Cró­ni­ca de Luis Al­ber­to Fer­rei­ra

Jornal de Angola - - PARTADA - LUIS AL­BER­TO FER­REI­RA |* (*) Luis Al­ber­to Fer­rei­ra é o mais an­ti­go jor­na­lis­ta an­go­la­no no ac­ti­vo

A Rússia “po­de abrir uma fren­te pró-cur­da atra­vés do Mar Ne­gro ou das fron­tei­ras da Geór­gia”. A as­ser­ti­va é de um co­nhe­ci­do ana­lis­ta vas­co, Iña­ki Gil. Foi pro­fe­ri­da de­pois de o lí­der tur­co, Er­do­gan, ter ido, em vi­si­tas su­ces­si­vas, a Mos­co­vo e Te­la­vi­ve. Era de fac­to uma oca­sião pro­pí­cia a ou­tros “lan­ces” no ta­bu­lei­ro asiá­ti­co. O mais des­ta­ca­do fun­ci­o­ná­rio da po­lí­ti­ca ex­ter­na do Irão foi a Cu­ba, à Ni­ca­rá­gua e ao Equa­dor. De uma as­sen­ta­da, o Irão fa­zia-se pre­sen­te, pa­ra a as­si­na­tu­ra de “acor­dos bi­la­te­rais”, nas Ca­raí­bas, na Amé­ri­ca Cen­tral e na Amé­ri­ca do Sul.

Em Mos­co­vo, co­mo em Te­e­rão ou Ha­va­na, os cur­dos são vis­tos co­mo os “mais de­ci­di­dos e mais com­ba­ti­vos ini­mi­gos do Es­ta­do Is­lâ­mi­co”. Os cur­dos, ima­gi­nem. Os cur­dos. Que lu­tam, de fac­to, em na­da me­nos de três fren­tes de gu­er­ra: na fron­tei­ra tur­co-sí­ria, no in­te­ri­or da Sí­ria e no in­te­ri­or do Ira­que.

Há, pois, clas­si­fi­ca­ção e subs­tra­tos pa­ra uma ver­da­de ir­re­ba­tí­vel: a pers­pec­ti­va mundial do gra­ve ou gra­vís­si­mo pro­ble­ma dos cur­dos pe­ca, em pri­mei­ro lu­gar, pe­la su­bal­ter­ni­za­ção ar­bi­trá­ria que lhe é im­pos­ta. Mais do que is­so, ocul­ta­ção pro­po­si­tal. Po­de­mos de­du­zi-lo a par­tir de uma ob­ser­va­ção dos des­pau­té­ri­os, na Sí­ria, fa­vo­rá­veis ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co. Os cur­dos, na Sí­ria, es­tão aglu­ti­na­dos nas For­ças de Pro­tec­ção dos Po­vos (YPG). Eles são afi­nal, no ter­re­no, a úni­ca for­ça ca­paz de igua­lar, em cre­di­bi­li­da­de, o Exér­ci­to re­gu­lar da Sí­ria – fren­te ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co, cúm­pli­ce fla­gran­te des­ses dois cor­pos es­tram­bó­ti­cos que dão pe­los no­mes de Exér­ci­to Livre da Sí­ria e Tur­quia e For­ças De­mo­crá­ti­cas Sí­ri­as.

Sa­mu­el Hun­ting­ton, o ho­mem de Har­vard que nos propôs a no­vi­da­de do “cho­que de ci­vi­li­za­ções”, su­ge­riu aos po­lí­ti­cos oci­den­tais que não ten­tem mol­dar as ou­tras ci­vi­li­za­ções à sua imagem, mas an­tes pre­ser­vem e pro­te­jam as “qua­li­da­des úni­cas da ci­vi­li­za­ção oci­den­tal, co­mo a li­ber­da­de in­di­vi­du­al e a de­mo­cra­cia”. Hun­ting­ton pro­nun­ci­a­va­se de­pois de acen­tu­ar a pre­ten­são à uni­ver­sa­li­da­de das ci­vi­li­za­ções asiá­ti­cas e mu­çul­ma­nas. Al­me­jo, su­bli­nha­va ele, que “con­duz ine­vi­ta­vel­men­te ao im­pe­ri­a­lis­mo”. Hou­ve quem, co­mo Amartya Sen (Pré­mio No­bel), con­si­de­ras­se mais per­ti­nen­te in­ter­ro­gar­mo-nos so­bre se o mai­or de­sa­fio co­lo­ca­do pe­la mun­di­a­li­za­ção eco­nó­mi­ca não as­sen­ta­rá na “dis­se­mi­na­ção da de­mo­cra­cia”. Nós olha­mos pa­ra es­tas pre­ci­sões co­mo se es­ti­vés­se­mos pe­ran­te “gi­ná­si­os di­a­léc­ti­cos” que, no fun­do, re­sul­tam em par­ques ver­bais de en­tre­te­ni­men­to ou di­le­tan­tis­mo.

Nu­ma pers­pec­ti­va mundial, o gra­vís­si­mo pro­ble­ma dos cur­dos, tal co­mo o da Sí­ria, dis­pen­sa ver­ba­lis­mos (mui­tas for­mas de ocul­ta­ção e con­tem­po­ri­za­ção) e não é dis­so­ciá­vel de des­gra­ças já in­con­tá­veis. Cynthia Ghor­ra-Go­bin, que tra­ba­lhou nos es­ta­lei­ros de mui­ta in­ves­ti­ga­ção, dá-nos um exem­plo de co­mo na es­pu­ma dos con­cei­tos, ou da fra­se­o­lo­gia, avul­ta o eli­tis­mo na mag­ni­fi­ca­ção das pri­o­ri­da­des cau­te­la­res: “Di­fi­cil­men­te se po­de fa­lar do Is­lão li­mi­tan­do-o ao Mé­dio Ori­en­te ou à In­do­né­sia, e es­que­cen­do a sua pre­sen­ça sob a for­ma de en­cla­ves nas me­tró­po­les oci­den­tais e nas re­des trans­na­ci­o­nais que ali­men­ta. Ninguém se es­que­ceu que os aten­ta­dos con­tra o World Tra­de Cen­ter, em No­va Ior­que, fo­ram pre­pa­ra­dos em Ham­bur­go”. Os cur­dos es­tão lon­ge de cor­po­ri­zar en­cla­ves que, so­bre­le­van­do as fron­tei­ras da Sí­ria ou do Ira­que, ti­ves­sem gua­ri­da em “me­tró­po­les oci­den­tais”. A trá­gi­ca si­tu­a­ção que eles, des­de há mui­to, vi­vem den­tro e fo­ra da Tur­quia, não co­mo­ve, pois, as sen­si­bi­li­da­des me­tro­po­li­ta­nas que, tam­bém des­de há mui­to, con­tem­plam com sim­pa­tia o apa­ra­to faus­to­so dos mo­nar­cas pe­tro­lei­ros que le­vam pa­ra Lon­dres, Pa­ris, Ro­ma, a ca­ma de ca­be­cei­ra dou­ra­da e o ha­rém de “re­sig­na­das fe­li­zes”.

Um ti­po ex­tre­ma­men­te in­qui­e­to e des­te­mi­do, Manuel Mar­to­rell, es­pa­nhol, re­pór­ter “free lan­ce”, no pró­lo­go de uma in­ves­ti­ga­ção no­ta­bi­lís­si­ma dá-nos a co­nhe­cer “A Ho­ra do Po­vo Cur­do” por meio de as­ser­ti­vas que, por si só, des­men­tem a “in­sig­ni­fi­cân­cia” (ar­ti­fi­ci­al) dos cur­dos. Ou do Cur­dis­tão, cu­jo ter­ri­tó­rio é tão ex­ten­so co­mo a Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca, cal­cu­lem, Es­pa­nha (44 mi­lhões de ha­bi­tan­tes) e Por­tu­gal (12 mi­lhões), jun­tos! O bu­sí­lis cur­do é re­su­mí­vel: o seu ter­ri­tó­rio pos­sui um subsolo riquís­si­mo. (O “cho­que” não é, já, de “ci­vi­li­za­ções”, é de in­te­res­ses alhei­os, co­mo se es­pe­ra­ria, aos cur­dos e aos seus di­rei­tos). Mar­to­rell iden­ti­fi­ca em tal fau­tor a “mal­di­ção” a pai­rar so­bre a li­nha des­ti­nal dos po­vos do Cur­dis­tão. E há mais da­dos per­tur­ba­do­res. Os cur­dos são o po­vo mais an­ti­go da re­gião, che­ga­ram ali mi­lha­res de anos an­tes de ára­bes e tur­cos. Hoje, cons­ti­tu­em 40 mi­lhões de al­mas. En­con­tram-se es­pa­lha­dos em di­fe­ren­tes ter­ri­tó­ri­os: Tur­quia, Sí­ria, Ira­que, Irão... So­fre­ram, já, exe­cu­ções no Irão, bom­bar­dei­os quí­mi­cos sob o re­gi­me de Sad­dam Hus­sein, cam­pa­nhas de lim­pe­za ét­ni­ca às mãos do exér­ci­to da Tur­quia, de­ca­pi­ta­ções co­me­ti­das pe­los yiha­dis­tas.

Os cur­dos, que me­re­ci­am, co­mo a Pa­les­ti­na, so­lo pá­trio e frui­ção inequí­vo­ca da sua cul­tu­ra, vi­ve­ram, em tem­pos re­cen­tes, em Ko­ba­ni, a su­bli­ma­ção da sua epo­peia. A sua Le­ni­ne­gra­do. À cus­ta de um im­pres­si­o­nan­te he­roís­mo, rom­pe­ram em Ko­ba­ni o cer­co de 120 di­as que lhes ha­via si­do im­pos­to pe­lo Es­ta­do Is­lâ­mi­co (ISIS). (O Exér­ci­to Ver­me­lho rom­peu, em Ja­nei­ro de 1944, o cer­co de 900 di­as a Le­ni­ne­gra­do exer­ci­do pe­las tro­pas na­zis de Hi­tler). Em Ko­ba­ni, nas ope­ra­ções de de­fe­sa e con­tra-ofen­si­va agi­gan­ta­ram­se as guer­rei­ras cur­das sob co­man­do da ar­re­ba­ta­do­ra Mays­sa Ab­do, ou Na­rin Afrin, seu no­me de gu­er­ra. Ali mes­mo, na Le­ni­ne­gra­do dos po­vos do Cur­dis­tão, mor­deu o pó da in­ven­ci­bi­li­da­de o ban­do de tres­lou­ca­dos do ISIS. Ko­ba­ni, situada na fron­tei­ra tur­co-sí­ria, con­tri­bui pa­ra uma mai­or co­e­são en­tre os cur­dos sí­ri­os e as di­fe­ren­tes mi­no­ri­as ét­ni­cas e re­li­gi­o­sas que co­a­bi­tam na zo­na. Os cur­dos obri­gam de no­vo o “Oci­den­te” a de­fi­nir o seu po­si­ci­o­na­men­to no Mé­dio Ori­en­te. Têm a seu favor as “no­vi­da­des” na po­lí­ti­ca ex­ter­na de paí­ses fun­da­men­tais na re­gião. A Tur­quia de Er­do­gan não é fiá­vel pa­ra a hi­e­rar­quia cur­da do YPG. No en­tan­to, Er­do­gan de­pen­de de von­ta­des ex­tra-mu­ros. Não é o ca­so dos po­vos cur­dos: em lu­ta “des­de a au­ro­ra do mun­do”, to­ni­fi­cam-se ago­ra na in­te­ri­o­ri­za­ção da épi­ca da sua Le­ni­ne­gra­do: Ko­ba­ni.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.