CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - CRIS­TI­NA DA SIL­VA | Pa­lan­ca

Co­lec­ta de di­nhei­ros

O es­ta­do las­ti­má­vel em que se en­con­tram mui­tos mer­ca­dos ou lo­cais de ven­da obri­ga a ques­ti­o­nar pa­ra on­de vai o di­nhei­ro co­lec­ta­do jun­to dos ven­de­do­res. Num Es­ta­do de Di­rei­to é nor­mal que os con­tri­buin­tes quei­ram sa­ber so­bre os des­ti­nos de de­ter­mi­na­das ver­bas. Co­mo de­ter­mi­na a pró­pria lei, o pa­ga­men­to de uma ta­xa faz-se na pers­pec­ti­va do ser­vi­ço ou bem a ela as­so­ci­a­da ser bem pres­ta­do. As ta­xas pa­gas no mercado por par­te dos ven­de­do­res são fei­tas na pers­pec­ti­va de que é pos­sí­vel me­lho­rar as­pec­tos co­mo a lim­pe­za do lo­cal, a re­co­lha do li­xo, a re­du­ção da cri­mi­na­li­da­de, en­tre ou­tros.

Afi­nal, sa­be-se que mes­mo em lo­cais que fo­ram trans­for­ma­dos em pra­ças, há uma en­ti­da­de que ad­mi­nis­tra o lo­cal de ven­da e que co­bra uma ta­xa a to­dos os ven­de­do­res. Era bom que par­te dos va­lo­res co­bra­dos ser­vis­se pa­ra re­gu­lar as ano­ma­li­as. Os mer­ca­dos co­nhe­ci­dos aqui de Lu­an­da ou os lo­cais cir­cun­dan­tes dos mes­mos e que aca­ba­ram trans­for­ma­dos em lo­cais de ven­da de­vi­am apre­sen­tar uma apa­rên­cia di­fe­ren­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.