Ec­cles­to­ne dei­xa li­de­ran­ça

Jornal de Angola - - DESPORTO -

De­pois de li­de­rar a Fór­mu­la1 por mais de 40 anos, Ber­nie Ec­cles­to­ne se vê ago­ra nu­ma si­tu­a­ção em que dei­xa de ter atrás de si a em­pre­sa que con­tro­la os di­rei­tos co­mer­ci­ais da F1 e mes­mo ten­do ain­da uma boa per­cen­ta­gem de ac­ções, o ain­da Che­fe Exe­cu­ti­vo do For­mu­la One Group, re­ve­lou que a em­pre­sa nor­te-americana pre­ten­de que fi­que por três anos.

Mui­tos es­pe­ra­vam já vê-lo pe­las cos­tas, pois não su­por­tam que es­te­ja, por exem­plo, a obs­truir o de­sen­vol­vi­men­to da F1 no que ao di­gi­tal diz res­pei­to, con­tri­buir pa­ra a que­da das au­di­ên­ci­as, ao per­mi­tir de­ma­si­a­das “Pay TV”, le­var a F1 pa­ra paí­ses com mui­to di­nhei­ro, mas on­de os di­rei­tos hu­ma­nos não são pri­o­ri­da­de, a dis­tri­bui­ção de di­nhei­ro que afas­ta ca­da vez mais os ri­cos dos po­bres, e es­tes são só os prin­ci­pais exem­plos.

Por ou­tro la­do, ninguém po­de es­que­cer o que Ec­cles­to­ne fez pe­la F1 des­de os anos 70, tor­nan­do-a no gi­gan­te que é hoje. Era um ni­cho, hoje é um ne­gó­cio glo­bal, com au­di­ên­ci­as de qua­se 500 mi­lhões de pes­so­as em to­do o mun­do, nú­me­ros que não são ul­tra­pas­sa­dos por mui­tos des­por­tos. Ec­cles­to­ne foi con­vi­da­do pe­lo no­vo Pre­si­den­te Exe­cu­ti­vo da F1, Cha­se Ca­rey, a fi­car a tra­ba­lhar a seu la­do mais três anos, mas Ec­cles­to­ne já avi­sou que se não gos­tar do que pre­ten­dem os no­vos do­nos da F1, vai-se em­bo­ra.

Aos 85 anos, Ec­cles­to­ne é res­pon­sá­vel pe­lo su­ces­so co­mer­ci­al da F1, com os acor­dos de TV e cor­ri­das em paí­ses que pas­sa­ram a pa­gar bem mais pa­ra ter a F1. Tê-lo por per­to da­rá tem­po à no­va em­pre­sa pa­ra afi­nar o seu no­vo mo­de­lo de ne­gó­cio, en­quan­to Ec­cles­to­ne con­ti­nua com o seu, que co­mo se sa­be dá di­nhei­ro até mais não.

“Qu­e­ro dei­xar cla­ro que os mer­ca­dos es­ta­be­le­ci­dos, o ber­ço e a ca­sa da F1, a Eu­ro­pa em par­ti­cu­lar, têm im­por­tân­cia crí­ti­ca nes­ta es­tra­té­gia. Te­mos de fa­zer cres­cer es­sas fun­da­ções. A mais lon­go pra­zo, os mer­ca­dos dos EUA e Ásia se­rão de­sen­vol­vi­dos, mas is­so não é uma coi­sa que se fa­rá do dia pa­ra a noi­te. Há, co­mo se cal­cu­la, mui­ta gen­te a gos­tar de F1, e se uti­li­zar­mos as pla­ta­for­mas di­gi­tais pa­ra che­gar a es­ses adep­tos e ou­tras fer­ra­men­tas que ain­da não fo­ram ex­plo­ra­das agres­si­va­men­te.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.