As do­ces la­ran­jas do Tom­bo­co

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA |

A ba­nhei­ra de plás­ti­co es­ta­va chei­i­nha do sol ama­re­lo das la­ran­jas. E as la­ran­jas ti­nham ca­da uma a sua has­te­zi­nha com uma fo­lhi­nha ver­de que pin­ta­vam de se­re­na agri­cul­tu­ra o ca­mi­nho da qui­tan­dei­ra no pas­seio.

Pa­rei o car­ro e per­gun­tei, mãe­zi­nha, quan­to é o mon­te de la­ran­jas? É qui­nhen­tos kwan­zas, pai, me res­pon­deu ela, o olhar so­lí­ci­to, a ale­gria nos olhos. En­cheu­me um sa­qui­nho de plás­ti­co. Qua­tro la­ran­jas. Dei-lhe uma no­ta cas­ta­nha de 500 kwan­zas. Mais ba­ra­to que no shop­ping. Obri­ga­do, pa­pá, me dis­se a se­nho­ra da ba­nhei­ra chei­i­nha de la­ran­jas.

An­tes de re­por o car­ro em mar­cha, quis sa­ber, mãe­zi­nha, es­sas la­ran­jas vêm de on­de? Es­sa la­ran­ja é do Tom­bo­co, pai, es­cla­re­ceu a qui­tan­dei­ra de pés em­po­ei­ra­dos, saia pe­lo jo­e­lho, blu­sa ama­re­la es­ti­ca­da pe­los sei­os far­tos de ama­men­tar, a ro­di­lha na ca­be­ça pa­ra ama­ci­ar o pe­so da ba­nhei­ra chei­i­nha de la­ran­jas e o pa­no do di­nhei­ro ro­dan­do-lhe a cin­tu­ra ma­ter­nal.

Des­cas­quei uma la­ran­ja e chu­pei um go­mo. O su­mo era gos­to­so, e mis­tu­ra­va na mi­nha bo­ca a oblon­ga as­pe­re­za das se­men­tes. Não é co­mo a la­ran­ja im­por­ta­da, pen­sa­da nos la­bo­ra­tó­ri­os, que não traz se­men­te. En­tão ima­gi­nei o país to­do, de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne, abas­te­ci­do de la­ran­jas do­ces do Tom­bo­co. Ima­gi­nei o pró­prio Tom­bo­co, ali na pro­vín­cia do Zai­re, to­do ele ama­re­lo com os sóis mi­nús­cu­los des­sas la­ran­jas a pen­der das co­pas ver­des dos la­ran­jais. Ima­gi­nei os po­ma­res dos agri­cul­to­res a per­der de vis­ta, num qua­dro re­ple­to de be­le­za que ins­pi­ra­ria o gran­de na­tu­ra­lis­ta da pin­tu­ra an­go­la­na, Ne­ves e Sou­sa. Ima­gi­nei os na­vi­os a trans­por­ta­rem cai­xas e cai­xas de la­ran­jas do por­to do Zai­re pa­ra Ca­bin­da, Benguela, Lu­an­da e Na­mi­be. Do Na­mi­be, cai­xas e cai­xas de la­ran­jas a irem de com­boio pa­ra o Cu­an­do Cu­ban­go.

Nes­se meu do­ce de­va­neio, so­mei uma sau­da­de do­ci­nha de quan­do, no tempo do co­lo­no, a mi­nha ir­mã en­vi­a­va de Sil­va Por­to pa­ra Lu­an­da, nos me­ses de Ca­cim­bo (que é quan­do as la­ran­jas ama­du­re­cem), uma cai­xa de la­ran­jas do­ci­nhas co­mo mel, no fre­te ba­ra­tís­si­mo du­ma com­pa­nhia de vi­a­ção. Es­sas la­ran­jas eram di­fe­ren­tes das do Tom­bo­co. Ti­nham um ma­mi­lo­zi­to num dos pó­los. Mas tam­bém ti­nham se­men­tes. To­da a fru­ta na­tu­ral tem se­men­tes. En­tão pen­sei, se in­ves­tís­se­mos na pro­du­ção de la­ran­ja no Bié, os ci­da­dãos do Mo­xi­co po­di­am co­mer as la­ran­jas que iri­am des­de o Kui­to, de com­boio, pas­san­do pe­lo Hu­am­bo, on­de fi­ca­ri­am umas bo­as to­ne­la­das des­sas la­ran­jas com um pe­que­ni­no ma­mi­lo su­ma­ren­to. E de com­boio iri­am tam­bém pa­ra a Huí­la e pa­ra as Lun­das. E vol­tei a ima­gi­nar, des­de Ca­bin­da até ao Cu­ne­ne, as la­ran­jas nas mãos das cri­an­ças das es­co­las, na ho­ra aben­ço­a­da do lan­che. Ima­gi­nei os res­tau­ran­tes a ser­vi­rem aos cli­en­tes su­mo na­tu­ral de la­ran­ja. A 100 ou 200 kwan­zas o co­po. Não mais co­mo ago­ra, que um sim­ples su­mo na­tu­ral cus­ta 1.200 kwan­zas. Por­que, quan­do há mui­ta pro­du­ção, o preço ani­cha-se no bol­so do con­su­mi­dor. As­sim a fa­lar com os meus bo­tões, aca­bei de co­mer a la­ran­ja e guar­dei as se­men­tes num guar­da­na­po de pa­pel. Um dia, qu­em sa­be?, ain­da ar­ran­jo uma terra e plan­to um la­ran­jal.

Nes­sa fa­la com o au­tor des­ta cró­ni­ca, de­se­nhei o com­boio até Ma­lan­je cheio de la­ran­jas. E o com­boio pas­san­do por Vi­a­na e Ca­te­te e dei­xan­do la­ran­jas. Ima­gi­nei An­go­la a ex­por­tar la­ran­jas do­ci­nhas do Tom­bo­co e do Bié. E veio à mi­nha men­te o con­to de Ga­bri­el Gar­cía Mar­quez, “A In­crí­vel e Tris­te His­tó­ria da Cân­di­da He­rên­di­ra e sua Avó De­sal­ma­da”, um con­to po­vo­a­do de la­ran­jas que es­con­di­am uma pe­pi­ta de ou­ro no pol­me.

Vos es­cre­vo es­ta es­tó­ria: as pe­pi­tas de ou­ro das nos­sas la­ran­jas a vi­a­jar nos trans­por­tes ro­do­viá­ri­os, fer­ro­viá­ri­os e ma­rí­ti­mos, bem or­ga­ni­za­dos na mão do pri­va­do co­mo man­da a eco­no­mia de mer­ca­do, o sol doi­ra­do das nos­sas la­ran­jas pre­ser­va­do em con­ten­to­res fri­go­rí­fi­cos no sí­tio da par­ti­da e no lo­cal da che­ga­da. Es­ses miú­dos que an­dam por Lu­an­da com um car­ri­nho de mão das obras a ven­der ba­na­na-pão, ce­bo­la e to­ma­te, ven­den­do as la­ran­jas do Tom­bo­co mon­ta­dos em bi­ci­cle­tas de três ro­das, com a car­ro­ça­zi­nha à fren­te. As qui­tan­dei­ras de la­ran­ja, co­mo no tempo do co­lo­no, em­be­le­zan­do os pas­sei­os com as su­as ba­nhei­ras chei­i­nhas da do­çu­ra ama­re­la. Os nos­sos pas­sei­os não têm de ser exac­ta­men­te co­mo os pas­sei­os da Eu­ro­pa e da Amé­ri­ca. Qui­tan­dei­ra de Lu­an­da tem pregão de pei­xe, é ma­coa, é boa ma­coa, mi­nha se­nho­ra, e tem o pregão, com­pra la­ran­ja do­ci­nha, co­mo can­tou o Po­e­ta na Sa­gra­da Es­pe­ran­ça. Qui­tan­dei­ra não é zun­guei­ra. Co­nhe­ço a di­fe­ren­ça, por­que tam­bém sou qui­tan­dei­ro de pa­la­vras e zun­guei­ro de sor­ri­sos, que tris­te­zas não pa­gam dí­vi­das. Da Vi­da, her­dei a ima­gi­na­ção de po­e­ta e o do­ce sa­bor das la­ran­jas no céu da bo­ca. Mas não que­ro nun­ca ter sau­da­des das la­ran­jas do Tom­bo­co, co­mo te­nho ago­ra das la­ran­jas que vi­nham de Sil­va Por­to, no tempo do co­lo­no. Por­que ter sau­da­des é não ter a coi­sa de que se tem sau­da­des. Que­ria era ter, du­ran­te o ano in­tei­ro, o sol do­ce des­sas la­ran­jas a ar­der na mi­nha gar­gan­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.