Fá­bri­ca no Bo­coio apos­ta for­te na pro­du­ção de su­mos na­tu­rais

Ma­qui­na­ria des­ti­na­da ao no­vo em­pre­en­di­men­to já ar­ma­ze­na­da na ci­da­de do Lo­bi­to

Jornal de Angola - - PARTADA -

Uma uni­da­de fa­bril, em cons­tru­ção no mu­ni­cí­pio do Bo­coio, na pro­vín­cia de Benguela, pas­sa a pro­du­zir a par­tir des­te ano su­mos de fru­ta, anun­ci­ou o di­rec­tor da Agri­cul­tu­ra na re­gião.

Jo­sé Ma­nu­el dis­se que a fá­bri­ca Mon­te Be­lo de­ve es­tar pron­ta em fi­nais des­te ano. Re­sul­ta­do de uma par­ce­ria pú­bli­co-pri­va­da con­cre­ti­za­da com o fi­nan­ci­a­men­to do pro­gra­ma “An­go­la In­ves­te”, o em­pre­en­di­men­to vai tam­bém pro­du­zir fru­ta em cal­da. Nu­ma pri­mei­ra fa­se, a fá­bri­ca vai cri­ar 500 no­vos pos­tos de trabalho.

De­pois de con­cluí­da, a uni­da­de pas­sa a ter um la­bo­ra­tó­rio de certificação de qua­li­da­de, de for­ma a ga­ran­tir que a fru­ta man­te­nha as pro­pri­e­da­des an­te­ri­o­res ao pro­ces­sa­men­to, com sa­bor ca­rac­te­rís­ti­co e va­lo­res nu­tri­ti­vos, área ad­mi­nis­tra­ti­va, ar­re­ca­da­ção pa­ra acon­di­ci­o­na­men­to da fru­ta, cam­pos de jo­gos e re­si­dên­ci­as pa­ra téc­ni­cos. A ad­mi­nis­tra­do­ra mu­ni­ci­pal do Bo­coio, De­o­lin­da Va­li­an­gu­la, dis­se que a fu­tu­ra fá­bri­ca vai pro­mo­ver pro­du­tos fru­tí­co­las lo­cais. Os ac­tu­ais ní­veis de pro­du­ção jus­ti­fi­cam a aber­tu­ra da agro-in­dús­tria no mu­ni­cí­pio, atra­vés do PROFIR, o que vai per­mi­tir aos agri­cul­to­res te­rem um lo­cal on­de pos­sam efec­tu­ar co­mér­cio.

A ma­qui­na­ria des­ti­na­da à fá­bri­ca já se en­con­tra na ci­da­de do Lo­bi­to, des­de Fe­ve­rei­ro de 2016. O pro­pri­e­tá­rio aguar­da ape­nas pe­la con­clu­são dos tra­ba­lhos de al­ve­na­ria, den­tro de qua­tro a cin­co me­ses, pa­ra a mon­ta­gem do equi­pa­men­to. A em­pre­sa vai de­di­car-se à pro­du­ção de be­bi­das atra­vés do lí­qui­do ex­traí­do de fru­tas tro­pi­cais, com pri­ma­zia pa­ra o aba­ca­xi.

De­o­lin­da Va­li­an­gu­la re­co­nhe­ceu que a fal­ta de uma fá­bri­ca e de mei­os de trans­por­te pa­ra o es­co­a­men­to faz com que mais de um ter­ço das 359.068 to­ne­la­das de aba­ca­xi pro­du­zi­das na lo­ca­li­da­de se es­tra­gue no cam­po. Mas o di­rec­tor da Agri­cul­tu­ra do Bo­coio acre­di­ta que es­te ano é de mu­dan­ça pa­ra a trans­for­ma­ção in­dus­tri­al e co­mer­ci­a­li­za­ção. Es­ti­ma-se que pe­lo me­nos 200 mil to­ne­la­das de aba­ca­xi vão ser di­rec­ta­men­te ca­na­li­za­das pa­ra a fá­bri­ca, o que vai exi­gir mai­or em­pe­nho dos pro­du­to­res.

“A uni­da­de vem re­sol­ver subs­tan­ci­al­men­te um im­por­tan­te pro­ble­ma, que é a per­da de cul­tu­ras no cam­po, to­dos os anos”, re­al­ça. O res­pon­sá­vel acres­cen­ta que, com a sua ins­ta­la­ção, evi­tam-se os des­per­dí­ci­os na pro­du­ção fru­tí­co­la e ge­ram-se lu­cros, en­quan­to o aba­ca­xi do Bo­coio ga­nha mais acei­ta­ção no mer­ca­do.

“Lo­go que fa­ça a co­lhei­ta, o pro­du­tor ven­de aba­ca­xi pa­ra a fá­bri­ca a um preço mais jus­to e, em con­tra­par­ti­da, sai a ga­nhar. Com es­sa fa­ci­li­da­de, vai au­men­tar a área plan­ta­da”, re­al­çou. Es­te é “um pro­jec­to bem pen­sa­do”, não só por cri­ar em­pre­gos, mas por ser pon­to “de par­ti­da da in­dús­tria ” no Bo­coio. A pro­du­ção de aba­ca­xi atin­giu 359.68 to­ne­la­das anu­ais, co­mo re­sul­ta­do dos in­ves­ti­men­tos pri­va­dos nos úl­ti­mos anos e do cli­ma fa­vo­rá­vel do Bo­coio, mu­ni­cí­pio que es­tá na li­nha da fren­te da fru­ti­cul­tu­ra na pro­vín­cia de Benguela.

Ac­ti­vi­da­de fa­mi­li­ar

Em Mon­te Be­lo, co­mu­na a 30 qui­ló­me­tros do Bo­coio, a cul­tu­ra de aba­ca­xi en­glo­ba 595 fa­mí­li­as em qua­tro co­o­pe­ra­ti­vas agrí­co­las e se­te as­so­ci­a­ções cam­po­ne­sas.

As po­vo­a­ções da To­la e Sa­rai­va, em Mon­te Be­lo, são as prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­la pro­du­ção des­te vo­lu­me tão ex­pres­si­vo. Es­ti­ma-se em mais de 100 mil o nú­me­ro de pes­so­as en­vol­vi­das na pro­du­ção.

Além do aba­ca­xi, os agri­cul­to­res tam­bém cul­ti­vam mi­lho, fei­jão, jin­gu­ba, ba­ta­ta re­na e do­ce, ger­ge­lim, ca­na-de-açú­car, man­di­o­ca e hor­tí­co­las, que cons­ti­tu­em im­por­tan­tes fon­tes de ren­di­men­to pa­ra as fa­mí­li­as do cam­po.

O su­mo des­ta fru­ta con­tém cer­ca de 12 por cen­to de açú­car e um por cen­to de áci­dos orgânicos, prin­ci­pal­men­te áci­do cí­tri­co. Tam­bém é con­si­de­ra­do uma boa fon­te de vi­ta­mi­nas A e BI, in­cluin­do a C, in­dis­pen­sá­veis ao or­ga­nis­mo hu­ma­no.

Du­ran­te a guer­ra ci­vil em An­go­la, que ter­mi­nou em 2002, a in­dús­tria de pro­ces­sa­men­to de fru­tas, en­trou em de­clí­nio, com pri­ma­zia pa­ra o ana­nás, que já te­ve no­to­ri­e­da­de atra­vés de li­nhas de pro­du­ção de su­mo, vi­nho, bem co­mo fru­ta em cal­da e cris­ta­li­za­da

EDUARDO PE­DRO

Cam­po­ne­ses do Mon­te Be­lo aguar­dam com ex­pec­ta­ti­va pe­lo ar­ran­que da fá­bri­ca que vai ab­sor­ver par­te sig­ni­fi­ca­ti­va da pro­du­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.