Uten­sí­li­os de plás­ti­co pe­ne­tram em Áfri­ca

Pe­la pri­mei­ra vez vá­ri­as to­ne­la­das de aces­só­ri­os em plás­ti­co che­gam ao mer­ca­do da Zâm­bia com a ima­gem da pa­lan­ca ne­gra gi­gan­te

Jornal de Angola - - PARTADA - NATACHA RO­BER­TO|

À en­tra­da de um dos su­per­mer­ca­dos em Lu­an­da sal­ta à vis­ta uma fi­lei­ra de pro­du­tos em ma­te­ri­al plás­ti­co re­ves­ti­do e em vá­ri­as co­res. Bal­des pa­ra lim­pe­za do­més­ti­ca, ba­ci­as e ou­tros uten­sí­li­os de plás­ti­co, em vá­ri­os mo­de­los e for­ma­tos, com o selo “Fei­to em An­go­la”, par­ti­lham es­pa­ços nos ar­ma­zéns e em gran­des su­per­fí­ci­es em Lu­an­da e nou­tros cen­tros ur­ba­nos, com pro­du­tos vin­dos de fo­ra.

Num su­per­mer­ca­do nos ar­re­do­res da Bai­xa de Lu­an­da, a nos­sa re­por­ta­gem abor­dou o ca­sal Fe­li­ci­a­no Cris­tó­vão e Ké­nia Nun­da, pa­ra uma con­ver­sa des­con­traí­da, en­quan­to car­re­ga­vam no car­ri­nho de com­pras um bal­de de lim­pe­za e ou­tros uten­sí­li­os de plás­ti­co. Apa­ren­te­men­te, o ca­sal lan­ça­ra mão aos pro­du­tos co­mo qu­em apro­vei­ta uma pro­mo­ção, mas não foi pro­pri­a­men­te o que acon­te­ceu.

O pri­mei­ro gran­de mo­ti­vo do “car­re­ga­men­to” fei­to pe­lo ca­sal foi a ne­ces­si­da­de de ali­ar dois ele­men­tos que cos­tu­mam ser de­ci­si­vos na ho­ra de fa­zer com­pras, qua­li­da­de e bai­xo preço. No ca­so dos uten­sí­li­os de plás­ti­co fei­tos em An­go­la, há uma com­bi­na­ção dos dois ele­men­tos, co­mo ates­tou Ké­nia.

Avi­sa­da por uma ami­ga, a fun­ci­o­ná­ria pú­bli­ca foi ao su­per­mer­ca­do com­prar uma ba­nhei­ra, da­que­les usa­das pa­ra o ba­nho de be­bé, pa­ra ofe­re­cer à ir­mã que aca­ba­ra de dar à luz, mas apro­vei­tou le­var três bal­des (um mai­or pa­ra ar­ma­ze­nar água e dois pa­ra lim­pe­za do­més­ti­ca) e ain­da du­as jar­ras e seis co­pos.

A ca­mi­nho da lo­ja e na com­pa­nhia do ami­go, Ké­nia sa­bia bem o que ia en­con­trar. Co­mo re­fe­riu, re­ce­a­va ape­nas que já não en­con­tras­se os pro­du­tos ao preço que a ami­ga lhe re­la­ta­ra pe­las re­des so­ci­ais. Na ver­da­de, há já al­guns anos que o mer­ca­do in­ter­no viu mu­dar uma re­a­li­da­de em re­la­ção à ofer­ta de uten­sí­li­os de plás­ti­co, com o de­crés­ci­mo das im­por­ta­ções fru­to de um in­ves­ti­men­to fei­to pe­lo gru­po An­go Rayan.

A em­pre­sa, lo­ca­li­za­da no mu­ni­cí­pio de Vi­a­na, de­tém uma quo­ta sig­ni­fi­ca­ti­va do mer­ca­do an­go­la­no no co­mér­cio de mo­bí­lia e pro­du­tos de uso do­més­ti­co de gran­de uti­li­da­de pa­ra as do­nas de ca­sa, co­mo ces­tos, bal­des, ba­nhei­ras, co­pos e jar­ras, além de mo­de­los di­fe­ren­tes de me­sas e de ca­dei­ras.

Nas pra­te­lei­ras e em es­pa­ços dos su­per­mer­ca­dos Ke­ro, Ki­ba­bo, Jum­bo, de lo­jas co­mo a Ca­sa­con e a Ma­bí­lio Co­mer­ci­al e de uma gran­de re­de de pe­que­nos ar­ma­zéns em to­dos os mu­ni­cí­pi­os, es­ses pro­du­tos des­ta­cam-se nas mon­tras, pra­te­lei­ras e em es­pa­ços de ex­po­si­ção pa­ra ven­da.

Sal­dou-se fe­liz a apos­ta num de­sig­ner mais mo­der­no e com co­res atrac­ti­vas, co­mo a ama­re­la, li­lás, ro­sa, la­ran­ja e azul, que aca­ba­ram por fa­zer dis­pa­rar as ven­das. Nas ru­as, com as zun­guei­ras, é fá­cil per­ce­ber que, na sua mai­o­ria, as ba­ci­as, por­que no­vas e mais lim­pas, dão uma ou­tra gra­ça aos pro­du­tos ven­di­dos. Jun­ta-se ain­da as mar­mi­tas que per­mi­tem trans­por­tar re­fei­ções.

Os aces­só­ri­os do­més­ti­cos pro­du­zi­dos em plás­ti­co são mui­to apre­ci­a­dos pe­los con­su­mi­do­res por se­rem du­rá­veis e a pre­ços que va­ri­am en­tre os 50 e os três mil kwan­zas. Tão atrac­ti­vos, que, di­a­ri­a­men­te, ca­miões de 10 to­ne­la­das abas­te­cem lo­jas em Lu­an­da e nou­tras ur­bes do in­te­ri­or do país.

O per­cur­so de dis­tri­bui­ção dos pro­du­tos co­me­ça ce­do. Pe­la ma­nhã, os ca­miões se­guem pa­ra os es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais on­de as en­co­men­das so­li­ci­ta­das são diá­ri­as e se­ma­nais. Por exem­plo, o su­per­mer­ca­do de elec­tro­do­més­ti­cos Ki­ba­bo re­ce­be vá­ri­as quan­ti­da­des fa­ce ao vo­lu­me de cli­en­tes que acor­rem di­a­ri­a­men­te ao lo­cal.

A ro­ti­na é sem­pre a mes­ma co­mo con­ta João Al­ber­to, es­ti­va­dor no su­per­mer­ca­do Ki­ba­bo. Sem quais­quer cons­tran­gi­men­tos, os pro­fis­si­o­nais fa­zem o car­re­ga­men­to de mer­ca­do­ri­as que, em pou­cas ho­ras, vão pa­ra as pra­te­lei­ras dos su­per­mer­ca­dos.

Mi­lha­res de to­ne­la­das

Pa­ra abas­te­cer as gran­des e pe­que­nas su­per­fí­ci­es no país, a em­pre­sa pro­duz to­dos os me­ses 1.500 to­ne­la­das de pro­du­tos em plás­ti­co. Anu­al­men­te, a fá­bri­ca so­ma 18 mil to­ne­la­das, com as 32 li­nhas de pro­du­ção em fun­ci­o­na­men­to que ope­ram inin­ter­rup­ta­men­te no fa­bri­co dos vá­ri­os mo­de­los em plás­ti­co.

A An­go Rayan cri­a­da em 2002 co­me­çou com uma pro­du­ção se­ma­nal de ape­nas 50 to­ne­la­das de plás­ti­co e, com o au­men­to da pro­du­ção, atin­giu um in­ves­ti­men­to de 40 mi­lhões de dó­la­res.

No iní­cio do pró­xi­mo ano, a An­go Rayan vai apli­car cer­ca de dois mi­lhões de dó­la­res na am­pli­a­ção das li­nhas de pro­du­ção, pa­ra ga­ran­tir uma pro­du­ção men­sal de 1.700 to­ne­la­das e uma so­ma anu­al de 20.400 em pro­du­tos plás­ti­cos.

Pri­mei­ra exportação

Com o au­men­to da pro­du­ção, a em­pre­sa re­a­li­zou em Ju­lho des­te ano, a pri­mei­ra exportação pa­ra a Zâm­bia, num vo­lu­me de 20 to­ne­la­das, en­tre mo­bí­li­as e uten­sí­li­os de uso do­més­ti­co em plás­ti­co.

To­dos os pro­du­tos le­va­dos pa­ra o mer­ca­do zam­bi­a­no le­vam o ró­tu­lo “Fa­bri­ca­do em An­go­la”, com a ima­gem da pa­lan­ca ne­gra gi­gan­te.

Além da Zâm­bia, es­tá em ne­go­ci­a­ção o mer­ca­do da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC).

Mer­ca­do ex­ter­no

A em­pre­sa tem cri­a­do um con­jun­to de no­vos aces­só­ri­os pa­ra uso do­més­ti­co em plás­ti­co que vão, em bre­ve, ser lan­ça­dos no mer­ca­do na­ci­o­nal, de­pois na Zâm­bia e nou­tros paí­ses vi­zi­nhos.

Es­tá pro­va­do que os no­vos pro­du­tos têm mer­ca­do a ní­vel ex­ter­no. Os ope­ra­do­res de má­qui­na já be­ne­fi­ci­a­ram de uma for­ma­ção pa­ra tra­ba­lhar na im­pres­são des­tes pro­du­tos. Ins­ta­la­da nu­ma área de 25 mil me­tros qua­dra­dos, a fá­bri­ca des­ti­na-se ape­nas a mon­tar pro­du­tos com re­sis­tên­cia apro­va­da in­ter­na­ci­o­nal­men­te, atra­vés de um sis­te­ma de pro­du­ção de úl­ti­ma ge­ra­ção.

A má­qui­na de inox, com es­pes­su­ra ver­ti­cal, faz a mis­tu­ra da ma­té­ria-pri­ma de­no­mi­na­da “po­li­po­pi­le­ne”, um pro­du­to de cor bran­ca, ex­traí­do do trans­for­ma­do do pe­tró­leo. Com a ma­té­ria-pri­ma e a adi­ção da cor desejada, num so­pro, é ex­pe­li­do o uten­sí­lio que sai se­ja no for­ma­to de um jar­ro, co­po, se­ja mo­bí­lia em plás­ti­co.

No in­te­ri­or da fá­bri­ca, vá­ri­as má­qui­nas ope­ram da mes­ma for­ma, em­bo­ra ca­da uma de­las te­nha a fun­ção de cri­ar um ti­po di­fe­ren­te de uten­sí­li­os em plás­ti­co.

Du­ran­te o pro­ces­so de cri­a­ção, elas, ra­pi­da­men­te, mol­dam as pe­ças em plás­ti­co e dão cor ao pro­du­to, com o apoio e su­per­vi­são de um ope­ra­dor de má­qui­na. To­dos os apa­re­lhos, em­bo­ra in­te­li­gen­tes, precisam dos ope­ra­do­res pa­ra o aca­ba­men­to fi­nal da pe­ça.

A fá­bri­ca que se des­ti­na à pro­du­ção de plás­ti­cos es­tá di­vi­di­da em três sec­ções fa­bris: a uni­da­de de pro­du­ção de aces­só­ri­os de uso do- més­ti­co, que do­mi­na a mai­or par­te do es­pa­ço de 25 mil me­tros qua­dra­dos, a área de re­ci­cla­gem e a fá­bri­ca de sa­cos plás­ti­cos. Vá­ri­os ti­pos e ta­ma­nhos de sa­cos plás­ti­cos são cri­a­dos pe­la uni­da­de fa­bril que pre­ten­de apoi­ar a in­dús­tria ali­men­tar, com a em­ba­la­gem de hor­tí­co­las e de le­gu­mi­no­sas. Es­te seg­men­to faz par­te da po­lí­ti­ca de ex­pan­são da em­pre­sa que pro­duz mais de 50 to­ne­la­das de sa­cos plás­ti­cos por se­ma­na. Mais de 100 tra­ba­lha­do­res ga­ran­tem a pro­du­ção diá­ria do pro­du­to trans­pa­ren­te.

Cen­te­nas de em­pre­gos

A fá­bri­ca em­pre­ga mil tra­ba­lha­do­res. As três li­nhas de pro­du­ção es­ti­ma­das pa­ra o pró­xi­mo ano vão ga­ran­tir mais va­gas a mo­ra­do­res de Vi­a­na. A fir­ma an­go­la­na tem co­mo cri­té­rio fun­da­men­tal em­pre­gar mo­ra­do­res dos ar­re­do­res da área on­de fi­ca a fá­bri­ca.

Na fá­bri­ca, ho­mens e mu­lhe­res com mais ida­de fa­zem a di­fe­ren­ça. O di­na­mis­mo e a von­ta­de de ver o trabalho con­cluí­do com per­fei­ta qua­li­da­de são fun­da­men­tais pa­ra Jo­a­quim de Al­mei­da.

Des­mo­bi­li­za­do das Forças Armadas An­go­la­nas (FAA), aos 54 anos de ida­de, o pai de qua­tro fi­lhos foi en­qua­dra­do na fá­bri­ca aos 40. Em­bo­ra te­nha en­con­tra­do, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te, jo­vens na fai­xa dos 18 aos 20 anos, Jo­a­quim de Al­mei­da, sem­pre, foi des­te­mi­do e pro­fis­si­o­nal. Mo­ra­dor no bair­ro No­cal, en­trou co­mo ope­ra­dor de em­ba­la­gem em 2002, Ho­je, é o res­pon­sá­vel ad­jun­to de pro­du­ção.

AAn­go Rayan além de in­te­grar mo­ra­do­res da cir­cuns­cri­ção, dá for­ma­ção con­tí­nua aos tra­ba­lha­do­res e apoia com ac­ti­vi­da­des so­ci­ais as su­as fa­mí­li­as. Be­til­son da Cruz sol­tei­ro, in­te­grou-se aos 18 anos de ida­de, em 2003.

Há 13 anos na em­pre­sa, o res­pon­sá­vel das ope­ra­ções de pro­du­ção de sa­cos de plás­ti­co con­tou sem­pre com o apoio da em­pre­sa pa­ra sus­ten­tar a sua fa­mí­lia. Pai de qua­tro fi­lhos, be­ne­fi­ci­ou de uma for­ma­ção pa­ra ma­nu­ten­ção das má­qui­nas.

Mo­ra­dor no bair­ro Gra­fa­nil, em Vi­a­na, es­tá a er­guer a sua ca­sa no mes­mo lo­cal pa­ra dar mai­or co­mo­di­da­de à sua fa­mí­lia. Tal co­mo Be­til­son da Cruz, Jo­a­na Nguia, mãe de três fi­lhos, sus­ten­ta a fa­mí­lia com o sa­lá­rio que au­fe­re na fá­bri­ca. Na fun­ção de em­ba­la­do­ra de sa­cos, Jo­a­na Nguia te­ve al­gu­mas di­fi­cul­da­des no iní­cio, ho­je su­pe­ra­das com a for­ma­ção con­tí­nua que ob­te­ve na em­pre­sa.

A com­ple­xi­da­de no iní­cio tem si­do fre­quen­te uma vez que o trabalho de ope­ra­dor de má­qui­nas exi­ge con­cen­tra­ção. Fi­li­pe Chi­co­la é na­tu­ral de Ico­lo e Ben­go. Com ape­nas seis me­ses na fá­bri­ca, ain­da es­tá a be­ne­fi­ci­ar de ac­ções de for­ma­ção pa­ra me­lho­rar o seu de­sem­pe­nho nas fun­ções de ava­li­a­dor dos co­pos de plás­ti­co fa­bri­ca­dos.

Além de Fi­li­pe, a es­tu­dan­te uni­ver­si­tá­ria do cur­so de Con­ta­bi­li­da­de na Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de An­go­la, ga­nha mai­or tra­que­jo no ma­nu­seio da em­ba­la­gem de sa­cos plás­ti­cos. Ape­nas com três me­ses de ca­sa, a jo­vem es­tu­dan­te pre­ci­sou de três se­ma­nas pa­ra tra­ba­lhar nes­ta área sem o apoio dos formadores.

Ino­va­ção e re­ci­cla­gem

Na em­pre­sa, ne­nhum pro­du­to é dei­ta­do fo­ra. To­dos os aces­só­ri­os pro­du­zi­dos em plás­ti­co ga­nham for­ma e cor, de­pois de tri­tu­ra­dos nu­ma uni­da­de de re­ci­cla­gem. Em du­as ho­ras, o ces­to ou a ca­dei­ra de­for­ma­da ficam trans­for­ma­dos em frag­men­tos e, as­sim, são le­va­dos pa­ra a má­qui­na de cri­a­ção de pro­du­tos plás­ti­cos.

Ape­nas me­nos de um por cen­to do que é pro­du­zi­do na fá­bri­ca sai com al­gu­ma de­for­ma­ção. Quan­do is­so acon­te­ce, vai lo­go pa­ra a área de re­ci­cla­gem on­de é moí­do com o ma­nu­seio de um ope­ra­dor de má­qui­na. Ma­nu­el Ca­lei tra­ba­lha na área. Ao lon­go da se­ma­na, re­ce­be quan­ti­da­des mí­ni­mas de pe­da­ços de plás­ti­co e ma­te­ri­al mal con­ce­bi­do pa­ra tri­tu­rar na má­qui­na.

A em­pre­sa vo­ca­ci­o­na­da à pro­du­ção de plás­ti­cos es­tá pre­o­cu­pa­da com o meio am­bi­en­te. Por es­te mo­ti­vo, os 1.000 tra­ba­lha­do­res re­ce­bem ins­tru­ções to­dos os me­ses so­bre as van­ta­gens de se pro­te­ger o meio am­bi­en­te, uti­li­zan­do téc­ni­cas de pro­du­ção cor­rec­tas e acei­tá­veis a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal. A in­dús­tria de em­ba­la­gem de plás­ti­cos é no país e no mun­do res­pon­sá­vel pe­la ge­ra­ção de pe­que­nos em­pre­en­de­do­res pe­lo cus­to bai­xo de in­ves­ti­men­to. No país, o seg­men­to da ac­ti­vi­da­de na fa­se ini­ci­al ge­ra pou­cos cus­tos e tem cri­a­do mui­tas oportunidades de ren­di­men­to.

A em­pre­sa An­go Rayan apoia em­pre­en­de­do­res que quei­ram en­trar no ne­gó­cio, ce­den­do pro­du­tos plás­ti­cos pa­ra re­ven­da num pra­zo de­fi­ni­do. Ma­ri­a­na João é um dos exem­plos. Ini­ci­ou a sua ac­ti­vi­da­de de co­mér­cio a re­ta­lho de pro­du­tos de plás­ti­co em 2005, na ci­da­de do Hu­am­bo, sua terra na­tal. Com o au­men­to dos ren­di­men­tos, de­ci­diu cons­truir um armazém de ven­da a gros­so dos pro­du­tos.

Nu­ma par­ce­ria com a ir­mã, Ma­ri­a­na João com­pra, há mais de cin­co anos, 10 to­ne­la­das de pro­du­tos plás­ti­cos na em­pre­sa An­go Rayan, pa­ra re­ven­der num armazém lo­ca­li­za­do no mer­ca­do da Quis­sa­ma. Aos 45 anos de ida­de, a mãe de cin­co fi­lhos pre­ten­de au­men­tar o vo­lu­me da en­co­men­da fa­ce à pro­cu­ra do pro­du­to nos mu­ni­cí­pi­os do pla­nal­to cen­tral.

Pro­mo­ver o em­pre­en­de­do­ris­mo

Além de for­ne­cer aos em­pre­en­de­do­res, a em­pre­sa faz tam­bém ac­ções de for­ma­ção so­bre ges­tão de ne­gó­ci­os pa­ra evi­tar a fa­lên­cia no ne­gó­cio. Alfredo Zua in­te­gra o gru­po de be­ne­fi­ci­a­dos de for­ma gra­tui­ta.

O em­pre­en­de­dor do Mo­xi­co be­ne­fi­ci­ou de pro­du­tos a cré­di­to. Ho­je, ga­nhou a con­fi­an­ça da em­pre­sa que lhe for­ne­ce 10 to­ne­la­das de pro­du­tos di­ver­sos pa­ra co­mer­ci­a­li­zar no seu armazém na­que­la pro­vín­cia.

Há mais de cin­co anos que re­ce­be mer­ca­do­ria da em­pre­sa an­go­la­na e ten­ci­o­na alar­gar o seu ne­gó­cio na pro­vín­cia com a aber­tu­ra de mais pos­tos de co­mer­ci­a­li­za­ção de pro­du­tos de plás­ti­co.

In­cen­ti­vos pú­bli­cos

Pro­du­zir em gran­de es­ca­la e co­brir as ne­ces­si­da­des do mer­ca­do an­go­la­no com a pro­du­ção de plás­ti­cos é um dos gran­des pro­pó­si­tos do Exe­cu­ti­vo. A in­ten­ção é apoi­ar as em­pre­sas pú­bli­cas e pri­va­das des­te seg­men­to com vis­ta a re­du­zir a im­por­ta­ção.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do da In­dús­tria, Ki­a­la Ga­bri­el, con­si­de­ra as ini­ci­a­ti­vas pri­va­das co­mo o gran­de im­pul­si­o­na­dor da pro­du­ção in­dus­tri­al. Na sua vi­são, a An­go Rayan tem vin­do a con­cor­rer pa­ra os gran­des de­sa­fi­os que o país apre­sen­ta no que diz res­pei­to à eco­no­mia na­ci­o­nal, ge­ran­do ri­que­za e mui­tos em­pre­gos.

In­dús­tria do plás­ti­co

AAn­go Rayan é a mai­or in­ves­ti­do­ra de pro­du­tos de plás­ti­co no mer­ca­do e apli­cou 40 mi­lhões de dó­la­res, ape­nas nes­te seg­men­to, e mais dois mi­lhões es­tão pre­vis­tos pa­ra o pró­xi­mo ano. Além des­ta em­pre­sa, a FIL Tu­bos, vo­ca­ci­o­na­da à pro­du­ção de ma­te­ri­al plás­ti­co se­gue com no­ve mi­lhões de dó­la­res em in­ves­ti­men­to.

Exis­te uma apos­ta cla­ra e evi­den­te pa­ra a re­du­ção sig­ni­fi­ca­ti­va das ne­ces­si­da­des de im­por­ta­ção nos pró­xi­mos anos. A Ime­xi­tra­de, vo­ca­ci­o­na­da à cri­a­ção de col­chões de mo­las e de pro­du­tos plás­ti­cos in­ves­tiu qua­tro mi­lhões de dó­la­res pa­ra apoi­ar na co­ber­tu­ra das ne­ces­si­da­des des­te ma­te­ri­al no país.

A Foz­ku­dia é tam­bém uma das em­pre­sas des­te seg­men­to, que tem in­ves­ti­do um mi­lhão de dó­la­res em pro­du­tos plás­ti­cos.

A mais an­ti­ga das fá­bri­cas, a Com­pa­nhia de Plás­ti­cos de An­go­la (Ci­pal) con­ti­nu­ar a re­er­guer-se pa­ra me­lho­rar os ní­veis de pro­du­ção e a re­ci­cla­gem de ma­te­ri­al plás­ti­co. Ou­tras em­pre­sas co­mo a Glo­pol An­go­la, Flo­tek, Plas­tek, Plás­ti­cos do Kwan­za e a Ba­sel con­tri­bu­em de for­ma po­si­ti­va pa­ra a ex­pan­são e mai­or pro­du­ção nes­te seg­men­to.

A em­pre­sa Glo­pol An­go­la, fun­da­da em 2008, ini­ci­ou a sua pro­du­ção no se­gun­do se­mes­tre de 2010, no fa­bri­co de artigos pa­ra a mo­vi­men­ta­ção e trans­por­te de pa­le­tes, cai­xas e con­ten­to­res pa­ra re­co­lha de re­sí­du­os só­li­dos.

Lo­ca­li­za­da no mu­ni­cí­pio de Vi­a­na, no Por­to Se­co, fa­bri­ca pro­du­tos plás­ti­cos e tem ca­pa­ci­da­de pa­ra pro­du­zir mais de cin­co mil pa­le­tes de plás­ti­co por mês.

DOMBELE BER­NAR­DO

In­dús­tria trans­for­ma­do­ra cria em­pre­gos pa­ra mi­lha­res de jo­vens e aju­da a re­du­zir a for­te de­pen­dên­cia das im­por­ta­ções

DOMBELE BER­NAR­DO

Ca­sal es­co­lhe vá­ri­os uten­sí­li­os de plás­ti­co pa­ra uso do­més­ti­co quo­ti­di­a­no

DOMBELE BER­NAR­DO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.