Co­mo a “luz” cu­rou o can­cro

Jornal de Angola - - OPINIÃO - DIPTENDU DUTTA |

Pas­sa­dos qua­se 20 anos, a in­di­a­na Mo­ni­ca Bes­ra des­cre­ve co­mo a “luz ce­gan­te” de uma fo­to­gra­fia de ma­dre Te­re­sa a cu­rou de um can­cro, um dos dois mi­la­gres re­co­nhe­ci­dos pe­lo Va­ti­ca­no pa­ra a ca­no­ni­za­ção da mis­si­o­ná­ria. Em 5 de Se­tem­bro de 1998, dia do pri­mei­ro ani­ver­sá­rio da mor­te da mu­lher que se con­ver­teu no sím­bo­lo dos po­bres de Cal­cu­tá (les­te da Ín­dia), Bes­ra lu­ta­va con­tra um tu­mor nos ová­ri­os.

Exaus­ta pe­la do­en­ça, a in­te­gran­te da tri­bo dos Sant­sal, do Es­ta­do de Ben­ga­la Oci­den­tal, es­ta­va a ser as­sis­ti­da num cen­tro das Mis­si­o­ná­ri­as da Ca­ri­da­de, or­dem fun­da­da pe­la re­li­gi­o­sa de ori­gem al­ba­ne­sa ma­dre Te­re­sa.

“Du­as ir­mãs le­va­ram-me até à igre­ja, por­que eu es­ta­va mui­to fra­ca pa­ra me le­van­tar e ca­mi­nhar so­zi­nha”, con­tou Mo­ni­ca Bes­ra à AFP, na sua al­deia de Ha­ri­ram­pur, a 300 qui­ló­me­tros de Cal­cu­tá.

“Mal en­trei, uma luz ce­gan­te, di­vi­na, saiu da fo­to­gra­fia de ma­dre Te­re­sa e en­vol­veu-me. Fe­chei os olhos, não en­ten­dia o que se pas­sa­va. Era in­des­cri­tí­vel.”

Du­as frei­ras co­lo­ca­ram so­bre o seu estô­ma­go uma pe­que­na me­da­lha de alu­mí­nio aben­ço­a­da por ma­dre Te­re­sa e re­za­ram pe­la cu­ra da do­en­te. Ao fim de al­gu­mas ho­ras, a mãe de cin­co fi­lhos des­per­tou e foi to­mar ba­nho, al­go ge­ral­men­te mui­to do­lo­ro­so pa­ra ela.

“Le­van­tei-me da ca­ma sen­tin­do­me le­ve e bem. Olhei pa­ra bai­xo e vi que o in­cha­ço ha­via de­sa­pa­re­ci­do. Não po­dia acre­di­tar. To­quei no meu estô­ma­go, aper­tei, be­lis­quei. Ha­via de­sa­pa­re­ci­do. Não es­ta­va a so­nhar.”

O Va­ti­ca­no con­si­de­ra es­ta cu­ra mi­la­gro­sa, o que per­mi­tiu a be­a­ti­fi­ca­ção de ma­dre Te­re­sa em 2003 na pra­ça de São Pe­dro, em Ro­ma. Bes­ra es­ta­va lá pa­ra a oca­sião.

No ano pas­sa­do, o Pa­pa atri­buiu um se­gun­do mi­la­gre à No­bel da Paz, a cu­ra em 2008 de um bra­si­lei­ro que pa­de­cia de tu­mo­res ce­re­brais múl­ti­plos, com o que fo­ram cum­pri­dos os re­qui­si­tos pa­ra uma ca­no­ni­za­ção.

“Fic­tí­cio”

O re­la­to de Mo­ni­ca Bes­ra cau­sa es­pan­to en­tre os mé­di­cos que a as­sis­ti­ram. Pa­ra eles, não se tra­ta de mi­la­gre. O tu­mor es­ta­va nu­ma fa­se pre­co­ce de de­sen­vol­vi­men­to e res­pon­deu ao tra­ta­men­to, afir­mam.

“A se­nho­ra Bes­ra li­vrou-se do seu tu­mor gra­ças aos me­di­ca­men­tos mui­to for­tes e vá­ri­os di­as de tra­ta­men­to”, de­cla­rou, em 2002, o ex­mi­nis­tro da Saú­de do Es­ta­do de Ben­ga­la Oci­den­tal, Partho De.

“Não que­ro fal­tar ao res­pei­to à ma­dre Te­re­sa, mas é uma de­for­ma­ção da ver­da­de di­zer que foi um mi­la­gre de­la”, afir­mou na al­tu­ra.

Em Cal­cu­tá, Pra­bir Ghosh, se­cre­tá­rio ge­ral da As­so­ci­a­ção do Pen­sa­men­to Ra­ci­o­na­lis­ta e Ci­en­tí­fi­co da Ín­dia, con­tes­ta tam­bém a di­men­são mi­la­gro­sa da história de Bes­ra. “Os mi­la­gres atri­buí­dos a ma­dre Te­re­sa pa­ra a sua ca­no­ni­za­ção são com­ple­ta­men­te fic­tí­ci­os. As Mis­si­o­ná­ri­as da Ca­ri­da­de fal­se­a­ram os fa­tos”, de­nun­ci­ou Pra­bir. A or­dem de ma­dre Te­re­sa pre­fe­re não se pro­nun­ci­ar so­bre o as­sun­to. Bes­ra tem cons­ci­ên­cia das crí­ti­cas, mas pou­co se im­por­ta. “Ma­dre Te­re­sa re­a­li­za mi­la­gres ape­nas pa­ra quem acre­di­ta, e eu sem­pre acre­di­tei”, diz ela.

REU­TERS

Mo­ni­ca Bes­ra des­cre­ve cu­ra mi­la­gro­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.