CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - FI­LI­PE JOÃO | MAR­GA­RI­DA AFON­SO | JO­A­QUIM PIN­TO | LAU­RIN­DO SIL­VA |

Des­por­to nas es­co­las

É im­por­tan­te que as es­co­las de di­fe­ren­tes ní­veis te­nham con­di­ções pa­ra a prá­ti­ca do des­por­to. Con­cor­do com aque­las pes­so­as que de­fen­dem que as di­rec­ções das es­co­las se de­vem pre­o­cu­par em pro­mo­ver o des­por­to nos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no.

A prá­ti­ca do des­por­to é be­né­fi­ca pa­ra os alu­nos sob vá­ri­os as­pec­tos. Pen­so que se de­ve vol­tar a va­lo­ri­zar o pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca, cu­jos co­nhe­ci­men­tos po­dem con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do des­por­to nas es­co­las.

Mui­tos des­por­tis­tas an­go­la­nos que se no­ta­bi­li­za­ram em Áfri­ca co­me­ça­ram a pra­ti­car des­por­to na es­co­la. Mui­tos an­de­bo­lis­tas e bas­que­te­bo­lis­tas que fo­ram gran­des pra­ti­can­tes em clu­bes fe­de­ra­dos ini­ci­a­ram a sua apren­di­za­gem na es­co­la, em par­ti­cu­lar nos li­ceus, que es­ta­vam do­ta­dos de bons gi­ná­si­os. Sem bo­as in­fra-es­tru­tu­ras des­por­ti­vas nas nos­sas es­co­las, não po­de­re­mos ter des­por­to es­co­lar que con­si­ga, por exem­plo, pre­pa­rar jo­vens pa­ra a prá­ti­ca de di­ver­sas mo­da­li­da­des em di­fe­ren­tes clu­bes, in­ter­na­men­te e na al­ta com­pe­ti­ção. re­cla­ma­ções fei­tas por mo­ra­do­res que vi­vem na Bai­xa de Lu­an­da. Es­pe­ro que, além da re­ti­ra­da re­gu­lar do li­xo, se tra­te tam­bém dos pou­cos jar­dins que exis­tem na Bai­xa de Lu­an­da. Acho que não é di­fí­cil tra­tar de um jar­dim. Gos­ta­va por exem­plo que se pres­tas­se, por exem­plo aten­ção ao jar­dim do Largo do Atlé­ti­co. Era bom tam­bém que hou­ves­se um jar­dim no largo da Por­tu­gá­lia, pró­xi­mo da an­ti­ga li­vra­ria Lel­lo e que se aca­bas­se com águas pu­tre­fac­tas que ain­da exis­tem em al­gu­mas ru­as da Bai­xa de Lu­an­da. Apro­vei­to pa­ra in­cen­ti­var as au­to­ri­da­des a con­ti­nu­a­rem a tra­ba­lhar no sen­ti­do de ter­mos uma ci­da­de lim­pa e be­la. Lu­an­da já foi uma das mais belas ci­da­des de Áfri­ca. Te­nho ami­gos es­tran­gei­ros que fi­cam im­pres­si­o­na­dos com a nos­sa ci­da­de ca­pi­tal. Eles acham que a ci­da­de de Lu­an­da se po­de trans­for­mar num bom sí­tio pa­ra o tu­ris­mo.

Pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os

Mui­tas em­pre­sas se têm atra­sa­do no pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os dos seus tra­ba­lha­do­res. Nu­ma al­tu­ra em que os pre­ços es­tão mui­to al­tos, o atra­so no pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os cau­sa mui­tos trans­tor­nos aos tra­ba­lha­do­res de em­pre­sas pú­bli­cas e pri­va­das. Pen­so que as di­rec­ções das em­pre­sas de­vem fa­zer um es­for­ço pa­ra que os sa­lá­ri­os não se atra­sem. Quan­do há atra­so no pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os, mui­tos tra­ba­lha­do­res são obri­ga­dos a con­trair dí­vi­das pa­ra fa­zer fa­ce a mui­tas des­pe­sas. E ninguém gos­ta de vi­ver per­ma­nen­te­men­te en­di­vi­da­do. O sa­lá­rio é sa­gra­do, di­zem os an­go­la­nos. Os em­pre­ga­do­res de­vem cum­prir os seus com­pro­mis­sos. É ver­da­de que vi­ve­mos tem­pos di­fí­ceis, de­vi­do à cri­se. Nes­tes tem­pos de cri­se, os em­pre­ga­do­res de­vem ser cri­a­ti­vos e ver em que mo­da­li­da­des po­dem pa­gar os sa­lá­ri­os dos tra­ba­lha­do­res sem atra­sos. Os em­pre­ga­do­res de­vem ser sen­sí­veis aos pro­ble­mas dos em­pre­ga­dos. Os em­pre­ga­dos têm fa­mí­lia.

Fes­ta da lei­tu­ra

Sou­be que se vai re­a­li­zar na pro­vín­cia do Ben­go uma Fes­ta da Lei­tu­ra pa­ra in­cen­ti­var o gos­to pe­la lei­tu­ra por par­te das cri­an­ças. Tra­ta-se, qu­an­to a mim, de uma boa ini­ci­a­ti­va, que po­de aju­dar mui­tas cri­an­ças a in­te­res­sa­rem-se pe­los li­vros e con­se­quen­te­men­te a ter um me­lhor de­sem­pe­nho nas su­as es­co­las.

É bom que ha­ja no país mui­tas cri­an­ças que se in­te­res­sem pe­la lei­tu­ra de li­vros. No­to que as nos­sas cri­an­ças lêem hoje mui­to pou­co. É im­por­tan­te que os nos­sos es­tu­dan­tes amem os li­vros. Sou­be ain­da que vão es­tar pre­sen­tes es­cri­to­res an­go­la­nos, que de­vem fa­lar pa­ra as cri­an­ças da im­por­tân­cia da lei­tu­ra. Es­pe­ro que a Fes­ta da Lei­tu­ra se re­a­li­ze nou­tras pro­vín­ci­as do país, pa­ra que to­das as cri­an­ças, de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne, pos­sam pas­sar a gos­tar ca­da vez mais de li­vros que são es­cri­tos por es­cri­to­res an­go­la­nos e não só.

CA­SI­MI­RO PEDRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.