Con­tos de tra­di­ção oral são exi­bi­dos nos pal­cos

Jornal de Angola - - CULTURA - MANUEL AL­BA­NO |

A im­por­tân­cia de ex­plo­rar-se mais o mo­sai­co cultural an­go­la­no no te­a­tro de­ve con­ti­nu­ar a ser in­cen­ti­va­da pe­los gru­pos, por for­ma a dei­xar um le­ga­do im­por­tan­te às no­vas ge­ra­ções, dis­se, on­tem, em Lu­an­da, o en­ce­na­dor do Etu Le­ne.

Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de Angola, Be­to Cas­sua dis­se que a pri­mei­ra tem­po­ra­da do pro­jec­to cultural “Ku­san­gu­lu­ka” (animação) tem co­mo ob­jec­ti­vo pro­mo­ver pe­ças de te­a­tro que in­cen­ti­vem a cri­a­ção ar­tís­ti­ca dos gru­pos, por in­ter­mé­dio da re­a­li­za­ção de es­pec­tá­cu­los se­ma­nais, cu­jo en­fo­que es­te­ja as­sen­te es­sen­ci­al­men­te na de­fe­sa e na di­vul­ga­ção da cul­tu­ra na­ci­o­nal.

To­dos os sá­ba­dos des­te mês, às 19h00, ex­pli­cou, o gru­po Etu Le­ne exi­bea pe­ça “O feiticeiro e o in­te­li­gen­te”, no au­di­tó­rio da es­co­la Ni­ni-yaLu­keny (ex-Jo­ta), no dis­tri­to ur­ba­no do Ran­gel, pa­ra sau­dar o dia do He­rói Na­ci­o­nal, a as­si­na­lar-se no dia 17.

A pe­ça é mon­ta­da num ce­ná­rio de ma­nei­ra a trans­por­tar os es­pec­ta­do­res a um pas­seio às ter­ras de Pun­go An­don­go, em Ma­lan­je. Os há­bi­tos e cos­tu­mes da­que­la pe­que­na vi­la são ex­plo­ra­dos du­ran­te a en­ce­na­ção, dis­se o en­ce­na­dor Be­to Cas­sua.

A pe­ça “O feiticeiro e o in­te­li­gen­te”, ex­pli­ca, foi fun­da­men­ta­da nu­ma re­a­li­da­de amo­ro­sa, on­de es­tão pos­tas à pro­va a in­te­li­gên­cia de um jo­vem e a as­tú­cia de um an­cião. O jo­vem diz que já tem o pei­xe pe­di­do por Kam­ba Mbi­je, mas que não po­dia ser en­tre­gue nem de dia nem de noi­te.

As as­si­me­tri­as en­tre a tra­di­ção e o mo­der­no tor­nam o es­pec­tá­cu­lo um ce­ná­rio “per­fei­to” que nos trans­por­ta ao con­tex­to cultural an­go­la­no, em par­ti­cu­lar, e afri­ca­no, em ge­ral.

No es­pec­tá­cu­lo, o gru­po de te­a­tro de­mons­tra as di­fe­ren­ças ide­o­ló­gi­cas, atra­vés da his­tó­ria do feiticeiro Kam­ba Mbi­je que tem uma úni­ca fi­lha que, à noi­te, usa co­mo mu­lher. Kam­ba Mbi­je im­pe­dia a fi­lha de ter um re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so e, pa­ra im­pe­dir que o jo­vem que a pe­di­ra em ca­sa­men­to se en­con­tras­se com ela, exi­gia que o mes­mo trou­xes­se um pei­xe que não fos­se nem de água do­ce, nem de água sal­ga­da.

DR

Es­pec­tá­cu­lo do Etu Le­ne con­ti­nua ac­tu­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.