Im­pul­so à in­te­gra­ção re­gi­o­nal

Jornal de Angola - - OPINIÃO - BELARMINO VAN-DÚ­NEM |

A 36ª Ci­mei­ra Or­di­ná­ria da SADC que de­cor­reu na Su­a­zi­lân­dia co­lo­cou na agen­da as­sun­tos que per­mi­ti­ram aos par­ti­ci­pan­tes fa­zer uma re­fle­xão so­bre o pro­ces­so de in­te­gra­ção eco­nó­mi­ca re­gi­o­nal na re­gião aus­tral de Áfri­ca.

A ques­tão re­la­ci­o­na­da com a mo­bi­li­za­ção de re­cur­sos pa­ra in­ves­tir nas ener­gi­as sus­ten­tá­veis, as in­fra-es­tru­tu­ras pa­ra que o pro­ces­so de in­dus­tri­a­li­za­ção dos paí­ses mem­bros se­ja in­clu­si­vo, a se­gu­ran­ça ali­men­tar e a re­so­lu­ção das ten­sões e con­fli­tos vi­o­len­tos na re­gião cons­ti­tu­em as prin­ci­pais pre­o­cu­pa­ções.

A in­dus­tri­a­li­za­ção dos Es­ta­dos-Mem­bros da SADC só se­rá pos­sí­vel se hou­ver ca­pa­ci­da­de ener­gé­ti­ca pa­ra fa­zer fun­ci­o­nar as má­qui­nas. Se­gun­do o Pla­no do Sec­tor Ener­gé­ti­co da SADC, o ob­jec­ti­vo é au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de ge­ra­ção de ener­gia dos ac­tu­ais 56.000 me­gawatts pa­ra mais de 96.000 me­gawatts, es­tan­do já iden­ti­fi­ca­dos 73 pro­jec­tos nos paí­ses da re­gião que es­tão em fa­se de exe­cu­ção.

Se­gun­do o mes­mo Pla­no, a Áfri­ca do Sul é o país que irá con­tri­buir mais, ge­ran­do 1.624 me­gawatts, a se­guir vêm An­go­la, com uma ca­pa­ci­da­de de 930 me­gawatts, a RDC (458 Mw), Mo­çam­bi­que (360 Mw), a Zâm­bia (310 Mw) e o Zim­babwe (200 Mw).

Se to­dos os pro­jec­tos fo­rem con­cluí­dos, a re­gião irá co­nhe­cer um gran­de im­pul­so ao ní­vel das in­dús­tri­as na­ci­o­nais. O Ro­tei­ro de In­dus­tri­a­li­za­ção da SADC de­fi­ni­do pa­ra o pe­río­do 2015 – 2063 as­sen­ta em três ei­xos fun­da­men­tais: in­dus­tri­a­li­za­ção, re­for­ço da com­pe­ti­ti­vi­da­de e o apro­fun­da­men­to da in­te­gra­ção re­gi­o­nal.

A im­ple­men­ta­ção des­sa es­tra­té­gia re­quer, no en­tan­to, mu­dan­ças pro­fun­das nas po­lí­ti­cas de in­te­gra­ção dos Es­ta­dos-Mem­bros: pri­mei­ro, há ne­ces­si­da­de ur­gen­te de au­men­tar o vo­lu­me dos in­ves­ti­men­tos públicos e pri­va­dos nos sec­to­res que con­cor­rem pa­ra o pro­ces­so de in­te­gra­ção eco­nó­mi­ca re­gi­o­nal; se­gun­do, os pla­nos na­ci­o­nais de de­sen­vol­vi­men­to têm que ter com­ple­men­ta­ri­da­de en­tre os paí­ses da re­gião, evi­tan­do a produção de eco­no­mi­as con­cor­ren­tes; ter­cei­ro, a aná­li­se dos im­pac­tes in­ter­nos e ex­ter­nos ao ní­vel eco­nó­mi­co, so­ci­al, po­lí­ti­co e do pon­to de vis­ta da se­gu­ran­ça de­ve ser fei­ta com re­a­lis­mo e com ba­se nu­ma abor­da­gem sis­té­mi­ca e har­mo­ni­o­sa, evi­tan­do to­ma­das de de­ci­são que pos­sam pôr em cau­sa as as­pi­ra­ções dos ci­da­dãos na­ci­o­nais, as­sim co­mo evi­tar que o pro­ces­so de in­te­gra­ção fi­que in­qui­na­do.

As or­ga­ni­za­ções de in­te­gra­ção eco­nó­mi­ca re­gi­o­nal têm de se trans­for­mar por den­tro, dei­xar de ser or­ga­ni­za­ções ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­das e bu­ro­crá­ti­cas pa­ra se tor­na­rem or­ga­ni­za­ções dos po­vos. Os ci­da­dãos têm que ter mai­or in­ter­câm­bio, mais iden­ti­da­de co­mum e con­ver­gên­cia en­tre os pro­gra­mas na­ci­o­nais e os re­gi­o­nais.

Os Es­ta­dos da re­gião da SADC de­ve­ri­am ex­plo­rar um pou­co mais as cláu­su­las dos pro­to­co­los adop­ta­dos pe­la or­ga­ni­za­ção, no­me­a­da­men­te, o pro­to­co­lo de co­mér­cio. En­quan­to os Es­ta­dos con­ti­nu­a­rem a pro­cu­rar pro­du­tos que exis­tem na re­gião nou­tros es­pa­ços ge­o­grá­fi­cos, o apro­fun­da­men­to do pro­ces­so de in­te­gra­ção eco­nó­mi­ca não te­rá gran­des avan­ços.

A in­te­gra­ção dos qua­dros dos Es­ta­dos-Mem­bros no Se­cre­ta­ri­a­do da or­ga­ni­za­ção tam­bém é uma ques­tão que de­ve­ria ser im­ple­men­ta­da. A ini­ci­a­ti­va de An­go­la de cri­ar uma re­pre­sen­ta­ção per­ma­nen­te na CPLP com a ca­te­go­ria de em­bai­xa­dor po­de ser um exem­plo a ser ana­li­sa­do, em­bo­ra mui­tos de­fen­dam a ca­pa­ci­ta­ção das em­bai­xa­das se­de com téc­ni­cos es­pe­ci­fi­ca­men­te en­vi­a­dos pa­ra a di­plo­ma­cia com o ob­jec­ti­vo de tra­ba­lha­rem nas ques­tões da in­te­gra­ção e das or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais.

Por ou­tro la­do, o Se­cre­ta­ri­a­do da SADC de­ve­ria pro­por uma es­tru­tu­ra co­mum pa­ra to­dos os Es­ta­dos-Mem­bros no tra­ta­men­to das ques­tões de in­te­gra­ção eco­nó­mi­ca. Des­te mo­do ha­ve­ria uma mo­ni­to­ri­za­ção me­lhor das ques­tões da re­gião e de for­ma pro­por­ci­o­nal.

An­go­la, de for­ma par­ti­cu­lar, tem ti­do uma pos­tu­ra bas­tan­te pru­den­te re­la­ti­va­men­te ao pro­ces­so de in­te­gra­ção re­gi­o­nal, ten­do em aten­ção as de­bi­li­da­des que o mes­mo apre­sen­ta. Não exis­te um equi­lí­brio en­tre as eco­no­mi­as dos Es­ta­dos-Mem­bros e há um gran­de des­fa­sa­men­to en­tre os pro­jec­tos re­gi­o­nais e as ex­pec­ta­ti­vas re­gi­o­nais. Os pla­nos apon­tam pa­ra a ade­são à Zo­na de Co­mér­cio Li­vre em 2017.

Uma aná­li­se so­bre a evo­lu­ção e fun­ci­o­na­men­to da Zo­na de Co­mér­cio Li­vre da SADC fa­cil­men­te le­va à con­clu­são de que as tro­cas co­mer­ci­ais são pra­ti­ca­men­te nu­las e os Es­ta­dos que ade­ri­ram não so­fre­ram qual­quer ti­po de in­cre­men­to nos sec­to­res que con­cor­rem pa­ra a in­te­gra­ção. Por­tan­to, a ade­são a Zo­na de Co­mér­cio da SADC ser­ve co­mo si­nal de pro­xi­mi­da­de e com­pro­me­ti­men­to com o pro­ces­so de in­te­gra­ção em Áfri­ca, de for­ma ge­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.