No­va Ior­que e as mar­cas do pas­sa­do

Jornal de Angola - - PARTADA - JENNIE MATTHEW

No­va Ior­que che­ga ao 15° ani­ver­sá­rio dos aten­ta­dos de 11 de Se­tem­bro de 2001 mais for­te, mais ri­ca e mais di­ver­sa do que nun­ca, mas a da­ta ne­fas­ta per­ma­ne­ce mar­ca­da a fer­ro e fo­go na his­tó­ria da cidade.

Os aten­ta­dos co­me­ti­dos pe­la Al-Qa­e­da - o pri­mei­ro ata­que es­tran­gei­ro no con­ti­nen­te nor­te­a­me­ri­ca­no em qua­se 200 anos, rom­pe­ram a sen­sa­ção de se­gu­ran­ça e em­pur­ra­ram o Oci­den­te pa­ra guer­ras que per­sis­tem até ho­je.

Mais de 2.750 pes­so­as mor­re­ram no dia em que a Al-Qa­e­da lan­çou dois dos qu­a­tro aviões de pas­sa­gei­ros se­ques­tra­dos con­tra as Tor­res Gé­me­as do World Tra­de Cen­ter de No­va Ior­que, sím­bo­lo do po­der fi­nan­cei­ro e da con­fi­an­ça ame­ri­ca­na.

Os cor­pos de ape­nas 1.640 pes­so­as fo­ram iden­ti­fi­ca­dos. Ou­tras 75.000 vi­vem com trans­tor­nos men­tais e fí­si­cos co­mo re­sul­ta­do dos aten­ta­dos, in­cluin­do mui­tos tra­ba­lha­do­res dos ser­vi­ços de emer­gên­cia que ina­la­ram as to­xi­nas can­ce­rí­ge­nas quan­do ten­ta­vam, de ma­nei­ra co­ra­jo­sa, sal­var vi­das. Nos úl­ti­mos 15 anos, No­va Ior­que bus­cou o equi­lí­brio en­tre re­cor­dar as ví­ti­mas dos aten­ta­dos e fa­zer aqui­lo em que é me­lhor: re­ge­ne­rar, re­cons­truir e olhar pa­ra o fu­tu­ro.

O cen­tro de Ma­nhat­tan é uma das par­tes mais ri­cas de No­va Ior­que, com ho­téis de lu­xo, lo­jas e res­tau­ran­tes ele­gan­tes. O lo­cal on­de fi­ca­va o World Tra­de Cen­ter foi to­tal­men­te re­cons­truí­do. Abri­ga o Me­mo­ri­al e Mu­seu dos aten­ta­dos de 11 de Se­tem­bro, a es­ta­ção de com­boi­os mais ca­ra do mun­do, um cen­tro cul­tu­ral e es­cri­tó­ri­os.

“Pes­so­as de to­das as par­tes do mun­do vêm a es­te lo­cal. Ago­ra é um sím­bo­lo de for­ça pa­ra as pes­so­as ao re­dor do mun­do”, dis­se o pre­fei­to Bill de Bla­sio.

A jóia da co­roa é o World Tra­de Cen­ter One, ou Fre­e­dom Tower (Tor­re da Li­ber­da­de), que com 1.776 pés (nú­me­ro que coin­ci­de com o ano da in­de­pen­dên­cia dos Es­ta­dos Uni­dos) ou 541 me­tros, é o mai­or edi­fí­cio do Oci­den­te. As su­as lu­zes são ob­ser­va­das a qui­ló­me­tros de dis­tân­cia.

O ob­ser­va­tó­rio do lo­cal ofe­re­ce uma vis­ta im­pac­tan­te e o cen­tro de trans­por­tes Ocu­lus é uma ma­ra­vi­lha ar­qui­tec­tó­ni­ca: uma área oval de aço e vi­dro que cus­tou qu­a­tro bi­liões de dó­la­res, pro­jec­ta­da por Santiago Ca­la­tra­va.

Nos 15 me­ses após sua inau­gu­ra­ção, o mu­seu vi­zi­nho do 11/9 re­ce­beu qua­se se­te mi­lhões de vi­si­tan­tes. Tu­ris­tas de to­do o mun­do e aque­les que cho­ram pe­la mor­te dos seus pa­ren­tes de­po­si­tam ro­sas nos mu­ros que re­gis­tam os no­mes das ví­ti­mas, ao re­dor de dois es­pe­lhos d'água, lo­ca­li­za­dos on­de fi­ca­vam as ba­ses das tor­res gé­me­as.

À me­di­da que pas­sam os anos, o Mu­seu diz que en­si­na os es­tu­dan­tes nas­ci­dos de­pois de 2001, que já ob­ser­vam os aten­ta­dos co­mo his­tó­ria.

“Pa­ra ter as fer­ra­men­tas de um adul­to ca­pa­ci­ta­do nes­te mun­do tão com­pli­ca­do, acre­di­to que es­te lo­cal pro­por­ci­o­na fun­da­men­tos pa­ra com­pre­en­der es­te mun­do”, afir­mou a di­rec­to­ra do lo­cal, Ali­ce Gre­enwald.

“É co­mo se to­dos os que vêm a No­va Ior­que ti­ves­sem que pas­sar por aqui”, de­cla­rou Vi­cen­zo Nar­do­ne, um íta­lo-ame­ri­ca­no que mo­ra na cidade há 47 anos e que per­deu um ami­go nos aten­ta­dos.

Ele per­cor­reu o mu­seu “cho­ran­do co­mo lou­co”, mas dis­se que de­pois da tra­gé­dia a cidade se tor­nou mais ami­gá­vel e to­le­ran­te. No en­tan­to, No­va Ior­que tem con­tro­les de se­gu­ran­ça rí­gi­dos e de ro­ti­na. Os no­va-ior­qui­nos têm a re­co­men­da­ção de in­for­mar so­bre qual­quer ob­jec­to sus­pei­to.O De­par­ta­men­to de Po­lí­cia da cidade, o mais ri­co e me­lhor equi­pa­do do país, anun­ci­ou no ano pas­sa­do a in­cor­po­ra­ção de 1.300 no­vos agen­tes pa­ra for­ta­le­cer os es­for­ços de com­ba­te ao ter­ro­ris­mo.

Os po­lí­ti­cos elei­tos fa­lam cons­tan­te­men­te de ga­ran­tir que aten­ta­dos ja­mais vol­tem a acon­te­cer na cidade e afir­mam ter frus­tra­do 20 apa­ren­tes pla­nos ter­ro­ris­tas. “Acre­di­to que to­dos es­ta­mos um pou­co mais em guar­da”, dis­se Hal Sha­ne, de 68 anos, um apo­sen­ta­do da Bro­adway que vi­si­tou o me­mo­ri­al pe­la pri­mei­ra vez es­ta se­ma­na.

“É as­sim no mun­do to­do, es­pe­ci­al­men­te na Eu­ro­pa”, com­ple­tou.

“Sin­to-me co­mo uma pes­soa de Mar­se­lha, que tem nes­te mo­men­to o mes­mo problema que eu. So­mos co­mo uma fa­mí­lia ví­ti­ma, nos uni­mos a to­dos aque­les ou­tros lo­cais que so­fre­ram o mes­mo hor­ror”, de­cla­rou Sha­ne.

A po­la­ri­za­da dis­pu­ta pre­si­den­ci­al en­tre dois no­va-ior­qui­nos - o mag­na­ta imo­bi­liá­rio Do­nald Trump e a ex-se­na­do­ra do es­ta­do de No­va Ior­que Hil­lary Clin­ton - não co­la­bo­ra pa­ra apa­zi­guar os ner­vos dos mo­ra­do­res da cidade.

Mas a pos­si­bi­li­da­de de que os aten­ta­dos se­jam re­le­ga­dos à his­tó­ria pre­o­cu­pa aque­les no­va-ior­qui­nos pa­ra os quais os ata­ques re­pre­sen­tam boa par­te de sua vi­da quo­ti­di­a­na.

“O que re­al­men­te me dá me­do é que o 11/9 vi­re uma no­ta de ro­da­pé”, dis­se Scott Matty, 62, que tem can­cro. Os mé­di­cos vin­cu­la­ram a sua do­en­ça ao fac­to de ter re­tor­na­do ao tra­ba­lho no Bai­xo Ma­nhat­tan pou­cos di­as de­pois dos aten­ta­dos, quan­do o ar ain­da es­ta­va sa­tu­ra­do de po­ei­ra com subs­tân­ci­as can­ce­rí­ge­nas.

“O 11/9 não ter­mi­nou”, dis­se Matty à AFP. “As pes­so­as con­ti­nu­am a fi­car do­en­te, as pes­so­as con­ti­nu­am a mor­rer, ho­je, pe­lo que acon­te­ceu”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.