Apos­ta na for­ma­ção cria mais em­pre­go

Es­ta­do in­ves­te 800 mil kwan­zas pa­ra ca­da for­man­do o que tem mu­da­do a vi­da de mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas

Jornal de Angola - - PARTADA -

Nos úl­ti­mos cin­co anos a fun­ção pú­bli­ca re­gis­tou 350 mil tra­ba­lha­do­res e fo­ram cri­a­dos 1.200 pos­tos de tra­ba­lho. Os sec­to­res de ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca que mais ge­ra­ram em­pre­gos são os Trans­por­tes, com 232.074 lu­ga­res, Co­mér­cio, com 206.839, Ener­gia e Águas, com 164.445 e Ho­te­la­ria e Tu­ris­mo, com 72.005.

Os re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos do Cen­so lan­ça­dos em Mar­ço des­te ano de­fi­nem que a po­pu­la­ção eco­no­mi­ca­men­te ac­ti­va co­me­ça no pa­ta­mar dos 15 anos. Em 2004, a ta­xa de ocu­pa­ção era de 53 por cen­to, sen­do 61 por cen­to pa­ra os ho­mens e 45 por cen­to pa­ra as mu­lhe­res. Ge­o­gra­fi­ca­men­te, a pro­vín­cia do Cuanza Sul tem a ta­xa mais ele­va­da, com 62 por cen­to, se­gui­da por Ma­lan­je com 60 por cen­to. Lun­da Sul e Cu­ne­ne apre­sen­tam as me­no­res ta­xas de ocu­pa­ção, com 38 e 39 por cen­to, res­pec­ti­va­men­te.

Da­dos do Cen­so re­ve­lam que 42,2 por cen­to da po­pu­la­ção ac­ti­va tra­ba­lha no sec­tor pri­má­rio, que in­clui a Agri­cul­tu­ra, Pro­du­ção Ani­mal, Ca­ça, Flo­res­tas e Pes­ca.

O sec­tor se­cun­dá­rio dá ocu­pa­ção a 6,1 por cen­to, nos sec­to­res da In­dús­tria, Cons­tru­ção, Ener­gia e Águas. O sec­tor ter­ciá­rio em­pre­ga 26,2 por cen­to da po­pu­la­ção ac­ti­va nos Trans­por­tes, Co­mu­ni­ca­ções, Co­mér­cio, Fi­nan­ças e ser­vi­ços ad­mi­nis­tra­ti­vos. Em 2014, a ta­xa de em­pre­go em An­go­la foi de 40 por cen­to. As pro­vín­ci­as do Cuanza Sul e Ma­lan­je apre­sen­tam as ta­xas mais al­tas.

A Agri­cul­tu­ra e a Pes­ca são as ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas que ge­ram mais em­pre­go no país, com 70 por cen­to de ocu­pa­ção, con­cen­tran­do-se so­bre­tu­do na pro­vín­cia do Cuanza Sul.

Com a cri­a­ção do Ins­ti­tu­to de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal (INEFOP), o dé­fi­ce do de­sem­pre­go nos jo­vens tem di­mi­nuí­do subs­tan­ci­al­men­te. Fo­ram re­gis­ta­dos mais de 234.744 for­man­dos e des­tes, 196.884 ter­mi­na­ram os cur­sos com sucesso nas 111 especialidades mi­nis­tra­das. Pa­ra ca­da jo­vem for­ma­do em cen­tros pro­fis­si­o­nais, o Es­ta­do gas­ta 800 mil kwan­zas.

O pla­no de for­ma­ção tem co­mo ob­jec­ti­vo con­ce­ber e exe­cu­tar as po­lí­ti­cas do em­pre­go e de for­ma­ção, pa­ra acom­pa­nhar o de­sen­vol­vi­men­to do país. O Sis­te­ma Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal cri­ou um to­tal de 595 cen­tros de for­ma­ção a ní­vel do país, con­tro­la­dos por or­ga­ni­za­ções pri­va­das e es­ta­tais. dos quais 140 são sus­ten­ta­dos pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Em­pre­go e For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal. O Sis­te­ma Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal é um ins­tru­men­to que es­tá sob a ges­tão do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al (MAPTSS). Os pro­gra­mas de for­ma­ção es­tão sub­di­vi­di­dos em bri­ga­das e fo­ram cri­a­dos pa­ra aju­dar a com­ba­ter a de­linquên­cia ju­ve­nil e im­pul­si­o­nar o em­pre­en­de­do­ris­mo que dá pos­si­bi­li­da­de aos jo­vens de cri­a­rem a su­as pró­pri­as em­pre­sas.

No âm­bi­to do Pro­gra­ma de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal, o Exe­cu­ti­vo tem co­mo ob­jec­ti­vo con­ce­ber e exe­cu­tar as po­lí­ti­cas do em­pre­go e de for­ma­ção, acom­pa­nhar as po­lí­ti­cas glo­bais e sec­to­ri­ais, ela­bo­ran­do es­tu­dos e pro­pos­tas pa­ra acom­pa­nhar o de­sen­vol­vi­men­to do país e da mão-de-obra qua­li­fi­ca­da.

For­ma­ção de qua­dros

O Pla­no Na­ci­o­nal de For­ma­ção de Qua­dros (PNFQ) até 2025 vai pro­mo­ver e me­lho­rar o aces­so dos an­go­la­nos a um em­pre­go pro­du­ti­vo, qua­li­fi­ca­do e as­se­gu­rar a va­lo­ri­za­ção sus­ten­tá­vel dos re­cur­sos hu­ma­nos.

O PNFQ cons­ti­tui um ins­tru­men­to de ges­tão dos re­cur­sos hu­ma­nos pa­ra a eco­no­mia e vi­sa a me­lho­ria de com­pe­tên­ci­as à po­pu­la­ção ac­ti­va de­sem­pre­ga­da, cen­tra­das em ob­jec­ti­vos es­tra­té­gi­cos da eco­no­mia, as­se­gu­ran­do o equi­lí­brio en­tre a pro­cu­ra e a ofer­ta de mão-de-obra qua­li­fi­ca­da e com­pe­ten­te pa­ra os de­sa­fi­os ac­tu­ais e fu­tu­ros.

A ní­vel do país es­tão im­plan­ta­dos 595 cen­tros de for­ma­ção em ins­ti­tui­ções pri­va­das e 35 em ou­tros or­ga­nis­mos a for­mar jo­vens sob ori­en­ta­ção do MAPTSS.

De­pois de for­ma­dos, os no­vos pro­fis­si­o­nais con­tam com o apoio to­tal do Cen­tro Lo­cal de Em­pre­en­de­do­ris­mo e Ser­vi­ços de Em­pre­go (CLESE) em 56 cen­tros de em­pre­go. O Ban­co Sol tem si­do o par­cei­ro que fi­nan­cia o Mi­cro Cré­di­to Ami­go, que já be­ne­fi­ci­ou mais de 4.500 em­pre­en­de­do­res.

Des­tes, 13 já es­tão a ge­rar ou­tros em­pre­gos e ou­tros 1.338 in­ves­ti­do­res na ba­se da eco­no­mia for­mal.

O CLESE jo­ga um pa­pel im­por­tan­te, de­vi­do aos vá­ri­os pro­gra­mas que es­tão a ser im­ple­men­ta­dos pa­ra pro­por­ci­o­nar idei­as pa­ra ne­gó­ci­os es­tru­tu­ra­dos, abrir em­pre­sas e fa­ci­li­tar a co­lo­ca­ção dos jo­vens no mer­ca­do de tra­ba­lho.

O MAPTSS cri­ou ou­tros pro­gra­mas que pro­mo­vem e fa­vo­re­cem o aces­so aos jo­vens que pres­tam ser­vi­ço nos mercados e me­câ­ni­cos pa­ra ofi­ci­nas de ge­ra­do­res, com ofi­ci­nas nas zo­nas ru­rais per­to das re­si­dên­ci­as pa­ra fa­ci­li­tar a des­lo­ca­ção. O CLESE mi­nis­tra uma di­ver­si­da­de de cur­sos nas áre­as de con­ta­bi­li­da­de, in­for­má­ti­ca, elec­tri­ci­da­de, al­ve­na­ria, me­câ­ni­ca, cor­te e cos­tu­ra e ou­tros.

1.232 For­ma­do­res Es­te ano foi im­ple­men­ta­do o cur­so da agri­cul­tu­ra ten­do em con­ta a si­tu­a­ção ac­tu­al que o país vi­ve

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Cen­te­na de jo­vens es­tão a sair do de­sem­pre­go de­vi­do a gran­de apos­ta fei­ta pe­lo Es­ta­do na for­ma­ção pro­fis­si­o­nal

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.