Ma­dre Te­re­sa já é san­ta

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A ma­dre Te­re­sa de Cal­cu­tá é des­de on­tem san­ta, após a pro­cla­ma­ção fei­ta na Pra­ça de São Pe­dro, no Va­ti­ca­no, pe­lo Pa­pa Fran­cis­co, na pre­sen­ça de mi­lha­res de pes­so­as. “De­cla­ra­mos a aben­ço­a­da Te­re­sa de Cal­cu­tá san­ta e va­mos ins­cre­vê-la en­tre os san­tos, de­cre­tan­do que se­ja ve­ne­ra­da en­quan­to tal por to­da a Igre­ja”, afir­mou o Pa­pa.

“Dis­pen­sa­do­ra ge­ne­ro­sa da mi­se­ri­cór­dia di­vi­na”, dis­se o lí­der da Igre­ja Ca­tó­li­ca, “ma­dre Te­re­sa de Cal­cu­tá fez-se dis­po­ní­vel pa­ra to­dos, des­de os re­cém-nas­ci­dos aos aban­do­na­dos. Em re­la­ção aos re­cém-nas­ci­dos pu­nha-se cla­ra­men­te do la­do da de­fe­sa da vi­da, di­zen­do que ‘qu­em ain­da não nas­ceu é o mais fra­co, o me­nor, o mais mi­se­rá­vel’ e em to­dos re­co­nhe­ceu a dig­ni­da­de que Deus lhes de­ra”.

Fran­cis­co re­cor­dou que a ma­dre Te­re­sa fez tam­bém “ou­vir a sua voz aos po­de­ro­sos da terra pa­ra que re­co­nhe­ces­sem a sua cul­pa pe­ran­te os cri­mes da po­bre­za cri­a­da por eles pró­pri­os. A mi­se­ri­cór­dia foi pa­ra ela o ‘sal’ que da­va sa­bor a to­das as su­as obras e a luz que ilu­mi­na­va a es­cu­ri­dão de to­dos aque­les que nem se­quer ti­nham mais lá­gri­mas pa­ra cho­rar pe­la sua po­bre­za e so­fri­men­to” .

O Pa­pa pros­se­guiu de­se­jan­do que ela se­ja um mo­de­lo pa­ra o mun­do do vo­lun­ta­ri­a­do. “Ho­je en­tre­go a to­do o mun­do do vo­lun­ta­ri­a­do es­ta fi­gu­ra em­ble­má­ti­ca de mu­lher e de con­sa­gra­da: que ela se­ja o vos­so mo­de­lo de san­ti­da­de! Acho que te­re­mos, tal­vez, um pou­co de di­fi­cul­da­des em cha­má-la San­ta Te­re­sa, a sua san­ti­da­de es­tá tão pró­xi­ma de nós, tão ten­ra e fe­cun­da que es­pon­ta­ne­a­men­te con­ti­nu­a­re­mos a di­zer Ma­dre Te­re­sa”.

Num dis­cur­so bas­tan­te pre­en­chi­do por alu­sões ao vo­lun­ta­ri­a­do e à ca­ri­da­de, ac­ções que con­sa­gra­ram ma­dre Te­re­sa, o Pa­pa Fran­cis­co con­cluiu: “que es­ta in­can­sá­vel agen­te de mi­se­ri­cór­dia nos aju­de a en­ten­der mais e mais que o nos­so úni­co cri­té­rio de ac­ção é o amor gra­tui­to, li­vre de qual­quer ide­o­lo­gia e de qual­quer vín­cu­lo e que é der­ra­ma­do so­bre to­dos sem dis­tin­ção de lín­gua, cul­tu­ra, ra­ça ou re­li­gião”.

Na mis­sa de ca­no­ni­za­ção es­te­ve pre­sen­te o bra­si­lei­ro Mar­cí­lio Had­dadAn­dri­no, cu­ja “cu­ra ex­tra­or­di­ná­ria e inex­pli­cá­vel” cons­ti­tuiu o se­gun­do mi­la­gre que tes­ti­fi­cou a ca­no­ni­za­ção de Te­re­sa de Cal­cu­tá. A fes­ta li­túr­gi­ca da nova san­ta éce­le­bra­da pe­la pri­mei­ra vez na ma­nhã de ho­je, dia da sua morte, com uma nova mis­sa na pra­ça de São Pe­dro, sob a pre­si­dên­cia do se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Va­ti­ca­no, car­de­al Pi­e­troPa­ro­lin.

O Va­ti­ca­no acre­di­tou mais de 600 jor­na­lis­tas e 125 te­le­vi­sões trans­mi­ti­ram a ce­ri­mó­nia de on­tem, que de­cor­re­ram sob um gran­de apa­ra­to de se­gu­ran­ça. Mais de três mil agen­tes po­li­ci­ais fo­ram mo­bi­li­za­dos e o es­pa­ço aé­reo na zo­na en­cer­ra­do.

Cha­ma­da, em vi­da, “san­ta das sar­je­tas”, pe­la sua de­di­ca­ção ex­tre­ma aos mais des­va­li­dos da sor­te, Ma­dre Te­re­sa de Cal­cu­tá foi uma das mu­lhe­res mais in­flu­en­tes da his­tó­ria da Igre­ja Ca­tó­li­ca.

AFP

A san­ti­fi­ca­ção foi sau­da­da pe­la mul­ti­dão que es­te­ve pre­sen­te na Pra­ça de São Pe­dro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.