Ta­ri­fas de pa­ga­men­to de água apre­sen­ta­das aos con­su­mi­do­res

Pro­gra­mas vão ser exe­cu­ta­dos com re­cei­tas pro­ve­ni­en­tes dos con­su­mi­do­res

Jornal de Angola - - PARTADA - MAR­CE­LO MA­NU­EL |

Os con­su­mi­do­res de água po­tá­vel na ci­da­de de Nda­la­tan­do pas­sam a pa­gar men­sal­men­te, com a apre­sen­ta­ção sá­ba­do da ta­be­la de ta­ri­fá­ri­os pa­ra a co­bran­ça, anun­ci­ou, na­que­la ci­da­de, o pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa ges­to­ra da dis­tri­bui­ção.

Agos­ti­nho Fe­li­zar­do fri­sou que os cli­en­tes de con­su­mo re­si­den­ci­al pa­gam o va­lor men­sal de 1.400 kwan­zas, en­quan­to os es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais e in­dús­tri­as 1.600 e 2.000 kwan­zas.

As ins­ti­tui­ções pú­bli­cas pos­su­em uma ta­ri­fa bá­si­ca de 1.300 kwan­zas, en­quan­to o for­ne­ci­men­to, atra­vés de fon­te­ná­ri­os ou cha­fa­ri­zes, nos bair­ros pe­ri­fé­ri­cos vai ser co­bra­do ao preço de cin­co kwan­zas por ca­da va­si­lha, in­de­pen­den­te­men­te do seu ta­ma­nho.

Fe­li­zar­do es­cla­re­ceu ain­da, du­ran­te a apre­sen­ta­ção da ta­be­la de ta­ri­fá­ri­os pa­ra a co­bran­ça do con­su­mo de água po­tá­vel, so­bre o es­ta­do de fun­ci­o­na­li­da­de da re­de de dis­tri­bui­ção in­ter­na e da cri­a­ção de pro­jec­tos pa­ra a sua de­vi­da ex­pan­são.

A em­pre­sa es­tá a es­tu­dar, em par­ce­ria com o Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Cu­an­za Nor­te e Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal do Ca­zen­go, me­ca­nis­mos pa­ra a adop­ção de me­di­das cau­te­la­res, com vis­ta à fi­xa­ção dos pre­ços de co­bran­ça pa­ra os ven­de­do­res de água em ca­miões cis­ter­nas. Pa­ra os an­ti­gos com­ba­ten­tes e ve­te­ra­nos da pá­tria, es­tu­da-se tam­bém for­mas de co­bran­ça ou to­tal isen­ção de pa­ga­men­to, com ba­se na le­gis­la­ção de ta­ri­fá­ri­os vi­gen­te.

Água nos bair­ros

Nos úl­ti­mos dois me­ses, os bair­ros Po­pu­lar, Co­mar­ca, Ki­pa­ta, Boa Vis­ta, en­tre ou­tros, que es­ta­vam há mais de dois anos sem con­su­mo de água da re­de, pas­sa­ram a be­ne­fi­ci­ar des­ses ser­vi­ços, as­se­gu­rou.

Até o mês de De­zem­bro, pre­vê-se a ce­le­bra­ção de cer­ca de 6.400 con­tra­tos, em fun­ção dos tra­ba­lhos de cons­tru­ção de con­ta­do­res e ex­pan­são da re­de in­ter­na de dis­tri­bui­ção às co­mu­ni­da­des do Sas­sa, Vi­e­ta, Mes­qui­ta, Cais, Ca­mun­dai e Ti­ro aos Pra­tos. Até ao mo­men­to, per­to de 1.800 mu­ní­ci­pes já pro­ce­de­ram ao ca­das­tra­men­to, pa­ra aqui­si­ção do con­tra­to que per­mi­te o pa­ga­men­to de con­su­mo men­sal.

Na fa­se ac­tu­al, a ci­da­de de Nda­la­tan­do tem cer­ca de três mil li­ga­ções do­mi­ci­li­a­res, cu­jos uten­tes con­so­mem água sem qual­quer pa­ga­men­to.

A em­pre­sa tra­ba­lha no sen­ti­do de atin­gir 19.400 li­ga­ções ca­sei­ras, até ao ano de 2019. Pa­ra a ma­te­ri­a­li­za­ção des­te ob­jec­ti­vo, é ne­ces­sá­ria a re­pa­ra­ção ou subs­ti­tui­ção de cer­ca de 27 vál­vu­las hi­dráu­li­cas, es­pa­lha­das pe­la re­de de dis­tri­bui­ção de água po­tá­vel de Nda­la­tan­do, que de­vi­do ao tempo apre­sen­tam fa­lhas no seu fun­ci­o­na­men­to.

“A po­pu­la­ção de­ve evi­tar a ce­dên­cia de tu­bos de água a ter­cei­ros, atra­vés de li­ga­ções do­mi­ci­li­a­res. A úni­ca en­ti­da­de vo­ca­ci­o­na­da pa­ra o efei­to é a Em­pre­sa Pro­vin­ci­al de Águas”, aler­tou. Ad­ver­tiu os con­su­mi­do­res, pa­ra ra­ci­o­na­li­za­rem o con­su­mo, evi­tan­do o uso de ma­te­ri­ais ob­so­le­tos, co­mo tor­nei­ras, man­guei­ras ou tu­bos, de for­ma a evi­tar da­nos a ní­vel do sis­te­ma de dis­tri­bui­ção, pa­ra que se ve­ri­fi­que sem­pre al­gu­ma re­gu­la­ri­da­de no abas­te­ci­men­to.

NILO MA­TEUS | NDA­LA­TAN­DO

Com a co­bran­ça do con­su­mo de água po­tá­vel ha­bi­tan­tes de Nda­la­tan­do vão fa­zer me­lhor ges­tão do pro­du­to no seio das fa­mí­li­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.