No­vo ces­sar-fo­go en­tra em vi­gor nos pró­xi­mos di­as

Es­ta­dos Uni­dos e Rús­sia es­ta­be­le­ce­ram os me­ca­nis­mos ope­ra­ci­o­nais no ter­re­no

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Es­ta­dos Uni­dos e Rús­sia anun­ci­a­ram on­tem que che­ga­ram sex­ta-fei­ra a acor­do pa­ra ces­sar-fo­go na Sí­ria, que en­tra em vi­gor no dia 12 e com­pre­en­de a pa­ra­li­sa­ção de to­das as ope­ra­ções de com­ba­te, in­cluin­do os ata­ques aé­re­os.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos EUA, John Ker­ry, anun­ci­ou que após um pe­río­do de se­te di­as de res­pei­to da tré­gua os dois paí­ses pre­pa­ra­ram ata­ques co­or­de­na­dos con­tra po­si­ções dos gru­pos Fren­te Al Nus­ra e Es­ta­do Is­lâ­mi­co. O acor­do in­di­ca que, pa­ra­le­la­men­te, a aju­da hu­ma­ni­tá­ria de­ve co­me­çar a en­trar de for­ma re­gu­lar em to­das as ci­da­des as­se­di­a­das na Sí­ria, o que com a re­du­ção da vi­o­lên­cia foi uma con­di­ção pa­ra que a opo­si­ção sí­ria se rein­cor­po­re nas ne­go­ci­a­ções de paz chan­ce­la­das pe­la ONU.

Em par­ti­cu­lar es­tá o ca­so de Alep­po e o com­pro­mis­so de que to­das as par­tes se vão re­ti­rar da es­tra­da de Cas­tel­lo, uma das prin­ci­pais vi­as de aces­so à cidade e em tor­no da qual se­rá cri­a­da uma zo­na des­mi­li­ta­ri­za­da, per­mi­tin­do a re­to­ma­da do trá­fe­go de ci­vis e a pas­sa­gem de aju­da hu­ma­ni­tá­ria. John Ker­ry des­cre­veu o re­sul­ta­do de me­ses de ne­go­ci­a­ções en­tre equi­pas mi­li­ta­res e di­plo­má­ti­cas dos dois paí­ses co­mo um pla­no que po­de trans­for­mar-se num pon­to de in­fle­xão pa­ra a Sí­ria, após cin­co anos e meio de guer­ra ci­vil que ge­rou 400 mil mor­tes.

Es­te acor­do é o de mai­or al­can­ce já fei­to e o go­ver­no nor­te-ame­ri­ca­no es­tá con­ven­ci­do de que a Rús­sia tem ca­pa­ci­da­de de pres­si­o­nar as au­to­ri­da­des sí­ri­as pa­ra con­ter o con­fli­to e ne­go­ci­ar uma saí­da po­lí­ti­ca da cri­se mi­li­tar. “Anun­ci­a­mos um acer­to ca­paz de ser man­ti­do, mas is­so de­pen­de das de­ci­sões que fo­rem to­ma­das tan­to pe­lo go­ver­no co­mo pe­la opo­si­ção pa­ra res­pei­tar as su­as obri­ga­ções”, de­cla­rou Ker­ry à im­pren­sa após lon­gas ho­ras de ne­go­ci­a­ções com o mi­nis­tro rus­so dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros.

So­bre os acor­dos iné­di­tos al­can­ça­dos na sex­ta-fei­ra, Ker­ry dis­se que as for­ças go­ver­na­men­tais não po­dem re­a­li­zar mis­sões de com­ba­te em áre­as on­de os gru­pos de opo­si­ção es­tão, as quais fo­ram iden­ti­fi­ca­das com gran­de pre­ci­são.

“As­sim que es­te acor­do es­ti­ver ple­na­men­te em vi­gor, o go­ver­no sí­rio não po­de fa­zer no fu­tu­ro o que fez no pas­sa­do, ou se­ja, ir atrás da Al Nus­ra, o que é le­gí­ti­mo, mas na re­a­li­da­de é ata­car a opo­si­ção mo­de­ra­da”, dis­se. Pa­ra os EUA, es­se as­pec­to é “a pe­dra fun­da­men­tal” do acor­do, já que os ata­ques das for­ças go­ver­na­men­tais fo­ram as vi­o­la­ções mais fre­quen­tes da tré­gua es­ti­pu­la­da no fi­nal de Fe­ve­rei­ro e que só se man­te­ve por al­gu­mas se­ma­nas.

O mi­nis­tro rus­so das Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, Ser­gey La­vrov, ex­pli­cou que, se­te di­as de­pois da en­tra­da em vi­gor da tré­gua, o seu país e os EUA vão ini­ci­ar uma su­per­vi­são con­jun­ta e co­me­çar a com­par­ti­lhar in­for­ma­ções de in­te­li­gên­cia so­bre as mo­vi­men­ta­ções e ope­ra­ções das par­tes em con­fli­to. Uma das fun­ções prin­ci­pais é “de­li­ne­ar e se­pa­rar as áre­as on­de es­tá a Fren­te Al Nus­ra das que são ocu­pa­das pe­los gru­pos re­bel­des sí­ri­os con­si­de­ra­dos mo­de­ra­dos e que em al­gu­mas oca­siões foi pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel de se­rem di­fe­ren­ci­a­das”. A de­ci­são de ata­car a Al Nus­ra é uma de­ci­são dos Es­ta­dos Uni­dos de eli­mi­nar as or­ga­ni­za­ções fi­li­a­das à Al Qa­e­da na Sí­ria.

Ata­que a Alep­po

Pe­lo me­nos se­te pes­so­as mor­re­ram on­tem e ou­tras 24 fi­ca­ram fe­ri­das ví­ti­mas de pro­jéc­teis nu­ma zo­na sob con­tro­lo go­ver­na­men­tal no bair­ro de Al Sa­lah ad-Din, na cidade sí­ria de Alep­po, se­gun­do a agên­cia de no­tí­ci­as ofi­ci­al Sa­na.Uma fon­te da po­lí­cia de Alep­po, ci­ta­da pe­la agên­cia, ga­ran­tiu que en­tre os mor­tos há cri­an­ças e que fo­ram or­ga­ni­za­ções ter­ro­ris­tas as au­to­ras do ata­que a ci­vis. O Ob­ser­va­tó­rio Sí­rio de Di­rei­tos Hu­ma­nos ele­vou pa­ra oi­to mor­tos, dos quais qu­a­tro cri­an­ças, e 30 fe­ri­dos, nou­tro ata­que em Al Sa­lah ad-Din. A ONG lem­brou que es­te ata­que ocor­re de­pois de pe­lo me­nos se­te pes­so­as te­rem mor­ri­do de­vi­do a um bom­bar­de­a­men­to de aviões de guer­ra de ori­gem des­co­nhe­ci­da con­tra o mes­mo bair­ro.

Além dis­so, he­li­cóp­te­ros mi­li­ta­res lan­ça­ram bar­ris de ex­plo­si­vos con­tra as ime­di­a­ções do hos­pi­tal Al-Kin­di, no nor­te da cidade.

Alep­po, a mai­or cidade do nor­te da Sí­ria, é pal­co de com­ba­tes en­tre os sol­da­dos go­ver­na­men­tais e fac­ções re­bel­des e is­lâ­mi­cas.

As for­ças ar­ma­das to­ma­ram o es­tra­té­gi­co bair­ro de Al Ra­mu­sa, no su­do­es­te, e vol­ta­ram a im­por um cer­co aos dis­tri­tos ori­en­tais.

Van­ta­gem tác­ti­ca

O Exér­ci­to da Sí­ria e seus ali­a­dos re­cu­pe­ra­ram o con­tro­lo de to­do o bair­ro de Ra­mou­sah, re­la­tou a im­pren­sa lo­cal, ca­pi­ta­li­zan­do um avan­ço tác­ti­co que per­mi­tiu im­por um cer­co a áre­as con­tro­la­das pe­los re­bel­des. O avan­ço vai anu­lar qua­se to­das as con­quis­tas ob­ti­das pe­los re­bel­des nu­ma ofen­si­va sú­bi­ta no mês pas­sa­do, in­ten­si­fi­car o blo­queio ao les­te de Alep­po, que es­tá nas mãos dos re­bel­des, e fa­ci­li­tar o aces­so do Exér­ci­to a bair­ros do oeste co­man­da­dos pe­lo go­ver­no atra­vés do sul da cidade.

A con­quis­ta de Alep­po tor­nou-se o fo­co tan­to do Pre­si­den­te sí­rio, Bashar al-As­sad, apoi­a­do por mi­lí­ci­as xi­i­tas do Ira­que e do Lí­ba­no, pe­la Guar­da Re­vo­lu­ci­o­ná­ria do Irão e pe­lo po­der aé­reo da Rús­sia, co­mo dos re­bel­des su­ni­tas com apoio sau­di­ta.

AFP

Se­cre­tá­rio de Es­ta­do nor­te-ame­ri­ca­no John Ker­ry e o mi­nis­tro rus­so dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros Ser­gey La­vrov es­tão con­fi­an­tes no acor­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.