Pro­jec­tos ha­bi­ta­ci­o­nais ele­vam qua­li­da­de de vi­da

Cen­tra­li­da­de do Mus­sun­gue so­lu­ci­o­na dé­fi­ce ha­bi­ta­ci­o­nal na Lun­da Nor­te

Jornal de Angola - - PARTADA - EDIVALDO CRIS­TÓ­VÃO |

Após a In­de­pen­dên­cia e com o fim da guer­ra ci­vil em 2002, o país re­gis­tou uma gran­de al­te­ra­ção po­pu­la­ci­o­nal, fru­to da in­ten­si­fi­ca­ção dos flu­xos mi­gra­tó­ri­os in­ter­nos do ti­po ru­ral ur­ba­no, es­va­zi­an­do o cam­po em di­rec­ção às ci­da­des.

Es­ta si­tu­a­ção cau­sou um cres­ci­men­to des­con­tro­la­do na cons­tru­ção de ca­sas, cau­san­do uma bai­xa qua­li­da­de do am­bi­en­te e de uma es­tru­tu­ra ur­ba­na con­dig­na, no que to­ca a in­fra-es­tru­tu­ras, equi­pa­men­tos e ser­vi­ços. Da­dos do cen­so po­pu­la­ci­o­nal re­a­li­za­do em 2014 apon­tam que o país tem mais de 25 mi­lhões de ha­bi­tan­tes. O re­gi­me de pro­pri­e­da­de das ha­bi­ta­ções fa­mi­li­a­res pa­ra ca­sa pró­pria é de 76 por cen­to, o de ar­ren­da­da 19 e o de ocu­pa­da ou ce­di­da é de cin­co.

Pa­ra mu­dar o qua­dro, o Exe­cu­ti­vo de­fi­niu uma es­tra­té­gia pa­ra es­tan­car as cons­tru­ções ir­re­gu­la­res (anár­qui­cas) nas ci­da­des do país. On­de exis­te ocu­pa­ção do so­lo, es­tá a ser im­ple­men­ta­da a re­qua­li­fi­ca­ção ou re­no­va­ção (me­lho­ria das con­di­ções de ha­bi­ta­bi­li­da­de).

On­de não exis­te ocu­pa­ção do so­lo, tem si­do pro­jec­ta­da a cons­tru­ção de no­vas ur­ba­ni­za­ções e ci­da­des por to­do o país.

Exis­te ain­da a im­ple­men­ta­ção de 88 pro­jec­tos, de cons­ti­tui­ção e de­mar­ca­ção de ter­re­nos co­mo re­ser­vas fun­diá­ri­as do Es­ta­do pa­ra fins ha­bi­ta­ci­o­nais. Nas ca­pi­tais das 18 pro­vín­ci­as, es­tão dis­po­ní­veis 100.000 hec­ta­res pa­ra 18 pro­jec­tos ur­ba­nos que in­clu­em re­de de in­fra-es­tru­tu­ras e equi­pa­men­tos co­lec­ti­vos.

Es­tão em cur­so 164 pro­jec­tos ur­ba­nos em to­dos os mu­ni­cí­pi­os. O pro­gra­ma pre­ten­de as­se­gu­rar a dis­po­ni­bi­li­za­ção de ma­te­ri­al de cons­tru­ção a pre­ços aces­sí­veis pa­ra be­ne­fi­ci­ar cer­ca de 685.000 fa­mí­li­as, nas zo­nas ur­ba­nas e ru­rais.

O Exe­cu­ti­vo tem cons­truí­do mo­de­los de ca­sas com pa­drão eco­nó­mi­co pré-de­fi­ni­do em re­gi­me de cus­tos con­tro­la­dos. Re­a­lo­ja­men­tos in­du­zi­dos por obras de re­qua­li­fi­ca­ção e do­ta­ção de in­fra-es­tru­tu­ras bá­si­cas de ci­da­des, des­ti­na­das a an­ti­gos com­ba­ten­tes, ju­ven­tu­de, fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, em es­pe­ci­al pa­ra jo­vens re­cém-for­ma­dos.

O mo­de­lo de aqui­si­ção ou de pa­ga­men­to pa­ra as re­si­dên­ci­as des­tes pro­jec­tos é atra­vés de ren­da re­so­lú­vel ou de ar­ren­da­men­to.

O Exe­cu­ti­vo tem in­cen­ti­va­do a au­to-cons­tru­ção de ha­bi­ta­ções nos ter­mos da Lei de Ba­ses do Fo­men­to Ha­bi­ta­ci­o­nal (LBFH), atra­vés das se­guin­tes op­ções: po­lí­ti­cas de con­ces­são de ter­re­nos ur­ba­nos a bai­xo pre­ço e ofer­ta de pro­jec­tos di­ver­si­fi­ca­dos; pro­gra­ma de ori­en­ta­ção e apoio téc­ni­co as­sis­ten­ci­al na exe­cu­ção de pro­jec­tos de ha­bi­ta­ções ru­rais, com a in­cor­po­ra­ção dos ma­te­ri­ais lo­cais e me­lho­ria da qua­li­da­de das edi­fi­ca­ções ru­rais tra­di­ci­o­nais, bem co­mo das con­di­ções de sa­ni­da­de, sem cau­sar pre­juí­zo ao mo­de­lo ar­qui­tec­tó­ni­co e aos va­lo­res das cul­tu­ras tra­di­ci­o­nais.

Es­ses pro­jec­tos de ha­bi­ta­ção de cus­tos con­tro­la­dos são exe­cu­ta­dos atra­vés de ope­ra­ções de lo­te­a­men­tos ur­ba­nos e de cons­tru­ção de obras de ur­ba­ni­za­ção de ca­rác­ter evo­lu­ti­vo, em re­gi­me de par­ce­ria pú­bli­co-pri­va­da e pro­vi­das de equi­pa­men­tos so­ci­ais (Edu­ca­ção, Saú­de). Nes­tes pe­rí­me­tros, es­tão tam­bém a ser da­das opor­tu­ni­da­des de in­te­gra­ção nos in­ves­ti­men­tos ha­bi­ta­ci­o­nais pri­va­dos e das co­o­pe­ra­ti­vas, cor­res­pon­den­tes às ofer­tas de ní­veis mé­dio, mé­dio al­to e al­to, des­ti­na­dos ao mer­ca­do li­vre.

Cen­tra­li­da­de do Mus­sun­gue

O Jor­nal de An­go­la es­te­ve na Cen­tra­li­da­de do Mus­sun­gue, no Dun­do, Lun­da Nor­te, um pro­jec­to que te­ve iní­cio em 2009, con­si­de­ra­do um dos prin­ci­pais pro­gra­mas pa­ra so­lu­ci­o­nar o dé­fi­ce ha­bi­ta­ci­o­nal no país e mar­ca o pon­to de par­ti­da do pro­ces­so de ur­ba­ni­za­ção da pro­vín­cia.

O pro­jec­to ur­ba­nís­ti­co me­lho­rou sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te a vi­da de mi­lha­res de an­go­la­nos, dan­do-lhes mai­or dig­ni­da­de e con­for­to. Até ao mo­men­to, vi­vem na Cen­tra­li­da­de do Mus­sun­gue cer­ca de seis mil fa­mí­li­as, mas a ci­da­de te­rá ca­pa­ci­da­de pa­ra alo­jar 30 mil. Além de pro­mo­ver o aces­so a uma ha­bi­ta­ção con­dig­na, a cen­tra­li­da­de foi pro­jec­ta­da com a fi­na­li­da­de de dar cor­po ao pro­ces­so de ur­ba­ni­za­ção da ci­da­de ca­pi­tal da Lun­da Nor­te (Dun­do).

A Cen­tra­li­da­de do Mus­sun­gue es­tá ha­bi­ta­da em cer­ca de 45 por cen­to, a se­gun­da fa­se de cons­tru­ção pa­ra mais re­si­dên­ci­as so­ci­ais co­me­ça no se­gun­do se­mes­tre de 2016.

Nes­ta pri­mei­ra fa­se, a ci­da­de com­por­ta 5.004 apar­ta­men­tos e foi cons­truí­da nu­ma área de 116 hec­ta­res, dis­pon­do de 419 pré­di­os que vão de cin­co a 18 an­da­res, com apar­ta­men­tos do ti­po T3, T4 e T5. Quan­to aos equi­pa­men­tos so­ci­ais, es­tão con­cluí­dos o hos­pi­tal ge­ral, com ca­pa­ci­da­de pa­ra in­ter­nar 95 pacientes, cre­che pa­ra aco­lher 900 cri­an­ças e uma es­co­la pri­má­ria com 50 sa­las de au­la.

O pro­jec­to ur­ba­nís­ti­co con­tem­pla cen­tros co­mer­ci­ais, pos­tos de re­ven­da de com­bus­tí­vel, es­qua­dra da Po­lí­cia, par­ques de es­ta­ci­o­na­men­to, sis­te­mas de tra­ta­men­to e abas­te­ci­men­to de água e de dre­na­gem de águas re­si­du­ais e plu­vi­ais, as­sim

BEN­JA­MIN CÂN­DI­DO

No­vas cen­tra­li­da­des es­tão a me­lho­rar as con­di­ções de ha­bi­ta­bi­li­da­de das po­pu­la­ções

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.