Vin­te anos da ca­po­ei­ra de An­go­la

Jornal de Angola - - PARTADA - MA­NU­EL RUI

Caá, ma­to, flo­res­ta virgem, mais puê­ra, o que não exis­te mais. Es­tes éti­mos da­ri­am ca­po­ei­ra. Mas é mui­to ex­ten­sa a po­lé­mi­ca so­bre a ori­gem da pa­la­vra. Se o en­tão mi­nis­tro bra­si­lei­ro das Fi­nan­ças, lá pe­los anos de 1890, não ti­ves­se man­da­do quei­mar to­da a do­cu­men­ta­ção so­bre o pe­río­do da es­cra­vi­dão ex­pos­ta, não exis­ti­ri­am as po­lé­mi­cas que, ao fim e ao ca­bo, não dei­xam de ser sau­dá­veis pa­ra ali­men­tar o ca­rác­ter do an­ces­tral mis­te­ri­o­so sor­ti­lé­gio da Ca­po­ei­ra de An­go­la. Mes­mo que não se con­clua que a Ca­po­ei­ra des­cen­de das nos­sas Ba­çu­las, Ca­man­gu­la ouN­go­lo, fi­ca as­sen­te que, mes­mo ten­do si­do “in­ven­ta­da” no Bra­sil, foi pe­los es­cra­vos idos de An­go­la.

A Ca­po­ei­ra era uma lu­ta guer­rei­ra mas­ca­ra­da de dan­ça, fa­zen­do uma cor­ren­te hu­ma­na e mag­né­ti­ca co­man­da­da pe­lo be­rim­bau, pa­re­ci­do com o nos­so hun­go co­mo os ata­ba­ques com os nos­sos ba­tu­ques.

A Ca­po­ei­ra era proi­bi­da e só o pre­si­den­te bra­si­lei­ro Ge­tú­lio Var­gas, em 1930, vá­ri­os sé­cu­los de­pois, ha­via de li­be­rar a Ca­po­ei­ra.

Mas, na­que­le tem­po da es­cra­vi­dão, quan­do es­cra­vos fu­gi­am de­man­dan­do ter­ri­tó­rio li­vre de um Ki­lom­bo, sai­am atrás de­les os ca­pa­ta­zes e ca­pi­tães do ma­to. Aí, os fu­gi­ti­vos em­bos­ca­vam-se e der­ru­ba­vam os per­se­gui­do­res com gol­pes mor­tais da Ca­po­ei­ra.

Faz vin­te anos que a Ca­po­ei­ra veio pa­ra An­go­la pe­la mão de Aba­dá Ca­po­ei­ra do mís­ti­co bai­a­no mes­tre Ca­mi­sa e o jo­vem Cas­cão, ne­to de um an­go­la­no de Ben­gue­la, meu tio Vi­ri­a­to que foi cam­peão de bo­xe em Ben­gue­la, em Lu­an­da, em Es­pa­nha e no Bra­sil on­de se ha­via de fi­xar e atin­gir o lu­gar de grão-mes­tre da ma­ço­na­ria.

Lo­go nas pri­mei­ras ac­tu­a­ções a ca­po­ei­ra atraiu a ju­ven­tu­de de am­bos os se­xos. E quem en­tra na ca­po­ei­ra não sai de­la mais. É mui­ta coi­sa de en­can­ta­tó­rio. O som ins­tru­men­tal, os cân­ti­cos com le­tras e mú­si­cas dos ca­po­ei­ris­tas e de­pois a be­le­za dos cor­pos co­mo som­bras bran­cas que es­vo­a­çam no ar, o fin­gi­men­to des­fin­gi­do da­qui­lo que é um jo­go so­bre lu­ta mas não é mais uma lu­ta mas um con­jun­to de ri­tu­ais que nos le­vam à per­pe­tui­da­de de nos­sos an­ces­trais que da­qui fo­ram em­bar­ca­dos nos po­rões, sem qual­quer re­gis­to, pa­ra sem­pre pa­ra lon­ge da ter­ra e da fa­mí­lia pa­ra irem tra­ba­lhar nas fa­zen­das, mi­nas e tu­do o que fos­se ne­ces­sá­rio pa­ra os se­nho­res.

A Ca­po­ei­ra tem gra­du­a­ções a que cor­res­pon­de uma cor­da de de­ter­mi­na­da cor que se en­ro­la na cin­tu­ra.

Os es­cra­vos que fo­ram da­qui, co­mo os que fo­ram da Ni­gé­ria ou de ou­tros lu­ga­res de Áfri­ca, rein­ven­ta­ram-se em for­mas par­ti­cu­la­res de exis­tên­cia, me­di­an­te con­tex­tos cul­tu­rais des­de a mú­si­ca, re­li­gião, ne­o­lo­gis­mos, gas­tro­no­mia pró­pria co­mo o aca­ra­jé ou o va­ta­pá que tam­bém, ho­je, não é só da Ca­po­ei­ra mas tam­bém co­mi­da dos san­tos do Can­dom­blé.

A se­ma­na pas­sa­da fui as­sis­tir, na Ca­sa do Bra­sil em Lu­an­da, a ba­ti­za­dos de ca­po­ei­ris­tas an­go­la­nos de am­bos os se­xos e num mo­sai­co ét­ni­co mais di­ver­si­fi­ca­do do que aqui­lo que se vê nos écrans das te­le­vi­sões bra­si­lei­ras. Além dis­so, veio ju­ven­tu­de de to­das as pro­vín­ci­as cru­zan­do dan­ças lo­cais com o rit­mo e a lin­gua­gem ges­tu­al da ca­po­ei­ra.

Apai­xo­na­do que sou pe­lo be­rim­bau e su­as sí­la­bas sin­co­pa­das, de re­pen­te, fe­chei os olhos por cau­sa dos ar­ra­nhões do re­co-re­co, pa­re­cia ver a ca­po­ei­ris­ta mais an­ti­ga mes­mo an­tes do gé­ne­sis.

E a Ca­po­ei­ra de An­go­la já es­tá ins­ta­la­da em to­das as pro­vín­ci­as e con­ta com cer­ca de 600 mem­bros.

Vi­nha-se dis­cu­tin­do o porquê que a Ca­po­ei­ra não é mo­da­li­da­de olím­pi­ca. Eu pró­prio de­fen­di es­sa te­se. Mas a Ca­po­ei­ra rei­vin­di­ca-se

co­mo uma ar­te, pe­lo amor, a so­li­da­ri­e­da­de e a li­ber­da­de do cor­po e do es­pí­ri­to

Não faz mui­to tem­po que a Ca­po­ei­ra foi re­co­nhe­ci­da, pe­la Unes­co, PA­TRI­MÓ­NIO CUL­TU­RAL DA HU­MA­NI­DA­DE. Aqui, qua­se nin­guém deu por is­so.

No dia dos ba­ti­za­dos, li um po­e­ma de que trans­cre­vo um ex­trac­to: NOS EN­GE­NHOS DOS SE­NHO­RES/RI­COS COM A ES­CRA­VI­DÃO NO BRA­SIL/ERA O SOM DO BE­RIM­BAU QUE FA­ZIA UMA COR­REN­TE/PENETRANDO A MARESIA QUE NÃO CHE­GA­VA AOS PO­RÕES/ON­DE AS ALGEMAS GRILHETAS E OS MOR­TOS POR EN­TRE OS VI­VOS/NUM CHO­RO DE UMA PUÍTA CHA­MAN­DO PE­LOS AN­CES­TRAIS.

DE­POIS FOI A RE­SIS­TÊN­CIA / ERA O SOM DO BE­RIM­BAU QUE FA­ZIA UMA COR­REN­TE/ATA­BA­QUES TO­CAN­DO PONTAS DE ES­TRE­LAS E INCENDIANDO O PRÓ­PRIO FO­GO/EOS COR­POS NU­MA GINGA MIS­TE­RI­O­SA CO­MO DE­MAN­DAN­DO ORI­GENS/E RAÍZES DE FI­CAR REINVENTANDO UM PAS­SA­DO DEI­XA­DO PA­RA TRÁS DO MAR (…)

A Ca­po­ei­ra, ago­ra, es­tá es­pa­lha­da pe­lo mun­do. Há um pro­fes­sor an­go­la­no no Cam­bo­ja, ou­tro na Áfri­ca do Sul e Cas­cão já a ins­ta­lou na Gré­cia, por exem­plo.

Su­gi­ro a quem de di­rei­to, que es­te pa­tri­mó­nio se­ja in­tro­du­zi­do no nos­so en­si­no. Pa­ra além do seu va­lor cul­tu­ral e iden­ti­tá­rio, a Ca­po­ei­ra rou­ba es­pa­ço à vi­o­lên­cia, à dro­ga e ou­tros ma­le­fí­ci­os co­mo o al­co­o­lis­mo. Tam­bém se po­de fa­zer Ca­po­ei­ra, ao do­min­go, no adro das igre­jas.

Se nas es­co­las é que se apren­de, a Ca­po­ei­ra é uma es­co­la de vi­da, do sen­ti­do co­lec­ti­vo de tro­car vo­zes, gin­gar os cor­pos na cor­ren­te de quí­mi­ca quân­ti­ca do be­rim­bau.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.