An­ge­la Mer­kel re­for­ça po­lí­ti­cas de aco­lhi­men­to

Inglaterra cons­trói mu­ro na fron­tei­ra com a Fran­ça pa­ra im­pe­dir entrada de re­fu­gi­a­dos

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ALTINO MA­TOS |

A chan­ce­ler ale­mã, An­ge­la Mer­kel, en­fren­tou os crí­ti­cos da sua po­lí­ti­ca de por­tas aber­tas e in­sis­tiu no re­for­ço da sua es­tra­té­gia de aco­lhi­men­to de re­fu­gi­a­dos co­mo úni­ca ga­ran­tia de “a Ale­ma­nha aju­dar to­dos aque­les que pro­cu­ram me­lho­res con­di­ções de vi­da na Eu­ro­pa.”

Mer­kel che­gou a afir­mar que em anos não mui­to dis­tan­tes a Eu­ro­pa e os eu­ro­peus tam­bém pas­sa­ram por si­tu­a­ções di­fí­ceis, tan­to a ní­vel hu­ma­no co­mo so­ci­al, e me­re­ce­ram o ca­ri­nho de vá­ri­os po­vos do mun­do.

A chan­ce­ler ale­mã in­sis­tiu na sua po­lí­ti­ca de por­tas aber­tas pe­ran­te os de­pu­ta­dos, nu­ma al­tu­ra em que os seus ad­ver­sá­ri­os acre­di­ta­vam que fos­se al­te­rar o cur­so no aco­lhi­men­to de re­fu­gi­a­dos, so­bre­tu­do por cau­sa da der­ro­ta nas úl­ti­mas eleições re­gi­o­nais, em que o seu par­ti­do, a CDU, pas­sou pa­ra ter­cei­ra for­ça po­lí­ti­ca, atrás da ex­tre­ma-di­rei­ta.

An­ge­la Mer­kel e seus pa­res, se­gun­do a im­pren­sa lo­cal, já sa­bem que o tra­ba­lho até às eleições fe­de­rais de 2017 não vai ser fá­cil, mas a chan­ce­ler diz que “o ru­mo é pa­ra man­ter as po­lí­ti­cas e con­so­li­dar o aco­lhi­men­to de re­fu­gi­a­dos que pre­fe­ri­ram a Ale­ma­nha pa­ra vol­tar a or­ga­ni­zar as su­as vi­das.”

“A si­tu­a­ção é hoje em dia mui­to me­lhor do que era há um ano, mas te­mos ain­da mui­to tra­ba­lho pe­la fren­te. O re­pa­tri­a­men­to con­ti­nua a ser um dos prin­ci­pais pro­ble­mas. Ao mes­mo tem­po, os nos­sos ci­da­dãos es­pe­ram, e com ra­zão, que pos­sa­mos aju­dar quem pre­ci­sa e que di­ga­mos aos que não têm au­to­ri­za­ção pa­ra fi­car, que de­vem dei­xar a Ale­ma­nha”, dis­se a chan­ce­ler Mer­kel aos de­pu­ta­dos.

O par­ti­do na­ci­o­na­lis­ta e an­ti-imi­gra­ção Al­ter­na­ti­va pa­ra a Ale­ma­nha (AfD) fi­cou, pe­la pri­mei­ra, vez à fren­te da CDU nas eleições, no es­ta­do fe­de­ra­do de Mec­klem­bur­go-Po­me­râ­nia Oci­den­tal, a ba­se elei­to­ral do par­ti­do de Mer­kel. Ela re­co­nhe­ce que a po­lí­ti­ca de por­tas aber­tas con­tri­buiu pa­ra a der­ro­ta da CDU. “Ago­ra, é pre­ci­so im­pul­si­o­nar a in­te­gra­ção pa­ra que tan­to os que che­gam, co­mo os que aco­lhem pos­sam avan­çar e dis­por de me­lhor con­di­ções de vi­da e in­te­gra­ção so­ci­al”, re­fe­riu An­ge­la Mer­kel.

Bar­rei­ra de be­tão em Ca­lais

Achan­ce­ler ale­mã,An­ge­la Mer­kel, la­men­tou pe­lo fac­to de o seu es­for­ço não en­con­trar sim­pa­tia nos de­mais par­cei­ros eu­ro­peus, que man­têm pla­nos de im­pe­dir a entrada de imi­gran­tes nos seus paí­ses, co­mo a Fran­ça e o Rei­no Uni­do. Até ago­ra, os or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais não di­vul­ga­ram os cál­cu­los de quan­tos imi­gran­tes, ho­mens, mu­lhe­res e cri­an­ças, mor­re­ram, ou es­tão em ris­co de per­der a vi­da, de­vi­do às me­di­das res­tri­ti­vas na Eu­ro­pa.

A im­pren­sa bri­tâ­ni­ca, re­fe­rin­do­se à cer­ca que o Rei­no Uni­do vai cons­truir na ci­da­de de Ca­lais, em ter­ri­tó­rio fran­cês, pa­ra bar­rar a entrada de imi­gran­tes pe­lo Ca­nal da Man­cha, bap­ti­zou o mu­ro de a “Gran­de Mu­ra­lha de Ca­lais.”

A obra vai ser fei­ta na es­tra­da que dá aces­so ao por­to de Ca­lais e te­rá qua­tro me­tros de al­tu­ra por um qui­ló­me­tro de com­pri­men­to. A de­ci­são foi anun­ci­a­da pe­las au­to­ri­da­des in­gle­sas co­mo uma me­di­da viá­vel pa­ra man­ter a si­tu­a­ção sob con­tro­lo e im­pe­dir a cir­cu­la­ção de ex­tre­mis­tas no Rei­no Uni­do.

A me­di­da já re­ce­beu o aval das au­to­ri­da­des fran­ce­sas e de­ve ser co­lo­ca­da em prá­ti­ca ain­da este ano, se­gun­do a agên­cia ita­li­a­na de no­tí­ci­as An­sa. A cons­tru­ção de­ve ini­ci­ar em Se­tem­bro e tem um cus­to ini­ci­al de 2,7 mi­lhões de euros, fi­nan­ci­a­dos por Lon­dres.

O ministro do In­te­ri­or in­glês, Ro­bert Go­odwill, dis­se que o mu­ro “se­rá cons­truí­do em bre­ve” e que a ver­ba pa­ra a obra vem de um pa­co­te mi­li­o­ná­rio do Go­ver­no pa­ra me­lho­rar o con­tro­lo e a ges­tão das fron­tei­ras.

O mu­ro de­ve pas­sar pe­los dois la­dos da es­tra­da que le­va ao por­to de Ca­lais e por um cam­po on­de vi­vem mi­lha­res de imi­gran­tes. “Num mo­men­to em que cen­te­nas de cri­an­ças vul­ne­rá­veis es­tão blo­que­a­das e vi­vem em con­di­ções pe­ri­go­sas em Ca­lais, pro­te­gê-las de­ve ser a nos­sa pri­o­ri­da­de ab­so­lu­ta”, dis­se o di­rec­tor de re­la­ções com o Go­ver­no da ONG Sa­ve The Chil­dren, Ste­ven McIn­tosh.

“Es­tas cri­an­ças e jo­vens vão ten­tar, de­ses­pe­ra­da­men­te, fu­gir do cam­po pa­ra con­quis­ta­rem uma vi­da me­lhor e mais se­gu­ra. É de vi­tal im­por­tân­cia ga­ran­tir que qual­quer me­di­da de se­gu­ran­ça to­ma­da em Ca­lais não co­lo­que a vi­da de­les em pe­ri­go”, dis­se o res­pon­sá­vel.

Go­ver­no italiano

O Go­ver­no da Itá­lia cri­ti­cou a cons­tru­ção do mu­ro bri­tâ­ni­co na Fran­ça e pe­diu que os paí­ses pen­sem nu­ma so­lu­ção con­jun­ta. “Eu não jul­go me­di­das adop­ta­das por ou­tros go­ver­nos, mas pen­so que não ire­mos a ne­nhum lu­gar des­ta ma­nei­ra. De­ve­mos ter cons­ci­ên­cia que a so­lu­ção é in­ves­tir em Áfri­ca e nou­tros pon­tos do mun­do, re­sol­ver os con­fli­tos, co­mo na Sí­ria e Ira­que, e di­vi­dir o pe­so da imi­gra­ção em ní­vel de de­ci­são dos Es­ta­dos eu­ro­peus na União Eu­ro­peia”, dis­se o ministro italiano das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Pa­o­lo Gen­ti­lo­ni.

A Áus­tria já er­gueu um mu­ro pa­ra con­ter imi­gran­tes na fron­tei­ra da Itá­lia, um dos paí­ses que mais re­ce­be em­bar­ca­ções de re­fu­gi­a­dos no Mar Me­di­ter­râ­neo.

AFP

Ale­ma­nha re­co­nhe­ce que re­fu­gi­a­dos pres­ta­ram apoio a eu­ro­peus em al­tu­ras di­fí­ceis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.