Mi­lha­res de al­fa­be­ti­za­dos na pro­vín­cia

EDU­CA­ÇÃO NO CU­NE­NE Go­ver­no con­si­de­ra o ensino de adultos co­mo um gran­de de­sa­fio

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - ELAUTÉRIO SILIPULENI |

As sa­las de al­fa­be­ti­za­ção a ní­vel da pro­vín­cia do Cu­ne­ne con­ti­nu­am a re­gis­tar ca­da vez mais pes­so­as adul­tas com von­ta­de de apren­der a ler e a es­cre­ver, des­de a im­ple­men­ta­ção do Pla­no de Ace­le­ra­ção Es­co­lar (PAAE), re­co­nhe­ceu sex­ta-fei­ra o di­rec­tor pro­vin­ci­al em exer­cí­cio da Edu­ca­ção e Tec­no­lo­gia.

Ambrósio Hi­sin­du­a­va­li re­fe­riu que, des­de 2007, por exem­plo, um to­tal de 149.651 pes­so­as, en­tre ho­mens e mu­lhe­res, fo­ram al­fa­be­ti­za­das, atra­vés dos pro­gra­mas “Sim eu Pos­so” e “Gos­tar de Ler e Es­cre­ver”, com gran­de des­ta­que pa­ra a ade­são em mas­sa de mu­lhe­res.

O PAAE tem de­sem­pe­nha­do um pa­pel re­le­van­te na er­ra­di­ca­ção do anal­fa­be­tis­mo na re­gião e no au­men­to sis­te­má­ti­co do ní­vel aca­dé­mi­co da po­pu­la­ção adul­ta, nos úl­ti­mos dez anos.

Os nú­me­ros al­can­ça­dos re­flec­tem o com­pro­mis­so do Go­ver­no Pro­vin­ci­al na er­ra­di­ca­ção do anal­fa­be­tis­mo. Pa­ra al­can­çar es­te de­si­de­ra­to, as au­to­ri­da­des con­tam com 417 al­fa­be­ti­za­do­res de es­co­las pú­bli­cas, pri­va­das e igre­jas.

Ambrósio Hi­sin­du­a­va­li des­ta­cou igual­men­te que o pro­gra­ma de al­fa­be­ti­za­ção dos ci­da­dãos cons­ti­tui um fac­tor es­sen­ci­al e pro­mo­tor do de­sen­vol­vi­men­to da so­ci­e­da­de.

“É um pro­ces­so que fa­ci­li­ta os ci­da­dãos a pre­ve­nir e re­sol­ver con­fli­tos, as­sim co­mo con­tri­bui pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al e eco­nó­mi­co do pró­prio in­di­vi­duo”, sa­li­en­ta o res­pon­sá­vel pro­vin­ci­al.

As pes­so­as al­fa­be­ti­za­das têm mais pos­si­bi­li­da­des de in­ser­ção na so­ci­e­da­de e es­tão me­lhor ca­pa­ci­ta­das pa­ra en­fren­tar os de­sa­fi­os de de­sen­vol­vi­men­to de um país.

Re­sul­ta­dos no Lubango

Um to­tal de 14 mil ci­da­dãos adultos es­tão a apren­der a ler e a es­cre­ver, no mu­ni­cí­pio do Lubango, na pro­vín­cia da Huí­la, nos três mó­du­los do Pro­gra­ma de Al­fa­be­ti­za­ção e Ace­le­ra­ção Es­co­lar (PAAE), re­ve­lou sex­ta-fei­ra o che­fe da sec­ção mu­ni­ci­pal do sec­tor, Ventura Au­gus­to.

O res­pon­sá­vel dis­se que os mais de 14 mil in­di­ví­du­os es­tão a ser al­fa­be­ti­za­dos, atra­vés do pro­gra­ma “Sim eu Pos­so”.

Pa­ra ma­te­ri­a­li­zar o re­fe­ri­do pro­gra­ma, o che­fe de sec­ção de al­fa­be­ti­za­ção avan­çou que a ins­ti­tui­ção con­ta com 120 al­fa­be­ti­za­do­res que tra­ba­lham vo­lun­ta­ri­a­men­te, 119 ou­tros sub­si­di­a­dos e 64 pro­fes­so­res efec­ti­vos.

O res­pon­sá­vel apon­tou a ca­rên­cia de ma­te­ri­al di­dác­ti­co co­mo um dos gran­des obs­tá­cu­los pa­ra a im­ple­men­ta­ção do pro­gra­ma de al­fa­be­ti­za­ção. A ní­vel da pro­vín­cia da Huí­la, des­de 2015, fo­ram já al­fa­be­ti­za­dos 100.938 ci­da­dãos, re­ve­lou Ventura Au­gus­to.

A ní­vel da pro­vín­cia do Cu­an­za Sul, o di­rec­tor pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção, Cul­tu­ra, Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia, Fran­cis­co Jú­ni­or, re­a­fir­mou, na cidade do Sum­be, que a al­fa­be­ti­za­ção con­ti­nua a ser o prin­ci­pal de­sa­fio edu­ca­ti­vo, pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da so­ci­e­da­de.

O di­rec­tor fez es­sas de­cla­ra­ções du­ran­te a sua in­ter­ven­ção nu­ma pa­les­tra so­bre “A es­tra­té­gia pa­ra me­lho­rar a efi­ci­ên­cia e efi­cá­cia do pro­gra­ma de al­fa­be­ti­za­ção”.

For­ma­ção do ho­mem

Fran­cis­co Jú­ni­or sa­li­en­tou que o re­fe­ri­do pro­ces­so de apren­der a ler e a es­cre­ver cons­ti­tui uma eta­pa ini­ci­al no pro­ces­so for­ma­ti­vo dos adultos. Avan­çou ain­da que a al­fa­be­ti­za­ção per­mi­te aos adultos, que an­tes não sa­bi­am ler nem es­cre­ver, ad­qui­ri­rem co­nhe­ci­men­tos téc­ni­cos e ci­en­tí­fi­cos e te­rem uma cul­tu­ra ge­ral, es­sen­ci­ais pa­ra aju­da­rem no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to do país.

Em fun­ção dis­so, tam­bém con­si­de­rou a al­fa­be­ti­za­ção co­mo o prin­ci­pal de­sa­fio edu­ca­ti­vo en­fren­ta­do pe­los paí­ses em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to, vis­to que o anal­fa­be­tis­mo é um sé­rio en­tra­ve no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to das so­ci­e­da­des.

Fri­sou que o ín­di­ce de ci­da­dãos al­fa­be­ti­za­dos num país in­di­ca o seu ní­vel de pro­gres­so, uma vez que quan­to mais pes­so­as ins­truí­das, mai­or é o de­sen­vol­vi­men­to da re­gião. O di­rec­tor sa­li­en­tou que o pro­gra­ma de com­ba­te ao anal­fa­be­tis­mo no país con­ta com o apoio de vá­ri­os par­cei­ros so­ci­ais co­mo igre­jas, par­ti­dos po­lí­ti­cos e as­so­ci­a­ções cí­vi­cas, en­tre ou­tras or­ga­ni­za­ções.

EDU­AR­DO PE­DRO

Sa­las de al­fa­be­ti­za­ção con­ti­nu­am a re­gis­tar ade­são mas­si­va de pes­so­as adul­tas ávi­das de apren­der a ler e a es­cre­ver

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.