DO­MIN­GO

Jornal de Angola - - PARTADA - FULA MAR­TINS |

One­gó­cio da ven­da de café com lei­te es­tá a cres­cer ra­pi­da­men­te na ci­da­de de Lu­an­da nos úl­ti­mos di­as. Tem iní­cio lo­go pe­las pri­mei­ras ho­ras da ma­nhã e os em­pre­en­de­do­res que de­ci­di­ram apos­tar nes­te ne­gó­cio tra­ba­lham pre­fe­ren­ci­al­men­te com jo­vens dos 20 aos 28 anos, mui­tos dos quais en­con­tra­ram nes­ta ac­ti­vi­da­de a sua pri­mei­ra opor­tu­ni­da­de de em­pre­go. Eles têm a mis­são de fa­zer che­gar o pro­du­to aos cli­en­tes lo­go pe­las pri­mei­ras ho­ras do dia nos mais va­ri­a­dos re­can­tos da ca­pi­tal do país.

As su­as ves­ti­men­tas de cor ver­me­lha di­fe­ren­cia-os dos de­mais jo­vens que cir­cu­lam pe­los vá­ri­os can­tos da ci­da­de de Lu­an­da, ven­den­do di­ver­sos tipos de pro­du­tos. No seu co­le­te, car­re­gam uma gar­ra­fa tér­mi­ca de água quen­te, café, lei­te, ado­çan­te e os co­pos des­car­tá­veis on­de ser­vem o pro­du­to.

Faus­ti­na Gou­veia, ven­de­do­ra, che­ga à Bai­xa de Lu­an­da às cin­co ho­ras. “Le­van­to-me às qua­tro ho­ras da ma­dru­ga­da, co­me­ço a pre­pa­rar as coi­sas pa­ra che­gar às cin­co na rua”, disse. Por ve­zes che­ga a apre­sen­tar 12 mil kwan­zas de re­cei­ta ao pa­trão.

Os con­su­mi­do­res con­si­de­ram o ne­gó­cio opor­tu­no, na me­di­da em que lhes per­mi­te to­mar o café lo­go pe­la ma­nhã, fo­ra de ca­sa. Jo­sé Aní­bal So­zi­nho, um dos cli­en­tes as­sí­du­os, con­ta que di­a­ri­a­men­te to­ma um co­po de café com lei­te. Ele ex­pli­ca que a ac­ti­vi­da­de tem aju­da­do mui­ta gen­te, prin­ci­pal­men­te os tra­ba­lha­do­res que che­gam ao lo­cal de tra­ba­lho mui­to ce­do sem to­mar o pe­que­no-al­mo­ço. “To­dos os di­as to­mo um co­po de café às seis ho­ras e aguen­ta-me até à ho­ra do al­mo­ço”, fri­sou.

Os em­pre­en­de­do­res con­si­de­ram o ne­gó­cio bas­tan­te ren­tá­vel. Em de­cla­ra­ção ao Jor­nal de Angola, Fi­lo­me­na An­dra­de, que ac­tua nes­te ra­mo, jus­ti­fi­cou a sua ade­são ao ne­gó­cio por con­si­de­rá­lo ren­tá­vel e por ser, tam­bém, um meio de em­pre­gar jo­vens que pro­cu­ram o pri­mei­ro em­pre­go.

Fi­lo­me­na An­dra­de in­ves­tiu cer­ca de 83 mil kwan­zas no ne­gó­cio. “Sin­to-me fe­liz por con­se­guir ti­rar os jo­vens de maus ca­mi­nhos, bem co­mo de al­guns ví­ci­os que le­va­vam”, disse, acres­cen­tan­do que no final sa­em to­dos a ga­nhar.

Go­mes Paulo, um dos ven­de­do­res de café com lei­te, co­me­çou a exer­cer es­sa ac­ti­vi­da­de por­que es­ta­va a en­fren­tar di­fi­cul­da­des de or­dem fi­nan­cei­ra. “In­gres­sei nes­te em­pre­go por­que es­ta­va mes­mo a ne­ces­si­tar de uma es­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra e es­se ti­po de tra­ba­lho vai mu­dar a minha vida. Já não de­pen­de­rei mais da minha mãe”, disse.

A par das van­ta­gens pro­por­ci­o­na­das por es­se ne­gó­cio, os ven­de­do­res tam­bém en­con­tram al­guns pro­ble­mas. “Exis­tem pes­so­as que vêem com a ca­pa de cliente e no fun­do são mar­gi­nais que aca­bam rou­ban­do o nos­so di­nhei­ro”, con­tou Go­mes Paulo.

FRAN­CIS­CO BERNARDO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.