A ele­gân­cia do di­plo­ma­ta e o des­pu­dor da men­ti­ra

Jornal de Angola - - PARTADA - LU­CI­A­NO RO­CHA

Aos an­go­la­nos já na­da ad­mi­ra do que diz a mai­o­ria dos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al de Por­tu­gal e de­ter­mi­na­dos in­di­ví­du­os da­que­le país so­bre nós e a nos­sa Pá­tria, mo­ti­va­dos por ra­zões vá­ri­as que al­ber­gam, não ra­ro, sen­ti­men­tos re­cal­ca­dos de ne­o­co­lo­ni­a­lis­mo.

Tu­do pa­ra eles é mo­ti­vo de es­pe­cu­la­ção, opor­tu­ni­da­de pa­ra des­ti­la­rem in­ve­jas, ten­ta­rem sa­rar fe­ri­das que eles pró­pri­os cri­a­ram. Um por­tu­guês as­sal­ta­do em An­go­la po­de não ape­nas mo­ti­var “no­tí­cia”, qua­se sem­pre ei­va­da de juí­zos de va­lor, co­mo gran­des de­ba­tes te­le­vi­si­vos e ra­di­o­fó­ni­cos.

An­go­la, não há dú­vi­da, pa­re­ce mel que atrai mos­cas. Só que de­pois ex­pe­lem fel. A ten­ta­ti­va fra­cas­sa­da, ocor­ri­da há di­as em Lu­an­da, de um gru­po de jo­vens con­de­na­dos em pri­mei­ra ins­tân­cia por cri­mes con­tra a se­gu­ran­ça de Es­ta­do, en­tre­tan­to pos­tos em li­ber­da­de até de­ci­são fi­nal do pro­ces­so, de vi­si­ta a um cor­re­li­gi­o­ná­rio que con­ti­nua pre­so – ago­ra num hos­pi­tal – por, co­mo se sa­be, ao ou­vir a lei­tu­ra da pri­mei­ra sen­ten­ça ter de­cla­ra­do que o jul­ga­men­to era uma far­sa, foi te­ma de no­tí­cia em Por­tu­gal, que se de­ba­te com pro­ble­mas in­ter­nos de vá­ria or­dem, nem to­dos cau­sa­dos pe­la cri­se eco­nó­mi­ca mun­di­al.

Em Por­tu­gal, on­de es­tou de pas­sa­gem, so­men­te sou­be do fac­to no sá­ba­do à noi­te, pe­la RTP2, já em pe­ça re­cu­pe­ra­da da vés­pe­ra. Des­co­nhe­ço por is­so a to­ta­li­da­de da mes­ma, mas o que ou­vi con­fir­mou a atrac­ção que o nos­so país con­ti­nua a exer­cer so­bre al­gu­mas pes­so­as, qua­se sem­pre as mes­mas, e a mai­o­ria dos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al de Por­tu­gal. O ape­go à men­ti­ra e à des­fa­ça­tez ca­rac­te­ri­zam uns e ou­tros.

O cor­res­pon­den­te da­que­le ór­gão de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al na ca­pi­tal an­go­la­na ou­viu al­guns dos in­ter­ve­ni­en­tes da ten­ta­ti­va de vi­si­ta ao cor­re­li­gi­o­ná­rio de­ti­do. Dis­se­ram-lhe que ti­nham si­do im­pe­di­dos de con­cre­ti­zar os in­ten­tos e dois ou três fo­ram agre­di­dos. A pe­ça de sá­ba­do da RTP2 não mos­tra­va ima­gens de fe­ri­dos. A es­ta­ção apre­sen­tou as do jul­ga­men­to, que re­co­lheu li­vre­men­te e que mos­tram os réus a rir e a con­ver­sar.

A não en­tra­da de um gru­po de jo­vens num hos­pi­tal-pri­são pa­ra es­tar com um cor­re­li­gi­o­ná­rio foi pa­ra os res­pon­sá­veis da te­le­vi­são pú­bli­ca por­tu­gue­sa mo­ti­vo de no­tí­cia com di­rei­to a re­pes­ca­gem. Co­mo se as vi­si­tas a ca­dei­as ou es­ta­be­le­ci­men­tos de saú­de não ti­ves­sem re­gras. Co­mo se bas­tas­se, nu­ma al­mo­ça­ra­da, de­ci­dir “a se­guir va­mos lá”, co­mo quem vai à praia ou pas­se­ar pe­la Mar­gi­nal.

Mas, o cor­res­pon­den­te da RTP2 não se fi­cou pe­la “no­tí­cia” e, de sua la­vra, re­pe­tiu sem a voz lhe tre­mer a len­ga­len­ga de que os jo­vens ti­nham si­do pre­sos e jul­ga­dos num pro­ces­so que pas­sa pe­la lei­tu­ra de um li­vro, em vez de es­cla­re­cer, qu­an­do mui­to, que as de­ten­ções ti­nham ocor­ri­do na al­tu­ra em que al­guns de­les li­am um li­vro. O jor­na­lis­ta ig­no­rou des­ca­ra­da­men­te o porquê das de­ten­ções, pri­vi­le­gi­ou o co­mo, nes­te ca­so de so­me­nos im­por­tân­cia. Por es­te an­dar, um dia des­tes os ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al de Por­tu­gal e os de­fen­so­res na­que­le país das “li­ber­da­des fun­da­men­tais” ga­ran­tem a pés jun­tos que em An­go­la são pre­sas pes­so­as por irem ao quar­to de banho.

A te­le­vi­são pú­bli­ca por­tu­gue­sa não se fi­cou por aqui. En­ten­deu que o as­sun­to da­va pa­no pa­ra man­gas, que era opor­tu­ni­da­de im­per­dí­vel de es­pe­cu­lar, ca­lu­ni­ar e en­ta­lar o Es­ta­do an­go­la­no. Vai daí, con­vi­dou João So­a­res, ex-mi­nis­tro do ac­tu­al Go­ver­no por­tu­guês, ad­mi­ra­dor con­fes­so de Jo­nas Sa­vim­bi, e An­tó­nio Lu­vu­a­lo, em­bai­xa­dor iti­ne­ran­te do nos­so país pa­ra um de­ba­te. Se os res­pon­sá­veis da RTP es­pe­ra­vam pei­xei­ra­da, saiu-lhes o ti­ro pe­la cu­la­tra.

O ex-mi­nis­tro do ac­tu­al Go­ver­no por­tu­guês bem ten­tou, com fal­si­da­des e afir­ma­ções des­ca­bi­das, mas pe­la fren­te en­con­trou a clas­se e so­li­dez da di­plo­ma­cia. An­tó­nio Lu­vu­a­lo, co­mo a mai­o­ria dos an­go­la­nos, sa­bia quem era o an­ta­go­nis­ta, não o sur­pre­en­deu cer­ta­men­te o que ou­via. Por is­so li­mi­tou-se a olhá-lo de fren­te, sem ti­ques nem sor­ri­sos de es­cár­nio, se­quer de fal­sa be­ne­vo­lên­cia, o que po­de ter es­pan­ta­do o ex-mi­nis­tro do ac­tu­al Go­ver­no de Por­tu­gal.

O em­bai­xa­dor an­go­la­no es­ta­va em van­ta­gem. Co­nhe­ce Por­tu­gal, é um es­tu­di­o­so, sa­be do que fa­la. Do ou­tro la­do da me­sa ha­via al­guém que des­co­nhe­ce a re­a­li­da­de an­go­la­na, se ex­cep­tu­ar­mos a Jam­ba de má me­mó­ria de Jo­nas Sa­vim­bi, que vi­si­ta­va re­gu­lar­men­te, ou pou­co mais do que o ho­tel on­de es­te­ve hos­pe­da­do em Lu­an­da pa­ra pro­fe­rir uma pa­les­tra so­bre o de­fun­to lí­der da UNITA.

O ex-mi­nis­tro do ac­tu­al Go­ver­no de Lis­boa não sur­pre­en­deu nem An­tó­nio Lu­vu­a­lo nem nin­guém. Do al­to do seu pe­des­tal de ar­ro­gân­cia, fa­lou de for­tu­nas des­ba­ra­ta­das em An­go­la que, dis­se, de­vi­am ser apli­ca­das na cons­tru­ção de es­ta­be­le­ci­men­tos de saú­de e es­co­la­res, das mai­o­res apos­tas en­tre nós. O ho­mem não sa­be mes­mo ou usou de má-fé pa­ra ten­tar con­fun­dir dis­traí­dos? No nos­so país fo­ram ins­ta­la­dos em me­nos de dé­ca­da e meia de paz mais es­co­las de to­dos os ní­veis, in­cluin­do do En­si­no Su­pe­ri­or, do que Por­tu­gal em sé­cu­los de exis­tên­cia. A nos­sa rede sa­ni­tá­ria ain­da não é a de­se­já­vel? Cla­ro que não, mas é bem mai­or do que an­tes da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal.

O ex-mi­nis­tro do ac­tu­al Go­ver­no por­tu­guês não fi­cou por aqui e afir­mou que os go­ver­na­do­res pro­vin­ci­ais em An­go­la não eram elei­tos, mas no­me­a­dos pe­lo Go­ver­no. No país de­le hou­ve até há pou­co tem­po go­ver­na­do­res ci­vis. Eram elei­tos? Quem os no­me­a­va? A opo­si­ção? No pe­des­tal da ar­ro­gân­cia, acon­se­lhou a ins­ti­tui­ção do po­der au­tár­qui­co en­tre nós. Ou­tra vez ig­no­rân­cia ou ma­le­di­cên­cia? A ins­ta­la­ção do po­der lo­cal an­go­la­no es­tá pre­vis­ta e em es­tu­do. Só que é de­ci­são de­ma­si­a­do im­por­tan­te pa­ra ser to­ma­da de âni­mo le­ve. A pres­sa é má con­se­lhei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.