Uma his­tó­ria de su­ces­so

Jornal de Angola - - OPINIÃO - NOR­TON DE AN­DRA­DE MEL­LO RAPESTA | * (*) Nor­ton de An­dra­de Mel­lo Rapesta é Em­bai­xa­dor do Bra­sil em An­go­la

Os la­ços que unem bra­si­lei­ros e an­go­la­nos da­tam de pe­lo me­nos 400 anos atrás. Dois dos prin­ci­pais pó­los di­nâ­mi­cos do im­pé­rio lu­so-afro-bra­si­lei­ro, Bra­sil e An­go­la ti­ve­ram sem­pre in­ten­so flu­xo hu­ma­no, cul­tu­ral e co­mer­ci­al. As re­la­ções en­tre as du­as mar­gens des­se “rio cha­ma­do Atlân­ti­co” eram tão in­ten­sas que, quan­do o Bra­sil se tor­nou in­de­pen­den­te, co­gi­tou-se a pos­si­bi­li­da­de de união efec­ti­va nu­ma con­fe­de­ra­ção.

En­tre os sé­cu­los XVI e XIX, cer­ca de dois mi­lhões de an­go­la­nos cru­za­ram o Ka­lun­ga em direção ao Bra­sil, car­re­gan­do con­si­go os seus cos­tu­mes, as su­as lín­guas,as su­as cren­ças,a sua cu­li­ná­ria, a sua cul­tu­ra.

Ma­rim­bon­do, qui­tan­da, mi­nho­ca, ca­çu­la, ca­pan­ga, ban­gue­la, can­ji­ca, den­dém, fu­ba. Não há fra­se no por­tu­guês fa­la­do no Bra­sil que não tra­ga uma pa­la­vra de ori­gem an­go­la­na; não há me­sa no Bra­sil on­de não se sir­va um sa­bor­vin­do de An­go­la; não há fes­ta no Bra­sil on­de não se to­que uma mú­si­ca de raiz an­go­la­na.

Não por aca­so, por­tan­to, o Bra­sil foi o pri­mei­ro país a re­co­nhe­cer a in­de­pen­dên­cia de An­go­la, já nos pri­mei­ros mi­nu­tos do 11 de No­vem­bro de 1975. Da mes­ma for­ma, não é por aca­so que as nos­sas so­ci­e­da­des con­ti­nu­am a man­ter la­ços de ami­za­de tão for­tes.

Pa­ra além da his­tó­ria, da cul­tu­ra e da po­lí­ti­ca, so­mos gran­des par­cei­ros, tam­bém, no sec­tor eco­nó­mi­co e na in­ces­san­te sa­ga ru­mo ao de­sen­vol­vi­men­to. Nes­se âm­bi­to, te­nho imen­so or­gu­lho da par­ti­ci­pa­ção bra­si­lei­ra em al­guns dos mais im­por­tan­tes­pro­jec­tos já em­pre­en­di­dos em An­go­la fo­ra do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro: a Hi­dro­e­léc­tri­ca de Laú­ca e a Bi­o­com – a pri­mei­ra, um con­sór­cio li­de­ra­do pe­la Ode­bre­cht, a se­gun­da, uma em­pre­sa an­go­la­no-bra­si­lei­ra.

Laú­ca im­pres­si­o­na pe­la gran­di­o­si­da­de e, após a sua con­clu­são, inau­gu­ra­rá um no­vo ca­pí­tu­lo na his­tó­ria do de­sen­vol­vi­men­to ener­gé­ti­co de An­go­la, con­tri­buin­do so­bre­ma­nei­ra pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia do país e pa­ra a me­lho­ria dos in­di­ca­do­res só­ci­o­e­co­nó­mi­cos da Na­ção.

Quan­do es­ti­ver em ope­ra­ção, Laú­ca se­rá a mai­or hi­dro­e­léc­tri­ca de An­go­la e a ter­cei­ra mai­or de Áfri­ca, com 2.070 Me­gawatts (MW) de ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da e a pos­si­bi­li­da­de de pro­du­zir até 8.643 gi­gawatts por ho­ra (GWh) de ener­gia por ano.

A bar­ra­gem de Laú­ca tem 156 me­tros de al­tu­ra e 2.900.000 me­tros cú­bi­cos de vo­lu­me de be­tão com­pac­ta­do com ci­lin­dro (BCC), o equi­va­len­te a 2,6 ve­zes o vo­lu­me de be­tão da bar­ra­gem de Ca­pan­da. Em li­nha rec­ta, to­dos os tú­neis da obra so­ma­ri­am 21 qui­ló­me­tros, e reu­ni­dos to­dos os equi­pa­men­tos de elec­tro­me­câ­ni­ca uti­li­za­dos no pro­jec­to, so­mar-se-iam 31,8 to­ne­la­das – o pe­so equi­va­len­te a qua­tro tor­res Eif­fel.

Em­bo­ra es­tes nú­me­ros, por si só, já im­pres­si­o­nem qual­quer lei­tor, na­da é tão im­pres­si­o­nan­te co­mo co­nhe­cer o lo­cal, on­de tra­ba­lham 7.240 fun­ci­o­ná­ri­os. Des­tes, 95 por cen­to são an­go­la­nos, os quais ocu­pam as mais di­ver­sas fun­ções: de ope­rá­ri­os a en­ge­nhei­ros.

Pa­ra além da di­men­são fí­si­ca, Laú­ca sur­pre­en­de, tam­bém, pe­la sua di­men­são so­ci­al e am­bi­en­tal. No en­tor­no do em­pre­en­di­men­to, são de­sen­vol­vi­dos pro­jec­tos de fo­men­to ao em­pre­en­de­do­ris­mo ru­ral das co­mu­ni­da­des lo­cais, pro­gra­mas de pre­ven­ção e com­ba­te a do­en­ças co­mo ma­lá­ria e fe­bre­a­ma­re­la, cam­pa­nhas pa­ra a me­lho­ria do sa­ne­a­men­to das co­mu­ni­da­des e ins­ta­la­ção de fon­ta­ná­ri­os, pro­gra­mas de in­cen­ti­vo à edu­ca­ção es­co­lar no sis­te­ma nor­mal e na al­fa­be­ti­za­ção de adul­tos, for­ma­ção de qu­a­dros nos mais di­ver­sos ní­veis e ra­mos de ac­ti­vi­da­de, re­as­sen­ta­men­to das co­mu­ni­da­des afec­ta­das pe­la albufeira, pro­gra­mas de edu­ca­ção am­bi­en­tal e um pro­jec­to de pis­ci­cul­tu­ra.

A Bi­o­com, por sua vez, des­ta­ca­se por ser o mai­or in­ves­ti­men­to em cur­so no país fo­ra do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro. O em­pre­en­di­men­to ocu­pa uma área de 42.500 hec­ta­res, 36.921 dos quais são agri­cul­tá­veis e 5.579 des­ti­nam-se a áre­as de pro­tec­ção per­ma­nen­te da ve­ge­ta­ção na­ti­va. Nes­ta ex­ten­são, plan­ta-se ca­na e pro­duz-se açú­car, eta­nol e ener­gia eléc­tri­ca re­no­vá­vel.

Após pou­co mais de um ano de fun­ci­o­na­men­to, a Bi­o­com já é um su­ces­so, e quan­do es­ti­ver a ple­no va­por, de­ve­rá pro­du­zir, anu­al­men­te, 256 mil to­ne­la­das de açú­car cris­tal bran­co, 28 mil me­tros cú­bi­cos de eta­nol ani­dro e 235 GWz de ener­gia pa­ra o sis­te­ma eléc­tri­co lo­cal (já des­con­ta­da a ener­gia ne­ces­sá­ria pa­ra o seu fun­ci­o­na­men­to). A Bi­o­com de­ve ge­rar, ain­da, 2.800 em­pre­gos di­rec­tos, além de ou­tras cen­te­nas de em­pre­gos in­di­rec­tos que já co­me­çam a sur­gir, co­mo o de pe­que­nos agri­cul­to­res fa­mi­li­a­res que for­ne­cem ali­men­tos pa­ra os seus tra­ba­lha­do­res.

A par­ce­ria en­tre bra­si­lei­ros e an­go­la­nos es­ten­de-se de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne. Pro­va dis­so é a ini­ci­a­ti­va de in­te­gra­ção de 50 fa­zen­das agro-pe­cuá­ri­as na pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go ao pro­jec­to mi­ne­ro-si­de­rúr­gi­co do Cu­chi, na qual as em­pre­sas bra­si­lei­ras Cos­ta Ne­gó­ci­os, Mo­du­lax e LM-Gru­po vêm tra­ba­lhan­do em es­trei­ta sin­to­nia com par­cei­ros lo­cais.

Ao lem­brar o pas­sa­do e tes­te­mu­nhar o pre­sen­te, da­mo-nos con­ta do quan­to já con­se­gui­mos re­a­li­zar e do quan­to ain­da po­de­mos con­quis­tar no fu­tu­ro. Por­tan­to, nes­te 7 de Se­tem­bro de 2016, quan­do o Bra­sil co­me­mo­ra 194 anos de in­de­pen­dên­cia, ape­lo a to­dos os an­go­la­nos pa­ra ce­le­brar­mos jun­tos os sé­cu­los de ami­za­de que nos uni­ram até aqui e os ou­tros tan­tos que o ama­nhã nos re­ser­va!

Es­ta­mos jun­tos!

PE­DRO PA­REN­TE|ANGOP

Nor­ton de An­dra­de Mel­lo Rapesta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.