In­fra-es­tru­tu­ras e em­pre­sas

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e o de­sen­vol­vi­men­to pas­sam pe­la edi­fi­ca­ção de in­fra-es­tru­tu­ras. Sem in­fra-es­tru­tu­ras só­li­das e du­ra­dou­ras, não é pos­sí­vel vi­a­bi­li­zar ou­tros pro­jec­tos que têm a ver com a cri­a­ção de um am­bi­en­te que pro­pi­cie a im­plan­ta­ção no país de mui­tos ne­gó­ci­os cen­tra­dos na ele­va­ção da di­ver­si­ficação da pro­du­ção.

De­pois de ter­mi­nar o con­fli­to ar­ma­do em Angola, em 2002, uma das pri­mei­ras pre­o­cu­pa­ções dos go­ver­nan­tes foi a cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras ro­do­viá­ri­as, pa­ra que es­ti­ves­se fa­ci­li­ta­da a cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

Lo­go que ter­mi­nou a gu­er­ra, os go­ver­nan­tes com­pre­en­de­ram que pa­ra re­lan­çar o de­sen­vol­vi­men­to do país tí­nha­mos de pres­tar es­pe­ci­al aten­ção às in­fra-es­tru­tu­ras. As in­fra-es­tru­tu­ras cons­ti­tu­em a ba­se do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co que po­de re­sul­tar em me­lhor qua­li­da­de de vi­da pa­ra as po­pu­la­ções.

Fo­ram fei­tos em Angola avul­ta­dos in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos em in­fra-es­tru­tu­ras e hoje o nos­so país é di­fe­ren­te da­que­le de an­tes de Abril de 2002, ano do fim da gu­er­ra. Hoje te­mos mais qui­ló­me­tros de es­tra­das. Te­mos vi­as fér­re­as re­a­bi­li­ta­das e mi­lha­res de an­go­la­nos cir­cu­lam di­a­ri­a­men­te pe­lo país. Angola é um país em gran­de mo­vi­men­to. A gu­er­ra ter­mi­nou há 14 anos e são vi­sí­veis as gran­des mu­dan­ças que se ope­ra­ram ao ní­vel da vi­da dos ci­da­dãos em to­do o nos­so país.

O pro­ces­so de cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras pros­se­gue no país e as au­to­ri­da­des es­tão a fa­zer tu­do pa­ra que as obras te­nham ca­da vez mais qua­li­da­de, a fim de que es­tas sir­vam me­lhor as po­pu­la­ções e se­jam du­ra­dou­ras. É po­si­ti­vo que ha­ja es­for­ços cen­tra­dos na qua­li­da­de das obras que se fa­zem. Afi­nal, o Es­ta­do gas­ta mui­to di­nhei­ro pa­ra que as po­pu­la­ções te­nham me­lho­res con­di­ções de vi­da, sen­do ne­ces­sá­rio que as em­prei­tei­ras que são con­tra­ta­das pa­ra a exe­cu­ção de obras pú­bli­cas o fa­çam com ele­va­da qua­li­da­de. Mas ain­da é im­por­tan­te que os me­ca­nis­mos de fis­ca­li­za­ção de obras se­jam aper­fei­ço­a­dos, pa­ra que es­tas se­jam en­tre­gues ao Es­ta­do nos ter­mos da le­gis­la­ção em vi­gor.

É pre­ci­so que as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do en­car­re­ga­das da fis­ca­li­za­ção de obras, co­mo o La­bo­ra­tó­rio de En­ge­nha­ria de Angola, te­nham con­di­ções ex­ce­len­tes pa­ra re­a­li­za­rem o seu tra­ba­lho. To­das as obras pú­bli­cas de­vem ser fis­ca­li­za­das, se­jam quais fo­rem os em­prei­tei­ros. Tem de se de­fen­der o in­te­res­se pú­bli­co ao ní­vel da exe­cu­ção de obras man­da­das re­a­li­zar pe­lo Es­ta­do. Um dos gran­des pro­ble­mas que te­mos en­fren­ta­do é a má qua­li­da­de de mui­tas das nos­sas es­tra­das. Tra­ta-se de uma si­tu­a­ção que vai ser cor­ri­gi­da, a jul­gar pe­las re­cen­tes de­cla­ra­ções do ministro da Cons­tru­ção, Wal­de­mar Pi­res Alexandre. Dis­se o ministro da Cons­tru­ção que o seu sector es­tá em­pe­nha­do em me­lho­rar a qua­li­da­de das obras nas es­tra­das do país, de mo­do a au­men­tar o tem­po de vi­da des­tas in­fra-es­tru­tu­ras.

Es­pe­ra-se no­vos tem­pos no do­mí­nio da edi­fi­ca­ção de vi­as ro­do­viá­ri­as, ex­tre­ma­men­te ne­ces­sá­ri­as pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do nos­so país. A di­ver­si­ficação da eco­no­mia faz-se tam­bém por via de bo­as es­tra­das que vão fa­ci­li­tar a ex­pan­são de ne­gó­ci­os em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Angola é um país com enor­mes po­ten­ci­a­li­da­des e pa­ra as po­der­mos ex­plo­rar te­mos de ter bo­as in­fra-es­tru­tu­ras.

Te­mos pe­la fren­te gran­des de­sa­fi­os e é cor­rec­to que se te­nha pen­sa­do em cons­truir es­tra­das com a so­li­dez ne­ces­sá­ria pa­ra que du­ran­te mui­tos anos os ci­da­dãos pos­sam ne­las cir­cu­lar, em par­ti­cu­lar os que que­rem, com os seus ne­gó­ci­os, con­tri­buir pa­ra o cres­ci­men­to da eco­no­mia.

E pre­ci­so que se pres­te aten­ção à ex­pan­são de ne­gó­ci­os no país , re­a­li­za­dos por em­pre­sá­ri­os na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros. As gran­des obras in­fra-es­tru­tu­rais de­vem poder dar su­por­te ao au­men­to pro­gres­si­vo da ac­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al em Angola. O Es­ta­do faz bem em cri­ar to­das as con­di­ções in­fra-es­tru­tu­rais pa­ra que a ac­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al em Angola ga­nhe um gran­de im­pul­so.

Há obras que o Es­ta­do de­ve re­a­li­zar pa­ra que a ini­ci­a­ti­va pri­va­da se dis­se­mi­ne por to­dos os can­tos de Angola. O in­ves­ti­men­to pri­va­do é es­sen­ci­al pa­ra o cres­ci­men­to da eco­no­mia. As em­pre­sas cri­am ri­que­za e em­pre­gos e elas po­dem ins­ta­lar-se ali on­de há in­fra-es­tru­tu­ras com qua­li­da­de. As em­pre­sas são agen­tes eco­nó­mi­cos que po­dem mu­dar mui­ta coi­sa no país, ao ní­vel da eco­no­mia.

É ur­gen­te que se com­pre­en­da que as em­pre­sas pri­va­das, de di­fe­ren­tes di­men­sões, po­dem con­tri­buir gran­de­men­te pa­ra a so­lu­ção de mui­tos dos nos­sos pro­ble­mas eco­nó­mi­cos. Que as em­pre­sas se­jam os gran­des em­pre­ga­do­res e pos­sam fa­zer com que re­du­za o de­sem­pre­go no país. É im­pres­cin­dí­vel que se in­cen­ti­ve a ini­ci­a­ti­va pri­va­da, pois qu­an­to mais em­pre­sas ti­ver­mos no país me­nos pro­ble­mas eco­nó­mi­cos te­re­mos.

Que se ini­cie uma no­va era no que diz res­pei­to à re­vi­ta­li­za­ção da ac­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al, de­ven­do ha­ver no­vas ati­tu­des que se tra­du­zam num incentivo cons­tan­te a to­das as ini­ci­a­ti­vas de pri­va­dos des­ti­na­das a cri­ar pro­jec­tos pro­du­ti­vos . Pre­ci­sa­mos de pro­du­ção di­ver­si­fi­ca­da, e is­so po­de ser con­se­gui­do pe­las em­pre­sas, uni­da­des que não de­ve­mos su­bes­ti­mar.

Lim­pe­za na Bai­xa de Lu­an­da

Es­tou a gos­tar do as­pec­to que es­tá a ter ac­tu­al­men­te a Bai­xa de Lu­an­da. Cons­ta­tei que es­tá a ser fei­ta lim­pe­za re­gu­lar nas ru­as da­que­la zo­na da ci­da­de, que é fre­quen­ta­da di­a­ri­a­men­te por mui­tas cen­te­nas de pes­so­as. Pen­so que as au­to­ri­da­des, e is­so é de lou­var, aten­de­ram às di­ver­sas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.