Cri­se de re­fu­gi­a­dos é um pro­ble­ma glo­bal

Jornal de Angola - - MUNDO -

A ci­mei­ra do G20 re­co­nhe­ceu na se­gun­da-fei­ra que a cri­se dos re­fu­gi­a­dos é um pro­ble­ma mun­di­al e pe­diu “es­for­ços glo­bais” pa­ra a tra­var, após um do­cu­men­to as­si­na­do pe­los lí­de­res dos paí­ses com as mai­o­res eco­no­mi­as do Mun­do na ci­mei­ra re­a­li­za­da na ci­da­de chi­ne­sa de Hangzhou re­ve­lar que o nú­me­ro de re­fu­gi­a­dos atin­giu “ní­veis his­tó­ri­cos”, com 65 mi­lhões de des­lo­ca­dos.

Du­ran­te o de­ba­te so­bre a ques­tão, o pre­si­den­te do Con­se­lho Eu­ro­peu, Do­nald Tusk, aler­tou que o sis­te­ma eu­ro­peu de am­pa­ro es­tá pres­tes a che­gar ao seu li­mi­te e que os de­mais paí­ses não po­dem fi­car à mar­gem da cri­se.

Do­nald Tusk pe­diu que o pro­ble­ma não só se­ja re­co­nhe­ci­do, mas que se to­mem me­di­das con­cre­tas pa­ra re­sol­vê-lo, de­pois de ci­tar os mi­lhões de re­fu­gi­a­dos que a União Eu­ro­peia aco­lheu e os mi­lha­res de mi­lhões de eu­ros in­ves­ti­dos no Mé­dio Ori­en­te.

A União Eu­ro­peia, re­fe­riu, che­gou à ci­mei­ra de Hangzhou com o ob­jec­ti­vo de con­se­guir que o G20 fi­zes­se mais por so­lu­ci­o­nar a cri­se dos re­fu­gi­a­dos, por­que, afir­mou, o blo­co eu­ro­peu e paí­ses co­mo a Tur­quia, Jor­dâ­nia e Lí­ba­no têm uma res­pon­sa­bi­li­da­de des­pro­por­ci­o­nal.

Al­gu­mas na­ções ri­cas não fi­ze­ram pra­ti­ca­men­te na­da pa­ra ten­tar aju­dar a so­lu­ci­o­nar o pro­ble­ma, não re­ce­ben­do se­quer um re­fu­gi­a­do, la­men­tou Do­nald Tusk.

A pri­mei­ra-mi­nis­tra do Rei­no Uni­do, The­re­sa May, dis­se que, no en­con­tro, os paí­ses do G20 tra­ta­ram a cri­se mi­gra­tó­ria e con­cor­da­ram que de­vem fa­zer mais pa­ra com­ba­ter as cau­sas de raiz da mi­gra­ção em mas­sa.

Pa­ra o Pre­si­den­te da Tur­quia, Re­cep Tayyip Er­do­gan, o re­sul­ta­do do de­ba­te não foi su­fi­ci­en­te.

O tam­bém an­fi­trião do en­con­tro do G20 re­a­li­za­do em 2015 de­nun­ci­ou que a Ci­mei­ra “sus­pen­deu o exa­me” da ges­tão da cri­se de re­fu­gi­a­dos em um ano.

“As me­di­das pro­pos­tas pa­ra ate­nu­ar a cri­se não fo­ram re­jei­ta­das por nin­guém, mas ne­nhum país deu pas­sos con­cre­tos a es­se res­pei­to”, dis­se. Ele su­bli­nhou que o seu país re­ce­beu cer­ca de 3 mi­lhões de des­lo­ca­dos pro­ve­ni­en­tes da Sí­ria e do Ira­que, o que re­pre­sen­tou uma des­pe­sa de 25 mil mi­lhões pa­ra os co­fres tur­cos.

Os paí­ses oci­den­tais adop­ta­ram uma “ati­tu­de de se­gu­ran­ça ra­cis­ta” con­tra aque­les que bus­ca­vam asi­lo den­tro das su­as fron­tei­ras, ati­tu­de que con­si­de­rou co­mo “ver­go­nho­sa”.

A Tur­quia, ga­ran­tiu, vai con­ti­nu­ar a re­ce­ber as ví­ti­mas dos con­fli­tos “sem ne­nhu­ma dis­cri­mi­na­ção de pro­ce­dên­cia ou re­li­gião”.

A Fran­ça anun­ci­ou on­tem que Pa­ris abre em Ou­tu­bro o pri­mei­ro cam­po de re­fu­gi­a­dos nu­ma zo­na den­sa­men­te ur­ba­ni­za­da na Eu­ro­pa, que vai re­ce­ber 400 ho­mens por um pe­río­do “de 5 a 10 di­as”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.