os si­nais vi­tais co­mo tam­bém evi­tar o agra­va­men­to dos fe­ri­men­tos das ví­ti­mas, pa­ra re­ce­ber de­pois os de­vi­dos cui­da­dos dos téc­ni­cos de saú­de den­tro de um am­bi­en­te hos­pi­ta­lar ca­pa­ci­ta­do, de­cla­rou Jor­ge de Carvalho.

Os pri­mei­ros so­cor­ros, acres­cen­tou o es­pe­ci­a­lis­ta Jor­ge de Carvalho, são pro­ce­di­men­tos de ur­gên­cia, pres­ta­dos a uma ví­ti­ma que so­freu al­gum ti­po de aci­den­te .

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Cor­po do jor­na­lis­ta San­tos Sebastião foi se­pul­ta­do num am­bi­en­te de gran­de consternação

M. MACHANGONGO

Me­di­das de pre­ven­ção sal­vam mi­lhões de vi­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.