For­ças ne­ga­ti­vas afec­tam a re­gião

PRE­SI­DEN­TE IN­FOR­MA­DO SO­BRE SI­TU­A­ÇÃO NA RDC

Jornal de Angola - - PARTADA - CÂNDIDO BES­SA |

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e da Con­fe­rên­cia Internacional da Re­gião dos Gran­des La­gos, José Eduardo dos Santos, foi on­tem in­for­ma­do so­bre a si­tu­a­ção de se­gu­ran­ça pre­va­le­cen­te no Les­te da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), on­de for­ças ne­ga­ti­vas adop­ta­ram mé­to­dos ter­ro­ris­tas pa­ra cri­ar ins­ta­bi­li­da­de e afu­gen­tar as po­pu­la­ções lo­cais. O ministro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros da RDC, Ray­mond Tshi­ban­da, dis­se que in­for­mou o Pre­si­den­te José Eduardo dos Santos que a si­tu­a­ção no Les­te do seu país é mui­to pre­o­cu­pan­te e de­ve me­re­cer uma rá­pi­da in­ter­ven­ção pa­ra tra­var o avan­ço do ex­tre­mis­mo e do ter­ror na re­gião. Qu­an­to ao diá­lo­go en­tre as for­ças po­lí­ti­cas da RDC pa­ra a mar­ca­ção das eleições ge­rais, Tshi­ban­da dis­se que o Go­ver­no do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la tem pro­cu­ra­do en­con­trar con­sen­sos pa­ra que o plei­to de­cor­ra num cli­ma de paz e de es­ta­bi­li­da­de. Tshi­ban­da acres­cen­tou que não há ain­da con­sen­so so­bre a da­ta pa­ra a re­a­li­za­ção das eleições ge­rais.

A si­tu­a­ção no Les­te da RDC con­ti­nua pre­o­cu­pan­te, mar­ca­da por uma mudança de es­tra­té­gia na ac­tu­a­ção de al­gu­mas for­ças ne­ga­ti­vas (re­bel­des) que es­tão a adop­tar ati­tu­des ter­ro­ris­tas, ape­sar dos ape­los ao de­sar­ma­men­to fei­tos pe­las Na­ções Uni­das, União Afri­ca­na, SADC e Con­fe­rên­cia Internacional so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos.

A pre­o­cu­pa­ção foi on­tem trans­mi­ti­da ao Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no e pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia Internacional so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos, José Eduardo dos Santos, pe­lo ministro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros da RDC, Rai­mund Tshi­ban­da.

O ministro trans­mi­tiu ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca os úl­ti­mos de­sen­vol­vi­men­tos no seu país, que as­sis­te a ou­tro im­pas­se: o de­sen­ten­di­men­to en­tre o Go­ver­no e a opo­si­ção qu­an­to à re­a­li­za­ção ou não, ain­da este ano, das eleições ge­rais.

“É uma ques­tão mui­to pre­o­cu­pan­te. As For­ças Ar­ma­das da RDC es­tão a le­var a ca­bo ope­ra­ções con­tra as for­ças ne­ga­ti­vas que ope­ram no Les­te do ter­ri­tó­rio. Es­ta­mos a ter al­gum su­ces­so com as FLDR, mas te­mos di­fi­cul­da­des qu­an­to às for­ças ne­ga­ti­vas ugan­de­sas da ADS”, afir­mou o ministro con­go­lês, ao jus­ti­fi­car a sua des­lo­ca­ção, nu­ma al­tu­ra em que Angola ocu­pa, igual­men­te, a vi­ce-pre­si­dên­cia do ór­gão de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da SADC.

A co­mu­ni­da­de ti­nha exi­gi­do até 2 de Ja­nei­ro a ren­di­ção in­con­di­ci­o­nal dos gru­pos re­bel­des que ope­ram no Les­te da RDC, pa­ra, no ca­so de in­cum­pri­men­to, par­tir-se pa­ra a ope­ra­ção mi­li­tar con­tra os re­ma­nes­cen­tes das for­ças re­bel­des.

Em Fe­ve­rei­ro, o en­vi­a­do es­pe­ci­al do se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU pa­ra a Re­gião dos Gran­des La­gos, Say­di Dji­nith, es­te­ve em Lu­an­da e elo­gi­ou a de­ci­são de se cri­ar e re­a­li­zar ope­ra­ções pa­ra neu­tra­li­zar to­das as for­ças ne­ga­ti­vas.

“A ONU es­pe­ra an­si­o­sa­men­te pe­la com­ple­ta im­ple­men­ta­ção des­ta de­ci­são”, res­sal­tou o di­plo­ma­ta, afir­man­do que é im­por­tan­te to­mar po­si­ções pa­ra o com­ba­te da re­be­lião na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, Bu­run­di e nou­tros paí­ses da Re­gião dos Gran­des La­gos, que vi­vem si­tu­a­ções de ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­co-mi­li­tar, e de­fen­deu ain­da a con­tí­nua co­or­de­na­ção en­tre re­pre­sen­tan­tes da SADC, União Afri­ca­na e ou­tras en­ti­da­des des­te ór­gão, de mo­do a in­ver­ter-se o qua­dro nes­tes paí­ses. A gran­de pre­o­cu­pa­ção da SADC e da Con­fe­rên­cia Internacional so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos foi sem­pre no sen­ti­do de se ob­te­rem re­sul­ta­dos nas ope­ra­ções militares com o me­nor da­no co­la­te­ral pos­sí­vel, já que ao la­do dos re­bel­des e guer­ri­lhei­ros es­tão sem­pre po­pu­la­ções ci­vis e fa­mí­li­as.

Con­sen­sos e eleições

O ministro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go afir­mou que exis­tem al­guns con­sen­sos qu­an­to ao pro­ces­so de diá­lo­go in­ter­no en­ce­ta­do pe­lo Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la, pa­ra dis­cu­tir as pró­xi­mas eleições, pa­ra con­so­li­dar a uni­da­de e a co­e­são in­ter­na e pro­pi­ci­ar um cli­ma de paz e har­mo­nia na­ci­o­nal.

Um dos pon­tos de dis­cór­dia era o fi­chei­ro cen­tral de da­dos, que o Go­ver­no de­fen­de que de­ve ser ac­tu­a­li­za­do, pa­ra per­mi­tir que as eleições de­cor­ram com li­su­ra. “Te­mos al­guns avan­ços. Qu­e­re­mos que as eleições de­cor­ram de for­ma pa­cí­fi­ca e ame­na e que não ha­ja dis­túr­bi­os an­tes, du­ran­te e de­pois do plei­to elei­to­ral”, dis­se o ministro, sem, no en­tan­to, avan­çar ain­da uma da­ta pa­ra a re­a­li­za­ção das eleições.

“É o diá­lo­go que vai de­fi­nir tu­do. Pos­so ga­ran­tir que já há uma con­ver­gên­cia de idei­as en­tre os ac­to­res po­lí­ti­cos e que o diá­lo­go de­ve de­fi­nir as ba­ses so­bre aqui­lo que de­vem ser as eleições, pa­ra de­pois en­tão ter­mos uma da­ta pre­ci­sa pa­ra as mes­mas”, dis­se.

RO­GÉ­RIO TUTI

Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca foi on­tem in­for­ma­do so­bre a si­tu­a­ção de ins­ta­bi­li­da­de no Les­te da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.