A in­có­mo­da he­ran­ça de Mao

Jornal de Angola - - OPINIÃO - BEN DOOLEY |

Fa­le­ceu há 40 anos, mas a fi­gu­ra de Mao Tsé-Tung ain­da apa­re­ce por to­da a par­te na Chi­na, das no­tas de di­nhei­ro ao seu enor­me re­tra­to na pra­ça Ti­a­nan­men de Pe­quim, uma he­ran­ça cu­ja ges­tão con­ti­nua a ser in­có­mo­da pa­ra o Par­ti­do Co­mu­nis­ta Chi­nês (PCC).

“Mao é ao mes­mo tem­po o Lé­ni­ne e o Es­ta­li­ne do PCC”, de­cla­rou à AFP Frank Di­kot­ter, es­tu­di­o­so do pe­río­do ma­oís­ta na Uni­ver­si­da­de de Hong Kong. “Co­mo Lé­ni­ne, ele le­vou o Par­ti­do Co­mu­nis­ta ao poder. Co­mo Es­ta­li­ne, co­me­teu cri­mes cho­can­tes con­tra a hu­ma­ni­da­de.”

Fi­lho de um agri­cul­tor abas­ta­do, Mao pro­cu­ra­va trans­for­mar o seu país num paraíso so­ci­a­lis­ta, um so­nho pe­lo qual não ce­deu mi­ni­ma­men­te. Co-fun­da­dor do PCC em 1921, che­gou ao poder 28 anos de­pois, após ter lu­ta­do con­tra os ja­po­ne­ses e ven­ci­do o exér­ci­to go­ver­na­men­tal chi­nês. Em 1 de Ou­tu­bro de 1949, pro­cla­mou a Re­pú­bli­ca Po­pu­lar na Pra­ça de Ti­a­nan­men.

Mas os abu­sos não de­mo­ra­ram a che­gar. Ob­ce­ca­do em per­se­guir os “con­tra-re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os”, Mao or­de­nou múl­ti­plas pur­gas, que dei­xa­ram cen­te­nas de mi­lha­res de ví­ti­mas. No fim dos anos 1950, o seu “Gran­de Sal­to em Fren­te”, uma cam­pa­nha eco­nó­mi­ca de ob­jec­ti­vos ir­re­ais, aca­bou com a agri­cul­tu­ra e pro­vo­cou uma fo­me que cus­tou a vi­da de de­ze­nas de mi­lha­res de chi­ne­ses. Na dé­ca­da an­te­ri­or à sua mor­te, lan­çou e di­ri­giu a Re­vo­lu­ção Cultural (1966-1976), uma or­gia de vi­o­lên­cia fí­si­ca e psi­co­ló­gi­ca que co­mo­veu o PCC e trau­ma­ti­zou o país du­ran­te anos.

De­pois de Mao fa­le­cer, o PCC fez um ba­lan­ço da sua ges­tão, che­gan­do à con­clu­são de que foi “um gran­de mar­xis­ta e um gran­de re­vo­lu­ci­o­ná­rio, es­tra­te­ga e teó­ri­co pro­le­tá­rio”, mas que co­me­teu gra­ves er­ros. “O mais im­por­tan­te são as su­as con­quis­tas. De­pois vêm os seus er­ros”, con­cluiu o par­ti­do à épo­ca, uma po­si­ção “que não mu­dou ver­da­dei­ra­men­te”, ape­sar das re­for­mas re­a­li­za­das pe­lo seu su­ces­sor, Deng Xi­a­o­ping, que trans­for­ma­ram a Chi­na pro­fun­da­men­te, se­gun­do Di­kot­ter.

“Ninguém po­de evo­car a cre­di­bi­li­da­de, a re­pu­ta­ção e a imagem de Mao sem mi­nar as ba­ses do Par­ti­do Co­mu­nis­ta chi­nês”, diz o in­ves­ti­ga­dor.

Uma “am­né­sia”

O ac­tu­al pre­si­den­te chi­nês, Xi Jin­ping, o di­ri­gen­te mais po­de­ro­so des­de o an­ti­go Gran­de Ti­mo­nei­ro, de­nun­cia tan­to o “ni­i­lis­mo his­tó­ri­co” co­mo o “ne­o­li­be­ra­lis­mo”, acu­san­do tan­to os idó­la­tras co­mo os opo­si­to­res do pe­río­do ma­oís­ta.

“No­ta-se uma am­né­sia, ge­ra­da pe­lo poder, do ba­lan­ço re­al de Mão”, diz Fei-Ling Wang, es­pe­ci­a­lis­ta da Chi­na no Ins­ti­tu­to Tec­no­ló­gi­co da Geór­gia. Qual­quer crí­ti­ca di­rec­ta con­ti­nua a ser pe­ri­go­sa: em 2015, um apre­sen­ta­dor da te­le­vi­são pú­bli­ca foi sus­pen­so após a di­vul­ga­ção de um ví­deo no qual apa­re­cia a can­tar uma mú­si­ca que ri­di­cu­la­ri­za­va Mao du­ran­te uma fes­ta par­ti­cu­lar. Por sua vez, al­guns elo­gi­am a ide­o­lo­gia ma­oís­ta pa­ra cri­ti­car o ru­mo ca­pi­ta­lis­ta que a eco­no­mia chi­ne­sa to­mou.

“Os ci­da­dãos, os ar­tis­tas e os mi­li­tan­tes de­vem na­ve­gar cons­tan­te­men­te en­tre as fron­tei­ras di­fu­sas do que é po­li­ti­ca­men­te acei­tá­vel”, con­si­de­ra Jes­si­ca Chen Weiss, es­pe­ci­a­lis­ta em po­lí­ti­ca chi­ne­sa da Uni­ver­si­da­de Cor­nell de No­va Ior­que.

No en­tan­to, a he­ran­ça de Mao con­ti­nua a ser mui­to sub­jec­ti­va, des­ta­ca Jeff Was­sers­trom, historiador e au­tor de uma obra so­bre a Chi­na mo­der­na. Um tra­ba­lha­dor de­sem­pre­ga­do es­ta­rá mais in­cli­na­do a ide­a­li­zar “o Mao he­rói­co dos anos 50, fa­lan­do dos agri­cul­to­res co­mo de ‘do­nos’ na­tu­rais da so­ci­e­da­de e pro­me­ten­do aos ho­mens co­mo ele em­pre­gos pa­ra a vi­da to­da”, ex­pli­ca Was­sers­trom.

Pe­lo con­trá­rio, as ví­ti­mas da Re­vo­lu­ção Cultural con­si­de­ram-no “uma per­so­na­gem se­nil, cul­pa­da de más de­ci­sões, que afun­dou a Chi­na no ca­os”.

Mais for­te do que Jesus

No en­tan­to, al­guns chi­ne­ses con­ser­vam uma sin­ce­ra ve­ne­ra­ção por Mao, às ve­zes con­si­de­ra­do um se­mi­deus, diz Li Ya­xing, pro­fes­so­ra de “Pen­sa­men­to Mao Tsé-Tung” na Uni­ver­si­da­de de Xi­ang­tan, na ci­da­de na­tal do ex-lí­der. “Ninguém é per­fei­to. A Re­vo­lu­ção Cultural foi um er­ro co­me­ti­do no ca­mi­nho pa­ra o so­ci­a­lis­mo de ca­rac­te­rís­ti­cas chi­ne­sas”, de­cla­ra ela.

Na­que­la épo­ca, o mun­do ha­via co­nhe­ci­do pou­cas per­so­na­gens do­ta­das de uma au­ra co­mo es­sa, re­fe­re Li. “Nem mes­mo Jesus go­za­va de uma re­pu­ta­ção tão gran­de”.

Pa­ra Di­kot­ter, a re­la­ção en­tre os lí­de­res chi­ne­ses ac­tu­ais e Mao des­can­sa mais nas con­si­de­ra­ções pes­so­ais do que no res­pei­to. Pa­ra eles, o ca­os do pe­río­do ma­oís­ta é co­mo um se­gre­do de fa­mí­lia. “A mai­or par­te dos di­ri­gen­tes e su­as fa­mí­li­as es­ta­vam en­vol­vi­dos na­que­la épo­ca, in­cluin­do a fa­mí­lia de Xi Jin­ping”, de­cla­ra Di­kot­ter. “To­dos os mem­bros do Par­ti­do têm in­te­res­se em que não se fa­ça uma aná­li­se re­al da his­tó­ria”, acres­cen­ta. “To­dos se in­te­res­sam em ga­ran­tir que o re­tra­to de Mao con­ti­nue mui­to se­gu­ro” na Pra­ça de Ti­a­nan­men.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.