Gru­pos exi­bem te­a­tro de qua­li­da­de no Ki­lam­ba

CIR­CUI­TO INTERNACIONAL DE AR­TES CÉNICAS

Jornal de Angola - - CULTURA - MANUEL AL­BA­NO |

O Enig­ma Te­a­tro apre­sen­ta no ama­nhã, às 20 ho­ras, no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ar­tes (Isar­tes), a pe­ça “A Gran­de Ques­tão”, no âm­bi­to do Cir­cui­to Internacional de Te­a­tro (CIT), que de­cor­re to­dos os fins­de-se­ma­na até 17 do cor­ren­te mês, na Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba.

O en­ce­na­dor Tony Fram­pé­nio dis­se ao Jor­nal de Angola que a pe­ça mos­tra a im­por­tân­cia do res­pei­to pe­los prin­cí­pi­os mo­rais que re­gem a so­ci­e­da­de. “As pes­so­as cul­pam os res­pon­sá­veis da Ad­mi­nis­tra­ção pe­lo mau es­ta­do da cen­tra­li­da­de, quan­do a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la me­lho­ria das con­di­ções de­ve ser de to­dos”, dis­se.

“A Gran­de Ques­tão” é uma his­tó­ria so­bre Lu­an­da que, de­vi­do a dis­cor­dân­ci­as, ter­mi­na num tri­bu­nal. Os seis ac­to­res que in­ter­pre­tam a pe­ça “pro­cu­ram cha­mar a aten­ção do pú­bli­co pa­ra as vá­ri­as si­tu­a­ções so­ci­ais que con­tri­bu­em pa­ra de­ne­grir a imagem da ca­pi­tal do país”.

Tony Fram­pé­nio afir­mou que a pe­ça, cu­jas per­so­na­gens são de­sig­na­das co­mo Po­vo, Ca­pi­tal, Ad­vo­ga­do, Do­na Jus­ti­ça, Em­pre­sá­rio e Es­tran­gei­ro, “pro­cu­ra ser o mais abran­gen­te pos­sí­vel e não se li­mi­ta ape­nas a men­ci­o­nar de­fei­tos, mas su­ge­re tam­bém so­lu­ções pa­ra al­guns dos pro­ble­mas que afec­tam Lu­an­da”.

“Rei sem co­roa”

A com­pa­nhia de te­a­tro Ndokwe­no Ar­tes, fun­da­da no ano 2000, apre­sen­ta no do­min­go, às 20 ho­ras, no

En­ce­na­ção de pe­ças e me­sas-re­don­das fa­zem par­te da pro­gra­ma­ção do Cir­cui­to Internacional de Te­a­tro que vi­sa sau­dar o Dia do He­rói Na­ci­o­nal

Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ar­tes (Isar­tes), a pe­ça de José Pi­res Gon­çal­ves “Rei cem co­roa”, adap­ta­da e en­ce­na­da por Pin­to Nsim­ba, tam­bém no âm­bi­to do Cir­cui­to Internacional de Te­a­tro (CIT). De acor­do com a si­nop­se, lan­ça um olhar so­bre os fac­tos do dia-a-dia em Angola.

O CIT tem tam­bém pro­mo­vi­do, nos fins-de-se­ma­na, me­sas-re­don­das pa­ra tro­ca de ex­pe­ri­ên­cia en­tre ac­to­res, en­ce­na­do­res e com­pa­nhi­as de te­a­tro so­bre o pro­ces­so de cri­a­ção ar­tís­ti­ca, no Isar­tes. “A adap­ta­ção de textos dos es­cri­to­res nas pe­ças de te­a­tro”, “O cres­ci­men­to do te­a­tro em Angola”, “Os con­teú­dos” e “O pro­ces­so de cri­a­ção ar­tís­ti­ca pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das ar­tes cénicas” são al­guns dos te­mas abor­da­dos.

“Brin­can­do de Cin­de­re­la”

A com­pa­nhia in­fan­til do gru­po de te­a­tro Mi­ra­gens apre­sen­ta do­min­go, às 16h00, a pe­ça “Brin­can­do de cin­de­re­la”, no Isar­tes, na Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba, em Lu­an­da, no âm­bi­to do CIT.

O es­pec­tá­cu­lo é uma adap­ta­ção do con­to clás­si­co de Walt Dis­ney à re­a­li­da­de an­go­la­na, no qual cri­an­ças ex­pri­mem os seus de­se­jos e so­nhos. A pe­ça trans­mi­te ale­gria, com ce­nas re­ple­tas de di­ver­são, jogos e en­tre­te­ni­men­to, on­de re­al­çam as re­cre­a­ções das dé­ca­das de 80 e 90 e o iní­cio de 2000.

Pa­ra dar re­a­li­da­de ao es­pec­tá­cu­lo de te­a­tro, a di­rec­ção con­vi­dou cri­an­ças e adul­tos que, ao lon­go da his­tó­ria, con­vi­dam pa­ra o es­pa­ço cé­ni­co pes­so­as da pla­teia a par­ti­ci­pa­rem em al­gu­mas ce­nas da pe­ça .

O di­rec­tor ar­tís­ti­co do Mi­ra­gens dis­se ao Jor­nal de Angola que o texto obri­ga, du­ran­te o es­pec­tá­cu­lo, as per­so­na­gens a so­li­ci­ta­rem apoio do pú­bli­co pa­ra aju­dar a re­sol­ver al­guns pro­ble­mas.

José Silveira Teixeira ex­pli­cou que a ideia da cri­a­ção da com­pa­nhia in­fan­til sur­giu das cri­an­ças que acom­pa­nham a pre­pa­ra­ção diá­ria do gru­po Mi­ra­gens e imi­tam al­gu­mas das su­as ce­nas.

O ob­jec­ti­vo, dis­se, é ga­ran­tir o fu­tu­ro e a continuidade do co­lec­ti­vo e cri­ar um pú­bli­co mais crí­ti­co des­de a in­fân­cia. A com­pa­nhia in­fan­til con­ta com 12 cri­an­ças e prevê-se ain­da, nos pró­xi­mos tem­pos, in­cluir ou­tras do dis­tri­to ur­ba­no do Ran­gel e ar­re­do­res.

A in­ten­ção, re­for­çou o di­rec­tor, é ocu­par os tem­pos li­vres das cri­an­ças do dis­tri­to ur­ba­no do Ran­gel, in­te­gran­do-as no pro­jec­to, cu­ja ba­se é a trans­mis­são de co­nhe­ci­men­tos pa­ra re­pre­sen­ta­ção do te­a­tro.

O Mi­ra­gens Te­a­tro sur­giu há 21 anos, na Igre­ja de Nos­sa Se­nho­ra de Fá­ti­ma, nu­ma ac­ti­vi­da­de de lu­ta con­tra as dro­gas, na qual os in­te­gran­tes apre­sen­ta­ram um jo­gral. O tra­ba­lho ar­tís­ti­co me­re­ceu elo­gi­os e o gru­po man­tém-se até hoje.

O co­lec­ti­vo é um dos pi­la­res das ar­tes cénicas na­ci­o­nais e tem, en­tre ou­tras dis­tin­ções, os pré­mi­os na­ci­o­nais de Cul­tu­ra e Ar­tes de 2009 e de Te­a­tro de 2001. A pe­ça é apre­sen­ta­da to­dos os do­min­gos des­te mês, às 20 ho­ras, no Isar­tes, no âm­bi­to do CIT, ex­pli­cou o di­rec­tor do CIT, Adé­ri­to Ro­dri­gues “Bi”.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.