Ma­dre Te­re­sa de Cal­cu­tá

MA­DRE TE­RE­SA DE CAL­CU­TÁ

Jornal de Angola - - PARTADA - KELLY VELASQUEZ |

O Pa­pa ca­no­ni­za ama­nhã, du­ran­te uma ce­ri­mó­nia no Va­ti­ca­no, ma­dre Te­re­sa de Cal­cu­tá, sím­bo­lo da ca­ri­da­de e da de­di­ca­ção aos po­bres, que se con­ver­te, as­sim, em mo­de­lo pa­ra os ca­tó­li­cos de to­do o mun­do.

A ce­ri­mó­nia é ce­le­bra­da na Pra­ça de São Pe­dro di­an­te de mi­lha­res de pes­so­as, re­li­gi­o­sos e au­to­ri­da­des de to­dos os con­ti­nen­tes, en­tre eles a rai­nha Sofia de Es­pa­nha.

“O Pa­pa Fran­cis­co quer cha­mar a aten­ção do mun­do pa­ra se en­con­trar uma ra­zão pa­ra vi­ver e es­pe­rar. Um ape­lo à mi­se­ri­cór­dia di­an­te de um mun­do tão frac­tu­ra­do”, afir­mou on­tem, so­bre a ca­no­ni­za­ção, o nú­me­ro dois do Va­ti­ca­no, o car­de­al Pi­e­tro Pa­ro­lin, se­cre­tá­rio de Es­ta­do.

A “in­can­sá­vel ben­fei­to­ra da hu­ma­ni­da­de”, co­mo foi qua­li­fi­ca­da pe­lo Pa­pa João Pau­lo II, se­rá ca­no­ni­za­da um dia an­tes dos 19 anos da sua mor­te em Cal­cu­tá, a 5 de Se­tem­bro de 1997, aos 87 anos.

A fa­mo­sa frei­ra, que de­di­cou a vi­da aos po­bres e do­en­tes, al­can­ça­rá a glória dos al­ta­res du­ran­te o ano san­to ex­tra­or­di­ná­rio da mi­se­ri­cór­dia, pro­cla­ma­do pe­lo Pa­pa ar­gen­ti­no.

“A men­sa­gem da ma­dre Te­re­sa é mui­to ac­tu­al, por­que con­vi­da­nos a ul­tra­pas­sar a in­di­fe­ren­ça”, lem­brou Pa­ro­lin.

O anún­cio da ca­no­ni­za­ção foi fei­to em Mar­ço pas­sa­do de­pois de o Pa­pa re­co­nhe­cer que a ma­dre Te­re­sa in­ter­ce­deu num se­gun­do mi­la­gre em 2008 pa­ra a cu­ra inex­pli­cá­vel de um bra­si­lei­ro que es­ta­va em fa­se ter­mi­nal por cau­sa de pro­ble­mas ce­re­brais. Se­gun­do as nor­mas do Va­ti­ca­no, é ne­ces­sá­rio de­mons­trar que o can­di­da­to à glo­ri­fi­ca­ção in­ter­ce­deu em dois mi­la­gres pa­ra ser pro­cla­ma­do san­to.

Pa­ra mui­tos ca­tó­li­cos, a ca­no­ni­za­ção da ma­dre Te­re­sa de­ve­ria ser re­a­li­za­da em Cal­cu­tá, a ci­da­de da Ín­dia on­de vi­veu qua­se to­da a sua vi­da e on­de nas­ceu o seu de­se­jo de ali­vi­ar a mi­sé­ria, a po­bre­za e o abandono que mui­tos dos seus ha­bi­tan­tes so­fri­am.

Ape­sar dis­so, as au­to­ri­da­des ecle­siás­ti­cas pro­gra­ma­ram a ce­ri­mó­nia pa­ra São Pe­dro pa­ra a ho­me­na­ge­ar no mai­or tem­plo do Cris­ti­a­nis­mo, co­mo exem­plo pa­ra os ca­tó­li­cos de to­dos os con­ti­nen­tes.

A re­li­gi­o­sa (1910-1997), nas­ci­da nu­ma fa­mí­lia al­ba­ne­sa da Ma­ce­dó­nia, fun­da­do­ra da sua pró­pria con­gre­ga­ção em 1950, as Mis­si­o­ná­ri­as da Ca­ri­da­de, por mais de 40 anos con­sa­grou a vi­da aos po­bres e do­en­tes, ob­ten­do em 1979 o Pré­mio No­bel da Paz.

A mu­lher, uma das mais co­nhe­ci­das e po­pu­la­res do Cris­ti­a­nis­mo mo­der­no, foi be­a­ti­fi­ca­da pe­lo Pa­pa João Pau­lo II em 19 de Ou­tu­bro de 2003 nu­ma ce­ri­mó­nia em Ro­ma que con­tou com a pre­sen­ça de 300.000 fiéis.

Em 2002, o Va­ti­ca­no ha­via re­co­nhe­ci­do um pri­mei­ro mi­la­gre, a cu­ra de uma mu­lher ben­ga­le­sa de 30 anos, Mo­ni­ka Bes­ra, que so­fria de um tu­mor ab­do­mi­nal.

O Pa­pa Fran­cis­co con­tou ter co­nhe­ci­do em Ro­ma a re­li­gi­o­sa, que ves­tia sem­pre um sa­ri (pe­ça úni­ca de te­ci­do que en­vol­ve to­do o cor­po e que é o tra­je tí­pi­co das mulheres in­di­a­nas) bran­co bor­da­do de azul, du­ran­te um sí­no­do de bis­pos em 1994: “Pro­vo­ca­va medo”, con­fes­sou.

Tra­ba­lhar pe­los po­bres

A no­va san­ta, que te­ve no iní­cio uma vi­da di­fí­cil mes­mo den­tro da pró­pria igre­ja, que nem sem­pre viu com bons olhos a sua con­gre­ga­ção, ob­te­ve fa­ma mun­di­al após anos de tra­ba­lho, con­ver­ten­do-se na ben­fei­to­ra dos po­bres e ins­pi­ran­do mui­tos fil­mes e li­vros.

A ame­ri­ca­na Mary John­son, que du­ran­te 20 anos per­ten­ceu à con­gre­ga­ção das Mis­si­o­ná­ri­as da Ca­ri­da­de, au­to­ra do con­tro­ver­so li­vro “Uma Se­de In­sa­ciá­vel”, des­cre­veu ma­dre Te­re­sa co­mo um ser hu­ma­no am­bi­ci­o­so, mais do que co­mo uma san­ta.

“Ela era uma pes­soa que po­dia re­al­men­te ter re­a­li­za­do mu­dan­ças mui­to, mas mui­to im­por­tan­tes. Até con­tou com mui­to di­nhei­ro pa­ra al­can­çar is­so, mas is­so não a in­te­res­sa­va. Pa­ra mim, des­per­di­çou es­sa opor­tu­ni­da­de”, afir­mou John­son nu­ma en­tre­vis­ta por te­le­fo­ne à AFP. “Ela que­ria ser san­ta, is­so era cla­ro, es­ta era a sua gran­de am­bi­ção, ra­zão pe­la qual foi sem­pre uma pes­soa obe­di­en­te”, acres­cen­tou John­son.

Na dé­ca­da de 90, a as­so­ci­a­ção des­te íco­ne da ca­ri­da­de à prin­ce­sa Di­a­na de Ga­les deu-lhe mui­to re­co­nhe­ci­men­to e po­pu­la­ri­da­de, mas tam­bém crí­ti­cas pe­la sua de­fe­sa do so­fri­men­to sem lu­tar con­tra a con­di­ção de mi­sé­ria e por não fa­zer na­da pa­ra re­ver­ter a si­tu­a­ção.

“Par­te da dou­tri­na so­ci­al da igre­ja é eli­mi­nar as cau­sas do so­fri­men­to, as es­tru­tu­ras. Ela di­zia que ou­tros ti­nham es­sa ta­re­fa, a sua mis­são era ali­vi­ar o so­fri­men­to”, ex­pli­cou à AFP o pa­dre Brian Ko­lo­di­ej­chuk, que pos­tu­la a cau­sa de ca­no­ni­za­ção de Ma­dre Te­re­sa.

Uma vi­da ao ser­vi­ço dos po­bres

Re­li­gi­o­sa que de­di­cou a vi­da aos po­bres e de­ser­da­dos, ma­dre Te­re­sa de Cal­cu­tá se­rá ca­no­ni­za­da nu­ma ce­ri­mó­nia so­le­ne por Fran­cis­co, que a con­si­de­ra um exem­plo de so­li­da­ri­e­da­de e en­tre­ga e de te­na­ci­da­de e prag­ma­tis­mo.

Ma­dre Te­re­sa foi, du­ran­te a se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XX, o sím­bo­lo da de­fe­sa in­can­sá­vel dos po­bres. Ven­ce­do­ra do Pré­mio No­bel da Paz em 1979, se­rá de­cla­ra­da san­ta 19 anos após a sua mor­te.

Nas­ci­da em 26 de Agos­to de 1910 nu­ma fa­mí­lia al­ba­ne­sa em Skop­je, ca­pi­tal da ac­tu­al re­pú­bli­ca da Ma­ce­dó­nia, que na épo­ca per­ten­cia à Al­bâ­nia, Gonxhe Ag­nes Bo­jaxhiu en­trou em 1928 pa­ra a or­dem re­li­gi­o­sa Ir­mãs de Nos­sa Se­nho­ra de Lo­re­to, que tem se­de na Ir­lan­da, e pas­sou a usar o no­me Te­re­sa em ho­me­na­gem a San­ta Te­re­sa de Li­si­eux.

En­vi­a­da a Cal­cu­tá, na Ín­dia, foi pro­fes­so­ra du­ran­te mui­tos anos nu­ma es­co­la pa­ra ra­pa­ri­gas de clas­se al­ta, an­tes de re­ce­ber o “cha­ma­men­to dos cha­ma­men­tos”, ou se­ja, a vo­ca­ção de ser­vir a Deus aju­dan­do os po­bres.

O ar­ce­bis­po de Cal­cu­tá à épo­ca, Fer­nan­do Pe­ri­ers, ne­ga­va-se a per­mi­tir que saís­se da sua or­dem, ale­gan­do que ela era mui­to jo­vem pa­ra o tra­ba­lho, ape­sar dos 37 anos, e ape­li­da­va-a de “no­va­ta in­ca­paz de acen­der cor­rec­ta­men­te uma ve­la”.

Mas ela con­se­guiu o apoio dos su­pe­ri­o­res e até do Pa­pa Pio XII.

No iní­cio de 1948 ma­dre Te­re­sa mu­dou-se pa­ra os bair­ros po­bres de Cal­cu­tá, on­de as ex-alu­nas se tor­na­ram, a seu la­do, as pri­mei­ras Mis­si­o­ná­ri­as da Ca­ri­da­de.

Em 1952, ao ob­ser­var uma mu­lher ago­ni­zan­te, aban­do­na­da na rua e com os pés ata­ca­dos por ra­tos, ela sen­tiu uma pro­fun­da co­mo­ção e de­ci­diu as­su­mir uma no­va ta­re­fa: aju­dar os mais po­bres en­tre os po­bres.

De­pois de pro­cu­rar com in­sis­tên­cia as au­to­ri­da­des da ci­da­de, con­se­guiu a con­ces­são de um an­ti­go edi­fí­cio pa­ra dar abri­go às pes­so­as que so­fri­am de tu­ber­cu­lo­se, di­sen­te­ria e té­ta­no – as pes­so­as que nem os hos­pi­tais que­ri­am aten­der.

De­ze­nas de mi­lha­res de ne­ces­si­ta­dos pas­sa­ram pe­lo “hos­pí­cio” e mui­tos en­con­tra­ram uma mor­te dig­na, sem­pre em res­pei­to pe­la sua pró­pria re­li­gião, e ou­tros re­cu­pe­ra­ram gra­ças aos cui­da­dos das frei­ras.

Em Cal­cu­tá, Ma­dre Te­re­sa abriu tam­bém um or­fa­na­to, Sishu Bha­van, e um cen­tro pa­ra le­pro­sos, o Shan­ti­na­gar, on­de ac­tu­al­men­te são pro­du­zi­dos os sa­ris bran­cos com bor­da­do azul uti­li­za­dos pe­las 4.500 Mis­si­o­ná­ri­as da Ca­ri­da­de es­pa­lha­das por mais de 100 paí­ses.

Vi­da aus­te­ra

Na se­de da con­gre­ga­ção, em Cal­cu­tá, nu­ma ave­ni­da da me­ga­ló­po­le in­di­a­na, Ma­dre Te­re­sa, fa­mo­sa e pre­mi­a­da em to­do o pla­ne­ta pe­lo seu tra­ba­lho, le­vou uma vi­da aus­te­ra e tra­ba­lhou sem des­can­so. Ela fa­le­ceu ali em 5 de Se­tem­bro de 1997, aos 87 anos, e o seu tú­mu­lo es­tá sem­pre co­ber­to de pé­ta­las co­mo for­ma de ho­me­na­gem.

Nu­ma oca­sião, ela per­gun­tou ao Pa­pa João XXIII se as ri­que­zas do Va­ti­ca­no po­de­ri­am ser uti­li­za­das pa­ra os po­bres. O Pa­pa ofe­re­ceu­lhe en­tão um Rolls Roy­ce, que ela ven­deu ra­pi­da­men­te por um bom pre­ço num lei­lão.

Du­ran­te o pa­pa­do de Pau­lo VI, a con­gre­ga­ção es­pa­lhou-se pe­lo mun­do e che­gou a fun­dar ca­sas na Amé­ri­ca La­ti­na. O Pa­pa João Pau­lo II re­co­nhe­ceu pu­bli­ca­men­te a sua ad­mi­ra­ção pe­la frei­ra. Na dé­ca­da de 1980, aben­ço­ou a pri­mei­ra pe­dra da ca­sa que ela abriu em Ro­ma pa­ra abri­gar mo­ra­do­res de rua.

O Pa­pa Fran­cis­co, que a co­nhe­ceu em 1994, ad­mi­tiu que fi­cou im­pres­si­o­na­do com o seu ca­rác­ter for­te, que te­ria pro­vo­ca­do “medo” se fos­se o seu su­pe­ri­or. Ma­dre Te­re­sa afir­ma­va que a sua con­tri­bui­ção era ape­nas uma “go­ta num oce­a­no de so­fri­men­tos, mas que, se não exis­tis­se, es­sa go­ta fa­ria fal­ta ao mar”.

Os crí­ti­cos acu­sa­vam-na de re­ce­ber pre­sen­tes sem ques­ti­o­nar a pro­ce­dên­cia e de ter si­do uma opo­si­to­ra fer­vo­ro­sa do abor­to e da pí­lu­la an­ti­con­cep­ci­o­nal, as­sim co­mo de uti­li­zar o pres­tí­gio pa­ra de­nun­ci­ar em to­do o mun­do tais prá­ti­cas. Du­ran­te o pro­ces­so de be­a­ti­fi­ca­ção, foi des­co­ber­to que ela so­fria cri­ses re­li­gi­o­sas e che­ga­va a ques­ti­o­nar a exis­tên­cia de Deus. “Nun­ca vi uma por­ta ser fe­cha­da pa­ra mim. Acre­di­to que is­so acon­te­ce por­que vêem que não vou pe­dir, e sim dar. Ho­je em dia es­tá na mo­da fa­lar dos po­bres. In­fe­liz­men­te, não es­tá na mo­da fa­lar aos po­bres”, afir­mou uma vez.

Após a sua mor­te, o Go­ver­no in­di­a­no or­ga­ni­zou um fu­ne­ral de Es­ta­do e o cai­xão foi trans­por­ta­do ao lon­go de gran­de par­te da ci­da­de na mes­ma car­ru­a­gem que trans­por­tou o cai­xão de Mahat­ma Gandhi.

REU­TERS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.