CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ADOL­FO VA­RE­LA JO­A­QUIM FER­NAN­DES EDU­AR­DO CA­SA­NO­VA

Ele­fan­tes em Áfri­ca

Sou am­bi­en­ta­lis­ta e es­cre­vo pe­la pri­mei­ra vez pa­ra o Jor­nal de An­go­la pa­ra abor­dar a ques­tão do nú­me­ro de ele­fan­tes em to­do o con­ti­nen­te. Têm si­do bas­tan­te dis­pu­ta­dos os nú­me­ros e há já di­fe­ren­tes en­ti­da­des a des­cre­ver um qua­dro dan­tes­co quan­to às es­pé­ci­es que ain­da exis­tem em to­do o con­ti­nen­te. E exem­plos des­tes ex­ces­sos não fal­tam um pou­co por to­do o can­to.

Se­gun­do um Si­te no­ti­ci­o­so, uma equi­pa con­se­guiu mo­ni­to­ri­zar cer­ca de 463.000 qui­ló­me­tros de voo por 18 paí­ses afri­ca­nos des­de De­zem­bro de 2013, com a aju­da de 81 aviões e 286 par­ti­ci­pan­tes pa­ra con­ta­bi­li­zar o nú­me­ro de ele­fan­tes. Tra­ta-se se­gu­ra­men­te do mai­or es­tu­do ja­mais fei­to em Áfri­ca e em mi­nha opi­nião é bom que as con­clu­sões des­se me­ga es­tu­do sir­vam pa­ra os de­ci­so­res pú­bli­cos to­ma­rem me­di­das ur­gen­tes pa­ra pre­ser­var a fau­na ani­mal.

Um dos in­te­gran­tes do re­fe­ri­do es­tu­do, fa­lan­do em no­me do gru­po, “fi­ze­mos um inqué­ri­to de di­men­sões co­los­sais e o que des­co­bri­mos é pro­fun­da­men­te pre­o­cu­pan­te”. Em to­do o ca­so, jul­go que as au­to­ri­da­des dos prin­ci­pais paí­ses vi­sa­dos por es­te es­tu­do es­tão cons­ci­en­tes da gra­vi­da­de da si­tu­a­ção. Em­bo­ra se tra­te de um es­tu­do que vi­sou es­tu­dar o nú­me­ro de ele­fan­tes, não po­de­mos per­der de vis­ta que gran­de par­te da zo­na flo­res­tal afri­ca­na en­vol­ve den­sas ma­tas cer­ra­das. Não me pa­re­ce que os nú­me­ros, no­me­a­da­men­te os cer­ca de 300 mil ele­fan­tes con­ta­bi­li­za­dos, re­flic­tam exac­ta­men­te a quan­ti­da­de de pa­qui­der­mes exis­ten­tes so­bre­tu­do ao ní­vel da Áfri­ca cen­tral, pe­las ra­zões já avan­ça­das. Não me pa­re­ce que o ras­treio de ele­fan­tes atra­vés dos mei­os aé­re­os, in­de­pen­den­te­men­te da quan­ti­da­de ma­te­ri­al e hu­ma­na pre­sen­tes no ac­to, te­nha si­do exaus­ti­va­men­te su­fi­ci­en­te.

Que­bra-mo­las

Sou au­to­mo­bi­lis­ta que usa com frequên­cia a rua do Fun­dão, jun­to das cha­ma­das ru­as das Cês, de ci­ma e de bai­xo. Nal­gu­mas des­tas ru­as fo­ram ins­ta­la­dos nu­me­ro­sos que­bra-mo­las, nem sem­pre se­guin­do re­gras e pro­ce­di­men­tos que se­ri­am nor­mais.

A ins­ta­la­ção de que­bra-mo­las em de­ter­mi­na­das vi­as da ci­da­de pas­sou a de­sem­pe­nhar um pa­pel re­le­van­te na con­ten­ção de even­tu­ais ex­ces­sos na ve­lo­ci­da­de, com im­pac­to na se­gu­ran­ça das pes­so­as e das vi­a­tu­ras. Tra­ta-se de uma fe­liz ini­ci­a­ti­va, que mui­tas co­mu­ni­da­des de­sor­de­na­da­men­te aca­ba­ram por op­tar com mais ou me­nos os mes­mos mo­ti­vos. Há ru­as em que, por ini­ci­a­ti­va dos mo­ra­do­res, op­tou-se pe­la ins­ta­la­ção de que­bra-mo­las, mas o be­tão en­con­tra-se de tal ma­nei­ra mal cimentado que cons­ti­tui um cal­vá­rio pa­ra mui­tos au­to­mo­bi­lis­tas.

Em vez da for­ma cir­cu­lar, que per­mi­ti­ria uma ro­da­gem nor­mal das ro­das, mui­tos que­bra-mo­las ins­ta­la­dos em al­gu­mas ru­as pos­su­em uma for­ma es­car­pa­da que em­ba­ra­ça a tra­ves­sia. Jul­go que as en­ti­da­des ca­ma­rá­ri­as de­vi­am co­lo­car mão nis­so e im­pe­dir que de for­ma de­sor­de­na­da as co­mu­ni­da­des co­lo­quem que­bra-mo­las em qual­quer rua sem ob­ser­var re­gras ele­men­ta­res pa­ra o efei­to. No fu­tu­ro, es­pe­ro que as co­mu­ni­da­des ou pes­so­as com ini­ci­a­ti­vas des­ta di­men­são, que acre­di­to têm fins no­bres, se fa­mi­li­a­ri­zem mais com os pro­ce­di­men­tos e re­gras pa­ra a co­lo­ca­ção des­te ti­po de dis­po­si­ti­vo.

Pre­ço do pão

Vi­vo no Hu­am­bo e es­tou a gos­tar da boa-no­va so­bre a des­ci­da do pre­ço aqui na pro­vín­cia, fac­to que dá es­pe­ran­ça a mui­tas fa­mí­li­as, so­bre­tu­do às cri­an­ças cu­jo pão de ma­nhã re­pre­sen­ta o bom co­me­ço do dia. Co­mo se sa­be, no iní­cio do ano, o pre­ço do pão va­ri­a­va en­tre 15 e 20 kwan­zas, mas a par­tir do se­gun­do se­mes­tre ocor­reu uma su­bi­da que, pas­se a ex­pres­são, nin­guém sa­bia ex­pli­car exac­ta­men­te.

Con­tra­ri­a­men­te ao pen­sa­men­to de mui­tos, tal si­tu­a­ção não se de­via a rup­tu­ra. Em mi­nha opi­nião, o que su­ce­dia era cla­ra­men­te açam­bar­ca­men­to, uma re­a­li­da­de re­cor­ren­te em mo­men­tos de al­gum aper­to eco­nó­mi­co. Nes­tas cir­cuns­tân­ci­as, mui­tos co­mer­ci­an­tes pro­cu­ram en­fa­ti­zar o la­do ga­nan­ci­o­so das su­as per­so­na­li­da­des. Es­pe­ro que te­nha­mos apren­di­do al­gu­ma coi­sa com a ex­pe­ri­ên­cia ac­tu­al no sen­ti­do de que nos pró­xi­mos tem­pos a Po­lí­cia Eco­nó­mi­ca, a fis­ca­li­za­ção e ou­tras en­ti­da­des con­si­gam com­ba­ter cri­mes e in­frac­ções que aten­tem gra­ve­men­te con­tra o Es­ta­do.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.