Fa­mí­li­as cha­ma­das à uni­da­de

Dom Pe­tar Ra­jic exor­tou cris­tãos a irem além das “pe­que­nas tri­bos de fa­mí­li­as”

Jornal de Angola - - PARTADA - CRIS­TI­NA DA SIL­VA |

O nún­cio apos­tó­li­co em An­go­la, Dom Pe­tar Ra­jic, exor­tou on­tem os cris­tãos e to­dos os ho­mens de boa von­ta­de a le­va­rem a mi­se­ri­cór­dia e a so­li­da­ri­e­da­de “além das pe­que­nas tri­bos fa­mi­li­a­res”. O re­pre­sen­tan­te do Va­ti­ca­no fa­la­va on­tem no en­cer­ra­men­to da pe­re­gri­na­ção à Mu­xi­ma di­an­te de de­ze­nas de mi­lha­res de fiéis ca­tó­li­cos e de ou­tras con­fis­sões re­li­gi­o­sas oriun­dos de to­das as re­giões do país e do es­tran­gei­ro.

O nún­cio apos­tó­li­co em An­go­la, Dom Pe­tar Ra­jic, con­si­de­rou im­por­tan­te o cris­tão bus­car o en­ten­di­men­to da sabedoria de Deus, a fim de “des­co­brir o Céu atra­vés do dom do Es­pí­ri­to San­to”.

O re­pre­sen­tan­te di­plo­má­ti­co da San­ta Sé, que fa­la­va on­tem no en­cer­ra­men­to da pe­re­gri­na­ção à Mu­xi­ma di­an­te de de­ze­nas de mi­lha­res de fiéis ca­tó­li­cos e de ou­tras con­fis­sõe­so­riun­dos de to­das as re­giões do país e do es­tran­gei­ro, acres­cen­tou ser im­por­tan­te “que o ho­mem co­nhe­ça as coi­sas que agra­dam a Deus”.

A ce­ri­mó­nia de en­cer­ra­men­to da pe­re­gri­na­ção à Mu­xi­ma foi marcada pe­la pre­sen­ça de vá­ri­as in­di­vi­du­a­li­da­des po­lí­ti­cas, com des­ta­que pa­ra o go­ver­na­dor de Lu­an­da, Hi­gi­no Car­nei­ro, da mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, do co­man­dan­te-ge­ral da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, Am­bró­sio de Le­mos, e da vi­ce-go­ver­na­do­ra de Lu­an­da, Jo­ve­li­na Im­pe­ri­al.

Ba­se­an­do-se em tre­chos da Bí­blia, Pe­tar Ra­jic dis­se que “Deus é o re­fú­gio dos cris­tãos, pe­lo que o Evan­ge­lho os con­vi­da a se­guir a Cris­to, car­re­gan­do ca­da um a sua cruz atra­vés de so­fri­men­tos, de­sâ­ni­mos, tris­te­zas e pro­ble­mas so­ci­ais ou até na­tu­rais”.

“Os cris­tãos de­vem es­tar em cons­tan­te co­mu­nhão com Cris­to, pa­ra que as tris­te­zas não os aba­lem”, re­for­çou, sa­li­en­tan­do que os que vão ao San­tuá­rio da Mu­xi­ma o fa­zem “na pro­cu­ra da gra­ça da fe­li­ci­da­de, di­an­te das di­fi­cul­da­des, bus­can­do pri­mei­ro o per­dão”. Ma­ria, pros­se­guiu Pe­tar Ra­jic, “faz o exer­cí­cio de mi­se­ri­cór­dia por ser a mu­lher es­co­lhi­da pa­ra dar à luz ao fi­lho uni­gé­ni­to de Deus. Por es­ta ra­zão ve­ne­ra­mos a Mãe da Mi­se­ri­cór­dia, por­que acre­di­ta­mos na sua in­ter­ces­são atra­vés das ora­ções dos fiéis, por­que não há na­da que uma mãe pe­ça ao fi­lho e es­te não lhe con­ce­da”, fri­sou. O nún­cio apos­tó­li­co de­fen­deu que “o amor e a mi­se­ri­cór­dia são ca­pa­zes de su­por­tar to­dos os de­sa­fi­os” e que o cris­tão “não de­ve per­mi­tir que a fa­mí­lia e o em­pre­go ocu­pem o lu­gar de Deus na sua vi­da”.

Pe­tar Ra­jic su­bli­nhou que “qu­em odeia não fi­ca em paz con­si­go mes­mo. De­ve­mos sen­tir-nos in­ter­pe­la­dos. Ser bál­sa­mo e si­nal de es­pe­ran­ça pa­ra que a vi­da te­nha sen­ti­do. Não nos fe­che­mos ape­nas em pe­que­nas tri­bos de fa­mí­li­as, mas aber­tos a Cris­to”. Dom Pe­tar Ra­jic con­cluiu com um ape­lo à ca­ri­da­de den­tro e fo­ra das fa­mí­li­as. “É im­por­tan­te que o cris­tão te­nha amor ao pró­xi­mo, se­ja ca­paz de re­con­ci­li­ar e cri­ar a so­li­da­ri­e­da­de pa­ra com os ou­tros”, dis­se.

O bis­po de Vi­a­na, Dom Jo­a­quim Fer­rei­ra Lo­pes, anun­ci­ou a aber­tu­ra em bre­ve da Igre­ja da Ca­ba­la, cons­truí­da com as con­tri­bui­ções dos pe­re­gri­nos da Mu­xi­ma.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Cen­te­nas de mi­lha­res de pe­re­gri­nos pro­ve­ni­en­tes de to­dos os can­tos do país e do mun­do ex­pri­mi­ram a sua fé e de­vo­ção à Ma­mã Mu­xi­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.