Re­a­li­da­de so­ci­o­cul­tu­ral an­go­la­na em pal­co

CIRCUITO IN­TER­NA­CI­O­NAL Es­pec­tá­cu­los “A fi­lha do bru­xo” e “Me­ni­nos de rua” são exi­bi­dos no Ki­lam­ba

Jornal de Angola - - CULTURA - MA­NU­EL ALBANO |

A per­so­na­li­da­de dos an­go­la­nos que con­se­gui­ram man­ter vi­va a cha­ma da iden­ti­da­de cul­tu­ral mes­mo du­ran­te o con­fron­to com a in­qui­si­ção e o po­der co­lo­ni­al é apre­sen­ta­da sá­ba­do, às 20h00, no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ar­tes (Isar­tes), na Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba, em Lu­an­da, na pe­ça “A fi­lha do bru­xo” do co­lec­ti­vo de ar­tes Ju­lu.

A pe­ça, que deu ao co­lec­ti­vo o Pré­mio Nacional de Cul­tu­ra e Ar­tes, edi­ção 2015, na dis­ci­pli­na de Te­a­tro, é apre­sen­ta­da no âm­bi­to do Circuito In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro (CIT), que re­ser­va uma apre­sen­ta­ção de es­pec­tá­cu­los to­dos os fins­de-se­ma­na até 17 de Se­tem­bro, Dia do He­rói Nacional.

A pe­ça é uma pe­que­na ho­me­na­gem a al­guns an­go­la­nos que, pe­la fé de­mons­tra­da ao lon­go dos anos e ape­sar de fra­gi­li­za­dos pe­los con­fli­tos en­tre si, man­ti­ve­ram vi­vos os usos, os cos­tu­mes e as tra­di­ções dos an­ces­trais.

“A fi­lha do bru­xo” le­va o pú­bli­co pa­ra uma vi­a­gem pe­la tra­di­ção an­go­la­na, num per­cur­so ini­ci­a­do no sé­cu­lo XIX e que con­ti­nua até ho­je, on­de a prá­ti­ca do fei­ti­ço é vis­ta co­mo um ri­tu­al ca­paz de ge­rar in­tri­gas en­tre os na­ti­vos de uma al­deia no Cu­an­za Sul e o co­lo­no.

A pe­ça, es­cri­to por Ar­man­do Rosa e en­ce­na­do por Lou­ren­ço Ma­teus, é o re­sul­ta­do de um tra­ba­lho de pes­qui­sa so­bre a im­por­tân­cia da de­fe­sa da iden­ti­da­de nacional nu­ma épo­ca em que os na­ci­o­nais vi­vi­am di­fi­cul­da­des de­vi­do às tra­di­ções.

O ac­tor Ma­nu­el Tei­xei­ra dis­se, on­tem, ao Jor­nal de An­go­la, que a pe­ça pre­ten­de cri­ar uma mai­or re­fle­xão so­bre os as­pec­tos do dia-a-dia de al­gu­mas al­dei­as do in­te­ri­or do país, mui­tas ve­zes ig­no­ra­dos pe­la so­ci­e­da­de, e on­de a fei­ti­ça­ria é par­te da he­ran­ça cul­tu­ral de vá­ri­as po­pu­la­ções. Ape­sar dos avan­ços da tec­no­lo­gia, ar­gu­men­ta, ain­da so­mos um po­vo mui­to en­rai­za­do em vá­ri­os prin­cí­pi­os, que, mes­mo não sen­do tão vi­sí­veis na ca­pi­tal do país, são re­fe­rên­cia nou­tras re­giões, sus­ten­tou.

Pa­ra o ac­tor, o es­pec­tá­cu­lo tam­bém é um con­tri­bu­to pa­ra es­te ti­po de co­nhe­ci­men­to, aos pou­cos es­que­ci­do pe­la no­va ge­ra­ção, mas que é uma par­te es­sen­ci­al do fol­clo­re. “É pre­ci­so en­si­nar mais os jo­vens so­bre a im­por­tân­cia da de­fe­sa e va­lo­ri­za­ção da cul­tu­ra e das tra­di­ções na­ci­o­nais.”

In­ter­ven­ção so­ci­al

“Me­ni­nos de rua” é o tí­tu­lo da pe­ça a ser exi­bi­da no do­min­go, às 20h00, no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ar­tes (Isar­tes), na Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba, pe­lo gru­po Nji­la, no âm­bi­to do âm­bi­to do Circuito In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro. O en­ce­na­dor do gru­po Val­de­mar Francisco “Vlad” dis­se que a pe­ça “Me­ni­nos de rua” nar­ra a vi­vên­cia de seis me­ni­nos que vi­vem ao re­len­to nas ave­ni­das de Lu­an­da, por vá­ri­os mo­ti­vos.

Mo­ti­vos es­ses, ex­pli­ca, re­la­ci­o­na­dos com a fu­ga à pa­ter­ni­da­de, ques­tões cul­tu­rais co­mo acu­sa­ção de fei­ti­ça­ria, mal­tra­to, in­ces­to e ex­plo­ra­ção de me­no­res. “A von­ta­de de fa­zer di­fe­ren­te é o que nos mo­ti­vou a es­cre­ver a pe­ça.”

A von­ta­de de fa­lar de um pro­ble­ma so­ci­al pou­co dis­cu­ti­do por ou­tros gru­pos é, se­gun­do o res­pon­sá­vel, a prin­ci­pal ra­zão que os mo­ti­vou a es­cre­ver a obra. “Saí­mos à rua, jo­gá­mos fu­te­bol, co­me­mos e dor­mi­mos com al­guns me­ni­nos de rua du­ran­te dois di­as, por for­ma a po­der com­pre­en­der me­lhor as su­as mo­ti­va­ções e a re­a­li­da­de na rua”, ar­gu­men­ta o tam­bém ac­tor.

O Nji­la Te­a­tro é um gru­po que foi fun­da­do em 2009, por Val­de­mar Francisco “Vlad” e o co­le­ga Pau­lo do Ro­sá­rio. De­ri­vou de uma for­ma­ção mi­nis­tra­da por pro­fes­so­res an­go­la­nos, bra­si­lei­ros e cu­ba­nos sob a tu­te­la da com­pa­nhia de Ar­te Ho­ri­zon­te Njin­ga Mban­de.

De­pois des­sa for­ma­ção em te­a­tro, ci­ne­ma e te­le­vi­são que du­rou oi­to me­ses, os ac­to­res sen­ti­ram ne­ces­si­da­de de for­mar um gru­po de te­a­tro, com a in­ten­ção de dar con­ti­nui­da­de à for­ma­ção re­ce­bi­da e, des­ta for­ma, não per­der a prá­ti­ca.

A pri­mei­ra edi­ção do Circuito In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro ar­ran­cou no pas­sa­do dia 1, no Isar­tes, na Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba, em Lu­an­da.

SAN­TOS PE­DRO

Co­lec­ti­vo de ar­tes Ju­lu ex­plo­ra em pe­ça dra­má­ti­ca os há­bi­tos e cos­tu­mes da so­ci­e­da­de an­go­la­na no pal­co do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ar­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.