Mi­nis­tra enal­te­ce fei­tos de Moi­sés Ka­fa­la

MOR­REU UM HO­MEM DE CUL­TU­RA Mú­si­co vai ser se­pul­ta­do na pro­vín­cia do Ben­go sua ter­ra na­tal

Jornal de Angola - - CULTURA - MA­NU­EL ALBANO PE­DRO BI­CA

e

A mi­nis­tra Carolina Cer­quei­ra des­ta­cou, on­tem em Lu­an­da, nu­ma men­sa­gem fú­ne­bre, o con­tri­bu­to do mú­si­co Moi­sés Ka­fa­la na va­lo­ri­za­ção, di­vul­ga­ção e afir­ma­ção da cul­tu­ra an­go­la­na, em par­ti­cu­lar na mú­si­ca.

Pa­ra Carolina Cer­quei­ra, o mú­si­co que até à da­ta da sua mor­te, ocor­ri­da quin­ta-fei­ra na Na­mí­bia, ví­ti­ma de do­en­ça, exer­cia a fun­ção de di­rec­tor pro­vin­ci­al da Cul­tu­ra no Ben­go, foi um des­ta­ca­do ho­mem de cul­tu­ra que pau­tou a sua vi­da ar­tís­ti­ca a de­fen­der e a va­lo­ri­zar a iden­ti­da­de cul­tu­ral an­go­la­na, com a cri­a­ção de can­ções que mar­ca­ram o quo­ti­di­a­no dos an­go­la­nos.

“Com um ri­co re­per­tó­rio mu­si­cal, Moi­sés Ka­fa­la dei­xa um le­ga­do pa­ra as no­vas ge­ra­ções, sen­do um exem­plo a se­guir pa­ra a ju­ven­tu­de que vê no mun­do das ar­tes o ca­mi­nho pa­ra dar o seu con­tri­bu­to pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e afir­ma­ção do país no con­tex­to das Na­ções”, lê-se na no­ta.

Em de­cla­ra­ções, on­tem, ao Jor­nal de An­go­la, a adi­da de im­pren­sa da Em­bai­xa­da de An­go­la na Na­mí­bia, Cha­na de Ara­gão, in­for­mou que es­tão a ser en­vi­da­dos to­dos os es­for­ços no sen­ti­do de a trans­la­da­ção do cor­po ser fei­ta ama­nhã à tar­de. “A Em­bai­xa­da de An­go­la na Na­mí­bia e mem­bros da fa­mí­lia do mú­si­co es­tão a tra­ba­lhar nos as­pec­tos bu­ro­crá­ti­cos no sen­ti­do de o cor­po de Moi­sés Ka­fa­la ser trans­la­da­do pa­ra o país no do­min­go à tar­de.”

Zé Ka­fa­la, ir­mão do ma­lo­gra­do, dis­se, on­tem, que es­tão a ser cri­a­das as con­di­ções pa­ra que o fu­ne­ral se­ja re­a­li­za­do na ter­ra na­tal de Moi­sés Ka­fa­la, pro­vín­cia do Ben­go, on­de nas­ceu no dia 7 de Se­tem­bro de 1950, no mu­ni­cí­pio de Bu­la Atum­ba.

Re­cor­da-se que o in­faus­to acon­te­ci­men­to ocor­reu nu­ma uni­da­de hos­pi­ta­lar de Windho­ek, ca­pi­tal da Na­mí­bia, on­de se en­con­tra­va em tra­ta­men­to mé­di­co por cau­sa de pro­ble­mas li­ga­dos às cor­das vo­cais.

Ben­go la­men­ta

Em de­cla­ra­ções on­tem, ao Jor­nal de An­go­la, em Ca­xi­to, os mú­si­cos da pro­vín­cia do Ben­go la­men­ta­ram a mor­te de Moi­sés Ka­fa­la, con­si­de­ran­do uma per­da ir­re­pa­rá­vel, por ter si­do um con­se­lhei­ro, ami­go e di­ri­gen­te exem­plar, que sem­pre pau­tou por uma con­du­ta cor­rec­ta du­ran­te o exer­cí­cio das su­as fun­ções.

Pa­ra o mú­si­co Tui­za­na An­dra­de Pau­lo, a mor­te de Moi­sés Ka­fa­la “dei­xa to­dos ór­fãos, pois sem­pre foi um guia por es­tar sem­pre a par das in­qui­e­ta­ções da clas­se ar­tís­ti­ca lo­cal.”

Ex­pli­ca que o país per­deu um dos seus me­lho­res com­po­si­to­res e pro­mo­to­res da cul­tu­ra an­go­la­na: “Ele nos jun­ta­va à mes­ma me­sa pa­ra de­ba­ter­mos as­sun­tos da clas­se. Ape­la­va sem­pre à união dos mú­si­cos no sen­ti­do de uma mai­or afir­ma­ção da mú­si­ca e in­tér­pre­tes lo­cais.”

O mú­si­co Es­cór­cio Bom­bo con­si­de­rou Moi­sés Ka­fa­la um ar­tis­ta in­te­li­gen­te e pre­o­cu­pa­do em aju­dar o pró­xi­mo. “Ele foi um pai que deu um gran­de con­tri­bu­to na di­vul­ga­ção da mú­si­ca po­pu­lar an­go­la­na.”

Pa­ra Dom Ma­nix, o ma­lo­gra­do foi al­guém de tra­to fá­cil e com ca­pa­ci­da­de de in­te­ra­gir com mú­si­cos de vá­ri­as ge­ra­ções, por es­sa ra­zão, con­se­guia can­tar e en­can­tar to­das as ge­ra­ções.

O Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Ben­go, nu­ma no­ta de con­do­lên­ci­as di­ri­gi­da à fa­mí­lia, re­fe­re que a mú­si­ca an­go­la­na e a pro­vín­cia “fi­cam mas po­bres, pois além de ocu­par car­go de di­rec­ção e che­fia sem­pre apoi­ou ac­ções e ac­ti­vi­da­des cul­tu­rais, de que a pro­vín­cia do Ben­go se or­gu­lha.”

O De­par­ta­men­to de In­for­ma­ção e Pro­pa­gan­da (DIP) do Co­mi­té Cen­tral do MPLA in­for­ma nu­ma men­sa­gem de con­do­lên­ci­as, que, com o de­sa­pa­re­ci­men­to fí­si­co do ca­ma­ra­da Moi­sés Ka­fa­la, o MPLA “per­de um mi­li­tan­te exem­plar, bas­tan­te cul­to e a cul­tu­ra, um fi­el e exí­mio in­tér­pre­te da tro­va na­ci­o­nal.”

A pro­du­to­ra No­va Ener­gia, de­ten­to­ra do pro­jec­to cul­tu­ral “Show do Mês”, na sua men­sa­gem, re­fe­re que: “Moi­sés Ka­fa­la vai fi­car vi­va­men­te mar­ca­do na história da cul­tu­ra an­go­la­na, por tu­do o que ofe­re­ceu no ca­pí­tu­lo mu­si­cal, par­ti­cu­lar­men­te.”

Jo­sué de Cam­pos, co­nhe­ci­do nas li­des ar­tís­ti­cas co­mo Moi­sés Ka­fa­la, co­me­ça a es­cre­ver o seu no­me na mú­si­ca an­go­la­na com a par­ti­ci­pa­ção, em 1969, num con­cur­so mu­si­cal re­a­li­za­do na Es­co­la Pri­má­ria nº 147.

ED­MUN­DO EUCÍLIO | CA­XI­TO

Mú­si­cos do Ben­go con­si­de­ram o in­for­tú­nio uma per­da ir­re­pa­rá­vel pa­ra a cul­tu­ra na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.