CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LE­O­NOR DO NAS­CI­MEN­TO| AL­BER­TO DI­O­GO | ANTÓNIA TECA

Ban­cos e di­vi­sas

Mui­tos es­tu­dan­tes no es­tran­gei­ro es­tão a ser obri­ga­dos a re­gres­sar ao país, por­que os ban­cos não es­tão em con­di­ções de atri­buir di­vi­sas pa­ra que eles pos­sam pa­gar pro­pi­nas e ou­tras des­pe­sas nos paí­ses em que es­tão. Pen­so que era ne­ces­sá­rio que os ban­cos co­mer­ci­ais es­ta­be­le­ces­sem pri­o­ri­da­des .

É tris­te, por exem­plo, ver um alu­no que es­tá qua­se a aca­bar o cur­so te­nha de vol­tar ao país, por­que não po­de pa­gar pro­pi­nas e des­pe­sas de alo­ja­men­to. É im­pe­ri­o­so que os ca­sos de pe­di­dos de di­vi­sas se­jam ana­li­sa­dos de for­ma a sal­va­guar­dar si­tu­a­ções que po­dem re­sul­tar em gran­des pre­juí­zos pa­ra os pais de es­tu­dan­tes que já in­ves­ti­ram mui­to di­nhei­ro ao lon­go de vá­ri­os anos na edu­ca­ção dos seus fi­lhos que en­tre­tan­to não po­dem, qua­se no fi­nal do cur­so, ter­mi­nar a sua li­cen­ci­a­tu­ra.

Os pro­ces­sos pa­ra trans­fe­rên­ci­as de di­nhei­ro pa­ra o es­tran­gei­ro de­mo­ram mui­to tempo pa­ra se­rem aten­di­dos. Nin­guém sa­be quais são os cri­té­ri­os pa­ra se atri­buí­rem di­vi­sas. Acho que a saú­de e a edu­ca­ção de­vi­am es­tar na pri­mei­ra li­nha das pri­o­ri­da­des. Há pais que ficam de­ses­pe­ra­dos pe­ran­te a im­pos­si­bi­li­da­de de aju­da­rem os seus fi­lhos a con­ti­nu­a­rem os es­tu­dos no es­tran­gei­ro. Sa­be­mos que não há mui­tas di­vi­sas pa­ra dar a to­dos os cli­en­tes dos ban­cos. Mas quan­do há pou­co di­nhei­ro, im­por­ta que se pri­o­ri­ze o que é es­sen­ci­al. Um pa­ren­te meu pre­ci­sa­va de ape­nas dois mil dó­la­res pa­ra re­a­li­zar a ma­trí­cu­la nu­ma uni­ver­si­da­de da Chi­na e pa­gar ou­tras des­pe­sas. Te­ve de re­gres­sar ao país. Não pu­de con­ter as lá­gri­mas pe­ran­te uma si­tu­a­ção des­tas. O meu pa­ren­te já ti­nha apren­di­do du­ran­te um ano o chi­nês e es­pe­ra­va en­trar nes­te mês de Se­tem­bro no pri­mei­ro de uma Fa­cul­da­de. É que o ban­co em que o pai do meu pa­ren­te tem con­ta não di­zia se­quer quan­do é que po­dia re­sol­ver o pro­ble­ma da trans­fe­rên­cia dos va­lo­res ne­ces­sá­ri­os pa­ra ele fa­zer a ma­trí­cu­la. E pas­sou-se o pra­zo pa­ra a ma­trí­cu­la. Não sei se ele po­de­rá vol­tar um dia à Chi­na pa­ra con­cluir a li­cen­ci­a­tu­ra, co­mo era seu de­se­jo. Apro­vei­to es­te es­pa­ço pa­ra ape­lar às di­rec­ções dos ban­cos pa­ra te­rem mai­or sen­si­bi­li­da­de em re­la­ção a pe­di­dos de atri­bui­ção de di­vi­sas pa­ra re­sol­ver pro­ble­mas de saú­de e de edu­ca­ção. Sei que nos nos­sos ban­cos há bo­as pes­so­as ao ní­vel das su­as di­rec­ções. Com­pre­en­do que es­ta­mos em cri­se, mas é im­pres­cin­dí­vel que se aten­da com ce­le­ri­da­de e pri­o­ri­ta­ri­a­men­te a pe­di­dos des­ti­na­dos a as­se­gu­rar a for­ma­ção dos nos­sos jo­vens ou a cu­ra de do­en­tes no es­tran­gei­ro.

Em­pre­sá­ri­os e pro­du­ção

Mui­tos em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos es­tão dis­pos­tos a en­ve­re­dar pe­la im­ple­men­ta­ção de pro­jec­tos pro­du­ti­vos fo­ca­dos na di­ver­si­fi­ca­ção da nos­sa pro­du­ção. Te­mos fe­liz­men­te em­pre­sá­ri­os em vá­ri­as re­giões que es­tão pre­o­cu­pa­dos com o fu­tu­ro do nos­so país e que pre­ten­dem apli­car o seu sa­ber e ca­pi­tais na sua terra. Vi­ve­mos uma si­tu­a­ção di­fí­cil em vir­tu­de da cri­se, mas é pos­sí­vel me­lho­rar a si­tu­a­ção, se se apos­tar nos nos­sos agen­tes eco­nó­mi­cos pri­va­dos, par­ti­cu­lar­men­te aque­les que re­al­men­te que­rem tra­ba­lhar pa­ra o pro­gres­so de An­go­la. Pen­so que o Es­ta­do de­ve con­ti­nu­ar a ou­vir os em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos que têm pro­jec­tos pro­du­ti­vos viá­veis. Que se aca­bem com as bar­rei­ras que por ve­zes se co­lo­cam aos em­pre­sá­ri­os na­ci­o­nais, fa­zen­do com que es­tes de­sis­tam de le­var a ca­bo os seus pro­jec­tos, ne­ces­sá­ri­os ao cres­ci­men­to da nos­sa eco­no­mia.

Os em­pre­sá­ri­os são um seg­men­to da po­pu­la­ção in­dis­pen­sá­vel pa­ra que An­go­la cres­ça e se de­sen­vol­va. Te­mos de ter no país pe­que­nas, mé­di­as e gran­des em­pre­sas. Os em­pre­sá­ri­os são ge­ral­men­te pes­so­as au­da­ci­o­sas, per­sis­ten­tes e di­nâ­mi­cas, que, ao pros­se­gui­rem a ma­xi­mi­za­ção do lu­cro, aju­dam as so­ci­e­da­des a pros­pe­rar. Que os em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos te­nham os de­vi­dos in­cen­ti­vos pa­ra bem de to­dos os an­go­la­nos.

Fu­mar ci­gar­ro

Dei­xei de fu­mar há mais de vin­te anos e con­ti­nuo a fa­zer cam­pa­nha jun­to de fa­mi­li­a­res e ami­gos pa­ra que dei­xem de fu­mar. A mi­nha in­ten­ção ra­di­ca so­bre­tu­do no fac­to de ter vis­to ami­gos de in­fân­cia a mor­re­rem pre­co­ce­men­te por cau­sa do fu­mo do ci­gar­ro. Foi bom as ins­ti­tui­ções de­cre­ta­rem proi­bi­ção de con­su­mo de ci­gar­ros em lo­cais pú­bli­cos, mas ain­da as­sim não di­mi­nuiu a ex­po­si­ção das pes­so­as ao fu­mo pas­si­vo.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.