Alei­vo­si­as de po­lí­ti­co fa­lha­do

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AN­TÓ­NIO DE AN­DRA­DE |

Sem que al­gum ma­te­ri­al no­ti­ci­o­so pro­pri­a­men­te di­to o jus­ti­fi­cas­se (o “gan­cho” ou pre­tex­to, co­mo se diz na gí­ria jor­na­lís­ti­ca), os es­tra­te­gos da Ra­di­o­te­le­vi­são Por­tu­gue­sa (RTP) brin­da­ram, sex­ta-fei­ra pas­sa­da, os seus te­les­pec­ta­do­res, em Por­tu­gal e fo­ra de­le, com um de­ba­te opon­do o Em­bai­xa­dor an­go­la­no An­tó­nio Lu­vu­a­lo de Car­va­lho ao ex-mi­nis­tro por­tu­guês (por um mês) João So­a­res.

É por de­mais co­nhe­ci­da a aver­são de João So­a­res às le­gí­ti­mas au­to­ri­da­des an­go­la­nas, e não cons­ti­tu­em sur­pre­sa a re­pe­ti­ção de “cli­chés” já nos­sos co­nhe­ci­dos, em que avul­tam a iden­ti­fi­ca­ção de An­go­la com um sis­te­ma au­to­ri­tá­rio e não de­mo­crá­ti­co – daí re­co­men­dan­do, do al­to da sua ar­ro­gân­cia, o afas­ta­men­to do po­der de Jo­sé Eduardo dos San­tos e a re­a­li­za­ção de efec­ti­vas elei­ções, jus­tas e li­vres. Não se coi­biu de pre­ci­sar que o re­sul­ta­do des­sas elei­ções “li­vres e jus­tas” só o se­ri­am quan­do a UNITA, do seu ami­go e fi­na­do Jo­nas Sa­vim­bi, as ti­ves­se ga­nho!

Dis­cor­reu, sob o be­ne­plá­ci­to da que de­ve­ria ser uma isen­ta mo­de­ra­do­ra, ela pró­pria dis­si­den­te da con­cor­ren­te SIC e es­tra­te­gi­ca­men­te co­lo­ca­da na RTP, so­bre ale­ga­das e re­cor­ren­tes vi­o­la­ções dos di­rei­tos hu­ma­nos em An­go­la, do que cha­ma so­frí­veis re­sul­ta­dos do país no ca­pí­tu­lo do de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no e..., es­pan­te-se, so­bre o des­per­dí­cio que cons­ti­tui­ri­am os in­ves­ti­men­tos chi­ne­ses no nos­so país.

Va­leu a ele­gân­cia e a ex­ce­len­te pre­pa­ra­ção do Em­bai­xa­dor an­go­la­no que, so­cor­ren­do-se da boa edu­ca­ção e das es­ta­tís­ti­cas dis­po­ní­veis, pro­du­zi­das quer pe­las au­to­ri­da­des na­ci­o­nais quan­to por or­ga­ni­za­ções cre­dí­veis li­ga­das às Na­ções Uni­das, dei­tou por terra as in­si­nu­a­ções e alei­vo­si­as do ex-mi­nis­tro. Con­ti­do, cor­da­to,An­tó­nio Lu­vu­a­lo de Car­va­lho re­su­miu-se a con­tex­tu­a­li­zar o pro­ces­so de re­cons­tru­ção na­ci­o­nal en­ce­ta­do des­de a con­quis­ta da paz, só pos­sí­vel com a eli­mi­na­ção fí­si­ca do “ami­go” Sa­vim­bi, e a re­jei­ção, pe­la comunidade in­ter­na­ci­o­nal, da or­ga­ni­za­ção da Con­fe­rên­cia de Do­a­do­res des­ti­na­da a re­co­lher o fi­nan­ci­a­men­to do pe­río­do pós-guer­ra.

Par­ti­cu­lar­men­te in­te­res­san­tes fo­ram os ar­gu­men­tos do Em­bai­xa­dor Lu­vu­a­lo re­la­ti­va­men­te ao te­ma da de­mo­cra­cia in­ter­na no MPLA, par­ti­do go­ver­nan­te em An­go­la. Ci­tan­do da­dos da pró­pria im­pren­sa por­tu­gue­sa, de­mons­trou a fra­gi­li­da­de dos pro­ces­sos de in­di­ca­ção, vo­ta­ção e en­tro­ni­za­ção dos can­di­da­tos à li­de­ran­ça dos prin­ci­pais par­ti­dos lu­sos. Re­cor­dou a So­a­res da in­tro­du­ção, no MPLA, da vo­ta­ção elec­tró­ni­ca, con­tra­ri­a­men­te aos par­ti­dos por­tu­gue­ses, que se re­cla­mam de­mo­cra­tas. Por ou­tro la­do, le­vou João So­a­res a re­co­nhe­cer que a cha­ma­da im­pren­sa al­ter­na­ti­va em An­go­la não pas­sa de um con­jun­to de “fo­lhas de cou­ve”, no que à cor­rec­ção editorial, éti­ca e res­pon­sa­bi­li­da­de di­zem res­pei­to.

Lu­vu­a­lo de Car­va­lho te­ve,fe­liz­men­te, a opor­tu­ni­da­de de re­cor­dar que lec­ci­o­na Ci­ên­ci­as Po­lí­ti­cas em An­go­la e Por­tu­gal, dis­po­ni­bi­li­zan­do-se pa­ra si­tu­ar João So­a­res den­tro das me­lho­res prá­ti­cas de de­sen­vol­vi­men­to de um ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co e cons­tru­ção de um ar­gu­men­tá­rio sus­ten­ta­do, do­mí­ni­os em que o po­lí­ti­co lu­so da­va pro­va de gran­des ca­rên­ci­as!

Por pou­co,Lu­vu­a­lo es­ca­pou a pe­lo me­nos dois es­ta­los do an­ti­go mi­nis­tro so­ci­a­lis­ta, que se con­for­mou em en­go­lir to­da a água pro­por­ci­o­na­da pe­la pro­du­ção do de­ba­te...

Não se tra­tan­do de uma com­pe­ti­ção pu­ra e sim­ples, em que se ob­jec­ti­va a con­quis­ta de um tro­féu, re­co­nhe­ça-se, no en­tan­to, que o Em­bai­xa­dor con­se­guiu des­cons­truir o es­sen­ci­al dos ar­gu­men­tos com que al­guns fa­ze­do­res de opi­nião in­to­xi­cam a opi­nião pú­bli­ca por­tu­gue­sa. Mais im­por­tan­te ain­da, cha­mou a aten­ção pa­ra o pa­pel per­ni­ci­o­so que es­ses sec­to­res de­sem­pe­nham pa­ra a ins­ta­la­ção de um cli­ma ten­so e com­ple­xa­do nas re­la­ções en­tre Por­tu­gal e An­go­la. Mes­mo os “lu­só­fi­los” mais em­pe­der­ni­dos en­tre nós não po­dem dei­xar de fran­zir o ce­nho e pro­fe­rir pa­la­vras de es­cár­nio pe­ran­te es­tran­gei­ros que des­res­pei­tam o seu Che­fe de Es­ta­do, ele pró­prio sím­bo­lo da Na­ção.

Co­mo per­mi­tir que um in­di­ví­duo, afas­ta­do do car­go de mi­nis­tro da Cul­tu­ra ape­nas um mês de­pois de to­mar pos­se, por con­du­ta in­de­co­ro­sa, se per­mi­ta dar li­ções ao Go­ver­no so­be­ra­no de An­go­la, na pre­sen­ça do nos­so Em­bai­xa­dor?Por es­ta ra­zão, não pou­cos ob­ser­va­do­res de­fen­dem que nos de­ve­ría­mos pou­par a es­sas ten­ta­ti­vas de apou­ca­men­to das au­to­ri­da­des le­gí­ti­mas do País. De­fen­dem ain­da que a As­sem­bleia Na­ci­o­nal de­ve man­ter-se co­mo cen­tro de ex­ce­lên­cia do de­ba­te po­lí­ti­co na­ci­o­nal, en­vol­ven­do os di­fe­ren­tes ac­to­res ne­la le­gi­ti­ma­men­te re­pre­sen­ta­dos, dis­so de­ven­do de­cor­rer a mais am­pla divulgação pú­bli­ca. En­tre nós. E re­le­gar os sec­to­res mais re­tró­gra­dos da opi­nião pú­bli­ca por­tu­gue­sa pa­ra o cai­xo­te do li­xo da His­tó­ria, por na­da re­pre­sen­ta­rem pa­ra a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos an­go­la­nos.

Afi­nal, mais vale acen­der um fós­fo­ro, do que la­men­tar a es­cu­ri­dão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.