A al­ter­nân­cia do po­der

Jornal de Angola - - OPINIÃO - BELARMINO VAN-DÚNEM |

O Par­ti­do Afri­ca­no pa­ra a In­de­pen­dên­cia de Ca­bo Ver­de (PAICV) aca­ba de so­frer um der­ro­ta glo­bal com a per­da de qua­se to­das as câ­ma­ras mu­ni­ci­pais. Das 22 câ­ma­ras só con­se­guiu ven­cer em du­as.

O PAICV foi o par­ti­do que pro­cla­mou a in­de­pen­dên­cia de Ca­bo Ver­de e, de­pois da aber­tu­ra de­mo­crá­ti­ca, no iní­cio da dé­ca­da de 90, fi­cou dez anos na opo­si­ção. Mas em 2001 re­con­quis­tou o po­der e go­ver­nou du­ran­te 15 anos, ven­cen­do to­dos os plei­tos elei­to­rais, com Jo­sé Ma­ria Ne­ves co­mo pri­mei­ro-mi­nis­tro.

No ano de 2015, o PAICV fez re­for­mas in­ter­nas pro­fun­das, ele­gen­do Jan­di­ra Hof­fer Al­ma­da co­mo pre­si­den­te do par­ti­do. Ape­sar de al­gu­mas ten­sões in­ter­nas, tu­do pa­re­cia cor­rer bem até que os re­sul­ta­dos das elei­ções le­gis­la­ti­vas anun­ci­a­ram a vi­tó­ria, por mai­o­ria ab­so­lu­ta, do Mo­vi­men­to pa­ra a De­mo­cra­cia (MPD), mai­or par­ti­do da opo­si­ção, que go­ver­nou o país de 1991 a 2001, vol­tan­do a ven­cer em Mar­ço do cor­ren­te ano.

O po­der do PAICV mos­tra­va si­nais de ti­tu­be­ar qu­an­do em 2011 Jor­ge Car­los Fon­se­ca ven­ceu as elei­ções pre­si­den­ci­ais co­mo can­di­da­to in­de­pen­den­te, em­bo­ra apoi­a­do pe­lo MPD, na al­tu­ra par­ti­do na opo­si­ção.

As elei­ções au­tár­qui­cas re­a­li­za­das no dia 4 de Se­tem­bro de 2016 con­fir­ma­ram o fim do rei­na­do do PAICV. As coi­sas já pa­re­ci­am mal, mas nin­guém es­pe­ra­va que o MPD ven­ces­se com can­di­da­tos pró­pri­os em 19 das 22 câ­ma­ras mu­ni­ci­pais. Nu­ma das ilhas, ven­ceu o mo­vi­men­to in­de­pen­den­te de­no­mi­na­do BAS­TA, li­de­ra­do por um de­pu­ta­do dis­si­den­te do MPD. O par­ti­do no po­der já en­dos­sou a vi­tó­ria e con­ta­bi­li­za 20 câ­ma­ras das 22 em dis­pu­ta.

O mo­vi­men­to BAS­TA é uma es­pé­cie de Sy­ri­za na Gré­cia ou do Po­de­mos em Es­pa­nha. O úni­co pro­jec­to des­tes mo­vi­men­tos é al­can­çar o po­der pa­ra fa­ze­rem uma go­ver­na­ção po­pu­lar, uma es­pé­cie de sal­va­ção da go­ver­na­ção den­tro do ca­os, apre­sen­tan­do uma ten­dên­cia de es­quer­da.

As ex­pec­ta­ti­vas ago­ra em Ca­bo Ver­de vão pa­ra as pre­si­den­ci­ais, que es­tão mar­ca­das pa­ra o dia 2 de Ou­tu­bro do cor­ren­te ano. O ac­tu­al Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jor­ge Car­los Fon­se­ca, já sus­pen­deu o man­da­to e em exer­cí­cio en­con­tra-se o pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

A re­e­lei­ção de Jor­ge Car­los Fon­se­ca es­tá qua­se ga­ran­ti­da, já que os po­ten­ci­ais con­cor­ren­tes fi­ze­ram um re­cuo es­tra­té­gi­co fa­ce às vi­tó­ri­as aver­ba­das pe­lo MPD nos úl­ti­mos plei­tos. Exis­tem mais dois can­di­da­tos in­de­pen­den­tes na cor­ri­da pa­ra as pre­si­den­ci­ais de 2 de Ou­tu­bro, Al­ber­ti­no Gra­ça, que aguar­da que a sua can­di­da­tu­ra se­ja en­dos­sa­da pe­lo PAICV, e Jo­a­quim Mon­tei­ro, que se afir­ma in­de­pen­den­te.

Há al­guns me­ses, a can­di­da­tu­ra de Jo­sé Ma­ria Ne­ves, an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro, era da­da co­mo cer­ta. Se­ria uma dis­pu­ta de tu­ba­rões, já que o an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro ain­da go­za de po­pu­la­ri­da­de, mas tem mos­tra­do in­dis­po­ni­bi­li­da­de, mes­mo ten­do con­fir­ma­do que exis­ti­ram con­tac­tos do seu par­ti­do pa­ra que fos­se o can­di­da­to ofi­ci­al.

Ca­so o PAICV não en­con­tre um can­di­da­to no seu seio, se­rá a pri­mei­ra vez que es­te par­ti­do fi­ca au­sen­te das elei­ções pre­si­den­ci­ais com um can­di­da­to pró­prio. Nas elei­ções pre­si­den­ci­ais de 2011, o par­ti­do te­ve que re­a­li­zar elei­ções “pri­má­ri­as” pa­ra en­con­trar um can­di­da­to, por­que ha­via qua­tro pre­ten­den­tes ao car­go. É es­tra­nho que cin­co anos de­pois ne­nhum no­tá­vel do par­ti­do quei­ra avan­çar.

Na sequên­cia da he­ca­tom­be elei­to­ral, a pre­si­den­te do PAICV, Jan­di­ra Hof­fer Al­ma­da, já co­lo­cou o seu lu­gar à dis­po­si­ção e re­co­nhe­ceu a der­ro­ta. Jo­sé Ma­ria Ne­ves su­ge­riu uma Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal pa­ra abor­dar a si­tu­a­ção in­ter­na do par­ti­do com “fran­que­za e aber­tu­ra”.

O fu­tu­ro da go­ver­na­ção em Ca­bo Ver­de pa­ra os pró­xi­mos cin­co anos es­tá de­ci­di­do, com o MPD a im­ple­men­tar o seu pro­gra­ma sem opo­si­ção, já que con­ta­rá com os três po­de­res: le­gis­la­ti­vo, pre­si­den­ci­al e au­tár­qui­co.

No PAICV as coi­sas não es­tão bem es­cla­re­ci­das. Quem se­rá o pró­xi­mo pre­si­den­te do par­ti­do? Se­rá que en­tre Pe­dro Pi­res, an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro, Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e do par­ti­do, e Jo­sé Ma­ria Ne­ves, um dos dois irá in­ter­fe­rir na elei­ção do pró­xi­mo pre­si­den­te ou sai­rão can­di­da­tos da to­ca pa­ra li­de­rar o par­ti­do na opo­si­ção?

O je­jum de po­der em Ca­bo Ver­de tem si­do de dez anos pa­ra as pre­si­den­ci­ais. No go­ver­no, fo­ram dez anos sem go­ver­nar pa­ra o PAICV e quin­ze anos pa­ra o MPD. Nas au­tar­qui­as, os dois vão-se al­ter­nan­do.

Se­ria ur­gen­te pa­ra o PAICV en­con­trar um can­di­da­to pró­prio, al­guém que fi­zes­se pas­sar a ban­dei­ra do par­ti­do, ain­da que a der­ro­ta es­te­ja anun­ci­a­da pa­ra as elei­ções pre­si­den­ci­ais do pró­xi­mo dia 2 de Ou­tu­bro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.