Des­cul­pas de maus per­de­do­res

Jornal de Angola - - PARTADA - VIC­TOR CAR­VA­LHO |

Ain­da o re­gis­to elei­to­ral não ha­via ar­ran­ca­do e já o país as­sis­tia, sur­pre­en­di­do, à to­ma­da de po­si­ções por par­te de al­guns par­ti­dos e di­ri­gen­tes po­lí­ti­cos que dei­xa­vam per­ce­ber a sua in­ten­ção de tu­do fa­zer pa­ra be­lis­car to­do o pro­ces­so que irá con­du­zir à re­a­li­za­ção de eleições em 2017.

Pri­mei­ro foi a mul­ti­pli­ca­ção de de­cla­ra­ções a da­rem con­ta da exis­tên­cia de uma ca­ba­la ur­di­da en­tre o go­ver­no e o par­ti­do mai­o­ri­tá­rio, com a “cum­pli­ci­da­de” sem­pre opor­tu­na dos ór­gãos que re­gem a pre­pa­ra­ção do plei­to, pa­ra que as eleições não se vi­es­sem a re­a­li­zar no pra­zo pre­vis­to.

Qual­quer opor­tu­ni­da­de foi boa pa­ra que al­guns res­pon­sá­veis po­lí­ti­cos, mui­tos de­les até com lu­gar no Par­la­men­to, vi­es­sem a pú­bli­co pas­sar a ideia de que as eleições não se­ri­am re­a­li­za­das em 2017, es­gri­min­do pa­ra is­so os mais de­sen­con­tra­dos e co­lo­ri­dos ar­gu­men­tos.

A fa­se se­guin­te dos des­va­ri­os sur­giu quan­do a As­sem­bleia Na­ci­o­nal re­ce­beu e dis­cu­tiu a sé­rie de di­plo­mas que con­for­mam a lei pe­la qual se es­tá já a re­ger to­do o pro­ces­so de pre­pa­ra­ção das eleições.

Sem for­ça le­gal pa­ra da­rem sus­ten­ta­ção aos seus ar­gu­men­tos, es­ses mes­mos par­ti­dos po­lí­ti­cos de­ci­di­ram a de­ter­mi­na­da al­tu­ra vi­rar mes­mo as cos­tas à de­mo­cra­cia, aban­do­nan­do o he­mi­ci­clo nu­ma al­tu­ra em que, sin­to­ma­ti­ca­men­te, es­ta­va em dis­cus­são uma pro­pos­ta de al­te­ra­ção a es­se pa­co­te le­gis­la­ti­vo que eles mes­mos ha­vi­am de­ci­di­do apre­sen­tar.

Quan­do se aper­ce­be­ram que 2017 con­ti­nu­a­va a ser o pon­to de re­fe­rên­cia pa­ra a ida às ur­nas, en­tra­ram na fa­se do ata­que à Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral. Umas ve­zes pe­lo que ela fez, ou­tras pe­lo que, no seu en­ten­der, de­ve­ria ter fei­to e não fez.

Du­ran­te es­te pe­río­do as­sis­tiu-se a um ver­da­dei­ro ata­que ao ca­rác­ter e à hon­ra de al­guns dos mem­bros da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral, na­qui­lo que cons­ti­tuiu uma de­mons­tra­ção de fal­ta de de­co­ro pró­pria de quem não sa­be o que diz e mui­to me­nos o que fa­zer pa­ra man­ter de pé um ob­jec­ti­vo ca­da vez mais di­fí­cil.

Nes­te mo­men­to, o al­vo que es­sas mes­mas for­ças que­rem tra­var é o pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, que ao fim de su­as se­ma­nas tem uma ade­são po­pu­lar que já ul­tra­pas­sou as pers­pec­ti­vas mais op­ti­mis­tas.

Nes­ta fa­se, cu­ri­o­sa­men­te, co­me­ça já a per­ce­ber-se al­gum des­nor­te nas fi­lei­ras des­ses par­ti­dos po­lí­ti­cos, ha­ven­do ele­men­tos que tei­mam em con­si­de­rar que es­tá tu­do mal e fe­ri­do de le­ga­li­da­de e ou­tros que, pe­ran­te a evi­dên­cia dos fac­tos, já se ren­de­ram e elo­gi­am os mé­to­dos usa­dos no re­gis­to elei­to­ral, con­si­de­ran­do-os mes­mo aci­ma de qual­quer sus­pei­ta.

Qual­quer si­tu­a­ção de des­nor­te, co­mo es­ta, é pro­pí­cia a que quem por ele se­ja pos­suí­do à to­ma­da de al­gu­mas ati­tu­des que uns con­si­de­ram me­nos ela­bo­ra­das, ou fe­li­zes, mas que ou­tros pre­fe­rem in­ter­pre­tar co­mo re­ve­la­do­ras da­qui­lo que na ver­da­de são ca­pa­zes.

Nes­te âm­bi­to, a se­ma­na que ago­ra aca­ba re­ve­lou dois epi­só­di­os que de­mons­tram a con­fu­são que se apos­sou de al­guns in­tér­pre­tes e for­ma­ções po­lí­ti­cas na sua ân­sia de de­sa­fi­ar a lei e a ur­ba­ni­da­de pa­ra en­con­trar aí ar­gu­men­to de fu­ga às su­as res­pon­sa­bi­li­da­des pa­ra com as eleições.

Pri­mei­ro foi o de­pu­ta­do da UNITA, Pe­dro Kat­chiun­go, a apro­vei­tar a sua pre­sen­ça num de­ba­te or­ga­ni­za­do pe­la Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la pa­ra evi­den­ci­ar o seu sen­ti­men­to de­mo­crá­ti­co ao man­dar ca­lar os seus ató­ni­tos co­le­gas de pro­gra­ma quan­do es­tes apre­sen­ta­vam ar­gu­men­tos que ele não sa­bia co­mo con­tra­ri­ar.

De­pois é a rá­bu­la em re­dor do sur­gi­men­to de um no­vo par­ti­do po­lí­ti­co do seio da­qui­lo que ain­da é uma co­li­ga­ção elei­to­ral com pre­ten­sões a en­trar no ei­xo da go­ver­na­ção.

Dan­do de ba­ra­to a pe­re­gri­na ideia de­mo­crá­ti­ca de ele­ger o pre­si­den­te de um par­ti­do an­tes mes­mo des­te es­tar cons­ti­tuí­do, exis­tem fac­tos cons­ti­tu­ci­o­nais que dei­xam per­ce­ber es­tar a CA­SA-CE a jo­gar uma car­ta­da pe­ri­go­sa, uma vez que pe­ran­te a lei fi­ca­rá di­fí­cil ex­pli­car co­mo, mes­mo de­pois de ex­tin­ta, po­de man­ter de­pu­ta­dos no Par­la­men­to a de­fen­de­rem uma for­ma­ção que não foi su­fra­ga­da nas an­te­ri­o­res eleições.

Não que­ren­do acre­di­tar em coin­ci­dên­ci­as, que em po­lí­ti­ca são me­ras ba­le­las, es­ta­mos mais em crer que to­do es­te fol­clo­re tem ape­nas co­mo úni­co ob­jec­ti­vo cons­pur­car to­do o pro­ces­so de pre­pa­ra­ção das eleições, ten­tan­do que es­tas não se re­a­li­zem em 2017, se­ja por­que pa­ra elas não es­tão pre­pa­ra­dos ou sim­ples­men­te pa­ra que de­pois pos­sam acu­sar o Exe­cu­ti­vo de se que­rer man­ter no po­der a to­do o cus­to.

No ca­so da UNITA, atra­vés de su­ces­si­vos ata­ques à de­mo­cra­cia per­pe­tra­dos pe­los seus lí­de­res mais des­ta­ca­dos, se­ja na im­pren­sa ou nos ór­gãos do Es­ta­do on­de es­tão in­te­gra­dos. No que to­ca à CA­SA-CE, com es­ta rá­bu­la do par­ti­do, a ideia que fi­ca é a de que es­tá a ten­tar cri­ar uma si­tu­a­ção po­lí­ti­ca que a pos­sa co­lo­car à mar­gem das eleições.

Se mes­mo as­sim não con­se­gui­rem cri­ar fac­tos su­fi­ci­en­tes que jus­ti­fi­quem a sua au­to-ex­clu­são do pro­ces­so elei­to­ral, res­ta-lhes ain­da a pos­si­bi­li­da­de de jo­ga­rem uma úl­ti­ma car­ta­da, pe­din­do, em unís­so­no, a im­pug­na­ção do pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, fa­zen­do com que tu­do vol­te à es­ta­ca ze­ro.

Aliás, es­te é um ce­ná­rio en­tre­a­ber­to já por al­guns res­pon­sá­veis po­lí­ti­cos me­nos fa­mi­li­a­ri­za­dos com pro­ces­sos de­mo­crá­ti­cos e te­me­ro­sos da­que­la que irá mais uma vez ser a ma­ni­fes­ta­ção cla­ra e li­vre da so­be­ra­na von­ta­de do po­vo.

Quem as­sim pro­ce­de não acre­di­ta nas su­as po­ten­ci­a­li­da­des po­lí­ti­cas nem res­pei­ta as re­gras da de­mo­cra­cia. São aque­les que, nos res­cal­dos de an­te­ri­o­res plei­tos, fo­ram fér­teis em apre­sen­tar des­cul­pas de maus per­de­do­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.