Ta­xa de al­fa­be­ti­za­ção atin­ge 81 por cen­to

Ac­to cen­tral de­cor­reu na cidade do Uíge e foi ori­en­ta­do pe­lo ti­tu­lar da Edu­ca­ção

Jornal de Angola - - PARTADA -

Até fi­nal do ano a ta­xa de al­fa­be­ti­za­ção em An­go­la po­de atin­gir 81 por cen­to da po­pu­la­ção mai­or de 15 anos de ida­de, de acor­do com o mi­nis­tro da Edu­ca­ção. Pin­da Si­mão re­ve­lou que, en­tre 2014 e 2015, cer­ca de 1,47 mi­lhões de ci­da­dãos fo­ram al­fa­be­ti­za­dos o que, adi­ci­o­na­dos aos re­sul­ta­dos do cen­so de 2014, re­ve­la que o país tem ago­ra 10.402.190 ci­da­dãos que já sa­bem ler e es­cre­ver, uma ta­xa de 76 por cen­to.

O mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Pin­da Si­mão, anun­ci­ou, na cidade do Uíge, que a ta­xa de al­fa­be­ti­za­ção em An­go­la po­de atin­gir 81 por cen­to da po­pu­la­ção mai­or de 15 anos de ida­de até ao fi­nal do ano.

Ao dis­cur­sar no ac­to cen­tral do Dia In­ter­na­ci­o­nal da Al­fa­be­ti­za­ção, que de­cor­reu no ci­ne Gi­ná­sio, na cidade do Uíge, Pin­da Si­mão con­si­de­rou que o tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do na al­fa­be­ti­za­ção tem pro­du­zi­do re­sul­ta­dos sa­tis­fa­tó­ri­os. Com ba­se nos da­dos do sec­tor ca­ta­lo­ga­dos no cen­so de 2014 e o nú­me­ro de pes­so­as que es­tão a ser al­fa­be­ti­za­das des­de 2015, o mi­nis­tro da Edu­ca­ção acre­di­ta que An­go­la po­de cum­prir com o Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção 2015/2025, con­ju­ga­do com a Agen­da 2030, que tem co­mo ob­jec­ti­vo er­ra­di­car o anal­fa­be­tis­mo no país.

O mi­nis­tro re­ve­lou que, en­tre 2014 e 2015, cer­ca de 1,47 mi­lhões de ci­da­dãos fo­ram al­fa­be­ti­za­dos que, adi­ci­o­na­dos aos re­sul­ta­dos do cen­so de 2014, o país tem ago­ra 10.402.190 ci­da­dãos que já sa­bem ler e es­cre­ver, cor­res­pon­den­do a uma ta­xa de al­fa­be­ti­za­ção de 76 por cen­to. De acor­do com o mi­nis­tro da Edu­ca­ção, as es­ta­tís­ti­cas apon­tam que 560 mil pes­so­as es­tão a ser al­fa­be­ti­za­das em 2016, nú­me­ro que as­so­ci­a­do à quan­ti­da­de de pes­so­as al­fa­be­ti­za­das em 2014 po­de atin­gir, até ao fi­nal do ano, a ta­xa de 81 por cen­to. Pin­da Si­mão ape­lou pa­ra um mai­or en­ga­ja­men­to de to­das as ins­ti­tui­ções e or­ga­nis­mos que tra­ba­lham pa­ra es­te sub­sis­te­ma de ensino.

O mi­nis­tro ex­pli­cou que a al­fa­be­ti­za­ção foi con­ce­bi­da co­mo um ins­tru­men­to pa­ra a ca­pa­ci­ta­ção dos in­di­ví­du­os, das fa­mí­li­as e das so­ci­e­da­des. De 1966 a 2016, o mun­do tem-se em­pe­nha­do na lu­ta con­tra o anal­fa­be­tis­mo, co­mo uma for­ma de com­ba­te à po­bre­za e ga­ran­tir o di­rei­to uni­ver­sal à edu­ca­ção.

Em An­go­la, dis­se, a da­ta foi ins­ti­tuí­da há 40 anos pe­lo pri­mei­ro Pre­si­den­te, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, na fá­bri­ca Tex­tang II, nu­ma cla­ra de­mons­tra­ção da pre­o­cu­pa­ção do Go­ver­no de com­ba­ter o anal­fa­be­tis­mo e ele­var o ní­vel ge­ral de es­co­la­ri­da­de da po­pu­la­ção. O mi­nis­tro da Edu­ca­ção re­co­nhe­ceu que, com a con­ver­gên­cia e es­for­ços em­pre­en­di­dos en­tre o Go­ver­no, a so­ci­e­da­de ci­vil e o sec­tor pri­va­do du­ran­te os 40 anos, ape­sar dos cons­tran­gi­men­tos cau­sa­dos pe­lo con­fli­to ar­ma­do e de ou­tros de or­dem eco­nó­mi­co-fi­nan­cei­ra, foi pos­sí­vel re­du­zir-se a ta­xa de anal­fa­be­tis­mo, es­ti­ma­da em 85 por cen­to em 1975, pa­ra me­nos de 34, em 2014, con­for­me o cen­so re­a­li­za­do na­que­le ano.

“Co­mo re­co­nhe­ci­men­to des­te es­for­ço, An­go­la re­ce­beu vá­ri­os pré­mi­os e men­ções hon­ro­sas da UNES­CO e ou­tras or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais, fac­tor que de­ve en­cher de or­gu­lho to­dos os an­go­la­nos”, re­fe­riu.

Cau­sa de mui­tos pro­ble­mas

Pin­da Si­mão avan­çou que cer­ca de 20 por cen­to de ho­mens e 40 por cen­to de mu­lhe­res com mais de 15 anos de ida­de não sa­bem ain­da ler e es­cre­ver, o que cons­ti­tui a prin­ci­pal cau­sa dos pro­ble­mas que a so­ci­e­da­de an­go­la­na en­fren­ta, co­mo a po­bre­za e com­por­ta­men­tos de­plo­rá­veis. O mi­nis­tro da Edu­ca­ção con­si­de­ra que o fu­tu­ro de An­go­la pas­sa pe­la agen­da 2030, que de­fi­ne os ob­jec­ti­vos de de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel com uma vi­são de trans­for­mar as vi­das por meio da edu­ca­ção.

Pa­ra o al­can­ce dos ob­jec­ti­vos, Pin­da Si­mão dis­se que o seu sec­tor es­tá com­pro­me­ti­do com a cri­a­ção de uma agen­da de edu­ca­ção úni­ca e re­no­va­da que se­ja abran­gen­te, am­bi­ci­o­sa, sem ex­clu­são e que se­ja in­clu­si­va e de qua­li­da­de ca­paz de ser pro­mo­to­ra de opor­tu­ni­da­des de apren­di­za­gem ao lon­go da vi­da pa­ra to­dos os ci­da­dãos. Re­fe­riu que es­tão em cur­so, em to­das as co­mu­nas, a iden­ti­fi­ca­ção dos prin­ci­pais fo­cos da po­pu­la­ção anal­fa­be­ta pa­ra que se di­rec­ci­o­nem os re­cur­sos e, gra­du­al­men­te, de­cla­rar, pe­la pri­mei­ra vez, o ter­ri­tó­rio li­vre do anal­fa­be­tis­mo.

“Te­mos co­mo pres­su­pos­to os cri­té­ri­os da UNES­CO que re­co­men­dam ín­di­ces de anal­fa­be­tis­mo in­fe­ri­or a qu­a­tro por cen­to da po­pu­la­ção com ida­de mai­or de 15 anos de ida­de. O con­tex­to que o país vi­ve, de­vi­do à cri­se fi­nan­cei­ra, exi­ge uma ges­tão ra­ci­o­nal dos re­cur­sos dis­po­ní­veis pa­ra o pro­gra­ma de for­ma a atin­gir­mos os ob­jec­ti­vos pre­co­ni­za­dos”, dis­se.

O go­ver­na­dor do Uíge, Paulo Pom­bo­lo, dis­se que a al­fa­be­ti­za­ção re­pre­sen­ta a cor­po­ri­za­ção de uma in­ten­ção as­su­mi­da des­de a cons­ti­tui­ção do Es­ta­do an­go­la­no. É um pro­ces­so que con­cor­re pa­ra um me­lhor e ple­no exer­cí­cio da ci­da­da­nia pa­ra a po­pu­la­ções que por di­ver­sos fac­to­res não se pu­de­ram in­te­grar no sis­te­ma nor­mal de ensino, su­bli­nhou. Paulo Pom­bo­lo as­se­gu­rou que o pro­gra­ma de al­fa­be­ti­za­ção es­tá im­plan­ta­do nos 16 mu­ni­cí­pi­os da pro­vín­cia e con­ta com 494 téc­ni­cos, en­tre al­fa­be­ti­za­do­res e fa­ci­li­ta­do­res an­go­la­nos e cu­ba­nos. Em 2008 es­ta­vam ins­cri­tos 2.853 can­di­da­tos, nú­me­ro que cres­ceu pa­ra 228.162 em 2015.

Al­dei­as li­vres

No Uíge, as al­dei­as Cun­ga Qui­chim­ba, no mu­ni­cí­pio do Uíge, Mai­en­go, no Son­go e Qui­lan­da, Ban­za Lu­an­da e Qui­qui­e­lo, no Bun­go, fo­ram de­cla­ra­das, pe­la UNES­CO, co­mo ter­ri­tó­ri­os li­vres do anal­fa­be­tis­mo ten­do em con­ta os ín­di­ce re­gis­ta­dos de pes­so­as que não sa­bem ler e es­cre­ver. O che­fe de sec­ção de al­fa­be­ti­za­ção e ensino de adultos da di­rec­ção pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção no Uíge, Al­ber­ti­no dos San­tos, re­ve­lou que na al­deia Cun­ga Qui­chim­ba, no mu­ni­cí­pio do Uíge, com cer­ca de 715 ha­bi­tan­tes, das quais 400 com ida­de su­pe­ri­or a 15 anos de ida­de, fo­ram al­fa­be­ti­za­das 263 pes­so­as, das 270 ins­cri­tas. Se­te in­di­ví­du­os ain­da pes­so­as anal­fa­be­tas, o que re­pre­sen­ta 2,6 por cen­to com res­pei­to ao nu­me­ro de ins­cri­tos e um ín­di­ce de anal­fa­be­tis­mo de 1,75%. Em Mai­en­go, com 267 ha­bi­tan­tes fo­ram ma­tri­cu­la­dos 138 par­ti­ci­pan­tes. Des­te nú­me­ro 135 pes­so­as fo­ram al­fa­be­ti­za­das res­tan­do ape­nas três pes­so­as anal­fa­be­tas o que re­pre­sen­ta dois por cen­to com res­pei­to ao nú­me­ro de ins­cri­tos e um ín­di­ce de anal­fa­be­tis­mo de 2 por cen­to.

No Qui­lan­da, Bun­go, com 138 ha­bi­tan­tes, dos quais 53 com ida­de su­pe­ri­or a 15 anos de ida­de, fo­ram al­fa­be­ti­za­das 51 pes­so­as das 53 ins­cri­tas, res­tan­do du­as pes­so­as anal­fa­be­tas na­que­la co­mu­ni­da­de, o que re­pre­sen­ta 3,7 por cen­tos com res­pei­to ao nú­me­ro de ins­cri­tos e um ín­di­ce de anal­fa­be­tis­mo de 3,7 por cen­tos.

“Va­mos con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar na mo­bi­li­za­ção de ac­to­res so­ci­ais pa­ra o en­vol­vi­men­to no pro­ces­so, de ma­nei­ra a que se atin­jam os ob­jec­ti­vos pre­co­ni­za­dos. Cons­ti­tu­em di­fi­cul­da­des, o atra­so na li­qui­da­ção dos sub­sí­di­os dos al­fa­be­ti­za­do­res, a in­su­fi­ci­ên­cia do ma­te­ri­al di­dác­ti­co e a fal­ta de pro­fes­so­res pa­ra o as­se­gu­ra­men­to dos mó­du­los dois e três”, dis­se.

O su­ces­so do pro­ces­so nes­tas lo­ca­li­da­des foi des­ta­ca­do pe­lo re­pre­sen­tan­te da UNES­CO, Nicolau Bu­bu­ze, que dis­se que o ín­di­ce de anal­fa­be­tis­mo no mun­do bai­xou pa­ra 25 por cen­to. Re­pre­sen­tan­tes da so­ci­e­da­de ci­vil, al­fa­be­ti­za­dos e al­fa­be­ti­za­do­res elo­gi­a­ram o tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do e pe­dem me­lho­res con­di­ções de ensino e apren­di­za­gem.

Es­te ano mar­ca o 50º ani­ver­sá­rio des­de que a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra a Edu­ca­ção, a Ci­ên­cia e a Cul­tu­ra (UNES­CO) pro­cla­mou o 8 de Se­tem­bro co­mo o Dia In­ter­na­ci­o­nal da Al­fa­be­ti­za­ção, pa­ra mo­bi­li­zar a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal e pro­mo­ver a al­fa­be­ti­za­ção co­mo um ins­tru­men­to do re­for­ço do po­der de in­di­ví­du­os, co­mu­ni­da­des e das so­ci­e­da­des.

MAVITIDI MULAZA | UÍGE

Mi­nis­tro da Edu­ca­ção diz que o tra­ba­lho na al­fa­be­ti­za­ção tem pro­du­zi­do bons re­sul­ta­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.