Pro­jec­to-pi­lo­to faz sen­si­bi­li­za­ção con­tra aci­den­tes

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

O co­or­de­na­dor do pro­jec­to-pi­lo­to Paz nas Es­tra­das, da or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal Aju­da de De­sen­vol­vi­men­to de Po­vo pa­ra Po­vo (ADPP), dis­se on­tem, em Lu­an­da, que es­tá em cur­so, des­de o iní­cio do ano, um tra­ba­lho de sen­si­bi­li­za­ção, em 25 es­co­las da ca­pi­tal, so­bre a pre­ven­ção da si­nis­tra­li­da­de ro­do­viá­ria.

An­drew Pa­mu­chiu­se in­for­mou que se tra­ta de es­co­las pri­má­ri­as e se­cun­dá­ri­as e que o tra­ba­lho con­ta com o apoio de 116 pro­fes­so­res. Os alu­nos são in­for­ma­dos so­bre os cui­da­dos a ter ao atra­ves­sar a es­tra­da, a pre­ven­ção da si­nis­tra­li­da­de ro­do­viá­ria e as con­sequên­ci­as dos aci­den­tes.

O pro­jec­to-pi­lo­to tem a du­ra­ção de dois anos e te­ve iní­cio nos mu­ni­cí­pi­os de Vi­a­na e Be­las, com o ob­jec­ti­vo de atin­gir, pos­te­ri­or­men­te, to­da a pro­vín­cia de Lu­an­da.

“De mo­men­to, a par­ce­ria que te­mos é com a Che­vron e o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, mas que­re­mos en­vol­ver to­da a gen­te nes­ta ac­ção. Vo­cê po­de ser um mo­to­ris­ta, peão ou pas­sa­gei­ro, o que sig­ni­fi­ca que, de qual­quer for­ma, es­tá en­vol­vi­do na si­tu­a­ção do trânsito”, ex­pli­cou An­drew Pa­mu­chiu­se.

A in­for­ma­ção, re­fe­riu, não po­de ser pas­sa­da só pa­ra as cri­an­ças nas es­co­las, mas tam­bém pa­ra a co­mu­ni­da­de. “O que que­re­mos é mu­dar o com­por­ta­men­to das pes­so­as pa­ra que, nos pró­xi­mos anos, se crie um com­por­ta­men­to po­si­ti­vo so­bre a si­nis­tra­li­da­de ro­do­viá­ria.”

AADPP e a Che­vron pen­sa­ram em le­var a ca­bo es­te pro­jec­to “por­que no país a se­gun­da mai­or cau­sa de mor­te são os aci­den­tes ro­do­viá­ri­os e, se não se fi­zer al­go, a si­tu­a­ção po­de pi­o­rar no fu­tu­ro”, dis­se An­drew Pa­mu­chiu­se.

O Go­ver­no da pro­vín­cia do Na­mi­be pro­ce­deu à en­tre­ga, na sex­ta-fei­ra, de 1.174 lo­tes de ter­re­no a fa­mí­li­as que ac­tu­al­men­te vi­vem em zo­nas de ris­co, pa­ra a cons­tru­ção de re­si­dên­ci­as no bair­ro Boa Es­pe­ran­ça, na cidade de Mo­çâ­me­des.

No ac­to de en­tre­ga dos ter­re­nos, com 400 a 600 me­tros qua­dra­dos, o go­ver­na­dor pro­vin­ci­al do Na­mi­be, Rui Fal­cão, ga­ran­tiu que o Go­ver­no vai cons­truir, no lo­cal, es­co­las, cen­tros de saú­de, es­qua­dra po­li­ci­al, sis­te­ma de tra­ta­men­to e dis­tri­bui­ção de água, lo­jas, cam­po des­por­ti­vo po­li­va­len­te, en­tre ou­tros equi­pa­men­tos so­ci­ais.

Rui Fal­cão ape­lou aos be­ne­fi­ciá­ri­os a não caí­rem no er­ro de ven­de­rem os ter­re­nos que re­ce­be­ram gra­tui­ta­men­te. “Sai­bam apro­vei­tar es­ta opor­tu­ni­da­de, fa­çam cons­tru­ções nos lo­cais apro­pri­a­dos, não acei­tem se­rem en­ga­na­dos, nin­guém es­tá au­to­ri­za­do a ven­der os ter­re­nos. Sem dú­vi­das apa­re­ce­rão pes­so­as en­ga­na­do­ras com a po­lí­ti­ca de ven­da de par­ce­las com pre­ços ele­va­dos, sem do­cu­men­tos pre­vis­tos. Se is­so acon­te­cer, de­nun­ci­em. E quem com­prar pres­ta­rá con­tas à ad­mi­nis­tra­ção”, sa­li­en­tou o go­ver­na­dor.

Ma­ria Jam­ba, uma das be­ne­fi­ciá­ri­as, mos­trou-se sa­tis­fei­ta com o ges­to das au­to­ri­da­des e pe­diu ao Go­ver­no pa­ra le­var a ca­bo ac­ções do gé­ne­ro nou­tras lo­ca­li­da­des da pro­vín­cia, “de mo­do a ofe­re­cer me­lho­res con­di­ções à po­pu­la­ção que tan­to so­nha e es­pe­ra ter uma re­si­dên­cia pró­pria e con­dig­na”.

A sen­sa­ção ex­pri­mi­da pe­la ge­ne­ra­li­da­de dos be­ne­fi­ci­a­dos com os ter­re­nos é de sa­tis­fa­ção e con­fi­an­ça de que, es­tan­do nu­ma área se­gu­ra, po­dem cons­truir a sua pró­pria re­si­dên­cia e vi­ver com a fa­mí­lia sem ne­nhum pe­ri­go de vi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.