A Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal e prá­ti­cas com­ple­men­ta­res es­ti­ve­ram e con­ti­nu­am pre­sen­tes em to­das as lo­ca­li­da­des do país, ra­zão pe­la qual o Es­ta­do en­ca­ra o sec­tor com se­ri­e­da­de. As ins­ti­tui­ções do Es­ta­do apos­tam na sua re­gu­la­ri­za­ção pa­ra dar cre­di­bi­li­da­de a to­dos os pra­ti­can­tes, res­pon­sa­bi­li­zar os que de­frau­dam e co­lo­car a Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal ao ser­vi­ço da so­ci­e­da­de co­mo com­ple­men­to ou al­ter­na­ti­va à me­di­ci­na con­ven­ci­o­nal.

Com o apoio da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, as­sis­ti­mos, em Agos­to de 2012, à pri­mei­ra Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal de Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal re­a­li­za­da no país, pas­so re­le­van­te pa­ra a efec­ti­va­ção de uma po­lí­ti­ca na­ci­o­nal so­bre a Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal e prá­ti­cas com­ple­men­ta­res.

Na al­tu­ra, avan­çou-se que An­go­la pos­suía cer­ca de 52 mil te­ra­peu­tas tra­di­ci­o­nais e ape­nas 70 por cen­to da sua po­pu­la­ção usu­fruía, até àque­la al­tu­ra, da co­ber­tu­ra da re­de do sis­te­ma na­ci­o­nal de saú­de. Es­ta re­a­li­da­de obri­ga­va a en­ca­rar a Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal co­mo po­ten­ci­al ali­a­da da so­ci­e­da­de em to­do o la­do, so­bre­tu­do nas zo­nas ru­rais, pa­ra com­ple­men­tar o pa­pel da me­di­ci­na con­ven­ci­o­nal. E é pre­ci­so re­co­nhe­cer que ao lon­go de vá­ri­os anos a te­ra­pia tra­di­ci­o­nal exer­ceu o seu pa­pel, mas in­fe­liz­men­te ser­viu tam­bém pa­ra apro­vei­ta­men­tos e opor­tu­nis­mos por par­te de fal­sos te­ra­peu­tas.

Re­pe­ti­das ve­zes, so­mos con­fron­ta­dos com quei­xas e re­cla­ma­ções de fa­mí­li­as e pes­so­as sin­gu­la­res de­frau­da­das por ho­mens e mulheres que se apre­sen­tam co­mo te­ra­peu­tas tra­di­ci­o­nais. Aten­den­do às di­fi­cul­da­des re­sul­tan­tes da fa­se me­nos boa por que pas­sa­mos, mui­tas fa­mí­li­as e pes­so­as sin­gu­la­res são ex­plo­ra­das por su­pos­tos te­ra­peu­tas, sen­do ex­tor­qui­dos os par­cos re­cur­sos que pos­su­em. Não pou­cos cor­re­ram ris­co de vi­da, além de um nú­me­ro la­men­tá­vel de fa­ta­li­da­des co­mo re­sul­ta­do do aces­so aos que se apre­sen­tam co­mo te­ra­peu­tas. Tra­tou-se de uma fa­se que, por for­ça da re­a­li­da­de e em­pe­nho das au­to­ri­da­des an­go­la­nas, es­tá a mu­dar a fa­vor de mais re­gras no cam­po pa­ra re­gu­lar a Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal.

Não há dú­vi­das de que, re­la­ti­va­men­te à Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal, o pi­or já pas­sou na me­di­da em que os te­ra­peu­tas tra­di­ci­o­nais já me­re­ce­ram os mais va­ri­a­dos no­mes e as su­as prá­ti­cas de­no­mi­na­ções di­ver­sas. Mui­tas ve­zes, o tra­ta­men­to de­pre­ci­a­ti­vo e o re­du­zi­do va­lor com que gran­de par­te da so­ci­e­da­de pas­sou a en­ca­rar e ain­da en­ca­ra a me­di­ci­na tra­di­ci­o­nal de­ve­ram-se e de­vem-se es­sen­ci­al­men­te aos pro­ce­di­men­tos du­vi­do­sos e re­pro­vá­veis de mui­tos te­ra­peu­tas.

Há di­as, o vi­ce-go­ver­na­dor da pro­vín­cia do Hu­am­bo pa­ra o sec­tor Po­lí­ti­co e So­ci­al, Gui­lher­me Tu­lu­ca, pe­diu aos te­ra­peu­tas tra­di­ci­o­nais vi­gi­lân­cia con­tra os fal­sos pro­fis­si­o­nais, um ape­lo que de­ve ser le­va­do a sé­rio em to­do o país. Não é exa­ge­ra­do de­fen­der que a As­so­ci­a­ção de Te­ra­peu­tas Tra­di­ci­o­nais te­nha mais pro­ta­go­nis­mo no acom­pa­nha­men­to, no con­tro­lo dos seus as­so­ci­a­dos e, por que não, jo­gar o pa­pel de uma ver­da­dei­ra or­dem pro­fis­si­o­nal. É pre­ci­so que os te­ra­peu­tas tra­di­ci­o­nais con­tri­bu­am tam­bém pa­ra que as au­to­ri­da­des se­jam bem su­ce­di­das a ba­nir os cu­ri­o­sos, que exer­cem a pro­fis­são sem ha­bi­li­da­de e ex­pe­ri­ên­cia com­pro­va­das.

Ur­ge re­for­çar o cer­co aos fal­sos te­ra­peu­tas por­que, con­for­me de­fen­deu vi­ce-go­ver­na­dor do Hu­am­bo, “não po­de ha­ver te­ra­peu­tas que cu­ram tu­do, uma si­tu­a­ção que tem le­va­do mui­tas pes­so­as à mor­te”.

Na ver­da­de, im­põe-se com ur­gên­cia a dis­cus­são e apro­va­ção de uma le­gis­la­ção apro­pri­a­da pa­ra re­gu­lar a Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal, um pas­so que es­tá a ser de­vi­da­men­te equa­ci­o­na­do pe­lo Exe­cu­ti­vo. Es­ta re­a­li­da­de vai aju­dar a mui­tos a en­ca­rar o que mui­tos já de­fi­nem co­mo “com­ple­men­to da me­di­ci­na con­ven­ci­o­nal” de ou­tra ma­nei­ra, acei­tan­do e re­cor­ren­do a ela na­tu­ral­men­te sem os cons­tran­gi­men­tos que re­sul­ta­ram da au­sên­cia do va­zio le­gis­la­ti­vo. Con­tra­ri­a­men­te às in­ter­pre­ta­ções, mui­tas ve­zes ob­ser­va­das, a Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal e as prá­ti­cas com­ple­men­ta­res cons­ti­tu­em um ac­ti­vo e uma al­ter­nân­cia que de­ve ser per­ma­nen­te­men­te con­si­de­ra­da quan­do se tra­ta da bus­ca da cu­ra pa­ra as di­fe­ren­tes en­fer­mi­da­des.

Es­pe­re­mos que os ape­los fei­tos no Hu­am­bo, no sen­ti­do de mai­or vi­gi­lân­cia por par­te dos te­ra­peu­tas e de to­da a so­ci­e­da­de con­tra os frau­du­len­tos, se es­ten­dam a to­do o país. Nas zo­nas ru­rais, em que se ob­ser­va com mai­or ocor­rên­cia o aces­so à Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal, há ne­ces­si­da­de de or­de­na­men­to da ac­ti­vi­da­de, de sen­si­bi­li­za­ção das fa­mí­li­as e das pes­so­as sin­gu­la­res. Acre­di­ta­mos que os fal­so te­ra­peu­tas tra­di­ci­o­nais en­con­tram ter­re­no fér­til pa­ra as su­as prá­ti­cas frau­du­len­tas ali on­de pro­li­fe­ra tam­bém o obs­cu­ran­tis­mo, a au­sên­cia de in­for­ma­ção e prá­ti­cas cul­tu­rais que aten­tam con­tra a dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na. É pre­ci­so es­cla­re­cer as pes­so­as que o aces­so aos te­ra­peu­tas de­ve ser pre­fe­ren­ci­al­men­te co­mo com­ple­men­to aos es­for­ços da me­di­ci­na con­ven­ci­o­nal ou na au­sên­cia des­ta úl­ti­ma. En­quan­to li­dar com a vi­da das pes­so­as, a Me­di­ci­na Tra­di­ci­o­nal de­ve ser en­ca­ra­da com a mes­ma se­ri­e­da­de e res­pon­sa­bi­li­da­de com que é vis­ta a sua con­gé­ne­re con­ven­ci­o­nal em to­do o país. De­ve im­pe­rar o fac­tor de com­ple­men­ta­ri­da­de en­tre am­bas pa­ra que, com acom­pa­nha­men­to e le­gis­la­ção pró­pria, se con­si­ga ex­tir­par do seu seio to­dos os te­ra­peu­tas aven­tu­rei­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.