DI­VER­SI­FI­CA­ÇÃO DA ECO­NO­MIA Ca­fé ga­nha for­ça en­tre as ex­por­ta­ções an­go­la­nas

Jornal de Angola - - ENTREVISTA - HELMA REIS |

No âm­bi­to do pro­gra­ma de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia an­go­la­na, o Exe­cu­ti­vo tem cri­a­do di­ver­sos pro­jec­tos e apos­ta­do em di­fe­ren­tes sec­to­res, pa­ra re­du­zir o dé­fi­ce re­sul­tan­te da que­da do pre­ço do pe­tró­leo. O ca­fé, que já foi das fon­tes de ren­di­men­tos, vol­ta a ser uma das apos­tas. Uma das pro­vas des­te in­te­res­se é o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Ca­fé de An­go­la (INCA), que lan­çou um pro­gra­ma pa­ra tri­pli­car a pro­du­ção ca­fe­ei­ra na­ci­o­nal. Ten­do em con­ta es­tes de­sa­fi­os e o fac­to de An­go­la ter si­do o quar­to mai­or ex­por­ta­dor des­te pro­du­to, a ní­vel mun­di­al, o en­tre­vis­tou o di­rec­tor-ge­ral da ins­ti­tui­ção, João Fer­rei­ra Ne­to, pa­ra sa­ber quais as ex­pec­ta­ti­vas e ini­ci­a­ti­vas pre­pa­ra­das pa­ra dar “vi­ta­li­da­de” ao sec­tor.

Jor­nal de An­go­la – Da­dos di­vul­ga­dos apon­tam pa­ra a pro­du­ção de 12 mil to­ne­la­das de ca­fé em 2015, ou se­ja, 20 ve­zes in­fe­ri­or à de 1974. Além da guer­ra, que ou­tros fac­to­res es­ti­ve­ram na ba­se des­sa que­da?

João Fer­rei­ra Ne­to

– De fac­to, em 1974, An­go­la che­gou a ex­por­tar mais de 250 mil to­ne­la­das de ca­fé co­mer­ci­al, ao pas­so que, em 2015, ti­ve­mos uma pro­du­ção de cer­ca de 10 mil to­ne­la­das, o que quer di­zer que es­ta­mos a pro­du­zir me­nos de dez por cen­to da pro­du­ção colonial. Um dos fac­to­res que con­tri­buí­ram pa­ra a bai­xa pro­du­ção do ca­fé foi a guer­ra, que atin­giu em mai­or pro­por­ção as zo­nas ca­feí­co­las.

Jor­nal de An­go­la – Que ou­tros fac­to­res es­tão as­so­ci­a­dos à ba­se da bai­xa de pro­du­ção de ca­fé?

João Fer­rei­ra Ne­to

– A mu­dan­ça do es­que­ma pro­du­ti­vo, por­que, no pe­río­do colonial, o ca­fé era pro­du­zi­do num es­que­ma que qua­se ro­ça­va o ser­ven­ti­lis­mo, ou se­ja, eram “con­tra­ta­dos”, que sai­am do Sul pa­ra o Nor­te de An­go­la, on­de pro­du­zi­am o ca­fé. A mu­dan­ça da ex­plo­ra­ção le­vou a uma re­du­ção drás­ti­ca da mão-de-obra. Por ou­tro la­do, du­ran­te mui­to tem­po, a pro­du­ção do ca­fé não foi ti­da co­mo uma das pri­o­ri­da­des do Es­ta­do.

Jor­nal de An­go­la – Po­de sus­ten­tar es­sa afir­ma­ção?

João Fer­rei­ra Ne­to

– Al­can­ça­da a paz, em 2002, a pri­o­ri­da­de era dar de co­mer às pes­so­as e a apos­ta in­ci­diu for­te­men­te na pro­du­ção de mi­lho, man­di­o­ca e fei­jão. O ca­fé pas­sou a ser uma cul­tu­ra de ren­di­men­to com pre­ços bai­xos. Por con­se­guin­te, te­ve um ar­ran­que mais len­to. Mes­mo as­sim, com o apoio do Exe­cu­ti­vo, em 2002, tí­nha­mos uma pro­du­ção de ca­fé de três mil to­ne­la­das por ano. Em 2015, es­tá­va­mos com uma pro­du­ção de 12 mil to­ne­la­das por ano. E, em 2016, se ca­lhar, te­re­mos mais de 17 mil to­ne­la­das.

Jor­nal de An­go­la – A que se de­ve es­te avan­ço?

João Fer­rei­ra Ne­to

– Até ao ano pas­sa­do, a ex­plo­ra­ção de pe­tró­leo pos­si­bi­li­ta­va uma mai­or ar­re­ca­da­ção de di­vi­sas. Não ha­via uma apos­ta na di­ver­si­fi­ca­ção tão for­te da eco­no­mia, co­mo acon­te­ce ac­tu­al­men­te. Ho­je, o ca­fé tor­nou-se mes­mo um ne­gó­cio. Por exem­plo, o qui­lo de ca­fé pas­sou de 50 kwan­zas, em 2015, pa­ra va­lo­res que ron­dam os 150 e os 200, em 2016. Por­tan­to, o ca­fé pas­sou a ser mes­mo um ne­gó­cio.

Jor­nal de An­go­la – Que ou­tras mu­dan­ças emer­gi­ram fa­ce à pro­cu­ra pe­lo ca­fé?

João Fer­rei­ra Ne­to

– Mui­tas das fa­zen­das que não eram cul­ti­va­das pas­sa­ram a sê-lo. No qua­dro do pro­gra­ma di­ri­gi­do de au­men­to da pro­du­ção e pro­mo­ção do ca­fé, acre­di­to que te­re­mos bons re­sul­ta­dos.

Jor­nal de An­go­la – O INCA tem pro­cu­ra­do fo­men­tar a pro­du­ção fa­mi­li­ar do ca­fé com o for­ne­ci­men­to de plan­tas. Que re­sul­ta­dos fo­ram ob­ti­dos até ago­ra?

João Fer­rei­ra Ne­to

– Há um pro­gra­ma de aqui­si­ção e dis­tri­bui­ção de mei­os pa­ra o ano agrí­co­la 2016-2017, que foi re­cen­te­men­te apro­va­do pe­la Co­mis­são pa­ra Eco­no­mia Re­al do Con­se­lho de Mi­nis­tros, que ori­en­ta o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Ca­fé a pro­du­zir cer­ca de 25 mi­lhões de mu­das de ca­fé. Foi apro­va­do cer­ca de um mil mi­lhão de kwan­zas pa­ra a efec­ti­va­ção do pro­gra­ma.

Jor­nal de An­go­la – Que pers­pec­ti­vas exis­tem?

João Fer­rei­ra Ne­to

– Se es­se di­nhei­ro for dis­po­ni­bi­li­za­do no pró­xi­mo ano, te­re­mos cer­ca de 25 mi­lhões de mu­das de ca­fé, o que sig­ni­fi­ca que te­ría­mos um au­men­to em mais de qui­nhen­tos a mil hec­ta­res de ca­fé com boa plan­ta­ção. O Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Ca­fé sem­pre tra­ba­lhou na pro­du­ção de mu­das, que não se res­trin­ge ao sec­tor fa­mi­li­ar, mas abran­ge pe­que­nas, João Fer­rei­ra da Cos­ta Ne­to dis­ser­ta so­bre as ex­pec­ta­ti­vas e ini­ci­a­ti­vas do sec­tor mé­di­as e gran­des em­pre­sas. Im­por­ta re­fe­rir aqui tam­bém o en­ga­ja­men­to de al­guns go­ver­na­do­res pro­vin­ci­ais, no­me­a­da­men­te de Ben­gue­la, Cu­an­za Sul e do Bié, que tam­bém apos­ta­ram no fo­men­to da pro­du­ção de mu­das de ca­fé em al­guns mu­ni­cí­pi­os.

Jor­nal de An­go­la – A ca­fei­cul­tu­ra exi­ge uma for­ça de tra­ba­lho enor­me e per­ma­nen­te. Apon­ta-se co­mo saí­da a me­ca­ni­za­ção. É um ca­mi­nho se­gu­ro?

João Fer­rei­ra Ne­to

– De fac­to, o sec­tor do ca­fé ab­sor­ve mui­ta mão-de-obra. E o que se pre­ten­de trans­mi­tir aos em­pre­sá­ri­os do sec­tor do ca­fé é a adop­ção de uma agri­cul­tu­ra du­al, ou se­ja, não con­vém ter uma agri­cul­tu­ra in­ten­si­va em ca­pi­tais, que é cha­ma­da de agri­cul­tu­ra mi­ni­mi­za­do­ra de mão­de-obra. O que te­mos de pro­cu­rar é a ren­ta­bi­li­da­de do pro­ces­so re­pro­du­ti­vo. Por exem­plo: se eu em­pre­go dez pes­so­as e con­se­guir ti­rar lu­cros pa­ra pa­gar vin­te, en­tão, pos­so em­pre­gar dez pes­so­as por­que es­ta his­tó­ria de que não há mão-de­o­bra não é ver­da­de até por­que, no sec­tor fa­mi­li­ar, a mão-de-obra é da fa­mí­lia com al­gum com­ple­men­to nos pe­di­dos de con­ta.

Jor­nal de An­go­la – Quais são as zo­nas on­de a in­tro­du­ção da me­ca­ni­za­ção po­de ser um fac­to? João Fer­rei­ra Ne­to

– Pa­ra as re­giões do pla­nal­to cen­tral, on­de en­con­tra­mos os mu­ni­cí­pi­os da Gan­da, An­du­lo, Nha­rea, Cas­son­gue, no Cu­an­za Sul, Mus­sen­de, Ca­lu­quem­be, Ca­con­da, Chi­cu­ma e em al­guns pon­tos na pro­vín­cia do Hu­am­bo, Cu­an­za Nor­te, Uíge e Bengo, é pos­sí­vel a in­tro­du­ção de uma com­po­nen­te de me­ca­ni­za­ção, o que não acon­te­ce nas zo­nas mui­to mon­ta­nho­sas, on­de a ca­fei­cul­tu­ra é fei­ta com a uti­li­za­ção de mui­ta mão-de-obra.

Jor­nal de An­go­la – En­con­trá­mos al­gu­mas re­fe­rên­ci­as dís­pa­res em re­la­ção às re­cei­tas ob­ti­das pe­lo país com a ex­por­ta­ção de ca­fé nos úl­ti­mos anos. Gos­ta­ría­mos que nos pon­tu­a­li­zas­se a es­se res­pei­to.

João Fer­rei­ra Ne­to

– Mui­to do nos­so ca­fé saía do país sem a de­vi­da fis­ca­li­za­ção das au­to­ri­da­des, tu­do por­que as nos­sas fron­tei­ras são mui­to per­mis­si­vas. Só pa­ra se ter uma ideia, em 2013, fo­ram ar­re­ca­da­dos cer­ca 650 mil dó­la­res com a ex­por­ta­ção do ca­fé pa­ra, em 2015, os re­sul­ta­dos ron­da­rem cer­ca de dois mi­lhões de dó­la­res saí­dos de Lu­an­da. Nes­te ca­so, ve­ri­fi­cou-se uma va­ri­a­ção de 52 por cen­to de 2014 pa­ra 2015. Fe­liz­men­te, ho­je, com a Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria, o con­tro­le é ca­da vez mais efi­caz nas fron­tei­ras do Lu­vo, Ma­que­la do Zom­bo, Cu­ne­ne e Por­to de Lu­an­da, bem co­mo na­que­las zo­nas que es­tão no li­mi­te da ex­plo­ra­ção do ca­fé, de on­de o pro­du­to saía em pe­que­nas quan­ti­da­des pa­ra ou­tros paí­ses.

Jor­nal de An­go­la – Acre­di­ta que, com a ri­go­ro­si­da­de na fis­ca­li­za­ção, o nú­me­ro de ex­por­ta­ções do ca­fé po­de au­men­tar?

João Fer­rei­ra Ne­to

– Acre­di­to que, com a for­te pro­cu­ra do ca­fé que se tem vin­do a re­gis­tar, e de­vi­do à ca­rên­cia de di­vi­sas e à di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, o nú­me­ro de ex­por­ta­ções po­de au­men­tar pa­ra dez mi­lhões de dó­la­res, is­to é, se afi­na­do o me­ca­nis­mo de con­tro­lo nas prin­ci­pais fron­tei­ras e por­tos.

Jor­nal de An­go­la – Os pre­ços do ca­fé no pro­du­tor têm re­gis­ta­do li­gei­ra su­bi­da. É uma ten­dên­cia na­tu­ral do mercado ou há sub­sí­di­os do Es­ta­do nes­se sen­ti­do?

João Fer­rei­ra Ne­to

– De­vi­do à es­cas­sez de dó­la­res no mercado e não só, es­te ano, a pro­cu­ra do ca­fé é mai­or. O pre­ço mí­ni­mo do ca­fé ma­bu­ba, que é co­mer­ci­a­li­za­do com cas­ca, va­ria de150 a 250 kwan­zas, o ca­fé ará­bi­ca tam­bém es­tá a ser ven­di­do a 250 e pa­ra o ca­fé co­mer­ci­al, que é o des­cas­ca­do, os pre­ços va­ri­am en­tre os 400 e 500 kwan­zas o qui­lo. Os pre­ços tri­pli­ca­ram de um ano pa­ra o ou­tro e is­to ani­ma o pro­du­tor, tan­to que ho­je se ve­ri­fi­ca cer­ta di­fi­cul­da­de em en­con­trar-se ca­fé por­que al­guns co­mer­ci­an­tes pas­sa­ram a fa­zer cré­di­to de co­lhei­ta, is­to é, pa­gam a co­lhei­ta an­tes mes­mo de o pro­du­tor co­lher. Is­so é mui­to bom. O ca­fé dei­xou de ser um ne­gó­cio de tra­di­ção pa­ra ser um ne­gó­cio de fac­to, on­de to­dos ga­nham, quer os pro­du­to­res, quer os in­ter­me­diá­ri­os e ex­por­ta­do­res.

Jor­nal de An­go­la – Quais são os prin­ci­pais im­por­ta­do­res do nos­so ca­fé?

João Fer­rei­ra Ne­to

– O ca­fé an­go­la­no co­me­ça a che­gar até aos Es­ta­dos Uni­dos. Vai pa­ra Es­pa­nha, Ale­ma­nha, Fran­ça, Itá­lia, Por­tu­gal, Ho­lan­da e Lí­ba­no. Ho­je, há uma gran­de pres­são do Mé­dio Ori­en­te. A Rús­sia tam­bém co­me­ça a pres­si­o­nar o ca­fé an­go­la­no. Te­mos pou­co ca­fé pa­ra o mercado in­ter­na­ci­o­nal, mas, com o pro­gra­ma do Exe­cu­ti­vo, que tem co­mo ob­jec­ti­vo o au­men­to da pro­du­ção do ca­fé, e com a pro­gra­ma­ção de afec­ta­ção de mei­os, a mé­dio-pra­zo, o sec­tor do ca­fé po­de res­sur­gir.

JAIMAGENS

O ca­fé dei­xou de ser um ne­gó­cio de tra­di­ção pa­ra ser um ne­gó­cio de fac­to on­de to­dos ga­nham quer os pro­du­to­res quer os in­ter­me­diá­ri­os

M.MACHANGONGO

M.MACHANGONGO

Mui­to do nos­so ca­fé saía do país sem a de­vi­da fis­ca­li­za­ção das au­to­ri­da­des an­go­la­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.