A que­da de Dil­ma te­ve or­dem dos EUA

Aca­dé­mi­co e eco­no­mis­ta do Ca­na­dá des­ven­da par­te da teia de um gol­pe de Es­ta­do

Jornal de Angola - - PARTADA -

O fa­mo­so pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio e eco­no­mis­ta ca­na­di­a­no Mi­chel Chossudovsky ex­pli­ca por que ra­zão a que­da de Dil­ma Rous­seff foi or­de­na­da por “Wall Stre­et” e ten­ta des­mas­ca­rar os ac­to­res por trás do gol­pe. “O con­tro­lo so­bre a po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria e a re­for­ma ma­cro­e­co­nó­mi­ca eram os ob­jec­ti­vos úl­ti­mos do gol­pe de Es­ta­do”, re­fe­re o aca­dé­mi­co num ex­ten­so ar­ti­go pu­bli­ca­do um dia de­pois da des­ti­tui­ção de Dil­ma Rous­seff.

O fa­mo­so pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio e eco­no­mis­ta ca­na­di­a­no Mi­chel Chossudovsky ex­pli­ca por que ra­zão a que­da de Dil­ma Rous­seff foi or­de­na­da por “Wall Stre­et” e ten­ta des­mas­ca­rar “os ac­to­res por trás do gol­pe”, num ex­ten­so ar­ti­go pu­bli­ca­do pe­la pri­mei­ra vez em Ju­nho, mas re­e­di­ta­do na pas­sa­da quin­ta-fei­ra, 1 de Se­tem­bro, um dia após a con­su­ma­ção do “im­pe­a­ch­ment” no Bra­sil, a 31 de Agos­to úl­ti­mo.

“O con­tro­lo so­bre a po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria e a re­for­ma ma­cro­e­co­nó­mi­ca eram os ob­jec­ti­vos úl­ti­mos do gol­pe de Es­ta­do. As no­me­a­ções prin­ci­pais do pon­to de vis­ta de Wall Stre­et são o Ban­co Cen­tral, que do­mi­na a po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria e as ope­ra­ções cam­bi­ais, o Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da (Fi­nan­ças) e o Ban­co do Bra­sil”, diz o ar­ti­go, des­ta­can­do que, des­de o go­ver­no de Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so, pas­san­do por Lu­la da sil­va e Te­mer, Wall Stre­et tem exer­ci­do con­tro­lo so­bre os no­mes in­di­ca­dos pa­ra li­de­rar es­sas três ins­tân­ci­as es­tra­té­gi­cas pa­ra a eco­no­mia bra­si­lei­ra.

“Em no­me de Wall Stre­et e do ‘con­sen­so de Washing­ton’, o ‘go­ver­no’ in­te­ri­no pós-gol­pe de Mi­chel Te­mer no­me­ou um ex-CEO de Wall Stre­et, com ci­da­da­nia dos EUA, pa­ra di­ri­gir o Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da”, diz o ar­ti­go, re­fe­rin­do-se a Hen­ri­que Mei­rel­les, no­me­a­do em 12 de Maio úl­ti­mo.

Co­mo ob­ser­va o ar­ti­go, Mei­rel­les, que tem du­pla na­ci­o­na­li­da­de, bra­si­lei­ra e nor­te-ame­ri­ca­na, ser­viu co­mo pre­si­den­te do Fle­etBos­ton Fi­nan­ci­al (fu­são do BankBos­ton Corp. com o Fle­et Fi­nan­ci­al Group) en­tre 1999 e 2002 e foi pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral sob o go­ver­no de Luís Iná­cio Lu­la da Sil­va, en­tre 1 de Ja­nei­ro de 2003 e 1 de Ja­nei­ro de 2011.

An­tes dis­so, o ac­tu­al mi­nis­tro bra­si­lei­ro das Fi­nan­ças (Fa­zen­da), que vol­ta ao po­der sob o go­ver­no Te­mer após ter si­do dis­pen­sa­do por Dil­ma em 2010, tam­bém ac­tu­ou du­ran­te 12 anos co­mo pre­si­den­te do BankBos­ton nos EUA.

Já o ac­tu­al pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral, Ilan Gold­fajn, no­me­a­do por Te­mer em 16 de Maio, tam­bém tem du­pla na­ci­o­na­li­da­de, bra­si­lei­ra e is­ra­e­li­ta, e foi eco­no­mis­ta-che­fe do Itaú, mai­or ban­co pri­va­do do Bra­sil. Se­gun­do o ar­ti­go, Gold­fajn “tem la­ços es­trei­tos tan­to com o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) co­mo com o Ban­co Mun­di­al”.

“Gold­fajn já ti­nha tra­ba­lha­do no Ban­co Cen­tral do Bra­sil sob as or­dens de Ar­mí­nio Fra­ga, bem co­mo du­ran­te o man­da­to de Hen­ri­que Mei­rel­les. Tem es­trei­tos la­ços pes­so­ais com o Pro­fes­sor Stan­ley Fis­cher, ac­tu­al­men­te vi­ce-pre­si­den­te da Re­ser­va Fe­de­ral dos EUA, além de ter si­do vi­ce-di­rec­tor do FMI e ex-pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral de Is­ra­el. Des­ne­ces­sá­rio di­zer que a no­me­a­ção de Gol­fajn pa­ra o Ban­co Cen­tral foi apro­va­da pe­lo FMI, pe­lo Te­sou­ro dos EUA, por Wall Stre­et e pe­la Re­ser­va Fe­de­ral dos EUA”, afir­ma o ar­ti­go.

Ar­mí­nio Fra­ga, por sua vez, foi pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral en­tre 4 de Mar­ço de 1999 e 1 de Ja­nei­ro de 2003. Exer­ceu a fun­ção de di­rec­tor de fun­dos de co­ber­tu­ra (“hed­ge funds”) du­ran­te seis anos na So­ros Fund Ma­na­ge­ment (as­so­ci­a­da ao mul­ti­mi­li­o­ná­rio Ge­or­ge So­ros), e tam­bém tem du­pla na­ci­o­na­li­da­de bra­si­lei­ra e nor­te-ame­ri­ca­na.

“O sis­te­ma mo­ne­tá­rio do Bra­sil sob o re­al (mo­e­da bra­si­lei­ra) é for­te­men­te do­la­ri­za­do. Ope­ra­ções da dí­vi­da in­ter­na são con­du­cen­tes a uma dí­vi­da ex­ter­na cres­cen­te. Wall Stre­et tem o ob­jec­ti­vo de man­ter o Bra­sil nu­ma ca­mi­sa de forças mo­ne­tá­ria”, ex­pli­ca o pro­fes­sor Mi­chel Chossudovsky.Por is­so, afir­ma o ar­ti­go, quan­do Dil­ma Rous­seff apon­ta um no­me não apro­va­do por Wall Stre­et pa­ra a pre­si­dên­cia do Ban­co Cen­tral, a sa­ber, Ale­xan­dre An­tó­nio Tom­bi­ni, ci­da­dão bra­si­lei­ro e fun­ci­o­ná­rio de car­rei­ra no Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, é com­pre­en­sí­vel que os in­te­res­ses fi­nan­cei­ros ex­ter­nos se ar­ti­cu­lem aos in­te­res­ses das eli­tes bra­si­lei­ras pa­ra mu­da­rem o qua­dro po­lí­ti­co no país.

Con­tex­to his­tó­ri­co

No iní­cio de 1999, na sequên­cia ime­di­a­ta do ataque es­pe­cu­la­ti­vo con­tra o re­al, diz Chossudovsky, o pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral, Fran­cis­co Lo­pez, no­me­a­do em 13 de Ja­nei­ro de 1999, a “Quar­ta-Fei­ra Ne­gra”, foi de­mi­ti­do pou­co de­pois e subs­ti­tuí­do por Ar­mí­nio Fra­ga, ci­da­dão ame­ri­ca­no e fun­ci­o­ná­rio da Qu­an­tum Fund, de Ge­or­ge So­ros, em Nova Ior­que. “A ra­po­sa foi no­me­a­da pa­ra to­mar con­ta do ga­li­nhei­ro”, re­su­me o ar­ti­go, afir­man­do que, com Fra­ga, os es­pe­cu­la­do­res de Wall Stre­et to­ma­ram o con­tro­lo da po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria do Bra­sil.

Sob a li­de­ran­ça de Lu­la, a in­di­ca­ção de Mei­rel­les pa­ra a pre­si­dên­cia do Ban­co Cen­tral do Bra­sil deu se­gui­men­to à si­tu­a­ção, diz o ar­ti­go, des­ta­can­do que o no­me­a­do já ti­nha tra­ba­lha­do an­te­ri­or­men­te co­mo pre­si­den­te e CEO den­tro de uma das mai­o­res ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras de Wall Stre­et. “A Fle­etBos­ton era o se­gun­do mai­or cre­dor do Bra­sil após o Ci­ti­group. Pa­ra di­zer o mí­ni­mo, Mei­rel­les es­ta­va em con­fli­to de in­te­res­ses. A sua no­me­a­ção foi acor­da­da an­tes da as­cen­são de Lu­la à Pre­si­dên­cia”, es­cre­ve o au­tor.

Além dis­so, Mei­rel­les foi um fir­me de­fen­sor do con­tro­ver­so Pla­no Ca­val­lo da Ar­gen­ti­na na dé­ca­da de 1990: “um ‘pla­no de es­ta­bi­li­za­ção’ de Wall Stre­et que cau­sou gran­des es­tra­gos eco­nó­mi­cos e so­ci­ais”, se­gun­do Chossudovsky.

De acor­do com Mi­chel Chossudovsky, “a es­tru­tu­ra es­sen­ci­al do Pla­no Ca­val­lo da Ar­gen­ti­na foi re­pli­ca­da no Bra­sil sob o Pla­no Re­al, ou se­ja, a im­po­si­ção de uma mo­e­da na­ci­o­nal con­ver­sí­vel do­la­ri­za­da. O que es­te re­gi­me im­pli­ca é que a dí­vi­da in­ter­na é trans­for­ma­da em dí­vi­da ex­ter­na de­no­mi­na­da em dó­la­res”.

Quan­do Dil­ma che­gou à pre­si­dên­cia em 2011, Mei­rel­les foi re­ti­ra­do da pre­si­dên­cia do Ban­co Cen­tral. Co­mo mi­nis­tro da Fa­zen­da de Te­mer, ele de­fen­de a cha­ma­da “in­de­pen­dên­cia” do Ban­co Cen­tral. “A apli­ca­ção des­te con­cei­to fal­so im­pli­ca que o go­ver­no não de­ve in­ter­vir nas de­ci­sões do Ban­co Cen­tral. Mas não há res­tri­ções pa­ra as ‘Ra­po­sas de Wall Stre­et’”, re­fe­re o ar­ti­go, acres­cen­tan­do que “a ques­tão da so­be­ra­nia na po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria é cru­ci­al” e que “o ob­jec­ti­vo do gol­pe de Es­ta­do foi ne­gar a so­be­ra­nia do Bra­sil na for­mu­la­ção da sua po­lí­ti­ca ma­cro-eco­nó­mi­ca”.

De fac­to, sob o go­ver­no Dil­ma, a “tra­di­ção” de no­me­ar uma “ra­po­sa de Wall Stre­et” pa­ra o Ban­co Cen­tral foi aban­do­na­da com a no­me­a­ção de Tom­bi­ni, que per­ma­ne­ceu no car­go de 2011 até Maio de 2016, quan­do Te­mer as­su­miu a pre­si­dên­cia in­te­ri­na do país.

A par­tir daí, Mei­rel­les, no Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças do go­ver­no in­te­ri­no, “in­di­cou os seus pró­pri­os com­par­sas pa­ra che­fi­ar o Ban­co Cen­tral (Gold­fajn) e o Ban­co do Bra­sil (Pau­lo Caf­fa­rel­li)”, re­fe­re o ar­ti­go do Glo­bal Re­se­ar­ch, su­bli­nhan­do que o no­vo mi­nis­tro ti­nha si­do des­cri­to pe­los­mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al dos EUA co­mo “mar­ket fri­en­dly” (“ami­go do mer­ca­do”).

Ope­ra­ções de in­te­li­gên­cia

“O que es­tá em jo­go atra­vés de vá­ri­os me­ca­nis­mos – in­cluin­do ope­ra­ções de in­te­li­gên­cia, ma­ni­pu­la­ção fi­nan­cei­ra e mei­os de pro­pa­gan­da –é a de­ses­ta­bi­li­za­ção pu­ra e sim­ples da es­tru­tu­ra es­ta­tal do Bra­sil e da eco­no­mia na­ci­o­nal, pa­ra não men­ci­o­nar o em­po­bre­ci­men­to em mas­sa do po­vo bra­si­lei­ro”, afir­ma Chossudovsky.

Se­gun­do a te­se do fa­mo­so pro­fes­sor, “Lu­la era ‘acei­tá­vel’ por­que se­guiu as ins­tru­ções de Wall Stre­et e do FMI”, mas Dil­ma, com um go­ver­no mais gui­a­do por um na­ci­o­na­lis­mo re­for­mis­ta so­be­ra­no, não pô­de ser “acei­te” pe­los in­te­res­ses fi­nan­cei­ros dos EUA, ape­sar da agen­da po­lí­ti­ca ne­o­li­be­ral que pre­va­le­ceu sob o seu go­ver­no. “Se Dil­ma ti­ves­se de­ci­di­do man­ter Hen­ri­que de Cam­pos Mei­rel­les, o gol­pe de Es­ta­do mui­to pro­va­vel­men­te não te­ria ocor­ri­do”, afir­ma o ana­lis­ta.

“Um ex-CEO e pre­si­den­te de uma das mai­o­res ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras dos Es­ta­dos Uni­dos (e um ci­da­dão dos EUA) con­tro­la ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras im­por­tan­tes do Bra­sil e de­fi­ne a agen­da ma­cro-eco­nó­mi­ca e mo­ne­tá­ria pa­ra um país de mais de 200 mi­lhões de pes­so­as. Cha­ma-se a is­to um gol­pe de Es­ta­do... da­do por Wall Stre­et”, con­clui Chossudovsky.

Mi­chel Chossudovsky, es­cri­tor pre­mi­a­do, é pro­fes­sor (emé­ri­to) de Eco­no­mia da Uni­ver­si­da­de de Ot­tawa, fun­da­dor e di­rec­tor do Cen­tro de Pes­qui­sa so­bre a Glo­ba­li­za­ção (CRG) e edi­tor da or­ga­ni­za­ção in­de­pen­den­te de pes­qui­sa e mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al Glo­bal Re­se­ar­ch. Lec­ci­o­nou co­mo pro­fes­sor vi­si­tan­te na Eu­ro­pa Oci­den­tal, no Su­des­te Asiá­ti­co e na Amé­ri­ca La­ti­na, ser­viu co­mo con­se­lhei­ro eco­nó­mi­co pa­ra go­ver­nos de paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to e tem tra­ba­lha­do co­mo con­sul­tor pa­ra vá­ri­as or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais. É au­tor de 11 li­vros, pu­bli­ca­dos em mais de 20 lín­guas. Em 2014, foi pre­mi­a­do com a Me­da­lha de Ou­ro de Mé­ri­to da Re­pú­bli­ca da Sér­via pe­la sua obra so­bre a guer­ra de agres­são da OTAN con­tra a ago­ra des­mem­bra­da Ju­gos­lá­via.

AFP

In­te­res­ses do gran­de ca­pi­tal der­ru­ba­ram a pri­mei­ra Pre­si­den­te da his­tó­ria do Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.