Dil­ma afas­ta­da man­tém direitos

Jornal de Angola - - PARTADA -

Por 61 vo­tos a fa­vor, 20 con­tra e ne­nhu­ma abs­ten­ção, o ple­ná­rio do Se­na­do de­ci­diu on­tem des­ti­tuir Dil­ma Rous­seff, Pre­si­den­te elei­ta pa­ra um se­gun­do man­da­to por 54 mi­lhões de bra­si­lei­ros. Ao con­trá­rio do que se su­pu­nha, os vo­tos do Se­na­do não fo­ram su­fi­ci­en­tes pa­ra Dil­ma Rous­seff fi­car ina­bi­li­ta­da de con­cor­rer a car­gos po­lí­ti­cos du­ran­te os pró­xi­mos oi­to anos. O Pre­si­den­te in­te­ri­no, Mi­chel Te­mer, to­mou ain­da on­tem pos­se co­mo Che­fe de Es­ta­do do Bra­sil até às elei­ções de 2018.

A Pre­si­den­te elei­ta do Bra­sil, Dil­ma Rous­seff, per­deu on­tem de­fi­ni­ti­va­men­te o man­da­to pre­si­den­ci­al de­pois de uma vo­ta­ção no Se­na­do (câ­ma­ra al­ta do Par­la­men­to) em Bra­sí­lia.

A de­ci­são co­lo­cou um pon­to fi­nal a um pro­ces­so que se pro­lon­gou por no­ve me­ses e di­vi­diu o país com ar­gu­men­tos ju­rí­di­cos e po­lí­ti­cos. Dos 81 se­na­do­res bra­si­lei­ros, 61 vo­ta­ram “sim” e 20 vo­ta­ram “não”. Não hou­ve abs­ten­ções.

Dil­ma Rous­seff foi con­de­na­da por ter as­si­na­do três de­cre­tos de cré­di­tos su­ple­men­ta­res em 2015 sem au­to­ri­za­ção do Con­gres­so e por ter usa­do di­nhei­ro de ban­cos públicos em pro­gra­mas do Te­sou­ro, re­a­li­zan­do ma­no­bras con­ta­bi­lís­ti­cas, as po­pu­lar­men­te cha­ma­das “pe­da­la­das fis­cais”. Dil­ma re­cu­sou ter co­me­ti­do cri­me de res­pon­sa­bi­li­da­de e pro­me­teu on­tem que vai re­cor­rer da de­ci­são do Se­na­do.

Os se­na­do­res vo­ta­ram ain­da on­tem, por 42 vo­tos a fa­vor, 36 con­tra, e três abs­ten­ções so­bre a per­da dos direitos po­lí­ti­cos de Dil­ma Rous­seff nos pró­xi­mos oi­to anos. Com es­te re­sul­ta­do, Dil­ma Rous­seff não per­de os seus direitos de con­cor­rer a car­gos públicos no Bra­sil. Quer di­zer que a Pre­si­den­te ora afas­ta­da po­de con­cor­rer às pró­xi­mas elei­ções no Bra­sil, quais­quer que se­jam. Dil­ma só per­de­ria os seus direitos po­lí­ti­cos se 54 se­na­do­res vo­tas­sem a fa­vor.

De­pois de Fer­nan­do Col­lor de Mel­lo ter si­do afas­ta­do por cor­rup­ção, em 1992, Dil­ma Rous­seff é o se­gun­do Pre­si­den­te do Bra­sil a ser des­ti­tuí­do. A Presidência da Re­pú­bli­ca fi­ca ago­ra nas mãos de Mi­chel Te­mer até às elei­ções pre­si­den­ci­ais de 2018.

Im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal

A im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal des­ta­cou que o afas­ta­men­to de­fi­ni­ti­vo da Pre­si­den­te elei­ta es­tá lon­ge de re­sol­ver os pro­ble­mas do Bra­sil. Pa­ra o jor­nal nor­te-ame­ri­ca­no “The Washing­ton Post”, o lon­go pro­ces­so de Pre­si­den­te foi afas­ta­da pe­lo Se­na­do mas man­tém in­tac­tos os direitos po­lí­ti­cos im­pe­a­ch­ment, que se es­ten­deu por no­ve me­ses, po­de ser­vir ape­nas pa­ra ali­e­nar mais ain­da os elei­to­res de­sen­can­ta­dos com o sis­te­ma po­lí­ti­co do país.

A pu­bli­ca­ção afir­ma que o pro­ces­so de­sor­ga­ni­zou a es­quer­da no país co­mo exem­plo dis­so, ci­ta a bai­xa ade­são aos pro­tes­tos pró-Dil­ma em Bra­sí­lia es­ta se­ma­na e a pos­tu­ra de­sa­pai­xo­na­da de con­gres­sis­tas do PT em de­fe­sa da Pre­si­den­te afas­ta­da.

O jor­nal apon­ta que o Pre­si­den­te in­te­ri­no, Mi­chel Te­mer, não tem qual­quer ba­se sus­ten­tá­vel de apoio po­pu­lar. Se­gun­do uma pes­qui­sa Ibo­pe de Ju­lho, ape­nas 13 por cen­to dos bra­si­lei­ros con­si­de­ra­vam o Go­ver­no bom ou óp­ti­mo.

O diá­rio nor­te-ame­ri­ca­no diz ain­da que o pro­ces­so de des­ti­tui­ção expôs fra­que­zas no sis­te­ma po­lí­ti­co do país, em que o Pre­si­den­te de­pen­de de acor­dos com inú­me­ros par­ti­dos sem ide­o­lo­gia cla­ra, em ar­ran­jos que in­cen­ti­vam a cor­rup­ção.

Pa­ra a pu­bli­ca­ção ame­ri­ca­na, um vá­cuo de po­der es­tá a abrir-se na política bra­si­lei­ra, que es­tá a ser pre­en­chi­do por si­glas me­no­res de es­quer­da e can­di­da­tos evan­gé­li­cos. Num tex­to so­bre as pers­pec­ti­vas eco­nó­mi­cas do país, o “Wall Stre­et Jour­nal” afir­ma que “in­ves­ti­do­res po­dem es­tar a dar mui­to cré­di­to a po­lí­ti­cos e a não con­si­de­rar os pro­ble­mas” re­ais do país.

O diá­rio lem­bra que o re­al apre­ci­ou mais de oi­to por cen­to an­te o dó­lar - é a mo­e­da que mais se va­lo­ri­zou no mun­do es­te ano - e o Ibo­ves­pa avan­çou 9,9 por cen­to des­de o afas­ta­men­to pro­vi­só­rio de Dil­ma em Maio, mas des­de en­tão Te­mer fez mui­to pou­co pa­ra en­fren­tar o rom­bo nas con­tas pú­bli­cas do país.

Juí­za con­tra o gol­pe

A Comissão dos Direitos Humanos e Mi­no­ri­as (CDHM) da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos do Bra­sil emi­tiu on­tem um co­mu­ni­ca­do em apoio à vi­ce-pro­cu­ra­do­ra da Re­pú­bli­ca, Ela Wi­ec­ko, que pe­diu a exo­ne­ra­ção do se­gun­do mai­or car­go da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca após afir­mar que o im­pe­a­ch­ment con­tra a Pre­si­den­te elei­ta Dil­ma Rous­seff é um gol­pe bem fei­to, e que o Vi­ce-Pre­si­den­te em exer­cí­cio Mi­chel Te­mer es­tá a ser al­vo de de­la­ções pre­mi­a­das no âm­bi­to da Ope­ra­ção La­va Ja­to. O tex­to res­sal­ta a “la­cu­na que se abre na ins­ti­tui­ção nes­te mo­men­to de­li­ca­do da vi­da nacional, com tan­tos ris­cos à de­mo­cra­cia e aos direitos humanos”, com a saí­da de Wi­ec­ko.

“Pe­las coi­sas que a gen­te sa­be do Te­mer, não me agra­da ter o Te­mer co­mo pre­si­den­te. Não me agra­da mes­mo. Ele não es­tá sen­do de­la­ta­do? Eu sei que es­tá. Eu não sei to­das as coi­sas a res­pei­to das de­la­ções, mas eu sei que tem de­la­ção con­tra ele. En­tão, não que­ro. Mas as coi­sas es­tão in­do”, afir­mou Wi­ec­ko.

No co­mu­ni­ca­do, o pre­si­den­te da CDHM, de­pu­ta­do Pa­dre João, des­ta­ca que Ela Wi­ec­ko “é uma re­fe­rên­cia em lu­tas es­sen­ci­ais à nos­sa de­mo­cra­cia: con­tra o tra­ba­lho es­cra­vo, pe­los direitos dos po­vos in­dí­ge­nas e qui­lom­bo­las, pe­la igual­da­de ra­ci­al e de gé­ne­ro, pe­la éti­ca na política”.

Ela Wi­ec­ko é uma das mai­o­res au­to­ri­da­des do Bra­sil na área dos direitos humanos. A sua tra­jec­tó­ria, den­tro e fo­ra do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, é exem­plar e dig­na de gra­ti­dão e re­co­nhe­ci­men­to, re­fe­re o co­mu­ni­ca­do do pre­si­den­te da CDHM.

“Res­pei­ta­mos a sua de­ci­são de re­nun­ci­ar ao car­go de vi­ce-pro­cu­ra­do­ra ge­ral da Re­pú­bli­ca, re­gis­tan­do no en­tan­to a la­cu­na que se abre na ins­ti­tui­ção nes­te mo­men­to de­li­ca­do da vi­da nacional, com tan­tos ris­cos à de­mo­cra­cia e aos direitos humanos. Sa­be­mos que po­de­re­mos con­ti­nu­ar con­tan­do, co­mo sem­pre con­tá­mos, com a sua ac­tu­a­ção fun­ci­o­nal des­te­mi­da e con­se­quen­te na de­fe­sa dos direitos fun­da­men­tais do po­vo bra­si­lei­ro”, con­clui o do­cu­men­to.

O Cen­tro In­te­gra­do de For­ma­ção Tec­no­ló­gi­ca (CINFOTEC) re­a­li­za ama­nhã, às 8h30, nas su­as ins­ta­la­ções, em Lu­an­da, um en­con­tro alar­ga­do com a im­pren­sa nacional e in­ter­na­ci­o­nal, du­ran­te o qual vai fa­zer o ba­lan­ço dos oi­to anos de exis­tên­cia e apre­sen­tar to­das as pers­pec­ti­vas, no âm­bi­to do pro­gra­ma de for­ma­ção de qua­dros pla­ni­fi­ca­do pe­lo Go­ver­no. O CINFOTEC já for­mou mais de no­ve mil téc­ni­cos de me­tro­lo­gia, me­câ­ni­ca e produção, elec­tri­ci­da­de e me­ca­tró­ni­ca, tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção e co­mu­ni­ca­ção.

O Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Ba­rack Oba­ma, re­du­ziu ter­ça-fei­ra a pe­na de 111 re­clu­sos fe­de­rais, nu­ma ron­da de co­mu­ta­ções pa­ra pes­so­as con­de­na­das por cri­mes não vi­o­len­tos re­la­ci­o­na­dos com dro­gas. Se­gun­do o con­se­lhei­ro da Ca­sa Bran­ca Neil Eg­gles­ton, o Pre­si­den­te Oba­ma já con­ce­deu um to­tal de 678 co­mu­ta­ções, mais do que os dez pre­si­den­tes an­te­ri­o­res to­dos jun­tos. Mais de um ter­ço des­sas me­di­das fo­ram pa­ra re­clu­sos que cum­pri­am pe­nas de pri­são per­pé­tua.

O ae­ro­por­to de Frank­furt foi on­tem de ma­nhã eva­cu­a­do de­pois de um pas­sa­gei­ro sus­pei­to ter en­tra­do nu­ma zo­na de se­gu­ran­ça, sem ter com­ple­ta­do o con­tro­lo. A po­lí­cia ale­mã in­ter­ro­gou uma pes­soa re­la­ci­o­na­da com es­ta que­bra de se­gu­ran­ça e ga­ran­tiu que na­da sus­pei­to foi en­con­tra­do na sequên­cia da eva­cu­a­ção par­ci­al. O ae­ro­por­to de­ter­mi­nou o re­to­mar da ope­ra­ção às 11h30, ho­ra de An­go­la. Vá­ri­os vo­os fo­ram sus­pen­sos du­ran­te al­gu­mas ho­ras.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.