Fei­ra de gas­tro­no­mia no Uí­ge im­pul­si­o­na sector do tu­ris­mo

Téc­ni­cos do Mi­nis­té­rio da Saú­de fa­zem vi­si­ta de ins­pec­ção à pro­vín­cia da Lun­da Nor­te

Jornal de Angola - - PARTADA - AR­MAN­DO SA­PA­LO |

Os pro­gra­mas es­tru­tu­ran­tes que vi­sam a ex­pan­são e a am­pli­a­ção da re­de sa­ni­tá­ria na Lun­da Nor­te es­tão a ser de­vi­da­men­te im­ple­men­ta­dos por via da cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras, co­mo hos­pi­tais, cen­tros de saú­de de re­fe­rên­cia e pos­tos mé­di­cos a ní­vel dos prin­ci­pais aglo­me­ra­dos po­pu­la­ci­o­nais da re­gião, afir­mou on­tem, no Dun­do, o téc­ni­co do Ga­bi­ne­te de Es­tu­dos, Pla­ne­a­men­to e Es­ta­tís­ti­ca do Mi­nis­té­rio de tu­te­la.

Do­min­gos Gas­par, que che­fia uma de­le­ga­ção do Ga­bi­ne­te de Es­tu­dos, Pla­ne­a­men­to e Es­ta­tís­ti­ca do Mi­nis­té­rio da Saú­de, que tra­ba­lha na Lun­da Nor­te, com o ob­jec­ti­vo de fa­zer a ac­tu­a­li­za­ção do ma­pa sa­ni­tá­rio da pro­vín­cia, re­co­nhe­ceu que, des­de 2010, o sector re­gis­tou um alar­ga­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo, em ter­mos de sur­gi­men­to de no­vas in­fra-es­tru­tu­ras.

O res­pon­sá­vel re­fe­riu que de cin­co em cin­co anos o Mi­nis­té­rio da Saú­de faz a ac­tu­a­li­za­ção do ma­pa sa­ni­tá­rio de ca­da uma das 18 pro­vín­ci­as que com­põem o país, com a fi­na­li­da­de de ava­li­ar os pro­gres­sos as­si­na­la­dos nas ac­ções li­ga­das à ex­pan­são da re­de de in­fra-es­tru­tu­ras, com vis­ta à apro­xi­ma­ção dos seus ser­vi­ços à po­pu­la­ção.

Nes­se con­tex­to, de­cla­rou Do­min­gos Gas­par, pas­sa­dos cin­co anos des­de que foi re­a­li­za­da a úl­ti­ma ac­tu­a­li­za­ção do ma­pa sa­ni­tá­rio e a con­se­quen­te apre­sen­ta­ção dos re­sul­ta­dos, as au­to­ri­da­des da Lun­da Nor­te de­sen­vol­ve­ram um tra­ba­lho sig­ni­fi­ca­ti­vo e dig­no de uma ava­li­a­ção po­si­ti­va.

De 2010 a 2016, a re­de de in­fra­es­tru­tu­ras sa­ni­tá­ri­as da pro­vín­cia su­biu de 82 pa­ra 112 uni­da­des, dis­se Do­min­gos Gas­par, ten­do acres­cen­ta­do que as ac­ções de­sen­vol­vi­das re­flec­tem o cum­pri­men­to dos pro­gra­mas es­ta­be­le­ci­dos pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de.

“De 2010, al­tu­ra em que fi­ze­mos a úl­ti­ma ac­tu­a­li­za­ção do ma­pa sa­ni­tá­rio lo­cal, a Lun­da Nor­te re­gis­tou pro­gres­sos sig­ni­fi­ca­ti­vos, uma vez que su­biu de 82 pa­ra 112 uni­da­des, en­tre hos­pi­tais, cen­tros e pos­tos de saú­de de re­fe­rên­cia”, re­co­nhe­ceu.

Além de um hos­pi­tal ge­ral, com 92 ca­mas, cons­truí­do no Dun­do, con­cre­ta­men­te na Cen­tra­li­da­de do Mus­sun­gue, e de qua­tro no­vos hos­pi­tais mu­ni­ci­pais, con­ce­bi­dos pa­ra in­ter­nar 45 pa­ci­en­tes ca­da, nas cir­cuns­cri­ções do Lu­ca­pa, Cu­an­go, Cuí­lo e Ca­pen­da Ca­mu­lem­ba, sur­gi­ram tam­bém cen­tros e pos­tos de saú­de de re­fe­rên­cia, nas co­mu­nas e zo­nas de gran­de den­si­da­de po­pu­la­ci­o­nal, des­ta­cou Do­min­gos Gas­par.

Com ex­cep­ção dos qua­tro no­vos hos­pi­tais mu­ni­ci­pais, cons­truí­dos no âm­bi­to da “Li­nha de Cré­di­to da Chi­na”, cu­jas obras de­vem es­tar con­cluí­das este ano, o Hos­pi­tal Ge­ral da Cen­tra­li­da­de do Dun­do, bap­ti­za­do com o no­me de “Da­vid Bernardino Ca­man­ga”, bem co­mo os cen­tros e pos­tos de saú­de já pres­tam as­sis­tên­cia à po­pu­la­ção, de­cla­rou.

O téc­ni­co do Ga­bi­ne­te de Es­tu­dos, Pla­ne­a­men­to e Es­ta­tís­ti­ca do Mi­nis­té­rio da Saú­de con­si­de­rou ser de ex­tre­ma im­por­tân­cia o sur­gi­men­to de no­vos es­ta­be­le­ci­men­tos sa­ni­tá­ri­os, ten­do em con­ta o nú­me­ro de ca­mas e a di­ver­si­da­de de ser­vi­ços que os mes­mos po­dem pro­por­ci­o­nar à po­pu­la­ção.

Ma­pa sa­ni­tá­rio

Do­min­gos Gas­par ex­pli­cou que a de­le­ga­ção do Mi­nis­té­rio da Saú­de vai tra­ba­lhar na Lun­da Nor­te du­ran­te quin­ze di­as, pa­ra a ac­tu­a­li­za­ção do ma­pa sa­ni­tá­rio da pro­vín­cia.

O ob­jec­ti­vo fun­da­men­tal, rei­te­rou, é ter uma no­ção da re­a­li­da­de do sector e abrir pon­tes pa­ra a sua re­vi­ta­li­za­ção e pro­mo­ção da ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta.

A in­ten­ção, des­ta­cou, não se con­fi­na ape­nas no sur­gi­men­to de no­vas in­fra-es­tru­tu­ras, mas tam­bém na ne­ces­si­da­de de do­tar-se a pro­vín­cia de ser­vi­ços de saú­de que re­du­zam a ele­va­da de­pen­dên­cia e a pro­cu­ra de ser­vi­ços hos­pi­ta­la­res em ou­tras re­giões, par­ti­cu­lar­men­te em Lu­an­da.

O Exe­cu­ti­vo, dis­se Do­min­gos Gas­par, es­ta­be­le­ce co­mo de­sa­fi­os a mo­der­ni­za­ção dos ser­vi­ços de saú­de, hu­ma­ni­za­ção e qua­li­da­de da as­sis­tên­cia mé­di­ca e me­di­ca­men­to­sa pres­ta­da aos pa­ci­en­tes, so­bre­tu­do às po­pu­la­ções das zo­nas afas­ta­das das se­des mu­ni­ci­pais e co­mu­nais.

“A ac­tu­a­li­za­ção des­ti­na-se à bus­ca de in­for­ma­ções so­bre o nú­me­ro de uni­da­des sa­ni­tá­ri­as que a pro­vín­cia pos­sui, sua lo­ca­li­za­ção, es­ta­do de fun­ci­o­na­men­to, re­cur­sos hu­ma­nos e equi­pa­men­tos que são uti­li­za­dos, pois o Exe­cu­ti­vo es­ta­be­le­ceu co­mo de­sa­fi­os do sector a mo­der­ni­za­ção, hu­ma­ni­za­ção e qua­li­da­de dos ser­vi­ços pres­ta­dos aos pa­ci­en­tes, prin­ci­pal­men­te àque­les que vi­vem em zo­nas dis­tan­tes das se­des mu­ni­ci­pais e co­mu­nais”, dis­se.

Su­bli­nhou que o tra­ba­lho vai ser efec­tu­a­do em to­dos os mu­ni­cí­pi­os que com­põem a pro­vín­cia. A con­tra­ta­ção e a for­ma­ção per­ma­nen­te de téc­ni­cos pa­ra o sector da Saú­de, ali­a­da à ne­ces­si­da­de de aqui­si­ção de mei­os mo­der­nos de di­ag­nós­ti­co são, en­tre ou­tras, as apos­tas do Go­ver­no.

Do­min­gos Gas­par ga­ran­tiu que to­das as in­su­fi­ci­ên­ci­as que as uni­da­des sa­ni­tá­ri­as en­fren­tam vão ser de­vi­da­men­te iden­ti­fi­ca­das, com o ob­jec­ti­vo de se en­con­trar as so­lu­ções que se im­põem.

JOSÉ SOARES

Ex­pan­são dos ser­vi­ços da Saú­de e ad­mis­são de qua­dros es­tão a per­mi­tir bai­xar os ín­di­ces de mor­ta­li­da­de nas co­mu­ni­da­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.