Re­na­mo é acu­sa­da de ma­tan­ça e rou­bo de bens das po­pu­la­ções

PRE­SI­DEN­TE DE MO­ÇAM­BI­QUE Fi­li­pe Nyu­si e Jo­a­quim Chis­sa­no fa­zem ape­lo ao bom sen­so do lí­der da Re­na­mo

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que, Fi­li­pe Nyu­si, acu­sou, em Pem­ba, pro­vín­cia de Ca­bo Del­ga­do, a Re­na­mo de pro­mo­ver ma­tan­ças e de pre­ten­der des­truir as con­quis­tas da in­de­pen­dên­cia.

“São ac­tos per­pe­tra­dos por al­guns mo­çam­bi­ca­nos que pre­ten­dem des­truir o que foi ga­nho com sa­cri­fí­cio e cons­truí­do pe­dra-a-pe­dra, ao lon­go dos 41 anos da nos­sa in­de­pen­dên­cia”, dis­se Fi­li­pe Nyu­si na ce­ri­mó­nia cen­tral de ce­le­bra­ção dos acor­dos de Lu­sa­ka, que a 7 de Se­tem­bro de 1974 ter­mi­na­ram dez anos de gu­er­ra en­tre a Fren­te de Li­ber­ta­ção de Mo­çam­bi­que (FRE­LI­MO) e as for­ças co­lo­ni­ais por­tu­gue­sas.

Os ata­ques da Re­na­mo, pros­se­guiu o Che­fe de Es­ta­do mo­çam­bi­ca­no, mais uma vez de­ses­ta­bi­li­zam a go­ver­na­ção e con­ti­nu­am a im­pe­dir o de­sen­vol­vi­men­to do país, além de atin­gi­rem a po­pu­la­ção.

ʺA Re­na­mo con­ti­nua o par­ti­do ar­ma­do, es­tá a ma­tar as po­pu­la­ções, as li­de­ran­ças co­mu­ni­tá­ri­as e es­tru­tu­ras lo­cais. A Re­na­mo já co­me­çou a ma­tar com­ba­ten­tesʺ, de­nun­ci­ou Fi­li­pe Nyu­si, quan­do con­fir­ma­va um no­vo ataque no dis­tri­to de Mo­cu­ba, pro­vín­cia da Zam­bé­zia, pro­ta­go­ni­za­do por ho­mens ar­ma­dos do par­ti­do de Afon­so Dh­la­ka­ma.

Ao dis­cur­sar na mes­ma ce­ri­mó­nia, o an­ti­go Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no, Jo­a­quim Chis­sa­no, afir­mou que as ce­le­bra­ções do “dia da vi­tó­ria” são um bom si­nal pa­ra di­zer à Re­na­mo que ninguém quer a gu­er­ra em Mo­çam­bi­que.

É tam­bém um bom si­nal, pros­se­guiu Jo­a­quim Chis­sa­no, “pa­ra di­zer que nem aque­les que com­ba­te­ram ou­tro­ra nas fi­lei­ras da Re­na­mo que­rem no­va gu­er­ra, ape­nas o de­sen­vol­vi­men­to do país. As de­cla­ra­ções do Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no Fi­li­pe Nyu­si e do an­ti­go Che­fe de Es­ta­do, Jo­a­quim Chis­sa­no, são fei­tas nu­ma al­tu­ra em que a re­gião cen­tro de Mo­çam­bi­que tem si­do pal­co de re­la­tos de con­fron­tos en­tre o bra­ço ar­ma­do da Re­na­mo e as For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça e de de­nún­ci­as mú­tu­as de rap­tos e as­sas­si­na­tos de di­ri­gen­tes po­lí­ti­cos das du­as par­tes.

As au­to­ri­da­des mo­çam­bi­ca­nas acu­sam a Re­na­mo de uma sé­rie de em­bos­ca­das nas es­tra­das e ata­ques, nas úl­ti­mas se­ma­nas, em lo­ca­li­da­des do cen­tro e nor­te de Mo­çam­bi­que, in­cluin­do em pos­tos po­li­ci­ais, e de as­sal­tos a ins­ta­la­ções ci­vis, co­mo cen­tros de saú­de.

Afon­so Dh­la­ka­ma, o lí­der da Re­na­mo, rei­vin­di­cou a au­to­ria de vá­ri­os ata­ques no cen­tro e no nor­te do país, que ocor­rem nu­ma al­tu­ra em que as ne­go­ci­a­ções de paz en­tre as de­le­ga­ções do Go­ver­no e des­te par­ti­do, que de­cor­rem na pre­sen­ça de me­di­a­do­res in­ter­na­ci­o­nais, fo­ram sus­pen­sas até se­gun­da-fei­ra.

Na ter­ça-fei­ra, a Co­mis­são Per­ma­nen­te do Par­la­men­to mo­çam­bi­ca­no ape­lou à Co­mis­são Mis­ta, que es­tá a pre­pa­rar o en­con­tro en­tre o Pre­si­den­te Fi­li­pe Ja­cin­to Nyu­si e o lí­der da Re­na­mo, Afon­so Dh­la­ka­ma, a dar se­gui­men­to às su­as ac­ti­vi­da­des, “com mai­or ce­le­ri­da­de de mo­do que se al­can­ce a paz efec­ti­va em Mo­çam­bi­que.”

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, de­pois da XIII ses­são or­di­ná­ria da Co­mis­são Per­ma­nen­te do Par­la­men­to, o pri­mei­ro vi­ce-pre­si­den­te da Ca­sa das Leis, An­tó­nio Amé­lia, afir­mou que a po­si­ção da Co­mis­são Per­ma­nen­te cons­ti­tui uma de­mons­tra­ção de so­li­da­ri­e­da­de da­que­le ór­gão aos mo­çam­bi­ca­nos e uma for­ma de ma­ni­fes­tar a von­ta­de de ul­tra­pas­sar-se, com mai­or bre­vi­da­de, a ac­tu­al si­tu­a­ção po­lí­ti­co-mi­li­tar que se vi­ve em Mo­çam­bi­que.

“Nós não es­ta­mos in­di­fe­ren­tes pe­ran­te es­ta si­tu­a­ção que ocor­re hoje no nos­so país, daí que a Co­mis­são Per­ma­nen­te de­ci­diu trans­mi­tir o seu sen­ti­men­to de so­li­da­ri­e­da­de, na von­ta­de de que­rer ver es­ta si­tu­a­ção a ter o seu fim o mais rá­pi­do pos­sí­vel”, dis­se.

Com uma paz efec­ti­va, re­fe­riu, ca­da mo­çam­bi­ca­no vai fa­zer a sua von­ta­de de en­gre­nar na cons­tru­ção do bem-es­tar, bem co­mo de cir­cu­lar de for­ma livre por to­do o país.

Mo­çam­bi­que vi­ve um cli­ma de ten­são po­lí­ti­co-mi­li­tar des­de Ou­tu­bro de 2013, quan­do o pre­si­den­te da Re­na­mo, Afon­so Dh­la­ka­ma deu or­dens aos seus ho­mens ar­ma­dos, pa­ra ata­ca­rem ci­vis in­de­fe­sos e pa­ra­li­sa­rem a cir­cu­la­ção nor­mal das vi­a­tu­ras na es­tra­da na­ci­o­nal nú­me­ro um e em ou­tras vi­as de Mo­çam­bi­que, co­mo for­ma de rei­vin­di­car a go­ver­na­ção de seis pro­vín­ci­as, on­de ale­ga ter ga­nha­do nas eleições ge­rais de 2014, no­me­a­da­men­te as pro­vín­ci­as de So­fa­la, Ma­ni­ca, Te­te e Zam­bé­zia (no cen­tro do país), Nam­pu­la e Ni­as­sa (Nor­te).

AFP

Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no es­tá agas­ta­do com as es­ca­ra­mu­ças pro­vo­ca­das pe­la Re­na­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.