Pa­pel da po­e­sia de Ne­to é de­ba­ti­do em pa­les­tra

Jornal de Angola - - CULTURA -

“O Pa­pel da Po­e­sia de Agos­ti­nho Ne­to, pa­ra o Al­can­ce da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal” é o te­ma de uma pa­les­tra a ser pro­fe­ri­da ho­je, às 10 ho­ras, no Ins­ti­tu­to Mé­dio de Saú­de de Nda­la­tan­do, ca­pi­tal da pro­vín­cia do Cu­an­za Nor­te, pe­lo es­cri­tor John Bel­la.

A ini­ci­a­ti­va da Bri­ga­da Jo­vem de Li­te­ra­tu­ra de An­go­la (BJLA) es­tá en­qua­dra­da num le­que de ac­ti­vi­da­des a pro­pó­si­to da “25.ª Ho­me­na­gem Li­te­rá­ria ao Po­e­ta-Mai­or Agos­ti­nho Ne­to”, cu­jas ac­ções prin­ci­pais têm co­mo pal­co es­te ano, a pro­vín­cia do Cu­an­za-Nor­te.

A pa­les­tra é an­te­ce­di­da de um re­ci­tal de po­e­sia pe­los mem­bros da BJLA lo­cal e uma ex­po­si­ção de li­vros de Agos­ti­nho Ne­to e de jo­vens au­to­res an­go­la­nos. John Bel­la vai ain­da apre­sen­tar na­que­la lo­ca­li­da­de o seu li­vro “Em­be­be­da­ram a Chu­va”, lan­ça­do pe­la pri­mei­ra vez em Lu­an­da, em 2015, ten­do si­do igual­men­te apre­sen­ta­do no Bra­sil, em Mar­ço des­te ano.

A obra de po­e­sia, que con­tém 50 po­e­mas em 77 pá­gi­nas, abor­da te­mas co­mo a se­xu­a­li­da­de, a so­li­da­ri­e­da­de e o amor, ofe­re­cen­do igual­men­te aos lei­to­res me­tá­fo­ras e ima­gens di­nâ­mi­cas so­bre a efer­ves­cên­cia da vi­da e da pa­la­vra.

John Bel­la, pseu­dó­ni­mo li­te­rá­rio de Jor­ge Mar­ques Be­la, nas­ceu em Lu­an­da, é so­ció­lo­go, mem­bro da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos (UEA) e se­cre­tá­rio-ge­ral ad­jun­to da BJLA. Pu­bli­cou o seu pri­mei­ro li­vro de po­e­sia in­ti­tu­la­do “Água da Vi­da” em 1995, o qual foi dis­tin­gui­do no ano se­guin­te com o pré­mio de “Es­cri­tor do Ano em An­go­la”. Em 2011, lan­çou o ro­man­ce “Os Pri­mei­ros Pas­sos da Rai­nha Njin­ga” e em 2012 pu­bli­cou o ro­man­ce “O Re­gres­so da Rai­nha Njin­ga”.

A ce­ri­mó­nia de lançamento é an­te­ce­di­da da re­a­li­za­ção, na bi­bli­o­te­ca da­que­la ci­da­de, da as­sem­bleia pro­vin­ci­al pa­ra a elei­ção dos no­vos cor­pos ge­ren­tes, que vão es­tar à fren­te da ins­ti­tui­ção nos pró­xi­mos três anos.

O pro­gra­ma da “25.ª Ho­me­na­gem Li­te­rá­ria ao Po­e­ta-Mai­or Aa­gos­ti­nho Ne­to” re­ser­va pa­ra a pró­xi­ma quar­ta-fei­ra, à noi­te, uma ac­ti­vi­da­de recreativa e cul­tu­ral de­no­mi­na­da “Fo­guei­ra do Es­cri­tor”, em Nda­la­tan­do.

Por ou­tro la­do, na ci­da­de do Hu­am­bo é re­a­li­za­da no dia 11, às 9 ho­ras, na bi­bli­o­te­ca da­que­la lo­ca­li­da­de, uma pa­les­tra so­bre “Vi­da e Obra de Agos­ti­nho Ne­to”, a ser pro­fe­ri­da pe­lo es­cri­tor Ku­di­jim­be, pre­si­den­te da BJLA.

No âm­bi­to da se­ma­na de ho­me­na­gem li­te­rá­ria a Agos­ti­nho Ne­to, vão ser re­a­li­za­das di­ver­sas ac­ti­vi­da­des cul­tu­rais em ou­tras pro­vín­ci­as, com re­al­ce pa­ra lan­ça­men­tos e ex­po­si­ções de li­vros, re­ci­tais de po­e­sia e tro­va e fei­ras de li­te­ra­tu­ra.

Ce­nas da re­vol­ta da po­pu­la­ção do mu­ni­cí­pio de Ca­te­te aquan­do da pri­são de Agos­ti­nho Ne­to, em 1960, em Lu­an­da, se­gui­da da sua trans­fe­rên­cia pa­ra di­ver­sas pri­sões em Ca­bo Ver­de e Por­tu­gal, fo­ram re­pre­sen­ta­das pe­lo gru­po Ca­tar­cis, no es­pec­tá­cu­lo “Cor­re o san­gue do Ico­lo e Ben­go”, exi­bi­do on­tem, na Liga Afri­ca, em Lu­an­da, no âm­bi­to do I Pré­mio de Te­a­tro Ki­lam­ba.

O es­pec­tá­cu­lo re­por­ta ce­nas que da­tam de 1957, ano em que se for­mou em Me­di­ci­na, em Lis­boa, até à épo­ca da sua elei­ção co­mo pre­si­den­te ho­no­rá­rio do Mo­vi­men­to Po­pu­lar de Li­ber­ta­ção de An­go­la (MPLA), em 1960.

A pe­ça re­por­ta as ad­ver­si­da­des vi­vi­das por um jo­vem des­te­mi­do, re­cém-for­ma­do e de­ci­di­do a fa­zer po­lí­ti­ca, que, em pa­ra­le­lo com a sua ac­ti­vi­da­de clí­ni­ca, ti­nha uma mi­li­tân­cia a fa­vor da in­de­pen­dên­cia de An­go­la.

O cli­ma de fu­ga e de clan­des­ti­ni­da­de vi­vi­do na­que­le pe­río­do é re­pre­sen­ta­do por 20 ac­to­res, que além da per­so­na­gem Agos­ti­nho Ne­to e de seus pró­xi­mos, tem co­mo fi­gu­ran­tes a Po­lí­cia Mi­li­tar Por­tu­gue­sa.

A par­ti­ci­pa­ção de Agos­ti­nho Ne­to na fun­da­ção do Mo­vi­men­to An­ti­co­lo­ni­a­lis­ta (MAC), que con­gre­gou pa­tri­o­tas das co­ló­ni­as por­tu­gue­sas pa­ra uma ac­ção re­vo­lu­ci­o­ná­ria con­jun­ta em An­go­la, Gui­néBis­sau, Ca­bo Ver­de, Mo­çam­bi­que e São To­mé e Prín­ci­pe ga­nhou vi­da no es­pec­tá­cu­lo de te­a­tro.

O en­ce­na­dor Mac Go­nel dis­se que a mon­ta­gem da pe­ça te­ve co­mo ins­pi­ra­ção a pu­bli­ca­ção do jor­nal Avan­te, com o tí­tu­lo “Cor­re o san­gue do Ico­lo e Ben­go”, re­fe­ri­da no li­vro “Agos­ti­nho Ne­to e a Li­ber­ta­ção de An­go­la (1949-1974) - Ar­qui­vos Se­cre­tos da PI­DE-DGS”, edi­ta­do o ano pas­sa­do pe­la Fun­da­ção Agos­ti­nho Ne­to.

Dis­cur­sos de Ne­to

Frag­men­tos dos dis­cur­sos de An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, pro­fe­ri­dos no dia da pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia, a 11 de No­vem­bro de 1975, e na sua elei­ção co­mo pre­si­den­te ho­no­rá­rio do Mo­vi­men­to Po­pu­lar de Li­ber­ta­ção de An­go­la (MPLA), em 1960, são apre­sen­ta­dos ho­je, à mes­ma ho­ra e lo­cal, na pe­ça “Os dis­cur­sos de Ne­to”, pe­lo co­lec­ti­vo Ho­ri­zon­te Ngo­la Ki­lu­an­je.

Além dos dis­cur­sos his­tó­ri­cos de Agos­ti­nho Ne­to, as per­so­na­gens vão in­ter­pre­tar ain­da can­ções ba­se­a­das na po­e­sia de Agos­ti­nho Ne­to, com o su­por­te da ban­da Ho­ri­zon­te Ngo­la Ki­lu­an­je, ao som da gui­tar­ra e do pi­a­no, nu­ma re­pre­sen­ta­ção com a du­ra­ção de 40 mi­nu­tos.

O gru­po Im­bon­dei­ro apre­sen­ta, ama­nhã, às 20h00, a pe­ça “O jul­ga­men­to”, en­quan­to o co­lec­ti­vo Mo­lo­fe­ca exi­be uma ho­ra mais tar­de o es­pec­tá­cu­lo “A pri­mei­ra pri­são de Agos­ti­nho Ne­to”.

O Pré­mio de Te­a­tro Ki­lam­ba, cri­a­do pe­la pro­du­to­ra Ce­na Li­vre em par­ce­ria com a Fun­da­ção Agos­ti­nho Ne­to, pros­se­gue até ao dia 10.

DR

Gru­po Twa­bi­xi­la abriu o pré­mio com a exi­bi­ção da pe­ça “Cor­re o san­gue do Ico­lo e Ben­go”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.