Ti­mor-Les­te le­va Aus­trá­lia a tri­bu­nal in­ter­na­ci­o­nal

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JOHN HOP­KINS |

A lu­ta pe­la de­fi­ni­ção das fron­tei­ras de Ti­mor-Les­te con­ti­nua e che­gou ago­ra a Haia. Abriu se­gun­da­fei­ra a Co­mis­são de Con­ci­li­a­ção so­li­ci­ta­da pe­lo Go­ver­no de Di­li pa­ra ten­tar for­çar a Aus­trá­lia a ne­go­ci­ar a delimitação das fron­tei­ras ma­rí­ti­mas en­tre os dois paí­ses.

O Go­ver­no de Cam­ber­ra tem re­cu­sa­do ne­go­ci­ar fron­tei­ras com Ti­morLes­te, in­sis­tin­do que os acor­dos pre­vi­a­men­te as­si­na­dos con­ti­nu­am em vi­gor. Di­li não con­cor­da. O ex-pre­si­den­te Xa­na­na Gus­mão, ac­tu­al mi­nis­tro do Pla­ne­a­men­to e De­sen­vol­vi­men­to Es­tra­té­gi­co, ga­ran­te que o acor­do as­si­na­do em 2002 era tem­po­rá­rio e que foi re­a­li­za­do nu­ma al­tu­ra con­tur­ba­da pa­ra Ti­mor-Les­te.

“Ti­mor não ti­nha na­da, as nos­sas gen­tes ti­nham si­do mas­sa­cra­das, mais de 90 por cen­to da nos­sa in­fra-es­tru­tu­ra foi quei­ma­da. Não tí­nha­mos di­nhei­ro e éra­mos obri­ga­dos a ca­da seis me­ses a pe­dir es­mo­la à co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal pa­ra os ser­vi­ços mais bá­si­cos”, afir­mou na ses­são de aber­tu­ra da Co­mis­são de Con­ci­li­a­ção.

Em 2002, Ti­mor-Les­te as­si­nou com a Aus­trá­lia o Tra­ta­do do Mar de Ti­mor, que pre­via que 90 por cen­to das re­cei­tas pro­ve­ni­en­tes da ex­plo­ra­ção con­jun­ta fos­sem en­tre­gues a Di­li. Em 2006 foi as­si­na­do um no­vo tra­ta­do: o Tra­ta­do so­bre Cer­tos Ajus­tes no Mar de Ti­mor (Cer­tain Ma­ri­ti­me Ar­ran­ge­ments in the Ti­mor Sea – CMATS).

Es­te pre­vê que se­ja adi­a­da por 50 anos a de­fi­ni­ção das fron­tei­ras ma­rí­ti­mas en­tre Ti­mor Les­te e a Aus­trá­lia, com Ti­mor Les­te a fi­car com 90 por cen­to das re­cei­tas pro­ve­ni­en­tes da ex­plo­ra­ção de pe­tró­leo na re­gião. Di­li con­tes­ta ago­ra es­te acor­do, de­pois de se ter des­co­ber­to que Cam­ber­ra es­ta­va a es­pi­ar os ga­bi­ne­tes do Go­ver­no ti­mo­ren­se en­quan­to de­cor­ri­am as ne­go­ci­a­ções.

“Não sa­bía­mos na al­tu­ra que, sob co­ber­tu­ra de aju­da hu­ma­ni­tá­ria, Cam­ber­ra ins­ta­lou equi­pa­men­to de es­cu­ta nos ga­bi­ne­tes do Go­ver­no pa­ra o es­pi­ar du­ran­te as ne­go­ci­a­ções des­se acor­do”, re­cor­dou Xa­na­na em Haia.

Aus­trá­lia con­tes­ta

A Aus­trá­lia ale­ga que o acor­do es­tá em vi­gor e cri­ti­ca o fac­to de Di­li ter ini­ci­a­do um pro­ce­di­men­to de con­ci­li­a­ção obrigatória pa­ra que Cam­ber­ra se­ja for­ça­da a ne­go­ci­ar fron­tei­ras ma­rí­ti­mas per­ma­nen­tes.

“Es­ta­mos aqui por­que Ti­morLes­te quer ago­ra um acor­do di­fe­ren­te. A Co­mis­são não de­ve ig­no­rar o tra­ta­do só por­que uma das par­tes ago­ra quer ou­tra coi­sa”, afir­mou Gary Quin­lan, re­pre­sen­tan­te da Aus­trá­lia, na ses­são de aber­tu­ra da co­mis­são.

Cam­ber­ra ale­ga mes­mo que Haia não tem com­pe­tên­cia pa­ra o as­sun­to, uma vez que o pro­ce­di­men­to “vi­o­la o tra­ta­do CMATS de 2006 com ba­se nos quais dois paí­ses se com­pro­me­te­ram a não apre­sen­tar pro­ces­sos so­bre fron­tei­ras”.

A Aus­trá­lia não acei­ta os ar­gu­men­tos apre­sen­ta­dos por Ti­morLes­te pa­ra ques­ti­o­nar a va­li­da­de do CMATS, afir­man­do mes­mo que foi Ti­mor-Les­te quem não quis de­li­mi­tar fron­tei­ras e pri­o­ri­zar uma “so­lu­ção cri­a­ti­va”.

Cam­ber­ra man­tém que a co­mis­são não tem ju­ris­di­ção pa­ra tra­tar es­te as­sun­to, e ga­ran­te que qual­quer de­ci­são que ve­nha a ser to­ma­da não vin­cu­la­rá o Es­ta­do aus­tra­li­a­no.

Sus­pen­são do tra­ta­do

Ti­mor-Les­te ad­mi­tiu já que po­de avan­çar com a sus­pen­são uni­la­te­ral do CMATS. O ju­ris­ta Vaughan Lowe, um dos ele­men­tos que acom­pa­nha Di­li nes­ta ques­tão, afir­ma que es­te foi “pre­pa­ra­do co­mo um acor­do tem­po­rá­rio, pen­den­te de acor­dos per­ma­nen­tes”.

Em Haia, Lowe re­fe­riu que o prin­ci­pal ob­jec­ti­vo des­te acor­do, as­si­na­do em 2006, era o de­sen­vol­vi­men­to do po­ço pe­tro­lí­fe­ro de Sun­ri­se, que nun­ca se con­cre­ti­zou.

“O CMTS fa­lhou co­mo tra­ta­do”, fri­sou. O ju­ris­ta in­sis­tiu que o tra­ta­do iria dei­xar de ser apli­ca­do em bre­ve, apon­tan­do que Di­li pre­fe­re que o pro­ces­so se­ja fei­to em diá­lo­go com a Aus­trá­lia.

Na ses­são de aber­tu­ra da Co­mis­são, Xa­na­na Gus­mão la­men­tou que a Aus­trá­lia con­ti­nue “a vi­rar as cos­tas ao di­rei­to in­ter­na­ci­o­nal”, ga­ran­tin­do que não es­tá em Haia pa­ra “pe­dir fa­vo­res ou tra­ta­men­to es­pe­ci­al”.

“Vi­e­mos pa­ra pe­dir os nos­sos di­rei­tos na lei in­ter­na­ci­o­nal. Até eu, edu­ca­do na flo­res­ta e na pri­são, en­ten­do a jus­ti­ça bá­si­ca de sen­ti­do co­mum: a lei di­ta que a fron­tei­ra en­tre dois paí­ses de­ve fi­car a meio ca­mi­nho en­tre eles”. Tam­bém se­gun­da-fei­ra, o Go­ver­no de Ti­morLes­te apre­sen­tou um do­cu­men­to po­lí­ti­co em que de­fen­de a delimitação das fron­tei­ras ma­rí­ti­mas.

O Exe­cu­ti­vo de Rui Ma­ria de Araújo con­si­de­ra que es­te é um pas­so fi­nal pa­ra a so­be­ra­nia do país, ar­gu­men­tan­do que a in­de­fi­ni­ção “cria in­cer­te­za”, com im­pac­tos em sec­to­res co­mo a se­gu­ran­ça, a pes­ca e ex­plo­ra­ção dos demais re­cur­sos ma­rí­ti­mos.

“Não in­te­res­sa se exis­tem ape­nas cro­co­di­los e ca­ran­gue­jos no Mar de Ti­mor-Les­te. Pa­ra nós, tra­ta-se de uma ques­tão de prin­cí­pio e de so­be­ra­nia”, de­fen­de Di­li.

Es­ta é uma re­gião ri­ca em re­cur­sos: pe­tró­leo e gás na­tu­ral.

Ti­mor-Les­te ar­gu­men­ta que a fron­tei­ra en­tre os dois paí­ses de­ve­ria ser uma li­nha equi­dis­tan­te en­tre os dois ter­ri­tó­ri­os. Uma pro­pos­ta que co­lo­ca­ria a lar­ga mai­o­ria dos re­cur­sos na­tu­rais sob sua al­ça­da.

Em cau­sa es­tá o con­tro­lo de uma área on­de se es­ti­ma es­ta­rem mais de 35 mil mi­lhões de eu­ros em pe­tró­leo e gás na­tu­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.