Sen­ti­da ho­me­na­gem a Di­da­lelwa

Ins­ta­la­ções da an­ti­ga se­de da As­sem­bleia Na­ci­o­nal ser­vi­ram de lo­cal pa­ra as exé­qui­as

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO DI­AS |

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, e a Pri­mei­ra Da­ma, Ana Pau­la dos San­tos, as­sim co­mo ti­tu­la­res de ou­tros ór­gãos de so­be­ra­nia pres­ta­ram on­tem em Lu­an­da a der­ra­dei­ra ho­me­na­gem ao go­ver­na­dor da pro­vín­cia do Cu­ne­ne, An­tó­nio Di­da­lelwa, fa­le­ci­do quar­ta-fei­ra e que vai ho­je a se­pul­tar na sua al­deia na­tal, Onawe­va, a cer­ca de 15 qui­ló­me­tros da ci­da­de de Ond­ji­va

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, pres­tou on­tem, em Lu­an­da, ho­me­na­gem ao go­ver­na­dor da pro­vín­cia do Cu­ne­ne, An­tó­nio Di­da­lelwa, fa­le­ci­do na quar­ta-fei­ra, ví­ti­ma de do­en­ça.

As ins­ta­la­ções da an­ti­ga se­de da As­sem­bleia Na­ci­o­nal ser­vi­ram de lo­cal pa­ra a der­ra­dei­ra ho­me­na­gem a An­tó­nio Di­da­lelwa. Num am­bi­en­te do­mi­na­do pe­la cons­ter­na­ção, re­co­lhi­men­to, dor e lu­to, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, acom­pa­nha­do da Pri­mei­ra Da­ma, Ana Pau­la dos San­tos, che­gou ao lo­cal das exé­qui­as e num ges­to de gran­de e úl­ti­ma ho­me­na­gem, po­si­ci­o­nou-se di­an­te da ur­na, fez uma vé­nia, de­po­si­tou uma co­roa de flo­res e sau­dou, um a um, os fa­mi­li­a­res (viú­va e fi­lhos).

O cor­po de An­tó­nio Di­da­lelwa foi ve­la­do on­tem nas ins­ta­la­ções da an­ti­ga As­sem­bleia Na­ci­o­nal das 8h00 às 12h00, al­tu­ra em que a ur­na con­ten­do os res­tos mor­tais do go­ver­na­dor foi trans­por­ta­da em cor­te­jo fú­ne­bre pa­ra a Ba­se Aé­rea Mi­li­tar, par­tin­do daí pa­ra Ond­ji­va, on­de de­ve ser en­ter­ra­do ho­je.

Mi­nis­tros, mem­bros do Co­mi­té Cen­tral do MPLA, al­tos ofi­ci­ais das For­ças Ar­ma­das e da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, ma­gis­tra­dos, de­pu­ta­dos, aca­dé­mi­cos, fi­gu­ras ecle­siás­ti­cas, de par­ti­dos po­lí­ti­cos e so­ci­e­da­de ci­vil pres­ta­ram ho­me­na­gem ao go­ver­na­dor An­tó­nio Di­da­lelwa. O con­sen­so em tor­no de va­lo­res co­mo a hu­mil­da­de, in­te­lec­tu­a­li­da­de, en­tre­ga ao ser­vi­ço pú­bli­co, pa­tri­o­tis­mo, re­li­gi­o­si­da­de e mo­ral fo­ram ex­pres­sos por fi­gu­ras dos dis­tin­tos es­tra­tos da vi­da po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca, re­li­gi­o­sa e fa­mi­li­ar.

Ho­mem de tra­to fá­cil

O Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos, re­co­nhe­ceu o es­for­ço do ma­lo­gra­do pa­ra a es­ta­bi­li­da­de e de­sen­vol­vi­men­to do país e de­fe­sa dos in­te­res­ses dos ci­da­dãos pa­ra que An­go­la se tor­nas­se um país prós­pe­ro e bom pa­ra se vi­ver e su­bli­nhou ser fun­da­men­tal, do­ra­van­te, hon­rar a sua obra co­mo for­ma de en­gran­de­cer o país.

O de­pu­ta­do Vir­gí­lio de Fon­tes Pe­rei­ra fa­lou das qua­li­da­des do fa­le­ci­do, en­quan­to pri­mei­ro se­cre­tá­rio do MPLA no Cu­ne­ne, go­ver­na­dor e aca­dé­mi­co. “O país per­deu, não ape­nas um po­lí­ti­co, mas tam­bém um ci­da­dão en­ga­ja­do no re­for­ço da ci­da­da­nia e nas ta­re­fas da re­cons­tru­ção do país”, dis­se, as­si­na­lan­do que o ma­lo­gra­do foi um ho­mem de tra­to fá­cil, fru­to da sua for­ma­ção cul­tu­ral e aca­dé­mi­ca. “Era mui­to hu­mil­de. Os es­tu­dan­tes que fo­ram seus alu­nos sa­bem que per­de­ram um gran­de ori­en­ta­dor”, no­tou Vir­gí­lio de Fon­tes Pe­rei­ra.

Mo­men­to di­fí­cil

O go­ver­na­dor do Cu­an­do Cu­ban­go, Pe­dro Mu­tin­di, con­si­de­rou o mo­men­to “di­fí­cil, du­ro e de cons­ter­na­ção” e re­fe­riu que o po­vo do Cu­ne­ne e não só per­deu o pri­mei­ro se­cre­tá­rio do par­ti­do e go­ver­na­dor, que du­ran­te a sua “peregrinação na ter­ra” re­a­li­zou obras gran­di­o­sas. “Re­a­li­zou obras que só por pa­la­vras não as po­de­mos men­su­rar. É di­fí­cil não po­de­mos cho­rar os nos­sos mor­tos, mas hon­rá-los, se­guin­do os seus exem­plos”, dis­se. Pe­dro Mu­tin­di acre­di­ta que o po­vo do Cu­ne­ne, di­an­te des­ta si­tu­a­ção, não se vai ver­gar à dor e vai dar con­ti­nui­da­de às obras do go­ver­na­dor.

Ca­tó­li­co con­fes­so

Ca­tó­li­co con­fes­so, An­tó­nio Di­da­lelwa nun­ca aban­do­nou a Igre­ja, dis­se o có­ne­go Apo­ló­nio Gra­ci­a­no. “Cru­zá­mo-nos em en­con­tros na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais da ju­ven­tu­de ca­tó­li­ca e tra­ba­lhá­mos jun­tos du­ran­te mui­tos anos e foi o que nos for­jou e de­ter­mi­nou as nos­sas po­si­ções cla­ras e se­gu­ras, pois na al­tu­ra co­nhe­cía­mos o sis­te­ma po­lí­ti­co do nos­so país”, su­bli­nhou o có­ne­go Apo­ló­nio Gra­ci­a­no, pa­ra quem, “co­mo pa­tri­o­ta nun­ca dei­xou de acei­tar os de­sa­fi­os do país sem pres­cin­dir da sua fé e de­mos­trou is­so na sua vi­da com co­e­rên­cia, hu­ma­nis­mo e ver­da­dei­ro sen­ti­do pa­trió­ti­co e co­mo ho­mem de fé”. O pre­la­do lem­brou ain­da que An­tó­nio Di­da­lelwa sou­be ser con­ci­li­a­dor pa­ra o país que ho­je se abre pa­ra os gran­des ho­ri­zon­tes da de­mo­cra­cia e re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal. “Par­tiu ce­do, mas se­ja o que Deus qui­ser”, dis­se.

Pen­sa­men­to ma­te­má­ti­co

A aca­dé­mi­ca Lau­rin­da Hoy­ga­ard pres­tou a sua úl­ti­ma ho­me­na­gem a An­tó­nio Di­da­lelwa, com quem te­ve uma gran­de ami­za­de, res­pei­to e par­ti­lha no pla­no da Ci­ên­cia. “Ti­nha um pen­sa­men­to ma­te­má­ti­co e ri­go­ro­so que ali­ou mais tar­de aos es­tu­dos de Eco­no­mia. Além dis­so, era uma pes­soa com per­ga­mi­nhos morais e va­lo­res, que os ali­ou ao sen­ti­men­to hu­ma­no e à ac­ção so­ci­al na sua tra­jec­tó­ria e que con­ti­nu­a­ram a me­re­cer o meu re­co­nhe­ci­men­to co­mo co­le­ga e ami­ga. Agra­de­ço no meu ín­ti­mo por ter opor­tu­ni­da­de de o ter co­nhe­ci­do”, lem­brou a pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria.

Me­lhor ami­go

O mú­si­co JD, um dos no­ve fi­lhos de An­tó­nio Di­da­lelwa, lem­brou que o seu pai foi tam­bém pai dos ami­gos e um lí­der que dei­xa um le­ga­do que de­ve ser se­gui­do “tal co­mo as pa­la­vras que sem­pre nos di­ri­giu”. O mú­si­co pro­me­teu con­ti­nu­ar a hon­rar o no­me da fa­mí­lia Di­da­lelwa, que sig­ni­fi­ca “Ain­da bem que che­gas­te”, com paz, har­mo­nia e mui­ta hu­mil­da­de nos ca­mi­nhos da vi­da. “Es­ta­mos a des­pe­dir-nos de­le. Agra­de­ço a hon­ra que foi fei­ta pe­lo Go­ver­no ao meu pai, que era o meu me­lhor ami­go e era tam­bém pai dos meus ami­gos e um ho­mem que sou­be de­di­car-se à vi­da e a Deus”, con­cluiu.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos e Pri­mei­ra Da­ma quan­do apre­sen­ta­vam on­tem con­do­lên­ci­as à fa­mí­lia en­lu­ta­da

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos no mo­men­to em que pres­ta­va ho­me­na­gem ao go­ver­na­dor da pro­vín­cia do Cu­ne­ne

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.